Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#1061 - Balsemão: "Temos de sair deste lento suicídio"

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

Fundador do PSD critica "impasse" e quer agenda menos conservadora."Podemos caminhar para um lento suicídio"

 




"Novos tempos, novos desafios, novas ideias." O fundador e militante número um do PSD, Francisco Pinto Balsemão, correspondeu ontem ao mote da primeira edição do Ciclo de Encontros organizados pelo Instituto Francisco Sá Carneiro. O objectivo era reflectir sobre o futuro do PSD e o discurso de Balsemão foi contundente. Criticou a "acomodação" do partido, apontou baterias à falta de clareza na sua "identidade ideológica" e lançou o alerta: "Temos de sair deste impasse, sob pena de caminharmos para um lento suicídio."

As propostas do militante mais antigo do PSD tiveram como ponto de partida a necessidade de "inverter o pessimismo" e "acabar com a resignação, lamúria e desgraça que só ajudam os coveiros". Nomeadamente os que diz existirem "dentro do partido", embora se tenha recusado a nomeá-los durante o seu discurso no Hotel Tivoli.

Sublinhando a urgência de recuperar o cariz "reformista e interclassista" do PSD, Francisco Pinto Balsemão propôs também o equilíbrio entre a responsabilidade da sociedade civil nas "tarefas de desenvolvimento social, cultural, ambiental e até económico" e as responsabilidade do Estado em áreas como a defesa nacional, a polícia ou a justiça. Mas lançou também as bases para uma agenda mais "tolerante e aberta" no partido: com particular enfoque na legalização da droga e no casamento homossexual.

"Devíamos ser um partido capaz de antecipar e apreender as novas realidades sociais, de não ser conservador e de mobilizar os sectores mais dinâmicos da sociedade para as enfrentar e absorver, sejam elas as emissões excessivas de CO2, a legalização da droga ou o casamento dos homossexuais", sugeriu Balsemão.

Defensor da imposição de rankings anuais para "as actividades mais relevantes", o fundador do PSD aplaudiu a lógica da avaliação em sectores como as escolas, universidades, hospitais, esquadras de polícia, tribunais ou misericórdias. "Sem se premiar o mérito e punir o demérito, a sociedade não progride", apontou. Sobre as "grandes, urgentes e imperiosas" reformas da Justiça, Educação, Saúde e Administração Pública - e também sobre a mudança da lei eleitoral para um sistema misto de representação proporcional e uninominal -, Balsemão defendeu que o PSD só deve abordar esses dossiês se a iniciativa assentar "em pactos de fundo ou acordos de regime" subscritos pelo "maior número possível de partidos, por um prazo superior a duas legislaturas".

O primeiro encontro deste ciclo organizado pelo Instituto Francisco Sá Carneiro contou ainda com a participação do antigo director do "Público", José Manuel Fernandes, e do jurista Miguel Morgado como oradores.


In Jornal "i"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:08



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas