Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#3071 - POEMA DE MANUEL AFONSO COSTA

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.12.19

 

as merendas do espírito,

as mãos, eram labor artificial,

separadas pelos sítios de culto,

pelo silêncio dos pastos;

até a luz acampando

na lâmina dos utensílios

ou sobre os ombros

era coisa do acaso;

havendo uma ordem

e havia

nada tinha a ver com as regras

de oficiantes programados,

era um mistério

a sabedoria litúrgica da ignorância;

se era douta ou divina,

é assunto que me ultrapassa

 

POEMA DE MANUEL AFONSO COSTA, «SERIA SEMPRE TARDE», ASSÍRIO & ALVIM, 2019

 

BIOGRAFIA

Fez o doutoramento no Departamento de Filosofia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e o Mestrado em História Cultural e Política na mesma Universidade. Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa e em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa. Professor Associado, desde 2012, na Faculdade de Direito da Universidade de Macau. Desde 2003, Professor Assistente na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Professor também na Universidade de Aix-Marseille. Escreveu diversos artigos sobre História, História das Ideias, Filosofia e Literatura em jornais e revistas de especialidade e é autor dos livros Introdução ao pensamento social francês do século XVIII, U.T.A.D, Vila Real (1987), A ideia de felicidade em Portugal no século XVIII, entre as luzes e o romantismo. Eticidade, moralidade e transcendência (2008). Tradutor de poesia e poeta, publicou Caligrafia imperial e dias duvidosos, Assírio & Alvim, Lisboa (2007); Os últimos lugares, Assírio & Alvim (2004), Os limites da obscuridade, Caminho (1990), O roubo da fala, Ágora (1981). Colabora com a Biblioteca Pública de Macau desde 2014.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40


#2340 - À MANEIRA DE YUAN MEI

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.05.17

 

 À MANEIRA DE YUAN MEI

 

No meio do silêncio

a memória fustiga

o rosto do homem

que fechou o coração

ele sabe que a chuva e o vento

não são nada comparados

com a tempestade que se abate

sobre a sua consciência

não ousa abrir a porta

ou mesmo um postigo

que dá para um pátio interior,

por qualquer deles

poderiam entrar as montanhas

e os mares em fúria.

 

Poema incluído no livro Memórias da Casa da China e de Outras Visitas, edição de fevereiro de 2017 da Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45


#2313 - MEMÓRIAS DA CASA DA CHINA

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.04.17

 

MEMÓRIAS DA CASA DA CHINA

 

Wei Mu e Wang Wei

apropriaram-se de nuvens

brancas e de coração pleno

foram juntar-se aos sete Sábios

do bosque sagrado de bambus

ao cruzarem-se com Ruan Ji

receberam como prova

da sua bondade

o negrume austero

dos olhos do poeta,

e assim, de coração lavado,

foram como eremitas purificar

os campos de levante

e abençoar os frutos

temporãos da primavera;

 

com um coração assim

até se pode viver

no meio dos homens.

 

POEMA DE MANUEL AFONSO COSTA INCLUÍDO NO LIVRO "MEMÓRIAS DA CASA DA CHINA E DE OUTRAS VISITAS" - EDIÇÃO ASSÍRIO & ALVIM DE FEVEREIRO DE 2017

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas