Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2562 - O ORIENTE É UMA BOCA

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.08.17

 

 

ISRAEL ELIRAZ

 

O ORIENTE É UMA BOCA

 

I .

Levanta o dedo e aponta

o centro no qual

 

o rapaz (de joelhos,

à tua frente) desenha

 

segundo as leis da luz

e as leis do ragga,

 

e como ele pergunta:

"estás dentro do teu corpo

 

ou és

o teu corpo?"

 

Põe no teu caminho

uma pausa de

flores

 

 

2 .

Um homem nu

levanta a alma

 

que levanta o corpo

à mão.

 

Subitamente ao corpo

falta corpo.

 

A boca, punho de ouro

empunha carvões de prazer.

 

Como uma pena,

uma mancha sobe

do calor do peito.

 

O que é que nasce

em ti, sem ti,

 

quando perguntas,

"estou mais ou menos

no centro disto?"

 

3 .

O oriente

é uma boca

 

para onde te voltas

de joelhos

 

à procura de matéria

mais rápida

 

que a luz, que o

ragga. Aprendes

 

com a energia do sol, com

o fruto acobreado no forno do olho:

 

o  que há - 

é isto! é o que há!

 

e há aquele

que antecede tudo

 

o que se disser 

dele

 

e sem ele -

não somos.

 

Poema de Israel Eliraz traduzido por Lúcia Liba Muckznik

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:58


Israel Eliraz

por Carlos Pereira \foleirices, em 31.03.09

 

O ORIENTE É UMA BOCA


I .

Levanta o dedo e aponta

o centro no qual


o rapaz (de joelhos,

à tua frente) desenha


segundo as leis da luz

e as leis do ragga,


e como ele pergunta:

"estás dentro do teu corpo


ou és

o teu corpo?"


Põe no teu caminho

uma pausa de

flores



2 .

Um homem nu

levanta a alma


que levanta o corpo

à mão.


Subitamente ao corpo

falta corpo.


A boca, punho de ouro

empunha carvões de prazer.


Como uma pena,

uma mancha sobe

do calor do peito.


O que é que nasce

em ti, sem ti,


quando perguntas,

"estou mais ou menos

no centro disto?"


3 .

O oriente

é uma boca


para onde te voltas

de joelhos


à procura de matéria

mais rápida


que a luz, que o

ragga. Aprendes


com a energia do sol, com

o fruto acobreado no forno do olho:


o  que há -

é isto! é o que há!


e há aquele

que antecede tudo


o que se disser

dele


e sem ele -

não somos.


Poema de Israel Eliraz traduzido por Lúcia Liba Muckznik

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas