Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2041 - A MULHER QUE CRIOU A TERRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.06.16

IROQUESES

 

A MULHER QUE CRIOU A TERRA - (MITO DA CRIAÇÃO)

 

No início não existia terra para se viver, mas lá em cima, no grande azul, habitava uma mulher sonhadora. Uma noite sonhou com uma árvore coberta de rebentos brancos, que iluminava o céu quando as suas flores se abriam, mas que trazia uma terrível escuridão quando elas se voltavam a fechar. O sonho assustou-a, de modo que foi ter com os sábios homens velhos que viviam com ela, na sua aldeia no céu, e contou-lhes.

 

«Puxem esta árvore mais para cima», implorou-lhes, mas eles não entendiam. Tudo o que faziam era escavar à volta das raízes, tentando arranjar  espaço para haver mais luz. Então a árvore caiu no buraco que eles fizeram e desapareceu. Depois disso, deixou de haver luz, apenas escuridão.

 

Os homens velhos começaram a ter medo das mulheres e dos seus sonhos. Era dela a culpa da luz se ter ido para sempre.

 

Então puxaram-na até ao buraco e empurraram-na. Sentiu-se a cair, para o fundo, em direcção ao grande vazio. Debaixo dela não existia nada para além de uma terrível quantidade de água. Esta estranha mulher sonhadora do grande azul, certamente teria ficado desfeita em mil bocados, não fosse um peixe-águia que veio em seu socorro. As suas penas formaram uma almofada que permitiu à mulher uma aterragem suave por.. cima das ondas.

 

Entretanto, o peixe-águia não conseguia sozinho mantê-la. Ele precisava de ajuda. Chamou pelas criaturas das profundidades. «Temos que encontrar alguma coisa sólida onde esta mulher possa descansar», disse ansiosamente. Só que não existia nenhum pedaço sólido, apenas as águas tormentosas e sem fim.

 

Um mergulhão desceu na água, para baixo, até ao fundo do mar e trouxe de lá um pouco de lama no seu bico. Encontrou uma tartaruga, espalhou a lama no seu casco e mergulhou outra vez para trazer mais lama.

 

Então os patos juntaram-se-lhes. Eles gostavam de se sujar com lama e portanto ajudaram a trazer mais alguma nos seus bicos, espalhando-a por cima da tartaruga. Os castores também ajudaram - eles eram grandes construtores - e trabalharam muito, tornando a carapaça da tartaruga cada vez maior.

 

Agora toda a gente estava muito ocupada e entusiasmada. Este mundo que eles estavam a construir começava a ficar enorme! Os pássaros e os animais apressavam-se, construindo países, continentes, até que por fim tinham construído toda a terra. Durante todo esse tempo, a mulher do céu esteve sempre calmamente sentada nas costas da tartaruga.

 

Ela ainda aguenta a terra até hoje.

 

IROQUESES, AMÉRICA DO NORTE

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:25


#1769 - Hino ao pássaro do trovão

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.11.12

No lugar sagrado,

na casa feita de aurora,

na casa feita de crepúsculo,

na casa feita de nuvem sombria,

na casa feita de bruma e chuva, de gafanhotos, de pólen,

onde a negra bruma cerra a entrada

- senda aonde o arco-íris leva -

onde os raios rasgam o alto,

ó viril divindade!

Com teus mocassins de nuvens negras, vem até nós,

com calças e camisa e cabeleira de nuvens negras, vem até nós,

com o pensamento envolto em nuvens negras, vem até nós,

com o sombrio trovão por cima, vem voando até nós,

com a nuvem formada aos pés, vem voando até nós,

com a obscuridade formada pela nuvem negra que está sobre a tua

              cabeça, voando vem até nós,

com os raios cruzados ribombando ao alto sobre a cabeça,

com o arco-íris suspenso ao alto sobre a cabeça, voando vem até nós,

com a obscuridade formada nas asas por nuvens negras,

com a longíqua obscuridade formada na ponta das asas por chuva

              e bruma, voando vem até nós,

com os raios cruzados, com o arco-íris suspenso ao alto sobre a ponta

              das asas, voando vem até nós,

com a obscuridade próxima formada por nuvens negras, por chuva

              e bruma, vem até nós,

com a obscuridade da terra, vem até nós.

Que flutue a espuma à tona da água sobre as raízes do trigo alto.

Em tua honra preparei um fogo que fumega,

em tua honra consumei o sacrifício.

Oh, aquece-me os pés,

aquece-me o corpo, os membros, o espírito, a voz.

Afasta o encantamento, aquece-me, favorece-me, afasta o encantamento.

Arrancaste-o de mim, levaste-o para longe, para longe de mim.

E agora curo-me, recupero a força, recupero a frescura,

a frescura sobe-me à cabeça, a força.

Movo-me com movimentos novos, ouço com ouvidos novos, olho com olhos novos.

Caminho, livre do tormento caminho, com uma luz no coração caminho, felizmente caminho.

Quero abundância de nuvens sombrias,

quero abundância de erva,

abundância de polén,

abundância de orvalho.

Que venha contigo até aos confins da terra o belo fermento branco,

que venham até aos confins da terra o belo fermento amarelo, o belo fermento azul,

o belo fermento de todas as espécies,

as plantas de todas as espécies,

os bens de todas as espécies,

as jóias de todas as espécies,

que venham contigo até aos confins da terra.

Que venham contigo à frente, atrás, por baixo, por cima, à volta, que venham contigo até aos confins da terra.

Que se consume a obra.

Avanço dentro da beleza,

com a beleza à minha frente, sim, eu avanço,

com a beleza por trás das minhas costas, sim, eu avanço,

com a  beleza por cima de mim e à minha volta, sim, eu avanço.

Em plena beleza tudo se consuma, sim, tudo se consuma, sim, eu avanço.


América do Norte, Navajos - Versão de Herberto Helder

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:36


Na hora da despedida

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.01.09

Estão previstas mais de mil festas em todo mundo para celebrar a despedida de Bush, considerado o pior presidente dos Estados Unidos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:40


Hino ao Pássaro do Trovão

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.09.08

No lugar sagrado,

na casa feita de aurora,

na casa feita de crepúsculo,

na casa feita de nuvem sombria,

na casa feita de bruma e chuva, de gafanhotos, de pólen,

onde a negra bruma cerra a entrada

-senda aonde o arco-íris leva -

onde os raios rasgam o alto,

ó viril divindade!

Com teus mocassins de nuvens negras, vem até nós,

com calças e camisa e cabeleira de nuvens negras, vem até nós,

com o pensamento envolto em nuvens negras, vem até nós,

com o sombrio trovão por cima, vem voando até nós,

com a nuvem formada aos pés, vem voando até nós,

com a obscuridade formada pela nuvem negra que está sobre a tua cabeça, voando vem  até               nós,

com os raios cruzados ribombando ao alto sobre a cabeça,

com o arco-íris suspenso ao alto sobre a cabeça, voando vem até nós,

com a obscuridade formada nas asas por nuvens negras,

com a longínqua obscuridade formada na ponta das asas por chuva e bruma, voando vem                   até nós,

com os raios cruzados, com o arco-íris suspenso ao alto sobre a ponta das asas, voando                      vem até nós,

com a obscuridade próxima formada por nuvens negras, por chuva e bruma, vem até nós,

com a obscuridade da terra, vem até nós.

Que flutue a espuma à tona da água sobre as raízes do trigo alto.

Em tua honra preparei um fogo que fumega,

em tua honra consumei o sacrifício.

Oh, aquece-me os pés,

aquece-me o corpo, os membros, o espírito, a voz.

Afasta o encantamento, aquece-me, favorece-me, afasta o encantamento.

Arrancaste-o de mim, levaste-o para longe, para longe de mim.

E agora curo-me, recupero a força, recupero a frescura,

a frescura sobe-me à cabeça, a força.

Movo-me com movimentos novos, ouço com ouvidos novos, olho com olhos novos.

Caminho, livre do tormento caminho, com uma luz no coração caminho, felizmente caminho.

Quero abundância de nuvens sombrias,

quero abundância de erva,

abundância de pólen,

abundância de orvalho.

Que venha contigo até aos confins da terra o belo fermento branco,

que venham até aos confins da terra o belo fermento amarelo, o belo fermento azul,

o belo fermento de todas as espécies,

as plantas de todas as espécies,

os bens de todas as espécies,

as jóias de todas as espécies,

que venham contigo até aos confins da terra.

Que venham contigo à frente, atrás, por baixo, por cima, à volta, que venham contigo até aos                    confins da terra.

Que se consume a obra.

Avanço dentro da beleza,

com a beleza à minha frente, sim, eu avanço,

com a beleza por trás das minhas costas, sim, eu avanço,

com a beleza por cima de mim e à minha volta, sim, eu avanço.

Em plena beleza tudo se consuma, sim, tudo se consuma, sim, eu avanço.

 

Origem do Poema: América do Norte, Nação dos Navajos.

Versão de Herberto Helder.

Retirado do Livro "Rosa do Mundo - 2001 Poemas para o futuro, edição Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:09


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas