Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#994 - Por Outras Palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.11.09
Os "essenciais" e os outros

Os "essenciais" e os outros

Depois dos deputados, também os funcionários dos partidos foram considerados pela Direcção-Geral de Saúde (DGS) "imprescindíveis" para o "normal funcionamento da sociedade" e, por isso, incluídos na 1ª fase da vacinação contra a Gripe A, à frente de doentes crónicos, grávidas, profissionais de saúde em contacto directo com doentes, crianças, etc., que, sendo "substituíveis", terão que esperar pelas fases seguintes, rezando para que o vírus use os mesmos critérios da DGS e não se lembre deles.

Compreende-se que gente dos partidos e deputados sejam, como diz a DGS, "essenciais ao normal funcionamento da sociedade". Pode perguntar-se é como, sem padeiros que lhes façam o pão, sem motoristas que os levem ao Parlamento e às sedes, sem pessoal das águas e da electricidade que lhes garanta o banho diário, a energia para os computadores e a luz para estudar os dossiês, sem educadoras e auxiliares de infantários que lhes tomem conta dos filhos enquanto trabalham e toda a mais gente não "imprescindível" nem "essencial ao normal funcionamento da sociedade", uns e outros poderão cumprir as suas funções.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


#993 - Morte de António Sérgio (1950-2009)

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.11.09




 

Os programas que marcaram a carreira de António Sérgio e os nossos dias.



Rotação

(entre 1977-1980): Foi o seu primeiro programa de autor, ainda na Rádio Renascença. Foi através deste programa que ajudou a lançar nomes cimeiros da música portuguesa, incluindo os Xutos&Pontapés.



Rolls Rock

: o primeiro programa que fez na Rádio Comercial, que na altura ainda dava pelo nome de RDP – Canal 4. O conceito por detrás do programa - nas palavras de João David Nunes - era ser “uma coisa especial, edições muito específicas e muito boas”.



Som da Frente

(1982 -1993): Como o próprio nome indica, tinha como missão estar na linha da frente das novidades; trazer até aos ouvintes portugueses o que de novo se fazia em Portugal e no Mundo e estar na vanguarda das novas sonoridades.



Lança-Chamas

: programa dedicado à chamada

música pesada

e ao

heavy metal

.



Loiras, Ruivas ou Morenas

: programa realizado pela mulher de António Sérgio, Ana Cristina Ferrão, em que António Sérgio passava apenas música interpretada por mulheres. De Ellis Regina a Janis Joplin.



Grande Delta

: Entre 1993 e 1997, durante o interregno que o levou à XFM.



Hora do Lobo

(1997-2007): O programa esteve no ar dez anos, entre a Comercial e a Best Rock FM, e dedicava-se a dar a conhecer as franjas menos conhecidas do pop-rock. Foi cancelado porque tinha deixado (segundo a direcção assumida pelo grupo Prisa) de se enquadrar na grelha. O fim do programa originou reacções e protestos. “Serviu como uma espécie de resumo de carreira. Porque o António Sérgio sempre foi um lobo solitário, mas de olhar penetrante”, define João David Nunes.



Viriato 25

: O seu mais recente programa, na Radar FM, em cujos estúdios ainda ontem tinha estado a gravar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00


#992 - (Re)Leituras

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.11.09



Título: Sinais de Fogo

Autor: Jorge de Sena

N.º pág. 526

Editor: Edições 70, 1978

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:34


#991 - Prémio Goncourt para Marie NDiaye

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.11.09


Hoje, durante o tradicional almoço no restaurante Drouant, em Paris, os membros da Academia Goncourt decidiram atribuir o mais importante prémio literário francês à escritora de origem senegalesa Marie NDiaye, pelo romance Trois femmes puissantes (Gallimard). A decisão foi tomada à primeira volta, quando NDiaye recebeu cinco votos, contra dois para Jean-Phillipe Toussaint (La vérité sur Marie, Éditions de Minuit) e um para Delphine de Vigan (Les heures souterraines, JC Lattès).


Entretanto, foram igualmente revelados os vencedores dos Prémios Renaudot. Ficção: Un roman français, de Frédéric Beigbeder (Grasset). Ensaio: Alias Caracalla: mémoires, 1940-1943, de Daniel Cordier (Gallimard). Renaudot Poche (para livros de bolso): Palestine, de Hubert Haddad (Zulma). Registe-se que o romance de Haddad
já tem edição portuguesa, da Quetzal, com tradução de Ana Cristina Leonardo.

 

In "Bibliotecário de Babel"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas