Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2351 - FUNCHAL

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.05.17

TOMAS TRANSTRÖMER

FUNCHAL

 

Na praia, o restaurante, qual simples cabana levantada por náufragos. Muitos dão meia-volta ao chegar à porta, mas não os pés de vento vindos do mar. Num compartimento fumegante, um vulto, de pé, frita dois peixes segundo uma antiga receita do Atlântico: prquenas explosões de alho, azeite que ensopa rodelas de tomate. Cada garfada diz-nos que o oceano nos quer bem, é um canto a meia-voz vindo do profundo.

 

Olhamos um para o outro, ela e eu. É como subir por aquelas encostas acima, cobertas de flores silvestres, sem acusar o menor sinal de fadiga. Já tivemos tantas experiências juntos, recordamos nós, até momentos de que não éramos especialmente merecedores (como quando nos pusemos na bicha para dar sangue ao gigante do bem-estar - ele tinha ordenado transfusões (1)), acontecimentos que nos teriam separado se não nos tivessem unido, e recordámos casos que esquecemos juntos - mas que não se esqueceram de nós! Foram pedras, umas escuras, outras claras, pedras de um mosaico delapidado. E agora sucede isto: os cacos que esvoaçaram reúnem-se, o mosaico fica restaurado. Fica à nossa espera. Da parede do hotel refulge um design violento e terno, talvez seja até um rosto, não conseguimos apercerber-nos tal a pressa com que nos livrámos das roupas.

 

À tardinha, saímos. A pata enorme, de um azul-escuro, que é o cabo, parece ter sido atirada assim para o mar. Entramos no remoinho de gente: encontrões amistosos, suaves controlos, toda a gente a falar com vivacidade o idioma estrangeiro. "Ninguém é uma ilha." Fortalecemo-nos com os outros, mas também com nós próprios. Com aquilo que, dentro de nós, o outro não vê. Aquilo que tem o seu igual só em si mesmo. O paradoxo mais profundo, a flor que brota do chão da garagem, o ventilador voltado para o negrume benéfico. Uma bebida efervescente num copo vazio. Um altifalante que emite silêncio. Um atalho que fica intransitável à medida que por ele avançamos. Um livro que só pode ser lido nas trevas.

 

(1) Alusão às exortações à população sueca, por parte dos serviços do Estado.

 

Texto retirado do livro "50 Poemas" do poeta sueco Tomas Tranströmer nascido na cidade de Estocolmo a 15 de Abril de 1931. Com formação em Psicologia, História das Literatura e História das Religiões, publicou o seu primeiro livro «17 Poemas» em 1954. Ao longo da sua vida recebeu vários prémios de poesia e literatura (como o Prémio Internacional Neustadt e o do Forum de Poesia Internacional.

 

Em 2011 foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Literatura.

 

"50 Poemas" foi editado por Relógio D' Água Editores, em Julho de 2012, e a tradução do sueco foi feita por Alexandre Pastor

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas