Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




4R-Quarta República

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.10.08

Notícias com tradução simultânea

 

Nunca fui grande consumidora de televisão mas gostava de ver os programas informativos e os debates, confiando que seria uma maneira relativamente fácil de conhecer os factos e de ouvir pessoas especializadas em cada área a trocar ideias sobre os mesmos, habilitando-me a formar a minha própria leitura dos factos.
Mas esses formatos cedo se transformaram numa espécie de programas de entretenimento, em que o prazer de dissecar notícias, perorar sobre elas e tergiversar sobre as suas implicações se tornou numa espécie de desporto. Abre-se a televisão para ver as notícias e o que é que se vê? Jornalistas a lerem notícias e logo a seguir opiniões, análises, comentários de…outros jornalistas! O que parece é que os factos que apresentam são só meros pretextos para explodirem na sua apreciação, para se sentarem sucessivamente na cadeira de entrevistador ou de entrevistado, tudo num círculo quase fechado, com a cumplicidade do tratamento por tu, que cria a maior das confusões e que impede que se distinga com clareza quem deve informar e quem deve esclarecer as dúvidas que a informação suscita. Que torna praticamente impossível destrinçar o que são factos e o que são leituras derivadas.
Não quero com isto dizer que não possa haver pessoas que, além de jornalistas, têm também capacidade para analisar e comentar certos temas específicos, mas nesse caso é nessa qualidade que devem intervir, e não na de jornalista. A questão é que a credibilidade e a competência estão hoje completamente confundidas com o número de vezes que se aparece no ecrán ou aos microfones, ou seja, parte-se do princípio de que uma cara bem conhecida da televisão capta tantas ou mais audiências atentas e crédulas como qualquer guru especializado na matéria. E que é mais eficaz apresentá-lo como jornalista do que como economista, ou jurista, que porventura também seja.
Na rádio é mais ou menos o mesmo, sintoniza-se um posto e lá estão as tertúlias entre jornalistas, seja o tema questões internacionais, económicas, judiciais, desportivas, sociais, relatórios mundiais, guerra ou paz. Ou então chama-se um nome sonante para falar sobre a matéria e a seguir o que ele disse é logo desfeito, ampliado ou retalhado, já se isolou o que interessa e se omitiu o que não convém ou não se entendeu, tudo de repente, num frenesim ouve-comenta-conclui, uma verdadeira trituradora que muitas vezes deixa irreconhecíveis as notícias e as declarações que lhes serviram de pretexto.
Está instalado um exercício de “tradução simultânea” que não deixa espaço para que o espectador forme a sua própria ideia ou tenha sequer a ousadia de vir a arriscar uma opinião, porque quando chega ao fim do espaço “informativo” já nem se lembra o que esteve na origem de tantas apreciações, intenções, cálculos, receios e vaticínios. Os jornalistas apropriaram-se do espaço de comunicação e a notícia já não é o que aconteceu mas o que se pensa que devia ter acontecido. As notícias são apenas um ingrediente do produto que é servido pronto a ser consumido.
 
Texto escrito pela Suzana Toscano no blog 4R-Quarta República

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas