Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2564 - ODE A JACKSON DE FIGUEIREDO

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.08.17

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

 

ODE A JACKSON DE FIGUEIREDO

 

JACKSON,

nem amigo nem inimigo,

nem mesmo (o que seria cómodo) espectador displicente na sua poltrona

espiando teus gestos, tuas palavras e obras,

mas distante, extraordinariamente distante daquilo que foi a tua vida,

mais distante ainda dos mundos que exploraste, viajante inquieto, sem tempo para esgotá-los,

e só te conhecendo bem depois que abriste os braços para morrer,

aqui estou, testemunha, depondo.

 

Jackson,

os que te conheceram e te amaram,

os que te conheceram e não te amaram,

os que não tiveram tempo de te amar,

os que não cruzaram no teu destino, os que ignoram o teu nome, os que jamais saberão que exististe,

estão todos um pouco mais pobres do que eram antes.

Uns perderam o amigo.

Outros, o inimigo, o grande e belo inimigo que orgulha.

 

Outros nada perderam, e é tão triste, tão doloroso não perder nada.

Como estes, eu me sinto pobre da pobreza de não ter sido dos teus, Jackson,

e eu o sinto verdadeiramente por todos aqueles que jamais suspeitarão disso.

 

Voltou o tempo dos prodígios.

Ainda há pescas maravilhosas, eu sei,

e os peixes que arrebataste a um mar mais crespo que o de Tiberíades

estão cantando  a glória do Senhor.

 

Milhares de escamas, milhares de dorsos, de luzes, de almas

elevam um cântico tão puro que a terra se mistura com o céu

e nem se percebe o pescador que as ondas arrebatam,

que as ondas arrebatam violentamente, para depois se apaziguar,

enquanto o corpo mergulha e os peixes cantam a glória do Senhor.

 

Agora sentimos que estás mais perto de nós,

que por obscuros caminhos nos chegamos mais a ti,

(pouco importam as ondas e esta camada de terra que nos separa de tuas espécies em decomposição).

Muitas coisas nos ensinou a tua morte, que a tua boca não soubera exprimir

e a tua pesca mais opulenta, Jackson, foi a de ti mesmo pelo oceano,

pesca terrível e prodigiosa de amor e de redenção.

 

Belo Horizonte, 1929.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15


#2563 - REVISTA COLÓQUIO | LETRAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.08.17

colóquio letras 95005.jpg

 COLÓQUIO | LETRAS - N.º 135/136 - JANEIRO/JUNHO 1995

 

"... Eu diria saudando o autor das tábuas: uma erva eterna. Possa o cavalinho branco do nosso futuro apaziguar nela uma fome do corpo e da alma, um sonho de liberdade e dignidade colectivas que nascem e se cumprem no tempo mas que tempo algum pode medir."

 

FINAL DO DISCURSO  DE EDUARDO LOURENÇO LIDO DURANTE A HOMENAGEM A MIGUEL TORGA QUE TEVE LUGAR EM LISBOA (FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN) EM DEZEMBRO DE 1978, NA COMEMORAÇÃO DO 50.º ANIVERSÁRIO DA VIDA LITERÁRIA DO POETA E PUBLICADO NA REVISTA COLÓQIO | LETRAS

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:09


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas