Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#3074 - ROMANCE DE UM FUTURO NATAL (POEMA DE DAVID MOURÃO-FERREIRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.01.20

David Mourão-Ferreira  |||  24 fevereiro 1927 - 16 junho 1996

ROMANCE DE UM FUTURO NATAL

 

Vai a caminho de Marte

um foguetão de turistas

Turismo pobre   É um charter

de tarifa reduzida 

Ou serão refugiados

Parece que vão fugidos

Quem sabe de que se escapam

Quem sabe a que vão fugindo

 

Consta da lista uma grávida

com ar de Madona antiga

das que inda se desenhavam

nos fins do século vinte

Chegou à pista de embarque

mesmo à hora da partida

E traz escrito na face

o lance que decidira

 

Não quer que o seu filho nasça

na Terra que vai perdida

Dão-lhe razão    Todos sabem

que funda razão lhe assiste

Todos conhecem o estado

que a pobre Terra atingiu

sobretudo após a grave

crise do século trinta

 

Vão a caminho de Marte

como quem foge à desdita.

Sentem-se dentro da nave

bastante mais protegidos

É como voltar ao espaço

de antes de haverem nascido

Todos a grávida tratam

com cuidados infinitos

 

E sonham    Talvez em Marte

nem tudo esteja perdido

Mas não sabem que na cápsula

um grupo de terroristas

vai sabotando a viagem

mudando o rumo previsto

Fica tudo executado

em pouco mais de três dias

 

E torna de novo a nave

quase ao ponto de partida

Quem mais se aflige é a grávida

com ar de Madona antiga

ao ver que à Terra terá de

ir entregar o seu filho

Já lhe rebentam as águas

quando se apeia na pista

 

Já pra dentro de uma cave

os outros a encaminham

Já por entre as dor's do parto

um facho de luz luzia

Quem sabe se necessário

não fora enfim tudo isso

para que à Terra baixasse

mais um resgate possível

 

Pálida pálida pálida

lívida lívida lívida

de costas a mulher grávida

já vagamente sorria

 

Poema de David Mourão-Ferreira, in Obra Poética (1948-1995), edição Assírio & Alvim, Novembro de 2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:38


#3071 - POEMA DE MANUEL AFONSO COSTA

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.12.19

 

as merendas do espírito,

as mãos, eram labor artificial,

separadas pelos sítios de culto,

pelo silêncio dos pastos;

até a luz acampando

na lâmina dos utensílios

ou sobre os ombros

era coisa do acaso;

havendo uma ordem

e havia

nada tinha a ver com as regras

de oficiantes programados,

era um mistério

a sabedoria litúrgica da ignorância;

se era douta ou divina,

é assunto que me ultrapassa

 

POEMA DE MANUEL AFONSO COSTA, «SERIA SEMPRE TARDE», ASSÍRIO & ALVIM, 2019

 

BIOGRAFIA

Fez o doutoramento no Departamento de Filosofia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e o Mestrado em História Cultural e Política na mesma Universidade. Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa e em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa. Professor Associado, desde 2012, na Faculdade de Direito da Universidade de Macau. Desde 2003, Professor Assistente na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Professor também na Universidade de Aix-Marseille. Escreveu diversos artigos sobre História, História das Ideias, Filosofia e Literatura em jornais e revistas de especialidade e é autor dos livros Introdução ao pensamento social francês do século XVIII, U.T.A.D, Vila Real (1987), A ideia de felicidade em Portugal no século XVIII, entre as luzes e o romantismo. Eticidade, moralidade e transcendência (2008). Tradutor de poesia e poeta, publicou Caligrafia imperial e dias duvidosos, Assírio & Alvim, Lisboa (2007); Os últimos lugares, Assírio & Alvim (2004), Os limites da obscuridade, Caminho (1990), O roubo da fala, Ágora (1981). Colabora com a Biblioteca Pública de Macau desde 2014.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40


#3027 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.08.19

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:25


#2139 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.01.17

ruy cinatti029.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:35


#1859 - "SERVIDÕES" novo livro de Herberto Helder

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.05.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:34


#1648 - Os Livros

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.03.12

quadro de joana rego

 

 

É então isto um livro,

este, como dizer?, murmúrio,

este rosto virado para dentro de

alguma coisa escura que ainda não existe

que, se uma mão subitamente

inocente a toca,

se abre desamparadamente

como uma boca

falando coma nossa voz?

É isto um livro,

esta espécie de coração (o nosso coração)

dizendo 'eu' entre nós e nós?

 

Poema de Manuel António Pina, "como se desenha uma casa", edição Assírio & Alvim, 2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:07


#1371 - Fragmentos de Píndaro

por Carlos Pereira \foleirices, em 20.05.11

 

e torna ágil o sentido, e tão longa a vida, na sua demora precipitada:

 

Por fim, pensei: deixar-me-ei eternamente abalar pelos sofismas dos bens falantes, quando nem sequer estou certo de que as opiniões que apregoam, e que, com tanto ardor, tentam forçar os outros a adoptar, são exactamente as suas? As suas paixões, que regem a sua doutrina, o seu interesse em fazer acreditar nisto ou naquilo, tornam impossível perceber aquilo em que eles próprios acreditam. Será possível procurar boa fé em chefes de partido? A sua filosofia destina-se aos outros; precisava de uma para mim. Procurá-la-ei com todas as minhas forças enquanto ainda é tempo, a fim de adquirir uma regra fixa de conduta para o resto dos meus dias. Eis-me na idade madura, na plenitude do entendimento. Já me vou aproximando do declínio. Se espero mais tempo, já não poderei servir-me de todas as minhas forças nas minhas deliberações tardias; as minhas faculdades intelectuais já terão perdido eficácia, farei menos bem o que hoje posso fazer o melhor possível: o momento é favorável; se chegou a época da minha reforma externa e material, que ela seja também a época da minha reforma intelectual e moral. Fixarei, de uma vez por todas, as opiniões, os princípios, e serei para o resto da minha vida o que achar que devo ser, depois de ter reflectido bem.

 

[J. J. Rousseau, Os devaneios do caminhante solitário, tradução de Henrique de Barros, Lisboa, 1989, pp. 36-37]

 

Retirado do livro 'Fragmentos de Píndaro', de Friedrich Holderlin, edição Assírio & Alvim, 2009

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:19


#1209 - Bernardo Soares

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.02.10


Ter opiniões é estar vendido a si mesmo. Não ter opiniões é existir. Ter todas as opiniões é ser poeta.


::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::.


O entusiasmo é uma grosseria.

A expressão do entusiasmo é, mais do que tudo, uma violação dos direitos da nossa insinceridade.

Nunca sabemos quando somos sinceros. Talvez nunca o sejamos. E mesmo que sejamos sinceros hoje, amanhã podemos sê-lo por coisa contrária.


Por mim não tive convicções. Tive sempre impressões. Nunca poderia odiar uma terra em que eu houvesse visto um poente escandaloso.


Exteriorizar impressões é mais persuadirmo-nos de que as temos do que termo-las.


O Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa (Bernardo Soares), edição de Richard Zenith - Assírio & Alvim, edição 490. 1.ª Edição: Setembro 1998 | 5.ª Edição: Março de 2005

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:10


#1208 - Sinais de Vida

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.02.10



ANJO MORTO


O corpo passa entre fendas na madeira.


Graficamente a representação é igual

aos veios claros e escuros. Podes

ser um corpo e no entanto também uma

linha cor de sépia. Tu foste

asfixiado pela Poética. A liberdade que

Te era possível na estrutura do Poe-

ma levou-te até à agonia. Mas a voz

em estertor é minha. E as linhas frágeis

no papel comovem-me. Tu és o Único

nesta gravura baça a água-forte.


És um resíduo incandescente. Quan-

do Te invoco recupero-Te poe-

ticamente. Nada de Ti me falta. Apenas

não Te conheço mais completo do que

ver-Te entre fendas. Ou sem lucidez.

A possibilidade que tens de me seres

alheio torna-Te incisivo como o corte

da goiva. A tua presença morta é a úl-

tima confirmação da natureza íntima

da imagem. Sulco morto na matéria.


Poema de Fiama Hasse Pais Brandão extraído do livro "Obra Breve - Poesia Reunida", edição Assírio & Alvim n.º 0976, Maio de 2006

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:51


#1044 - Novidades da Assírio & Alvim

por Carlos Pereira \foleirices, em 22.11.09

 

A reedição de Os Passos em Volta é em capa dura. A de Gilles Deleuze, tem nova tradução e nova capa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:15


#1010 - Gastão Cruz

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.11.09

Então a Voz

Então a voz passou por cima

do oceano
e era um som de vagas
 
o mesmo som ouvido nos verões
quando a luz sobre a pele
se transformava em água

 

Gastão Cruz, Os Poemas [1960-2006] - já disponível nas livrarias


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:58


#998 - Herberto Helder, A Faca não corta o fogo

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.11.09

 

alexandra de pinho

O que está escrito no mundo está escrito de lado

 

 

a lado do corpo - e tu, pura alucinação da memória,

entra no meu coração como um braço vivo:

o dia traz as paisagens de dentro delas, a noite é um grande

buraco selvagem -

e a voz agarra em todo o espaço, desde o epicentro às constelações

dos membros abertos: e irrompe o sangue

das imagens ferozes:

as rótulas unidas aos dentes e,

como um sexo trilhado:

a boca expele por entre os joelhos o seu grito com a fundura

de uma paisagem - uma

paisagem arrancada ao meio da noite, com as golfadas

de luz

que se despenharam: porque não há lembrança

dos jardins refrigerados com seus pequenos planetas

fotostáticos

levitando - a loucura está tão próxima que o meu braço

se entranha na água, e este atelier onde escrevo

sobe

dos precipícios curvos, forte desde o fundo:

aquilo que se escreve é o próprio corpo pregado como uma estrela

à purpura das madeiras, aos lençóis

ofuscantes cheios de sangue, de água

magnetizada - e esta sala brilhando apoia-se às espáduas,

e em baixo a queimadura

dos instetinos arde do alimento: os cabelos luzem, o rosto

plantado

em sua estaca de sangue como uma grande veia animal -

eu tenho sangue até às órbitas: a estrela fechada eleva-se

no remoinho da garganta - e levanto  a mão e explode

cinematograficamente

a imagem da própria mão

afogada

- porque eu morro da minha vida grave: a longa pálpebra

do corpo cerra-se

sobre a fenda negra aberta à paisagem que corre

como uma chama

por toda a casa - ceifem-me os cabelos à luz

panorâmica: e nas raízes sangrentas

a cabeça queima-se como a lua queima as roupas

levantadas - o meio do vento que cresce nesses cabelos cresce

dentro de mim: meu coração aumenta como uma pedra

aumenta

exposta às mãos como outra mão

de carne larga - esse

osso vedado alumiando o fundo da cabeleira que cortam

como se corta a noite

com uma foice, e os ossos se cortam a plena voz,

na terra, num incêndio completo, enquanto

ceifam: porque há uma cabeça no centro

do choque

do corpo: uma cabeça movida pelo refluxo escuro dos dias

sem fracturas: a cabeça

que vê e cheira e que se abre e fecha

e ouve e refulge e morde

e come depressa e respira para dentro e para fora -

e a voz ascende de todas as raízes entrelaçadas

- a largura, o sangue, o movimento: a fruta em claridade

entre as unhas,

labaredas, um puro génio mundial - tudo como uma forma límpida,

sutura

do coração, uma leveza tremenda

no poder: quando op dia é muito perto, uma estrela comprida

- as mães brilhavam: o que eu escrevo, elas o escreviam

na queimadura da paisagem: uma visão

cerrada pela força: e um comeya desentranha-se

da branca carnagem das memórias, fervendo

entre axilas e falangetas como

um braço, ou uma dança luzente na sua teia até às pálpebras -

o que se lembra e pulsa: fibras

vivas

de uma vara embrenhada no meio da água,

e à volta os planetas oscilam como folhas cantando

desde o abismo -

os dedos das mães nas linhas sangrentas que cosem

profundamente

o espelho e a imagem, como pelas artérias se cose

o coração

aos pedaços de carne, entre orifícios

negros, ressacas

fulgurantes, o corpo aberto com o centro estancado na terra.


Poema de Herberto Helder, do livro "A Faca não corta o fogo", edição Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:27


Novo Livro de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.04.09

A Assírio & Alvim vai lançar este mês o novo livro de Manuel António Pina que é destinado essencialmente ao público infanto-juvenil.

O livro tem como título "História do Sábio Fechado na Sua Biblioteca".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08


Teoria sentada

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.02.09

alexandra de pinho

 

A minha idade é assim - verde, sentada.

Tocando para baixo as raízes da eternidade.

Um grande número de meses sem muitas saídas,

soando

estreitos sinos, mudando em cores mergulhadas.

A minha idade espera, enquanto abre

os seus candeeiros. Idade

de uma voracidade masculina.

Cega.

Parada.

Algumas fixam-se à sua volta.


Idade que ainda canta com a boca

dobrada. As semanas caminham para diante

com um espírito dentro.

Mergulham na sua solidão, e aparecem

batendo contra a luz.

É uma idade com sangue prendendo

as folhas. Terrível. Mexendo

no lugar do silêncio.

Idade sem amor bloqueada pelo êxtase

do tempo. Fria.

Com a cor imensa de um símbolo.


Eu trabalho nas luzes antigas, em frente

das ondas da noite. Bato a pedra

dentro do meu coração. Penso, ameaçado pela morte.

É uma raíz séca, canta-se

no calor. É uma idade cor da salsa.

Amarga. Imagino

dentro de mim. Trabalho de encontro à noite.

Procuro uma imagem dura.


Estou sentado, e falo da ironia de onde

uma rosa se levanta pelo ar.

A idade é uma vileza espalhada

no léxico. Em sua densidade quebram-se

os dedos. Está sentada.

Os poentes ciclistas passam sem barulho.

Passam animais de púrpura.

Passam pedregulhos de treva.

É para a frente que as águas escorregam.


Idade que a candura da vida sufoca,

idade agachada, atenta

à sua ciencia. Que imita por um lado

as nações celestes. Que imita

por um lado a terra

quente.

Trabalhando, nua, diante da noite.

 

Herberto Helder - Ofício Cantante, Assírio & Alvim, edição 1297, Janeiro de 2009

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:12


Poesia completa de Herberto Helder

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.01.09

Ofício Cantante - Poesia Completa (Assírio & Alvim) em breve nas livrarias. O volume de 624 páginas inclui, entre vários inéditos, todos os poemas do já esgotado A Faca Não Corta o Fogo, lançado em 2008. [In. Revista Ler]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:39


Herberto Helder - A faca não corta o fogo

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.11.08

As mulheres têm uma assombrada roseira

fria espalhada no ventre.

Uma quente roseira às vezes, uma planta

de treva.

Ela sobe dos pés e atravessa

a carne quebrada.

Nasce dos pés, ou da vulva, ou do ânus -

e mistura-se nas águas,

no sonho da cabeça.

As mulheres pensam como uma impensada roseira

que pensa rosas.

Pensam de espinho para espinho,

param de nó em  nó.

As mulheres dão folhas, recebem

um orvalho inocente.

Depois sua boca abre-se.

Verão, outono,  a onda dolorosa e ardente

das semanas,

passam por cima. As mulheres cantam

na sua alegria terrena.

 

Que coisa verdadeira cantam?

Elas cantam.

São fehadas e doces, mudam

de cor, anunciam a felicidade no meio da noite,

os dias rutilantes, a graça.

Com lágrimas, sangue, antigas subtilezas

e uma suavidade amarga -

as mulheres tornam impura e magnífica

nossa límpida, estéril

vida masculina.

Porque as mulheres não pensam: abrem

rosas tenebrosas,

alagam a inteligência do poema com o sangue menstrual.

São altas essas roseiras de mulheres,

inclinadas como sinos, como violinos, dentro

do som.

Dentro da sua seiva de cinza brilhante.

 

O pão de aveia, as maçãs no cesto,

o vinho frio,

ou a candeia sobre o silêncio.

Ou a minha tarefa sobre o tempo.

Ou o meu espírito sobre Deus.

Digo: minha vida é para as mulheres vazias,

as mulheres dos campos, os seres

fundamentais

que cantam de encontro aos sinistros

muros de DEus.

As mulheres de ofício cantante que a Deus mostram

a boca e o ânus

e a mão vermelha lavrada sobre o sexo.

 

Espero que o amor enleve a minha melancolia.

E flores sazonadas estalem e apodreçam

docemente no ar.

E a suavidade e a loucura parem em mim,

e depois o mundo tenha cidades antiga

que ardam na treva sua inocência lenta

e sangrenta.

Espero tirar de mim o mais veloz

apaixonamento e a inteligência mais pura.

- Porque as mulheres pensarão folhas e folhas

no campo.

Pensarão na noite molhada,

no dia luzente cheio de raios.

 

Vejo que a morte se inspira na carne

que a luz martela de leve.

Nessas mulheres debruçadas sobre a frescura

veemente da ilusão,

nelas - envoltas pela sua roseira em brasa -

vejo os meses que respiram.

Os meses fortes e pacientes.

Vejo os meses absorvidos pelos meses mais jovens.

Vejo meu pensamento morrendo na escarpada

treva das mulheres.

 

E digo: elas cantam a minha vida.

Essas mulheres estranguladas por uma beleza

incomparável.

Cantam a alegria de tudo, minha

alegria

por dentro da grande dor masculina.

Essas mulheres tornam feliz e extensa

a morte da terra.

Elas cantam a eternidade.

Cantam o sangue de uma terra exaltada.

 

Poema de Humberto Helder, extraído do Livro "A faca não corta o fogo", edição 1268, Setembro de 2008, da  Assírio & Alvim,

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:51


O Enforcado

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.10.08

No gesto suspensivo de um sobreiro,

o enforcado

 

Badalo que ninguém ouve,

espantalho que ninguém vê,

suas botas recusam o chão que o rejeitou.

 

Dele sobra o cajado.

 

Poema de Alexandre O' Neill, Poesias Completas, Assírio & Alvim, Edição 605, 2000

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59


Hino ao Pássaro do Trovão

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.09.08

No lugar sagrado,

na casa feita de aurora,

na casa feita de crepúsculo,

na casa feita de nuvem sombria,

na casa feita de bruma e chuva, de gafanhotos, de pólen,

onde a negra bruma cerra a entrada

-senda aonde o arco-íris leva -

onde os raios rasgam o alto,

ó viril divindade!

Com teus mocassins de nuvens negras, vem até nós,

com calças e camisa e cabeleira de nuvens negras, vem até nós,

com o pensamento envolto em nuvens negras, vem até nós,

com o sombrio trovão por cima, vem voando até nós,

com a nuvem formada aos pés, vem voando até nós,

com a obscuridade formada pela nuvem negra que está sobre a tua cabeça, voando vem  até               nós,

com os raios cruzados ribombando ao alto sobre a cabeça,

com o arco-íris suspenso ao alto sobre a cabeça, voando vem até nós,

com a obscuridade formada nas asas por nuvens negras,

com a longínqua obscuridade formada na ponta das asas por chuva e bruma, voando vem                   até nós,

com os raios cruzados, com o arco-íris suspenso ao alto sobre a ponta das asas, voando                      vem até nós,

com a obscuridade próxima formada por nuvens negras, por chuva e bruma, vem até nós,

com a obscuridade da terra, vem até nós.

Que flutue a espuma à tona da água sobre as raízes do trigo alto.

Em tua honra preparei um fogo que fumega,

em tua honra consumei o sacrifício.

Oh, aquece-me os pés,

aquece-me o corpo, os membros, o espírito, a voz.

Afasta o encantamento, aquece-me, favorece-me, afasta o encantamento.

Arrancaste-o de mim, levaste-o para longe, para longe de mim.

E agora curo-me, recupero a força, recupero a frescura,

a frescura sobe-me à cabeça, a força.

Movo-me com movimentos novos, ouço com ouvidos novos, olho com olhos novos.

Caminho, livre do tormento caminho, com uma luz no coração caminho, felizmente caminho.

Quero abundância de nuvens sombrias,

quero abundância de erva,

abundância de pólen,

abundância de orvalho.

Que venha contigo até aos confins da terra o belo fermento branco,

que venham até aos confins da terra o belo fermento amarelo, o belo fermento azul,

o belo fermento de todas as espécies,

as plantas de todas as espécies,

os bens de todas as espécies,

as jóias de todas as espécies,

que venham contigo até aos confins da terra.

Que venham contigo à frente, atrás, por baixo, por cima, à volta, que venham contigo até aos                    confins da terra.

Que se consume a obra.

Avanço dentro da beleza,

com a beleza à minha frente, sim, eu avanço,

com a beleza por trás das minhas costas, sim, eu avanço,

com a beleza por cima de mim e à minha volta, sim, eu avanço.

Em plena beleza tudo se consuma, sim, tudo se consuma, sim, eu avanço.

 

Origem do Poema: América do Norte, Nação dos Navajos.

Versão de Herberto Helder.

Retirado do Livro "Rosa do Mundo - 2001 Poemas para o futuro, edição Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:09


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

Livros Young Adult Fev 2020 - Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas