Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 Ricardo Araújo Pereira

 

IRMÃOS METRALHA, DALTON E LEHMAN

O único texto económico que estudei com afinco foi o ‘FMI’, do José Mário Branco

 

Passaram dez anos sobre a queda do banco Lehman Brothers e a data foi assinalada por pessoas que ainda não perceberam o que se passou. Eu também ainda não percebi o que se passou, mas ao menos não estou a tentar. Descobri muito cedo que o mundo económico-financeiro era incompreensível, pelo que prefiro não perder tempo a compreender como se perde dinheiro. O único texto económico que estudei com afinco foi o FMI, do José Mário Branco, e a certa altura ele sugere: “entretém-te, filho, e vai para a cama descansado que há milhares de gajos inteligentes a pensar em tudo neste mesmo instante, enquanto tu adormeces a não pensar em nada”. É um bom conselho, embora contenha um erro. Os gajos não são inteligentes. Toda a gente que agora se pronunciou sobre a crise provocada pelo Lehman Brothers disse que é uma questão de tempo até ocorrer outra crise igual. Ou seja, não houve inteligência para prevenir o que aconteceu nem para evitar que volte a acontecer. A razão pela qual os gajos parecem inteligentes é a do costume: inventaram um jargão impenetrável que dá, a quem não o domina, a sensação de que se está a falar de coisas muito complicadas. É o chamado “método Luís Freitas Lobo”. Toda a gente já viu um jogador de futebol que joga nos flancos a correr para a grande área para tentar ajudar os companheiros do centro da defesa. Mas quando Freitas Lobo diz que determinado lateral está a fazer a “basculação interior e dobrar nas costas dos centrais”, deixamos de saber exactamente o que se passa. É de propósito.

O vocabulário económico-financeiro é a um tempo mais imaginativo e mais simples do que o do futebol, uma vez que consiste numa tentativa de dizer sempre a mesma coisa mas de modos obscuros diferentes. Por exemplo, “créditos subprime” significa, na verdade, “ganância de sacar o máximo dinheiro a quem deseja comprar casa”. “Produtos de risco” quer dizer “ganância superior à ganância habitual”. “Chancela de qualidade das agências de rating” significa “licença para ser ganancioso”. “Non-performing loans” é outro modo de descrever “casos em que a ganância era de tal forma desmedida que acabou por correr tragicamente mal”. E é tudo. Posto isto, não há muito mais a fazer do que uma pessoa entreter-se e ir para a cama descansada.

(Crónica publicada na VISÃO 1333, de 20 de setembro de 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:02


#2871 - Golias e David

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.09.18

Um mosquito atropela uma gota de água, perde o equilíbrio, dá meia dúzia de cambalhotas e aterra em cima da minha mesa. Recompõe-se, emite um zumbido irritado e olha-me com ar provocador iniciando um jogo de sedução e intimidação, exibindo sua trombinha afiada como se fosse um bandarilheiro e assumisse que eu faria o papel de touro. Quer vingar a humilhação sofrida. Quer sangue. Precisa atacar. Aparentemente eu sou o gigante Golias e ele o minúsculo David, mas espero que a história tenha um final diferente. Não tenho estratégia. Nem de defesa, nem de ataque. Sou demasiado grande para defender todo o corpo e ele demasiado minúsuculo  e demasiado rápido para o apanhar com a mão. Actuarei em função das circunstâncias e da evolução da refrega.

O jogo começa. O pequenote emite um zumbido sarcástico - pareceu-me ouvir uma gargalhada metálica, assassina - e volteia em redor da minha cabeça como se fosse um artista a  rolar no poço da morte. O ruído produzido por esta sanguessuga com minúsculas asas é irritante e destabilizador. Agito os braços freneticamente em tentativas desesperadas para o apanhar. Estou a ser humilhado. Uma enorme frustação toma conta da minha vontade, e quando julgo que o vou apanhar é em mim que esbofeteio. E, de repente, acontece o ataque final. Violento, descarrega em mim toda a sua ira e pequenas erupções ardentes surgem no lugar das picadelas. Satisfeito retira-se com um voar de vitorioso exibindo um sorriso cínico de grande vencedor.

Discretamente saio de cena. Cabisbaixo, derrotado, humilhado. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47


#2870 - This Mortal Coil - My Father

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.09.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:54


#2869 - Bernardo Sassetti - Da Noite - Ao Silêncio

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.09.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:27


#2858 - Já ninguém escreve cartas de amor

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.09.18

JÁ NINGUÉM ESCREVE CARTAS DE AMOR

 

Já é noite, meu amor!

As palavras nocturnas têm mais força

são mais audíveis, mais serenas, mais amáveis,

mais inteligentes.

Não é preciso gritar,

basta sussurrar ou deixar

escorrer o sorriso sobre a pele para não perturbar

a noite e o pássaro solitário adormecido no

galho triste da árvore nua.

Já é Outono.

As noites mais longas adormecem mais cedo e 

já ninguém recebe cartas de amor,

despedida, agradecimento...

"Nós por cá estamos bem... e por aí?"...

que entretinham o leitor e os ouvintes

iluminados

pelo crepitar da fogueira.

É Outono, meu amor,

e já ninguém escreve cartas de amor

em papel com cheiro de alfazema

que, expectantes, abriamos com mãos trementes

e a alma em alvoroço.

"Amo-te"...

palavra mil vezes repetida,  

corações esculpidos com caneta de tinta permanente.

Oh! amável ingenuidade.

Já é Outono, o calendário assim o diz

e as marcas gravadas na nossa pele

assim o  testemunham e o nosso inverno

está aí ao virar da esquina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:21


#2857 - The Man Booker Prize 2018

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.09.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:09


#2856 - FOLIO-FESTIVAL LITERÁRIO INTERNACIONAL DE ÓBIDOS

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.09.18

 

FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos

De 27 de Setembro a 7 de Outubro, Óbidos é Ponto (d)e Encontro. Encontro de escritores, leitores, artistas, músicos, livros, letras… e muitos Pontos de vista diferentes.

 

VER PROGRAMA AQUI

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:41


#2855 - GRANDE HOTEL DE PARIS, QUARTO 312

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.09.18

Manuel de Freitas

 

 

GRANDE HOTEL DE PARIS, QUARTO 312

 

Um amigo meu disse-me para nunca

meter gaivotas num poema.

O que seria fácil noutra cidade qualquer,

onde o ruído do seu voo não acompanhasse

tão de perto a minha insónia, a vaga

inquietação do teu corpo adormecido.

 

Alastra da Sé aos Clérigos, um alarme branco

que a janela deste quarto aceita há mais de

duzentos anos. Serão outras as gaivotas

e as cabeças que, depois de muito ou nenhum

sexo, se rendem ao limbo brasonado dos lençóis.

Mas eu vim para a casa de banho escrever

este poema simples, cheio de versos inúteis,

que me exige as horas que não tenho.

 

Sem ele, teria sido um dia grácil e ligeiro

como a morte, duro e inaceitável

como a vida. Pois consegui, antes destes

adjectivos todos, comprar o belo e o sublime

por menos de oito euros. E o livro que Jorge

de Sena dedica sem gaivotas, «à cidade do Porto».

 

Deveria ser fácil como um beijo, este poema.

Mas não. Chegamos à janela e só vemos

lixo, prédios devolutos, uma coroa

de terra a esboroar-se.

                                           E invejamos,

das gaivotas, a pungente desrazão do voo,

essa alegria de não ter palavras

sob o céu limpo que nos mata.

 

Poema de Manuel de Freitas dedicado à memória de Jorge de Sena - in Terra Sem Coroa

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48


#2854 - O Silêncio dos Pássaros

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.09.18

"... A razão pela qual as pessoas não querem saber da sorte do planeta, nem do aquecimento global, da poluição dos ares, da morte das árvores, da agonia dos animais, dos furacões e das tempestades, dos mares de plástico, dos degelos e das secas, dos incêndios selvagens e das inundações, é simples. Na civilização, vemos a natureza ao longe, mediada por ecrãs e máquinas, solicitada pelos confortos da supremacia humana. Protegidos pela tecnologia, a previsão e a distância. Se estivermos dentro do fogo e da água, sujeitos à violência dos elementos, aprendemos a respeitar a natureza em vez de acabar com ela. Condenámo-nos por preguiça e egoísmo, e já se ouve o silêncio dos pássaros no planeta Terra."

 

Excerto da crónica "O Silêncio dos Pássaros" escrita por Clara  Ferreira Alves - REVISTA "E" - JORNAL EXPRESSO - EDIÇÃO 2395 DE 22 DE SETEMBRO DE 2018

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:40


#2853 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.09.18

Quem disser: "Nunca tive dias difíceis, maus momentos... a minha vida é perfeita"... 

ou é Deus,  tolo, mentiroso, ou um grande idiota.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:10


#2852 - Thomas Feiner & Ulf Jansson - Bested Bones

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.09.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:32


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas