Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




#1014 - Ferreira Gullar

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.11.09



ARTE POÉTICA


Não quero morrer não quero

Apodrecer no poema

Que o cadáver de minhas tardes

Não venha feder em tua manhã feliz

               E o lume

Que a tua boca acenda acaso das palavras

- ainda que nascido da morte -

                    some-se

                    aos outros fogos do dia

aos barulhos da casa e da avenida

                      no presente veloz


Nada que se pareça

a pássaro empalhado múmia

de flor

dentro do livro

                             e o que da noite volte

volte em chamas

               ou em chaga


                  vertiginosamente como o jasmim

que num lampejo só

ilumina a cidade inteira


Poema de Ferreira Gullar

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:54


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

#LERÉPODER 2020 - Large Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas