Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#1376 - Adormecida

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.05.11

As tuas mãos dormiam na lagôa incenso.

E pelas alamedas destruídas, loucas,

Desceu-se em minha alma a procurar as bocas

Que me rezaram Ser sôbre o teu manto extenso.

 

Vagamente desceu sôbre o silêncio, a arfar,

Combatendo de luz, a esvoaçar no ataue...

E de noite caiu Egipto em meu olhar,

Nos teus braços em cruz, sepulcros em Karnak.

 

Bocas de Faraós rezam múmias cansadas...

Tebas em mim fenece em bronze de toadas,

Apagando-se em cinza em lâmpadas sombrias.

 

E tu aormecida há tanto tempo, em pranto.

Os cisnes na lagôa embraqueceram tanto,

Que se esqueceram Côr nas tuas mãos esguias.

 

Poema de Alfredo Pedro Guisado retirado do livro "Orpheu, edições Ática, 3.ª reedição do volume I

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:17



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas