Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2744 - Estado Segundo

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.01.18

 

 ESTADO SEGUNDO

 

No meio duma vedação circular, esperava a ocasião favorável

a ignominiosos projectos de entrada. E todas as noites, depois

do jantar, a comissão de dança abarrotava de gente.

Examinaram o anel pondo-o de parte, ainda dentro do quarto.

Qualquer coisa ardia ao contrário, com frieza de ânimo e contrariamente à expectativa.

Fixaram, também, com virginal indignação, o grande quadro a óleo que pendia do tecto,

certamente um ex-militar pois no seu casaco farraposo havia fitas de medalhas.

A cancela rangia docemente quando, na mão de alguém, uma ponta de preocupação se tornou de um

cinzento pouco recomendável.

- Não, muito obrigado...

O dia surgiu a partir da fachada. Não havia neles cabelos bancos nem uma só linha que estivesse seca.

 

POEMA DE MÁRIO CESARINY RETIRADO DO LIVRO "POESIA", PÁGINA 265, EDIÇÃO ASSÍRIO & ALVIM (PORTO EDITORA), NOVEMBRO DE 2017

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:44


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas