Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#2845 - I need my girl

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.07.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:32


#2844 - The Golden Man Booker Prize

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.07.18

The Golden Man Booker Prize

 Michael Ondaatje, com o livro "O Doente Inglês", foi o vencedor como o melhor Prémio Man Booker dos últimos 50 anos.

O livro foi editado em Portugal pela editora Dom Quixote em 1996 coincidindo com o ano do lançamento do filme com o título "O Paciente Inglês".

 

_________________________________________________________________________________________

 

Escritor de nacionalidade canadiana, Michael Ondaatje nasceu a 12 de setembro de 1943, no Ceilão. De raízes étnicas holandesas e indianas, estudou em Colombo até à altura em que acompanhou a mãe quando esta se mudou para Inglaterra em 1954.

Tomou os seus estudos secundários em Londres e, assim que os concluiu, mudou-se para o Canadá, chegando à cidade de Toronto no ano de 1962. Matriculou-se então na Universidade de Toronto e, após ter conseguido o bacharelato em 1965, transitou para a Queen's University de Ontário, de onde obteve a licenciatura dois anos depois. Deu portanto início a uma carreira como professor universitário e tomou a cidadania canadiana.
Estreou-se como escritor em 1967, ao publicar uma coletânea de poemas intitulada The Dainty Monsters. Seguiram-se The Man With Seven Toes (1969) e Rat Jelly (1973) até que Ondaatje acabou por ser reconhecido ao aparecer com The Collected Works Of Billy The Kid(1970), obra que lhe valeu um prémio literário atribuído anualmente pelo governador canadiano. Repetiu esta façanha em 1979 com o trabalho There's A Trick With A Knife I'm Learning To Do (1963-78).
Em 1976 publicou o seu primeiro romance, Coming Through Slaughter, no qual contava a história de um músico de jazz da Nova Orleães dos Anos 30. A obra, vencedora de um prémio literário, foi seguida por Running In The Family (1982), obra de carácter autobiográfico, e por In The Skin Of A Lion (1987), em que Ondaatje procedia a uma reflexão sobre o fenómeno da imigração. No ano de 1992, Ondaatje publicou a obra que se veio a tornar a mais conhecida, The English Patient (O Paciente Inglês). Vencedor, entre outros galardões, do Prémio Booker, o romance descrevia uma história de amor durante o período da Segunda Guerra Mundial. Foi adaptada para o cinema e, revelando-se um enorme sucesso de bilheteira, recebeu um Óscar da Academia norte-americana na categoria de melhor filme.
Em 1999, Ondaatje tornou a despertar as atenções do público e da crítica, ao surgir com um volume de poemas intitulado Handwriting. No ano de 2000 publicou um quarto romance, Anil's Ghost, obra que revertia para as suas origens singalesas.

Michael Ondaatje. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55


#2843 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.07.18

Diz-se:

Devagar se vai longe...

Só que ir devagar demora mais tempo a chegar aonde queremos ir e, por isso, não ter tempo para lá chegar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:39


#2842 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.07.18

GetResource.jpeg

 

170x.jpeg

 

O músico e escritor Kalaf Epalanga, membro da banda Buraka Som Sistema, dirige-se de autocarro da cidade sueca de Gotemburgo para Oslo, a capital da Noruega, onde vai actuar nessa noite no festival OYA. 
Como não tem um passaporte válido para mostrar é detido por tentativa de imigração ilegal e conduzido à esquadra da polícia para interrogatório. Aflito perante a iminência de perder o concerto, interroga-se: como vou explicar a estes polícias noruegueses que, apesar do meu aspecto pouco comum por estas paragens não sou mais que um pacífico músico angolano em digressão? Conseguirei explicar-lhes quem são os Buraka Som Sistema? Falo-lhes da cena musical de Lisboa? De como nasceu o Kuduro num musseque de Luanda? Eles irão perceber? Esta é a história deste extraordinário e surpreendente livro de Kalaf Epalanga. 

Trata-se na realidade de uma obra de auto-ficção, cultivada por tantos escritores europeus mas relativamente rara entre nós. E o mundo que nos mostra - de Luanda a Kristiansund, de Beirute ao Rio de Janeiro, sem esquecer a sua amada Lisboa - é uma autêntica revelação

 

___________________________________________________________________________________________

 

Músico, cronista e editor discográfico. Nasceu em Benguela, em Fevereiro de 1978, cresceu numa família de funcionários públicos, com ligações a vila da Catumbela, lugar que visita com regularidade, na tentativa de traçar um mapa afetivo com as pessoas e lugares que habitam a sua memória. Na segunda metade dos anos 90 mudou-se para Lisboa, com o objetivo de obter a melhor formação académica possível e regressar a Angola. No entanto esses dois desejos sofreram um desvio quando se viu sem as rédeas familiares e um mundo novo a revelar-se diante de si. Mergulhou, aprendeu com quantos baldes de cimento se faz uma parede, e qual o ponto de cozedura do arroz para sushi. Aprendeu a ouvir Jazz e a apreciar arte e design tão intensamente, a apreciar que o regresso a Angola ficou adiado por tempo indeterminado. A aventura poética iniciou-se nos finais de1998, numa altura em que Lisboa ensaiava novas linguagens rítmicas, buscando novos caminhos para a música urbana feita em português - multiplicou-se em colaborações, criando cumplicidades artísticas com Sara Tavares, Sam The Kid, Type, Nuno Artur Silva, entre outros, e, em 2003, juntou-se ao produtor João Barbosa, formaram o duo 1 Uik Project e fundaram a Enchufada, núcleo de produção musical, editora independente responsável pela edição do projeto Buraka Som Sistema, e com estes partiu para o mundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:56


#2841 - Conversas públicas em lugares públicos

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.07.18

Estou no café onde habitualmente bebo a minha bica. A dois passos da minha mesa, um casal. Ela numa dança frenética dos seus dedos com as teclas do telemóvel; ele comentando em voz alta as notícias nas quais tropeçava.

 

- Estás a ver, este é o Mário Nogueira do sindicato dos professores. Tem cara de diabo...

- Não conhecia!

respondeu ela passando um olhar rápido e distraído sobre a fotografia e sem deixar de matraquear as sofredoras teclas do telemóvel...

Estes sindicalistas, disse o homem com voz zangada, e vai receber de reforma 20 000 euros quando se reformar. É como aquele comunista o Carlos Carvalhas que recebe de reforma 60 000 euros.

 

Levantei-me da mesa e pensei: a estupidez é o resultado da combinação da ignorância com o convencimento e de não se ouvirem quando falam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40


#2840 - INSTRUMENTO DE SOMBRAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.07.18

Imagem relacionada

 Vasco Graça Moura

 

INSTRUMENTO DE SOMBRAS

 

coração, instrumento de sombras

e silêncios vibrantes, coração que te destróis

na turvação da alma,

de que matéria é feita a lucidez com quue palpitas

e sabes o que vai acontecer?

 

rente às águas fluviais, a neblina é mais espessa

entre os choupos de inverno.

também o amor é uma arte do tempo, uma

melodia delgada e frágil instalada em novembro,

tocada num instrumento de sombras

 

e pressentimentos, na indecisa fronteira

entre a vida e a morte. um dia

a chuva  há-de diluir tudo

na sua música, nas cadências da sua

lenta anestesia.

 

POESIA DE VASCO GRAÇA MOURA - POESIA REUNIDA, QUETZAL, 2012

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:21


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas