Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




#1025 - A Europa de Hungria e Portugal

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.11.09
A Europa de Hungria e Portugal

'Territórios de Caça', do jornalista Luís Naves, foi lançado ontem na Livraria Bertrand do Chiado, em Lisboa.

No início, era um blogue (Prazeres Minúsculos), depois foi trabalhado uma e outra vez até à versão quase final. Territórios de Caça (Quetzal, 175 páginas), novo romance de Luís Naves, foi lançado ontem em Lisboa, na Bertrand do Chiado.

Jornalista do DN, Luís Naves é um dos autores deste livro; o outro é Lajos Kormányos (tradução livre para magiar de Luís Naves). Uma intersecção pessoal, ou uma duplicação do autor, que se divide por dois territórios que lhe são próximos: a Hungria (é casado com uma húngara) e Portugal. Ou, simplificando, a Europa, sobretudo a que fica para Leste.

João Villalobos, que se gaba de ser "a única pessoa que já leu todos os livros" do autor, "mesmo os que não foram ainda publicados", diz que a obra trata de uma intersecção entre a Hungria e Portugal. Da forma como quem quer controlar, diz aquele que foi escolhido pelo escritor para apresentar a obra, se apropria dos que quer controlar através do somatório das pequenas fraquezas humanas. Villalobos falou, por exemplo, da polícia política comunista da Hungria e da República Democrática da Alemanha (fez ontem 20 anos que o muro tombou) e da PIDE.

Com a propriedade do privilégio de conhecer a obra de Luís Naves (que é jornalista no Diário de Notícias), Villalobos fez uma pequena leitura da duplicidade Lajos Kormányos/Luís Naves. "Lajos é um vencido pela vida, que não tem controlo sobre as suas personagens; o Luís tem total controlo sobre os seus personagens; Lajos vai-se apagando com a vida, o Luís vai-se iluminando", descobriu.

O editor da Quetzal, Francisco José Viegas, tocou nos "vários motivos" com que a obra se vai justificando durante a leitura e aludiu ao pouco que se sabe sobre a Europa de Leste para convidar os leitores a mergulharem no livro.

 

Antes, o Quarteto de Câmara de Vasco Barbosa interpretou uma peça de Alexander Borodin.

 


A seguir, retirado do blog de Francisco José Viegas, A Origem das Espécies:

 

Momento único e belíssimo: a actuação do Quarteto de Vasco Barbosa (um cavalheiro de 79 anos, vivísssimo, um violino melancólico e profundo, de acorde eslavo), que interpretou o Nocturno de Borodin antes da apresentação do livro, propriamente dito, por um João Villalobos inspirado — entre livros e música, portanto, foi assim o final de tarde de hoje na Bertrand do Chiado. Muitos amigos de Luís Naves e muitos bloggers (Tomás Vasques, João Gonçalves, Tiago Moreira Ramalho, José Mário Silva, Inês Almeida, Cristina Ferreira de Almeida, Pedro Correia, Francisco A. Leite, João Távora, Fernando Madaíl, António Manuel Venda, Fernando Sobral, muitos mais).
O livro vem a propósito — não só pelo seu cenário, a Hungria, mas pelos seus temas e pela sua melancolia. Não percebemos nada dessa Europa, da velha, civilizada e culta Mittleuropa —
o livro de Luís Naves pode ajudar, como uma introdução ao estudo da relação entre diferentes que nunca se encontram verdadeiramente.

«A rua Gogol deve ser das mais agradáveis da nossa cidade: tem fileiras de faias pujantes, muitas delas plantadas no início do século. O bairro, fisicamente, não sofreu durante a guerra. Durante o regime comunista, as melhores casas foram nacionalizadas, para alojar trabalhadores. No fim do regime, foram vendidas, a bons preços. Os prédios estão preservados e só alguns se encontram em mau estado sem obras há décadas.

Enfim, nesta parte da cidade não houve bombardeamentos de guerra, mas aidna se podem ver as cicatrizes do século. Aqui fica o gueto judeu, com a sinagoga e ruas elegantes, com jardins tranquilos. E o que ainda hoje se observa é ausência de antigos habitantes.

 

Jamais pensamos nas pessoas que faltam, mas para se compreender a nossa cidade, é preciso pensar nas ausências, nos hiatos, no que devia estar ali, mas não está. Famílias inteiras, gente que vibrava e pensava, cheia de vida e de paixão, de sonhos como os nossos... »



FJV

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:02


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas