Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2378 - Espanto e fragmento

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.05.17

Gonçalo M. Tavares

a interrogação, o questionar

 

Começar aqui é interromper uma tarefa noutro lado, claro.

 

A propósito de Heidegger, Steiner escreve. "Precisamos de dar mais assistência ao pensamento." (1)  Esta assistência, esta atenção cuidadosa pode ser interpretada como a atenção que se tem em relação a um ferido e, sendo assim, é quase comovente: não tires os olhos do pensamento; ele precisa de ti. Eis o que cada um de nós poderia dizer. E neste pensamento há uma marca que permite o avanço; a "fonte do pensamento genuíno é o espanto, espanto por, e perante o ser. O seu desenvolvimento é essa cuidada tradução do espanto em acção que é o questionar"(2), escreve Steiner. Questionar "é a tradução do espanto em acção". Não basta, pois, o espanto imóvel,  o espanto contemplativo, precisamos de um espanto agressivo, que ameace, que questione. Um espanto que sabe para onde vai. Como diz uma das personagens de Musil: é "tão simples ter força para agir e tão difícil encontrar um sentido para a acção!"(3)

Para Heidegger, segundo a interpretação de Steiner, as "técnicas metafísicas de argumentação e sistematização impedem-nos [...] de exprimir os nossos pensamentos no registo vital da interrogação"(4). Mas a interrogação é essencial. Impor afirmações que põem questões.

______________________________________________________

______________________________________________________

(1) - Steiner, George - Heidegger, 1990, p. 53, Dom Quixote.

(2) - Idem, p. 54.

(3) - Muitas das vezes, escreve ainda Musil, no mesmo excerto, o Homem encontra um sentido único e fecha-se nele: "o Homem não faz mais do que repetir, durante toda a sua vida, um só acto: ingressa numa profissão e progride nela".(Musil, Robert, O Homem sem Qualidades, 3.º Tomo, p. 90, Livros do Brasil)

(4) - Steiner, George - Heidegger, 1990, p.54, Dom Quixote

 

Excerto retirado do livro Atlas do Corpo e da Imaginação de Gonçalo M. Tavares, Capítulo I - O Corpo no Método, pags., 25 e 26 - Editorial Caminho, Setembro de 2013

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45


#2278 - Violência Civilizada

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.04.17

 "A pena de morte decidida por um tribunal torna-se assim, subitamente, num assassinato educado, segundo as determinações da civilização; assassinato delicado, pois, quase uma demonstração de boas-maneiras por parte do Estado: matamos, mas depois de ouvir os dois lados, depois do Tribunal reflectir longamente: matamos, ou apenas prendemos, mas de uma maneira intelectualmente elevada (continuemos na ironia): não somos bichos: não matamos nem raptamos sem primeiro reflectirmos. Depois de muito estudo e discussão dialéctica, então sim: agimos violentamente.

 

As decisões legais de um tribunal sobre o corpo são vistas assim, não como violências físicas mas como processos intelectuais, conclusões racionais de uma série de procedimentos cerebrais; a pena de morte ou a sentença que determina a prisão surgem como aparições racionais e não como aparições animalescas (como no caso dos crimes individuais). Determina-se a pena de morte da mesma maneira que se chega ao resultado único de uma equação matemática, com a mesma satisfação do dever cumprido e como conclusão de um processo longo. Diz-se, e repete-se: a lei não é  uma ciência e, no entanto, a lei tem consequências práticas mais importantes do que qualquer determinação científica. Uma lei age directa e imediatamente sobre o corpo dos homens, enquanto uma descoberta científica pode demorar anos até ter interferência concreta no dia concreto dos Homens. As leis do Estado são assim como que leis da Física - pensemos na lei da gravidade por exemplo -, que são feitas cumprir, não pela própria natureza - como a lei da gravidade (experimenta voar e verás) - mas pelos outros homens. Não voo, porque a Natureza não me deixa; e não mato porque os outros homens não me deixam.

 

Claro que há limites para esta aceitação da lei. Didier Eribon, num livro sabre a vida de Michel Foucault, cita a famosa frase de Camus: "Acredito na justiça, mas defenderei a minha mãe primeiro que a justiça"

 

Excerto do livro de Gonçalo M Tavares "Atlas do corpo e da imaginação", Editorial Caminho, Setembro de 2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:37


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas