Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#3185 - FALA DE UM HOMEM AFOGADO AO LARGO DA SENHORA DA GUIA NO DIA 31 DE AGOSTO DE 1971

POEMA DE RUY BELO

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.10.21

FALA DE UM HOMEM AFOGADO AO LARGO

DA SENHORA DA GUIA NO DIA 31 DE AGOSTO DE 1971

 

A mim morto no mar entre algas e corais

que notícias me dais aí da superfície

dessa única terra onde vivi

e foi minha ambição morrer pra nunca mais?

Ainda cheira a esteva por aí?

Que mundo de repente recupera

quem ao abrir um dado dicionário sente o cheiro

do jornal infantil folheado em criança

no pavimento térreo dessa adega

onde o verão intenso nem entrava

mas intensificava mesmo a humidade?

Ainda porventura a alguém

se lhe molham os olhos ao lembrar

quem à vontade meninice fora assim corria

como quem aí tem aquela única casa

afinal sua toda a sua longa vida?

Ao menos uma folha se moveu quando morri

à vista desse cerro aonde o vento dependura cantos

nas mais instáveis copas dos pinheiros

onde a névoa se adensa e cobre aquele castelo

ali erguido para humanizar o mar

e até perpetuar esse quebrar das ondas

contra esses rochedos um recurso secular

que a terra utilizou para se opor à sedução da água

instável envolvente e incapaz de conseguir a paz

como o chão que na pedra tem a máxima fixação?

Alguém notou acaso a minha falta

para além dum visível ponto de referência

um aceno do sono ou som do sino

gesto de mão sorriso silhueta?

Sentiram-se levados a exaltar-me

os que na destruição me vislumbravam

uma certa razão das suas vidas?

Alguém me aquecerá o coração ao fogo

quando o frio do fundo e das correntes

fender as minhas vísceras dispersas

por estes cinco mares onde espalho

a morte merecida pela minha condição de peixe?

Se alguém descer até estas profundidades

porventura será capaz de decifrar

o mistério reflectido nestes olhos

eternamente abertos sobre o meu amado mundo?

Alguém foi como eu profundamente vil

e muito mais o foi por conhecer que o era?

Onde dormem agora os que eu amei?

Como lhes foi possível perecer

se eu por os amar os tinha por eternos?

Seriam só eternos para mim?

Que paz lhes pesa agora sobre o peito?

O sol ainda nasce? Ouve subitamente alguma música

quem tão perdido estava que de súbito começa

e olha para tudo com os olhos limpos

de quem as coisas vê pela primeira vez?

Quem lá na minha aldeia sacrifica hoje

o porco semanal em troca dum grunhido

desfeito contra os montes circundantes?

Morto o miguel ainda fica a faca?

Ainda pelas ruas ao domingo

se tem de procurar não pôr os pés nos bêbados prostrados

convencidos talvez de vir a ter em tão precária posição

mera antecipação da humana condição definitiva

alguma solução para a sua indigna sujeição?

Ainda vem à quarta de almoster o ferrador

ferrar machos cavalos na barraca de madeira

erguida ali à beira do caminho

que me levava a casa e devolvia à vida?

Porventura o barbeiro ainda se chama marcelino?

Compram cada semana os seus trabalhadores

reunidos na praça após matar o bicho

os senhores dos pauis e vinhas e courelas?

Festeja-se na adega o termo da colheita

dessa azeitona vorazmente varejada da oliveira

sobre o espesso pano de serapilheira?

Alguém caiu de cima de uma árvore

por causa da geada de janeiro

e até da aguardente ingerida em jejum

em todos estes anos desde a morte do bizarro?

A cheia traz o s+avel pela primavera?

Há bailes na ribeira a dois quilómetros

passado o pinheiro manso pelo carnaval?

Como se chama agora a dona da farmácia? 

Há fogueiras em junho onde debaixo de aparente devoção

se exalta a vida e normaliza a natureza?

Os noivos vão casar-se de carroça

e abrem de abalada as mãos cheias de confeitos sobre as testas dos miúdos

que se juntam à espera para os ver passar

e não sabem ainda como é triste a alegria?

A quem pertencem hoje as lavegadas

onde as mulheres mondavam as searas

e as folhas arrancavam às videiras

que vedavam às uvas o acesso ao sol?

Nestas núpcias eternas com a água

sobre sinos e ventos sibilantes

não se ouvirá soar a monocórdica

e harmónica música daquelas campainhas

das máquinas registadoras dessa lojas

desse porto e da vila onde dormi

os últimos dez anos de visitas começadas

num verão lembro-me bem num dia três de agosto

dentro da composição número mil e oito da cp

(alguém de letra irregular o deixou escrito num romance

comprado na estação do entrocamento

e por mim esquecido ao chegar a são bento)?

Existirá ainda o escuro casarão até talvez capaz de atenuar

a música do sino que ritmava a vida

nessa vila pequena aonde o homem

mais de frente enfrentava o frio olhar da morte?

Que é feito da pensão perto dos estaleiros

onde eu bebia com os pescadores e carpinteiros

e que deixei de vez para ir ao encontro

da musa mais discreta e silenciosa dos meus versos?

E eu que nos lençóis via a neve polar

que às vezes ao cheirá-los me sentia transportado

subitamente a sítios e a dias do passado

que só os soube na verdade apreciar

levado pela mão de camilo pessanha e dylan thomas

eu que em lençóis de linho ambicionava repousar

são de água os meus lençóis e à volta é o mar

Se me via cingido de cidade

se nem já mesmo o sol deixava entrar em casa

sem antes ele limpar os dois sapatos ao entrar

devo afinal a gestos artificiais

o meu regresso às coisas naturais

Não pense quem vier que estou sozinho

entre inúmeros peixes das profundidades

e os corpos de incontáveis pescadores

como o jovem lourenço são miguel

que aqui se despediu dessa vida de aí

a cinco salvo erro de janeiro de sessenta e cinco

Não reparam que olho com os olhos cheios de água

quem só mais do que eu pertence ao mar

por aqui habitar só aparentemente antes?

Moradores da terra fogo ou ar

sabei que o solo sólido da terra foi apenas para mim

insegurança oscilação vertigem

e que em verdade agora mais do que acabar

o que fiz foi voltar à minha origem

 

POEMA DE RUY BELO IN "TODA  A  TERRA" E RETIRADO DA COLECTÂNEA "TODOS OS POEMAS", EDIÇÃO ASSÍRIO & ALVIM REIMPRESSO EM JANEIRO DE 2020

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

#LERÉPODER 2020 - Large Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard

Arquivo



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas