Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Jeferson Tenório, escritor brasileiro, venceu com o livro "Avesso da Pele" o Prémio Jabuti na categoria de "Romance Literário".

 

Pode ver aqui a lista completa dos vencedores das outras categorias

_______________________________________________________________________________

Jeferson Tenório nasceu no Rio de Janeiro, em 1977. Radicado em Porto Alegre, é doutorando em Teoria Literária pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Estreou-se na literatura com o romance O beijo na parede (2013), eleito livro do ano pela Associação Gaúcha de Escritores. É autor também de Estela sem Deus (2018). O avesso da pele é o seu terceiro romance e está a ser adaptado ao cinema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07


#3198 - A AGONIA NO JARDIM

POEMA DE ANA LUÍSA AMARAL

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.21

A AGONIA NO JARDIM

 

A solidão avança como onda,

ausente

toda a luz

 

Saísse eu deste quadro,

poderia tocar o tronco amargo,

os ramos mais esguios dessa oliveira,

libertar-me das mãos

 

Podia ainda, se quisesse,

inventar vento

aproveitando a chama que ele

ostenta

 

Devo ceder a quê?

À história que contaram

sobre mim?

 

Eles não sabem da história mais de dentro,

a que me fez chegar até aqui,

sabendo finalmente:

 

que dizer sim

era morrer por dentro

que dizer não

era afogar-me nessa longa chama,

numa Palavra -

 

em mim

 

POEMA DE ANA LUÍSA  AMARAL, do livro Ágora, edição Assírio & Alvim, Fevereiro de 2020

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:49

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38


#3196 - DO ROSSIO ATÉ AO CASTELO - UM PASSEIO PELAS GUIMBRAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:35


#3195 - Richard Hawley - Valentine

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.11.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:25


#3194 - A CASA ILUMINADA

POEMA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.11.21

A CASA ILUMINADA

 

Olhai honestamente para o vosso passado

escondido da rua pelos arbustos

oferecendo-se aos pedaços

naquilo que o rasurado quis  extirpar

nos trechos sem relação que vos assaltam no sono

no desabamento, na estranheza

outro nome possível se transcreve

a face molhada por uma chuva repentina

e o seu invencível sentido

 

Somos ainda os nativos, os mais remotos

 

Assim que chegarmos ao mar alto

e perguntarmos por que razão

seremos baixados por cordas

à casa demolida ainda iluminada

 

POEMA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA  in «Introdução à Pintura Rupestre», edição Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49


#3193 - ENTRE OS ATOS

POEMA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.11.21

ENTRE OS ATOS

 

Espantamo-nos por encontrar o mundo na nossa memória

o mundo que se começa a ouvir no fundo da casa

o mundo que circula em nós entre os corpos deitados

no meio do terreiro da dança

nas cabanas indígenas

no assobio que os indígenas trazem amarrado ao pescoço

com uma atenção fascinada

o mundo que é um dos raros animais

que sabe descer as árvores de cabeça para baixo

 

Espantamo-nos por uma conivência

atestada desde há muito

nos ser entregue de chofre

cheirosa como uma floresta inteira

uma agitação de enxame

uma oficina celeste

a entrelaçar-se no sopro

fosse o que fosse

a zumbir em volta do rosto

 

O mundo é às um toldo que desdobramos às apalpadelas

durante o dilúvio

espantamo-nos que reproduza

na nossa cabeça o grito de uma pintura rupestre

os trilhos que ninguém me diz terem mudado de sítio

as recitações entre duas tormentas

que permitirão às fibras dessa árvore interna sobreviver

o resgate e as cores das casas

onde voltados de lado

repetidamente morremos

 

O mundo desencadeia-se em plena noite

organiza a vida errante

escolhe itinerários, fixa as paragensele

transforma a língua daquele que o mastiga

em corpo estranho

em fabrico inédito da sua matéria anónima

e assim nos dá a contemplar

a imagem irreconhecível

 

POEMA DE JOSÉ  TOLENTINO DE MENDONÇA in "Introdução à Pintura Rupestre"

 

____________________________________________________________________

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:23


#3192 - PRÉMIO GONCOURT 2021

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.11.21

Mohamed Mbougar Sarr, escritor senegalês, foi o vencedor do Prémio Goncourt de 2021 com o romance "La Plus Secrèt Mémoire des Hommes".

É o primeiro autor da África subsaariana a receber o mais importante galardão literário francês.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:56


#3191 - DAMON GALGUT VENCE O PRÉMIO BOOKER PRIZE 2021

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.11.21

 

Damon Galgut, escritor sul-africano, venceu com o livro "The Promise" o Prémio Booker Prize

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:24


#3190 - PRÉMIO LITERÁRIO FERNANDO NAMORA 2021

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.11.21

 

 

João Tordo venceu o Prémio Literário Fernando Namora 2021 com o livro "Felicidade".

Este prémio é atribuído pela Estoril Sol há 24 anos.

 

 

SINOPSE

Lisboa, 1973
Nas vésperas da revolução, um rapaz de dezassete anos, filho de um pai conservador e de uma mãe liberal, cai de amores por Felicidade, colega de escola e uma de três gémeas idênticas.
As irmãs Kopejka são a grande atracção do liceu: bonitas, seguras, determinadas, são fonte de desejos e fantasias inalcançáveis.

Respira-se mudança - a Europa a libertar-se das suas ditaduras e Portugal a despedir-se da velha ordem - e vive-se a promessa da liberdade, com todos os seus riscos e encantos. É neste tempo e neste mundo, indeciso entre tradição e modernidade, que o nosso narrador cai num abismo pessoal.

A primeira noite de amor com Felicidade acaba de forma trágica, e o jovem vê-se enredado na malha inescapável das trigémeas Kopejka, três Fúrias que não tem poderes para controlar. À semelhança de uma tragédia grega, o herói encontra-se subjugado por forças indomáveis, preso entre dois mundos.

Felicidade é uma história de amor e assombração nas décadas que transformaram Portugal. Um romance enfeitiçante, repleto de ironia e humor, de remorso e melancolia, em que João Tordo aborda os temas do amor e da morte, e das pulsões humanas que os unem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:57


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

#LERÉPODER 2020 - Large Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard

Arquivo



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas