Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#2812 - Recordar a obra de Dick Haskins

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.03.18
 
 
 
 

Nascido em Lisboa, a 11 de Novembro de 1929 e falecido a 21 de Março de 2018, foi defensor do princípio de que um escritor nasce com a vocação para escrever, António de Andrade Albuquerque (que usou o pseudónimo de Dick Haskins nas obras do género policial) sentiu inclinação para a produção literária desde a adolescência. Escreveu contos que se perderam no fundo de uma gaveta e no tempo, teceu e orientou os argumentos das aventuras que todos «vivemos» com os amigos na juventude que, de uma forma ou outra, deixa sempre um rasto de saudade, ouviu e nunca esqueceu o que o seu Professor de Português no Liceu de Passos Manuel, em 1942, lhe vaticinou tornar-se um dia escritor, mas ainda viria a hesitar entre a Medicina e a Literatura.

Contudo, o vaticínio do Professor António José Saraiva prevaleceu; Andrade Albuquerque, já casado e trabalhador-estudante na altura, abandonaria o já iniciado curso de Medicina e optaria pela profissão de escritor, embora continuasse, por gosto, em contacto com a ciência médica através de diversos meios.

O Sono da Morte - Capa do Livro

Em 1955, surpreende-se com a aprovação do primeiro livro que escreveu, O Sono da Morte. Uma semana depois de o ter submetido à apreciação da Empresa Nacional de Publicidade, proprietária de um dos principais jornais portugueses, o «Diário de Notícias». Mas não seria este, afinal, o passo decisivo que iria consolidar a sua profissão de escritor. A colecção na qual o seu primeiro livro iria ser publicado saía ao ritmo de dois a três volumes por ano, o que deu origem a que aquela obra só fosse editada em 1958, ano em que criava a Colecção Policial Enigma e ingressava nas Edições Ática como director e autor da mesma.

Em 1961, foi editado pela primeira vez no estrangeiro – em Espanha e em diversos países da América do Sul – através da Editorial Molino. Em 1963, as editoras alemã Wilhelm Goldmann Verlag, de Munique, e Krimi Verlag AG, de Wollerau, Suíça, contratam oito dos seus livros já então escritos e publicados no idioma original, para publicação na Alemanha, Áustria e Suíça, e o editor Plaza & Janés, de Barcelona, publica dois títulos em Espanha e na América do Sul.

Seguir-se-iam outros países a partir de 1963, França, Itália, Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Suécia, Noruega, Dinamarca, Finlândia, Grã-Bretanha, Irlanda, Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, Estados Unidos, México, Colômbia, Argentina, Uruguai e Brasil o que, realmente, consolidou a decisão anteriormente tomada de optar pela profissão de escritor.

Ainda na década de sessenta, a RTP – Radiotelevisão Portuguesa – produz e apresenta no programa «Noite de Teatro» a adaptação da sua novela «Fim-de-Semana com a Morte» com o título de O Caso BardotA mesma novela, mantendo o título original, é adaptada ao cinema numa co-produção internacional – Portugal, Espanha e Alemanha  – filme que foi protagonizado por António Vilar, Peter Van Eyck e a italiana Letícia Román, dobrado em diversos idiomas e apresentado em vários países, entre eles os Estados Unidos.

 

LER O RESTO AQUI

 

Todas as Obras (24)

 
O Expresso de Berlim
€16,90
 
O Papa Que Nunca Existiu
€12,90
 
Climax
 
                         

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas