Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Inédito - os "Comodeantes" de Quiantandona, Penafiel

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.11.08

Dos campos para o palco do teatro

São agricultores, costureiras e domésticas no dia-a--dia, mas, de tempos a tempos, sobem ao palco e durante umas horas passam a ser actores e tudo o que não podem ser na vida normal.


Estamos no propalado Portugal profundo e é aí que reside a companhia ‘ComoDEantes’, em Quiantandona,Penafiel, uma das aldeias preservadas de Portugal. Até o presidente, Cavaco Silva, numa das presidências abertas, já por ali passou e não lhes poupou elogios.

O CM assistiu, anteontem, a uma actuação deste grupo de vinte actores. A peça em cena é ‘Eu voo para a América’. É ao ar livre. Faz frio, muito frio. Mas quem gosta aguenta e o espectáculo, de tão genuíno, deixa a sua indelével marca. Assistimos a uma história em que a ganância é a força motriz para que os acontecimentos se sucedam e tem origem nas mais entranhadas histórias populares portuguesas.

"É uma história que a minha avó com 85 anos diz que a sua avó lhe contava e remonta ao séc. XVIII, quando começaram a surgir os primeiros engenhocas a tentar construir aviões. É originária da zona de Vila Nova, Marco de Canaveses", contou ao CM o único profissional da companhia, Pedro Soares, no papel de encenador.

"Começo por juntar o grupo à volta de um gravador e conto uma história. Todos vão participando e acrescentando outras histórias paralelas, que têm raízes na cultura tradicional, até termos a história", afirmou o encenador.

O fim da história não se deve já contar, mas nesta peça, que até tem um coro como nas tragédias gregas, não há propriamente um final feliz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:55


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas