Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#3241 - MÚSICA

POEMA DE ANTÓNIO GANCHO

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.22

MÚSICA

 

A música vinha duma mansidão de consciência

era como que uma cadeira sentada sem

um não falar de coisa alguma com a palavra por baixo

nada fazia prever que o vento fosse de azul para cima

e que a pose uma nostalgia de movimento deambulante

era-se como se tudo por cima duma vontade de fazer uma asa

nós não movimentamos o espaço mas a vida erege a cifra

constrói por dentro um vocábulo sem se saber

como o que será

era um sinal que vinha duma atmosfera simplificante

silêncio como um pássaro caído a falar do comprimento.

 

Poema de António Gancho in "Ar  da  Manhã", edição Assírio & Alvim, 2022.

 

_________________________________________________________________________________________________________________

Poeta e ficionista. Nascido no início da década de 40, a poesia de António Gancho permaneceu inédita até 1985, data em que Herberto Helder reuniu, na sua antologia Edoi Lelia Doura, onze poemas do autor até então completamente desconhecido. As poucas informações biográficas disponíveis sobre António Gancho encontram-se aí expostas, dando a perceber a razão da escassez de publicação da obra deste poeta: «Com pouco mais de 20 anos foi internado numa clínica psiquiátrica, tendo vivido desde então em estabelecimentos deste género.» Sabe-se hoje que António Gancho viveu no estabelecimento psiquiátrico de Telhal (arredores de Lisboa) desde 1967 até à sua morte a 2 de Janeiro de 2006. Retirado da convivência editorial devido ao seu internamento, foi através do contacto com alguns amigos (de entre os quais se destacam Álvaro Lapa, António Palolo e Mário Cesariny, com os quais António Gancho tinha primeiramente contactado aquando da sua frequência do Café Gelo, ligado ao grupo dos surrealistas) que a sua produção chegou às mãos do editor. Assim, só em 1995 foi possível reunir, no volume intitulado O Ar da Manhã, toda a sua produção poética, datada de entre 1960 e 1985. Dividido em três conjuntos autónomos de poemas («Gaio do Espírito», 1985/86, «Poesia Prometida», 1985, e «Poemas Digitais», 1989), o livro em que se reúne a poesia de António Grango evidencia alguma heterogeneidade de temas e de formas poéticas, não sendo fácil a sua síntese. Assim, a par de poemas em que se explora ludicamente a materialidade sonora da linguagem como, por exemplo, nos versos «Route / Rota / Caminho puro e são / Chanção / Coração / Sahara / Uazara / Oasara / Oasimara»), com evidentes ressonâncias surrealistas, existem também alguns poemas, escritos na língua original dos autores homenageados, que se constituem como tributos a, entre outros, François Villon e Oscar Wilde, por via dos quais se estabelece uma interessante intertextualidade com os autores citados. Alguns dos mais interessantes poemas de António Gancho são aqueles em que está presente uma certa auto-reflexividade sobre os princípios de criação poética e que dão a ler os alicerçes da sua prática poética: «Nasce o sol e nasce o poema / e com esta simultaneidade / o que o poeta significa é que a sua arte é luz». Concebida como um processo de simultânea integração e totalização do homem na natureza, a poesia de António Gancho poderia ser sintetizada nestes versos seus, onde se afirma que «A poesia nasce e faz-se aqui neste fazer-se poesia. / […] A poesia assim maravilhosamente constituída / […] faz do homem o ser absoluto por natureza», sobretudo porque esta se funda num princípio de transmutação de todas as coisas: «A poesia assim é uma maravilhosa alquimia da vida».

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:58


#3240 - 98

POEMA DE ANTÓNIO CABRITA

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.22

98

 

Como querer viver sem estar ferido,

meu amor? O falcão e a rola

desprendem-se da mesma nuvem,

de um mesmo sono sem cuidados.

 

Como estar vivo e não me engastar

No medo relativo? Heitor

é o estado que acrescentei ao nome,

a telha que faltava ao céu azul,

 

as tuas três sílabas de argila

com que a água escora o vento

e o hálito aclara a alusão:

presença de si mesmo desvendada

 

Poema de António Cabrita in "Tristia," Porto Eitora, 2021.

 

_________________________________________________________________________________________________________

BIOGRAFIA

António Cabrita (1959) tem vinte e tal livros publicados, em Portugal, Brasil (três livros de ficção) e Moçambique (livros de fábulas, poesia e ensaio). Foi jornalista durante 23 anos e editor (Fim de Século e Íman Edições). Em 2005 emigrou para Moçambique onde, neste momento, é professor de Dramaturgia e cronista no semanário Savana. Tem também uma coluna no jornal Hoje Macau. Escreveu inúmeros filmes. De entre os seus livros destacam-se: Inferno, 2001, três guiões sobre Camilo Castelo Branco, escritos em parceria com Maria Velho da Costa, Bagagem não ReclamadaAnatomia Comparada dos Animais Selvagens (Prémio PEN Clube 2018), e a Kodak faliu. também Dick, o cão da minha infância, 2020, poesia; e A Maldição de Ondina, 2013 (finalista do Prémio Literário Casino da Póvoa - C. M. Póvoa de Varzim 2013), Éter, 2015 (finalista do Prémio PEN Clube 2016), A Paixão segundo João de Deus, 2019, e Fotografar contra a luz, 2020, romances. Como tradutor, realça-se a sua antologia de poesia hispânica, As Causas Perdidas, 2020.
 
FONTE: 

PORTO EDITORA

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:35


#3239 - ROMANCE DE POMPEIA

POEMA DE DAVID MOURÃO-FERREIRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.11.22

ROMANCE DE POMPEIA

 

Ninguém nos vem em socorro

Ninguém nos liberta os braços

Há dois milénios que somos

os amantes soterrados

Nem o mais ínfimo agouro

na manhã daquela tarde

Mas era o último encontro

sem que ninguém o sonhasse

E soubemos ir tão longe

tão enlaçados ficámos

que em tudo vibrava o sboço

de uma já eternidade

Mergulhados neste sono

há dois milénios ou quase

é ainda o dia de hoje

esse ontem tão recuado

Ou foi sonho o dia de ontem

e desde então acordados

nem cremos que à nossa roda

existisse uma cidade

que lá fora houvesse um Foro

lojas   casas   balneários

Apenas o teu pescoço

Apenas as tuas pálpebras

Apenas o antegosto

de sabê-las deflagradas

Sentimos súbito um sopro

mais escaldante      Julgámos

que o ar se tornara louco

do calor dos nossos lábios

que ia arder o mundo todo

com o fogo que lhe dávamos

Só depois vimos que o fogo

de encontro a nós avançava

líquido    espesso    de rojo

como um imenso lagarto

putrefacto e cujo dorso

cada vez mais coruscava

E tanto crescia em torno

da casa onde stávamos

e tanto subia ao topo

de paredes e telhado

e tanto o ardente bojo

se ia tornando compacto

que de súbito esse forno

de todo nos apertava

Leio terror no teu rosto

pânico em tuas spáduas

pavor em todo o teu corpo

que era hápouco o de uma galga

o de uma galga no ponto

mais elevado do orgasmo

E nesse ponto de há pouco

eternizados ficámos

Somos assim um do outro

há dois milénios ou quase

saboreando o tesouro

da eternidade do auge

Ao profundíssimo poço

até hoje inviolado

que no chão se abriu e onde

vivos ainda tombámos

chegam-nos vagos rumores

do que por cima se passa

todo o sonho     todo o logro

que por cima tem passado

Cascos agudos de donos

e pés desnudos de escravos

cupidez de demagogos

estupidez  de soldados

os que bramam contra o lodo

para mais lodo criarem

os que rastejam no tojo

até se julgarem águias

os que ao céu o fogo roubam

mas em fumo se desfazem

utopias de alguns tontos

visões de alguns visionários

que se quebraram de encontro

ao gelo dos homens práticos

de cujos hábeis engodos

nos poderiam ter salvo

E também a luz     a força

de corpos jovens e ágeis

corças     panteras     e potras

mais belas quanto selvagens

há lei do que há-de ser podre

todavia condenadas

Antes o fim que nos coube

Se é  que fim pode chamar-se

a este abraço em que somos

um só astro     uma só státua

uma só chama     um só tronco

por toda a eternidade

mais livres porque um do outro

um ao outro acorrentados

Ninguém nos venha em socorro

Ninguém nos deslace os braços

 

POEMA DE DAVID MOURÃO-FERREIRA, in "OBRA POÉTICA" [1948-1995], EDIÇÃO ASSÍRIO & ALVIM, NOVEMBRO 2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:58


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

#LERÉPODER 2020 - Large Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard

Arquivo



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas