Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

Jorge Semprún nasceu em Madrid a 10 de Dezembro 1923. Exilado em França em Fevereiro de 1939, licenciou-se em Filosofia na Sorbonne. Em 1942, ingressou no Partido Comunista e participou na resistência anti-nazi. Detido em Setembro de 1943, foi deportado para Buchenwald, de onde só saiu em 1945. Entre 1953 e 1954, foi militante e depois dirigente do Partido Comunista espanhol, sob o pseudónimo Federicio Sánchez. Foi ministro da Cultura no governo socialista de Felipe Gonzáles entre 1988 e 1991.

A sua produção narrativa compreende, para além de Veinte Años y Un Día , (vencedor do Prémio Fundação José Manuel Lara Hernández), as obras El Desvanecimiento, La Segunda Muerte de Ramón Mercader (que obteve o Prémio Femina), Autobiografia de Federico Sánchez (Prémio Planeta), Aquel Domingo…, La Algarabía, La Montaña Blanca, Netchaiev Ha Vuelto e O Adeus de Federico Sánchez, fruto da experiência do seu regresso a Espanha na qualidade de ministro da Cultura.

É autor da adaptação francesa para teatro de El Vicario, de Rolf Hochhuth, dos guiões cinematográficos de La Guerre est Finie e Stavisky, para Alain Resnais, Z, La Confesión e Section Spéciale, para Costa-Gavras e Las Rutas del Sur, para Joseph Losey, entre outros.

São notáveis também os seus ensaios A Escrita ou a Vida e Adiós Luz de Veranos. Jorge Semprún é um escritor singular que se move com facilidade entre a autobiografia e o romance e que, apesar da sua nacionalidade espanhola, surpreende escrevendo em francês. A sua experiência no campo de concentração de Buchenwald marcou o carácter de toda a sua obra, onde se desenvolve a sua experiência na II Guerra Mundial, os seus trabalhos para a resistência, o seu recrutamento nos campos e a sua rejeição do estalinismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:23


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas