Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#3123 - O QUE É AMAR UM PAÍS

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.08.20

José Tolentino Mendonça, poeta e sacerdote, explica que o tempo atual representa também uma oportunidade para nos reencontrarmos. Confinados a um isolamento, compreendemos talvez melhor o que significa ser - e ser de forma radical - uma comunidade.

Neste pequeno volume reúnem-se três temas essenciais para a atualidade portuguesa: 1) o que é amar um país; 2) qual o sentido da palavra «esperança» em tempos de pandemia; e 3) de que forma a beleza, a graça e a fé podem combater a solidão e a calamidade do nosso tempo. O primeiro tema é abordado no discurso de José Tolentino Mendonça (que mereceu vários elogios públicos) nas cerimónias do Dia de Portugal a 10 de junho de 2020, aqui publicado na íntegra.

O segundo tema está na origem de um texto intitulado «O Poder da Esperança», publicado originalmente no início da pandemia, e onde se viaja pelo meio dos clássicos, da filosofia, da teologia e da poesia - como experiências da catástrofe e da terapia de resposta.

Finalmente, o livro encerra com onze textos dispersos que prolongam a leitura dos livros anteriores de José Tolentino Mendonça em torno da necessidade da beleza e contemplação em tempos de solidão, imprevisibilidade e dor extrema. Trata-se de um livro de grande urgência - que diz respeito a todos, crentes e não crentes. Sobretudo, a todos os portugueses.

«E bem precisávamos de um homem do humanismo e, portanto, da cultura, de um pensador, de um escritor, de um poeta para nos falar da importância dos outros e da sua redescoberta, a começar nas famílias, nas vizinhanças, nas amizades, da atenção aos mais pobres, vulneráveis e dependentes, do pacto entre gerações, tentando ultrapassar o abismo já cavado entre os mais e os menos jovens.»
Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, sobre o discurso do Cardeal Tolentino Mendonça.

O que É Amar um País. O Poder da Esperança.
ISBN: 9789897227097Ano de edição ou reimpressão: 08-2020Editor: Quetzal EditoresIdioma: PortuguêsDimensões: 126 x 196 x 11 mmEncadernação: Capa molePáginas: 136Tipo de Produto: LivroClassificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Outras Formas Literárias
 
FONTE: 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59


#2524 - O VERBO REZAR

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.07.17

JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

 

Há pessoas  que para rezar baixam os olhos, fecham nas mãos o rosto, voltam-se para o interior. E a oração configura-se como uma imersão, um mergulho, semelhante à imagem oferecida pelo pequeno poema de Matsuo Bashô: "Silêncio/ Uma rã mergulha/ Dentro de si". A oração é uma pedra que se afunda não dentro do lago, mas no interior vasto de si. Há outras pessoas, porém, que abrem esforçadamente os olhos ao rezar, que finalmente os abrem numa tentativa de olhar a vida no seu flagrante espanto, no seu rasgão dilacerante e no seu prazer vivo. Quer umas quer outras estão certas. Todas as formas de rezar são insuficientes. Todas são eficazes. A arte de rezar é a arte de ser, apenas isso. (...)

 

Excerto do texto "O Verbo Rezar" publicado na Revista E do jornal Expresso, edição 2333 de 15 de Julho de 2017, página 94 e que integra a rubrica semanal com o título  "Que coisa são as nuvens"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:05


#2123 - Que coisa são as nuvens

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.01.17

 JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

 

"Só aquilo que amamos com o extremo do amor não nos será tirado"

JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

 

RETIRADO DA CRÓNICA SEMANAL <QUE COISA SÃO AS NUVENS> E COM O TÍTULO "LEVANTA-TE E DANÇA" - REVISTA E - EDIÇÃO 2305, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2016

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33


#2079 - O VERBO PLANTAR

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.07.16

"(...O verbo plantar é um verbo humilde e silencioso; um artesanato primitivo, duro, plástico e incessante; quase tão antigo como o homem; ligado a uma das actividades decisivas na luta interminável pela subsistência o cultivo da terra...)"

 

In «Que coisas são as nuvens», crónica de José Tolentino Mendonça publicada na Revista E, edição 2279, de 2 de Julho 2016

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:18


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

#LERÉPODER 2020 - Large Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas