Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#3193 - ENTRE OS ATOS

POEMA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.11.21

ENTRE OS ATOS

 

Espantamo-nos por encontrar o mundo na nossa memória

o mundo que se começa a ouvir no fundo da casa

o mundo que circula em nós entre os corpos deitados

no meio do terreiro da dança

nas cabanas indígenas

no assobio que os indígenas trazem amarrado ao pescoço

com uma atenção fascinada

o mundo que é um dos raros animais

que sabe descer as árvores de cabeça para baixo

 

Espantamo-nos por uma conivência

atestada desde há muito

nos ser entregue de chofre

cheirosa como uma floresta inteira

uma agitação de enxame

uma oficina celeste

a entrelaçar-se no sopro

fosse o que fosse

a zumbir em volta do rosto

 

O mundo é às um toldo que desdobramos às apalpadelas

durante o dilúvio

espantamo-nos que reproduza

na nossa cabeça o grito de uma pintura rupestre

os trilhos que ninguém me diz terem mudado de sítio

as recitações entre duas tormentas

que permitirão às fibras dessa árvore interna sobreviver

o resgate e as cores das casas

onde voltados de lado

repetidamente morremos

 

O mundo desencadeia-se em plena noite

organiza a vida errante

escolhe itinerários, fixa as paragensele

transforma a língua daquele que o mastiga

em corpo estranho

em fabrico inédito da sua matéria anónima

e assim nos dá a contemplar

a imagem irreconhecível

 

POEMA DE JOSÉ  TOLENTINO DE MENDONÇA in "Introdução à Pintura Rupestre"

 

____________________________________________________________________

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:23


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

#LERÉPODER 2020 - Large Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard

Arquivo



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas