Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2855 - GRANDE HOTEL DE PARIS, QUARTO 312

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.09.18

Manuel de Freitas

 

 

GRANDE HOTEL DE PARIS, QUARTO 312

 

Um amigo meu disse-me para nunca

meter gaivotas num poema.

O que seria fácil noutra cidade qualquer,

onde o ruído do seu voo não acompanhasse

tão de perto a minha insónia, a vaga

inquietação do teu corpo adormecido.

 

Alastra da Sé aos Clérigos, um alarme branco

que a janela deste quarto aceita há mais de

duzentos anos. Serão outras as gaivotas

e as cabeças que, depois de muito ou nenhum

sexo, se rendem ao limbo brasonado dos lençóis.

Mas eu vim para a casa de banho escrever

este poema simples, cheio de versos inúteis,

que me exige as horas que não tenho.

 

Sem ele, teria sido um dia grácil e ligeiro

como a morte, duro e inaceitável

como a vida. Pois consegui, antes destes

adjectivos todos, comprar o belo e o sublime

por menos de oito euros. E o livro que Jorge

de Sena dedica sem gaivotas, «à cidade do Porto».

 

Deveria ser fácil como um beijo, este poema.

Mas não. Chegamos à janela e só vemos

lixo, prédios devolutos, uma coroa

de terra a esboroar-se.

                                           E invejamos,

das gaivotas, a pungente desrazão do voo,

essa alegria de não ter palavras

sob o céu limpo que nos mata.

 

Poema de Manuel de Freitas dedicado à memória de Jorge de Sena - in Terra Sem Coroa

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48


#2854 - O Silêncio dos Pássaros

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.09.18

"... A razão pela qual as pessoas não querem saber da sorte do planeta, nem do aquecimento global, da poluição dos ares, da morte das árvores, da agonia dos animais, dos furacões e das tempestades, dos mares de plástico, dos degelos e das secas, dos incêndios selvagens e das inundações, é simples. Na civilização, vemos a natureza ao longe, mediada por ecrãs e máquinas, solicitada pelos confortos da supremacia humana. Protegidos pela tecnologia, a previsão e a distância. Se estivermos dentro do fogo e da água, sujeitos à violência dos elementos, aprendemos a respeitar a natureza em vez de acabar com ela. Condenámo-nos por preguiça e egoísmo, e já se ouve o silêncio dos pássaros no planeta Terra."

 

Excerto da crónica "O Silêncio dos Pássaros" escrita por Clara  Ferreira Alves - REVISTA "E" - JORNAL EXPRESSO - EDIÇÃO 2395 DE 22 DE SETEMBRO DE 2018

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:40


#2853 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.09.18

Quem disser: "Nunca tive dias difíceis, maus momentos... a minha vida é perfeita"... 

ou é Deus,  tolo, mentiroso, ou um grande idiota.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:10


#2852 - Thomas Feiner & Ulf Jansson - Bested Bones

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.09.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:32


#2851 - Tinha eu 14 anos de idade

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.08.18

"Hey Jude", composta por Paul McCartney, foi lançada em 26 de Agosto de 1968

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:05


#2850 - Daniel Knox - High Point Drive

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.08.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:24


#2849 - The Pogues - Streets of Sorrow / Birmingham Six

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.08.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:11

A gare do caminho-de-ferro do Cairo a Alexandria; A eterna confusão das festas de Suez ; O que é um maquinista nos caminhos-de-ferro egípcios ; O embarque em Alexandria ; Port Said ; A baía em festa ; Iluminações ; Um café cantante em Port Said ; Os pavilhões e os príncipes ; Abd el-Kader ; Mr. Bauer ; Os dois obeliscos de pau da entrada do canal ;Primeiros sustos

 

Sr. Redator

Acedo com a mais perfeita vontade ao seu desejo de ter a história real das festas de Suez. Conto-lhe, porém, simplesmente e descarnadamente, o que me ficou em memória daqueles dias confusos e cheios de factos: tanto mais que as festas de Suez estão para mim entre duas recordações - o Cairo e Jerusalém: estão abafadas, escurecidas por estas duas luminosas e poderosas impressões: estão como pode estar um desenho linear a lápis, entre uma tela resplandecente de Decamps, o pintor do Alcorão, e uma tela mortuária de Delaroche, o pintor do Evangelho.

Talvez em breve eu diga o que é o Cairo e o que é Jerusalém na sua crua e positiva realidade, se Deus consentir que eu escreva o que vi na terra dos seus profetas. Hoje, faço-lhe apenas a narração trivial, o relatório chato das festas de Port Said, Ismailia e Suez.

Tínhamos voltado, eu e o meu companheiro, o conde de Resende, de uma excursão às pirâmides de Gizé, aos templos de Sacara e às ruínas de Mênfis, quando no Cairo soubemos que estavam na baía de Alexandria os navios do quediva que deviam levar-nos a Port Said e Suez.

Vínhamos do sossego do deserto e das ruínas, e logo na gare do Cairo, ao partir para Alexandria, começámos a envolver-nos, bem a custo, naquela confusão irritante que foi o maior elemento de todas as festas de Suez. A previdente penetração da polícia egípcia tinha esquecido que trezentos convidados, ainda que não tenham a corpulência tradicional dos paxás e dos vizires, não podem caber em vinte lugares de vagões, estreitos como bancos de réus. Por isso, em volta das carruagens havia uma multidão tão ávida como no saque de uma cidade.

Jonas Ali, o nosso drogman, um núbio, intrigou, conspirou, clamou e alcançou-nos numa carruagem de segunda classe, miseravelmente desmoronada, dois lugares empoeirados.

Confesso que foi com o maior tédio que comecei a atravessar a magnífica natureza do Delta. Demais, os caminhos-de-ferro egípcios não têm uma velocidade fixa. Vão aos caprichos do maquinista, que, de vez em quando, para a máquina, desce, acende o cachimbo, ri com algum velho conhecimento de estrada, sorve minuciosamente o seu café, torna a subir bocejando, e faz partir distraidamente o trem. Nesse dia, porém, o ar estava nublado, chuvoso; o maquinista levou-nos rapidamente a Alexandria. Na baía esperavam o Marsh, o Fayoum, o Behera, navios do paxá. O embarque fez-se com a confusão habitual, complicada com os embaraços de um mar agitado: os barcos iam cheios de gente; uns de pé, outros sentados na borda, roçando pela água, outros gravemente equilibrados sobre a acumulação pitoresca das bagagens: ria-se, fulminava-se a organização e a polícia das festas, gritava-se um pouco quando os barcos pesados oscilavam mais inquietadoramente. Nós subimos para o Fayoum, que devia levantar ferro nessa tarde, apesar do tempo contrário e dos mares que nós víamos partir de longe na linha de rochedos que precede a baía de Alexandria. E ao outro dia, por uma bela luz da manhã, entrávamos em Port Said por entre os dois grandes molhes que se adiantam paralelamente pelo mar, feitos de poderosos blocos de pedra solta. Port Said é uma cidade improvisada no deserto. É uma cidade de indústria e de operários: isto dá-lhe uma especialidade de fisionomia: estaleiros, forjas, serralharias, armazéns de materiais, aparelhos destilatórios. Tal é Port Said. A sua construção foi determinada pela necessidade de haver um vasto porto, que fosse uma estação de navios, à entrada do canal, e primitivamente, para que engenheiros, maquinistas, diretores de obras, tivessem um centro. Isto dá-lhe um aspeto de cidade provisória. Como havia espaço, as ruas são largas como praças e compridas como avenidas: as casas são baixas, de materiais ligeiros: sente-se a construção rápida e a incerteza da duração. Ali em Port Said, apesar dos seus doze mil habitantes, não há ainda um viver definitivo e regular. Não há estabelecimentos feitos na esperança da duração, não há comércios fixamente estabelecidos: tem tudo o aspeto de uma feira, que hoje ganha e prospera e amanhã se levanta e se dispersa. E isto porque, apesar da confiança de toda a população na prosperidade do canal, nenhuma profissão, nenhum comércio se quer arriscar a estabelecer-se de um modo definitivo, correndo o perigo de ver aquele começo de cidade estiolar-se e morrer miseravelmente. Pois tal seria a sorte de Port Said, bem como de Ismailia, se o canal fosse uma inutilidade, abandonada do comércio e da navegação.

A sua construção ressente-se pois destas circunstâncias: nem edifícios, nem monumentos, nem construções sólidas e sérias: tudo é ligeiro, barato, provisório. A igreja católica é como uma grande barraca: vê-se o céu azul através do seu teto feito de grandes traves mal unidas. Tudo isto dá a Port Said um aspeto triste. No fim das festas, tempo depois, quando ali tornei a passar, em viagem para Jerusalém, pareceu-me pela apatia da vida, pelo silêncio, que o deserto começava de novo a aparecer por entre aquela fraca aparência de cidade.

Mas naquele dia 17, da inauguração, Port Said, cheio de gente, coberto de bandeiras, todo ruidoso dos tiros dos canhões e dos hurras da marinhagem, tendo no seu porto as esquadras da Europa, cheio de flâmulas, de arcos, de flores, de músicas, de cafés improvisados, de barracas de acampamento, de uniformes, tinha um belo e poderoso aspeto de vida. A baía de Port Said estava triunfante. Era o primeiro dia das festas. Estavam ali as esquadras francesas do Levante, a esquadra italiana, os navios suecos, holandeses, alemães e russos, os iates dos príncipes, os vapores egípcios, a frota do paxá, as fragatas espanholas, a Aigle, com a imperatriz, o Mamondeh com o quediva, e navios com todas as amostras de realeza, desde o imperador cristianíssimo Francisco José até ao quediva árabe Abd el-Kader. As salvas faziam o ar sonoro. Em todos os navios, empavesados e cheios de pavilhões, a marinhagem, perfilada nas vergas, saudava com vastos hurras. De todos os tombadilhos vinha o vivo ruído das músicas militares. O azul da baía era riscado em todos os sentidos pelos escaleres, a remos, a vapor, à vela: almirantes com os seus pavilhões, oficialidades todas resplandecentes de uniformes, gordos funcionários turcos afadigados e apopléticos, viajantes com os chapéus cobertos de véus e couffiés, cruzavam-se ruidosamente por entre os grandes navios ancorados; as barcas decrépitas dos árabes, apinhadas de turbantes, abriam as suas largas velas riscadas de azul. Sobre tudo isto o céu do Egito, de uma cor, de uma profundidade infinita. À noite a cidade iluminava-se, enchia-se de músicas, de festas populares. As esquadras tinham as suas armações e cordagens cobertas de fios de luz. Durante toda a noite os fogos-de-artifício, numa grande linha de terra, faziam, sobre o céu escuro, grande bordado luminoso.

Na baía havia um viver completo, como numa cidade: bailes a bordo dos navios, jantares, visitas trocadas, receções, passeios a remo, serenatas nos escaleres. De tudo isto saía uma luz, um ruído, um fluido de vida poderosamente original. Havia em Port Said um café-cantante, memorável pela excentricidade da sua alegria: estava tão cheio de gente, que era necessário fumar, beber, ouvir, de pé, sufocado, hirto. Quando no palco aparecia a atriz para dizer a sua canção, as mil vozes daquela imensa multidão, acompanhadas do tinir cadenciado dos copos, do bater dos pés, dos assobios, dos uivos, dos gritos, começavam repetindo, com estrondo assombroso, a canção conhecida da atriz. Era bestial e extraordinário.

No dia seguinte ao da chegada, descemos todos a terra para a cerimónia da inauguração. Do lado oposto aos molhes, para além da cidade, tinham-se construído três pavilhões, estrados tapetados e blasonados, sobre a areia húmida da espuma do mar. Era nesse lugar a celebração religiosa: os ulemás e os padres cristãos deviam abençoar e consagrar nos seus ritos o canal de Suez. Um grande cortejo de convidados precedido dos príncipes, entre os quais sobressaía a pensativa e bela figura de Abd el-Kader, dirigiu-se para esse lugar, entre duas fileiras de soldados egípcios, de arcos, de bandeiras, e de árabes que abriam grandes olhos. No pavilhão principal, de cores triunfantes, colocavam-se os convidados reais e imperiais e os mais que podiam caber; no outro pavilhão estavam os ulemás maometanos; no terceiro os padres latinos, gregos, arménios e coptas.

Quando tudo estava colocado e o grande rumor da chegada e da confusão se acalmou, os ulemás prostraram-se, voltados para o lado de Meca, os padres cristãos começaram a missa, a artilharia salvou nas esquadras. Entretanto a multidão apinhava-se sobre a areia húmida em volta dos estrados; a grossa figura vermelha do quediva estava radiosa, a imperatriz tinha um ar de compunção discreta, Mr. De Lesseps tinha o seu belo e inteligente sorriso; em redor e até ao fundo horizonte, o mar sereno reluzia. Quando a artilharia findou, Mr. Bauer adiantou-se à beira do estrado e falou. Mr. Bauer é um homem baixo, pálido, de cara feminina e larga, cabelos pendentes em anéis sobre os ombros, asseado, bordado, perfumado, delicado, e com uma voz assombrosa. O que ele dizia eram palavras de fraternidade entre o Oriente e o Ocidente, esperanças de humanidade mais profunda, unida por aquela ligação marítima, palavras afáveis aos convidados reais, e recordações piedosas pelos corajosos trabalhadores, que durante aquela obra de luta morreram obscuramente. Quando ele disse o nome de Mr. De Lesseps, toda a imensa multidão bateu as palmas. Mr. Bauer findou, e o cortejo voltou à praia e dispersou-se pelos navios. Durante toda a noite os fogos-de-artifício, os clamores alegres da cidade, o ruído dos escaleres, as músicas, encheram a baía de vida.

Ao outro dia os navios começaram a mover-se lentamente, voltando a proa para um ponto da baía de Port Said, onde se erguiam, como os dois umbrais de uma porta, dois obeliscos de madeira vermelhos. Era a entrada do canal de Suez. Entretanto corriam por todos os navios estranhos boatos.

 

In "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:21


#2847 - Prémio Oceanos 2018

por Carlos Pereira \foleirices, em 18.08.18

Foi publicada a lista com os nomes dos semifinalistas do Prémio Literário Oceanos. São 16 os autores portugueses com obras selecionadas para a semifinal do Prémio Oceanos 2018, que será decidido em Outubro. Os restantes são brasileiros, moçambicanos, um cabo-verdiano e um timorense. Desta vez há também uma romena, um espanhol e uma suíça que escrevem em português.

 

Os escritores portugueses são: Rui Nunes, Bruno Vieira Amaral, Patrícia Reis, Sandro William Junqueira, H.G. Cancela, David Machado, Luís Osório, João Pinto Coelho, António Oliveira e Castro, José Tolentino Mendonça, Nuno Júdice, António Carlos Cortez, Luís Quintais, Frederico Pereira, Júlio Henriques, A.M. Pires Cabral.

 

LISTA COMPLETA DOS SEMIFINALISTAS

 

Criado no Brasil em 2003, com o nome de Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira, Oceanos expandiu a sua abrangência e tornou-se uma das principais referências no cenário literário.

Em 2007 — ainda com o patrocínio da empresa portuguesa de telecomunicações, Portugal Telecom, e o título Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa —, passou a contemplar todos os livros escritos em língua portuguesa publicados no Brasil. De 2007 a 2014, o prêmio Portugal Telecom garantiu por regulamento a seleção de 20% de livros portugueses e/ou africanos entre os semifinalistas e finalistas.

Em 2015, com a saída da Portugal Telecom do Brasil, o Banco Itaú assumiu o patrocínio do prêmio. Com a parceria do Itaú Cultural, responsável por todo o operacional do prêmio, a curadora Selma Caetano e um conselho formado pelos estudiosos de literatura Antônio Carlos Secchin, Beatriz Resende, Benjamim Abdala Jr., Flora Sussekind, José Castello, Leyla Perrone-Moisés, Lourival Holanda e Manuel da Costa Pinto avaliaram e aperfeiçoaram o regulamento, lançando as primeiras sementes da ampliação para toda a língua portuguesa. Com a mesma estrutura democrática e a diversidade do corpo inicial de jurados, o prêmio passou a chamar-se Oceanos.

Em 2017, depois de 14 edições contemplando obras de literatura em língua portuguesa editadas no Brasil, Oceanos abriu as suas inscrições para livros escritos em língua portuguesa publicados em qualquer lugar do mundo. Tornou-se, assim, um prêmio transnacional em sua estrutura e em sua dinâmica de avaliação, com júris compostos por especialistas de África, Brasil e Portugal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:43


#2846 - ARETHA FRANKLIN (1942-2018)

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.08.18

 

Aretha, a estrela que iluminou muitos dos meus dias não morreu. Apenas escolheu um outro lugar para morar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00


#2845 - I need my girl

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.07.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:32


#2844 - The Golden Man Booker Prize

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.07.18

The Golden Man Booker Prize

 Michael Ondaatje, com o livro "O Doente Inglês", foi o vencedor como o melhor Prémio Man Booker dos últimos 50 anos.

O livro foi editado em Portugal pela editora Dom Quixote em 1996 coincidindo com o ano do lançamento do filme com o título "O Paciente Inglês".

 

_________________________________________________________________________________________

 

Escritor de nacionalidade canadiana, Michael Ondaatje nasceu a 12 de setembro de 1943, no Ceilão. De raízes étnicas holandesas e indianas, estudou em Colombo até à altura em que acompanhou a mãe quando esta se mudou para Inglaterra em 1954.

Tomou os seus estudos secundários em Londres e, assim que os concluiu, mudou-se para o Canadá, chegando à cidade de Toronto no ano de 1962. Matriculou-se então na Universidade de Toronto e, após ter conseguido o bacharelato em 1965, transitou para a Queen's University de Ontário, de onde obteve a licenciatura dois anos depois. Deu portanto início a uma carreira como professor universitário e tomou a cidadania canadiana.
Estreou-se como escritor em 1967, ao publicar uma coletânea de poemas intitulada The Dainty Monsters. Seguiram-se The Man With Seven Toes (1969) e Rat Jelly (1973) até que Ondaatje acabou por ser reconhecido ao aparecer com The Collected Works Of Billy The Kid(1970), obra que lhe valeu um prémio literário atribuído anualmente pelo governador canadiano. Repetiu esta façanha em 1979 com o trabalho There's A Trick With A Knife I'm Learning To Do (1963-78).
Em 1976 publicou o seu primeiro romance, Coming Through Slaughter, no qual contava a história de um músico de jazz da Nova Orleães dos Anos 30. A obra, vencedora de um prémio literário, foi seguida por Running In The Family (1982), obra de carácter autobiográfico, e por In The Skin Of A Lion (1987), em que Ondaatje procedia a uma reflexão sobre o fenómeno da imigração. No ano de 1992, Ondaatje publicou a obra que se veio a tornar a mais conhecida, The English Patient (O Paciente Inglês). Vencedor, entre outros galardões, do Prémio Booker, o romance descrevia uma história de amor durante o período da Segunda Guerra Mundial. Foi adaptada para o cinema e, revelando-se um enorme sucesso de bilheteira, recebeu um Óscar da Academia norte-americana na categoria de melhor filme.
Em 1999, Ondaatje tornou a despertar as atenções do público e da crítica, ao surgir com um volume de poemas intitulado Handwriting. No ano de 2000 publicou um quarto romance, Anil's Ghost, obra que revertia para as suas origens singalesas.

Michael Ondaatje. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55


#2843 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.07.18

Diz-se:

Devagar se vai longe...

Só que ir devagar demora mais tempo a chegar aonde queremos ir e, por isso, não ter tempo para lá chegar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:39


#2842 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.07.18

GetResource.jpeg

 

170x.jpeg

 

O músico e escritor Kalaf Epalanga, membro da banda Buraka Som Sistema, dirige-se de autocarro da cidade sueca de Gotemburgo para Oslo, a capital da Noruega, onde vai actuar nessa noite no festival OYA. 
Como não tem um passaporte válido para mostrar é detido por tentativa de imigração ilegal e conduzido à esquadra da polícia para interrogatório. Aflito perante a iminência de perder o concerto, interroga-se: como vou explicar a estes polícias noruegueses que, apesar do meu aspecto pouco comum por estas paragens não sou mais que um pacífico músico angolano em digressão? Conseguirei explicar-lhes quem são os Buraka Som Sistema? Falo-lhes da cena musical de Lisboa? De como nasceu o Kuduro num musseque de Luanda? Eles irão perceber? Esta é a história deste extraordinário e surpreendente livro de Kalaf Epalanga. 

Trata-se na realidade de uma obra de auto-ficção, cultivada por tantos escritores europeus mas relativamente rara entre nós. E o mundo que nos mostra - de Luanda a Kristiansund, de Beirute ao Rio de Janeiro, sem esquecer a sua amada Lisboa - é uma autêntica revelação

 

___________________________________________________________________________________________

 

Músico, cronista e editor discográfico. Nasceu em Benguela, em Fevereiro de 1978, cresceu numa família de funcionários públicos, com ligações a vila da Catumbela, lugar que visita com regularidade, na tentativa de traçar um mapa afetivo com as pessoas e lugares que habitam a sua memória. Na segunda metade dos anos 90 mudou-se para Lisboa, com o objetivo de obter a melhor formação académica possível e regressar a Angola. No entanto esses dois desejos sofreram um desvio quando se viu sem as rédeas familiares e um mundo novo a revelar-se diante de si. Mergulhou, aprendeu com quantos baldes de cimento se faz uma parede, e qual o ponto de cozedura do arroz para sushi. Aprendeu a ouvir Jazz e a apreciar arte e design tão intensamente, a apreciar que o regresso a Angola ficou adiado por tempo indeterminado. A aventura poética iniciou-se nos finais de1998, numa altura em que Lisboa ensaiava novas linguagens rítmicas, buscando novos caminhos para a música urbana feita em português - multiplicou-se em colaborações, criando cumplicidades artísticas com Sara Tavares, Sam The Kid, Type, Nuno Artur Silva, entre outros, e, em 2003, juntou-se ao produtor João Barbosa, formaram o duo 1 Uik Project e fundaram a Enchufada, núcleo de produção musical, editora independente responsável pela edição do projeto Buraka Som Sistema, e com estes partiu para o mundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:56


#2841 - Conversas públicas em lugares públicos

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.07.18

Estou no café onde habitualmente bebo a minha bica. A dois passos da minha mesa, um casal. Ela numa dança frenética dos seus dedos com as teclas do telemóvel; ele comentando em voz alta as notícias nas quais tropeçava.

 

- Estás a ver, este é o Mário Nogueira do sindicato dos professores. Tem cara de diabo...

- Não conhecia!

respondeu ela passando um olhar rápido e distraído sobre a fotografia e sem deixar de matraquear as sofredoras teclas do telemóvel...

Estes sindicalistas, disse o homem com voz zangada, e vai receber de reforma 20 000 euros quando se reformar. É como aquele comunista o Carlos Carvalhas que recebe de reforma 60 000 euros.

 

Levantei-me da mesa e pensei: a estupidez é o resultado da combinação da ignorância com o convencimento e de não se ouvirem quando falam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40


#2840 - INSTRUMENTO DE SOMBRAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.07.18

Imagem relacionada

 Vasco Graça Moura

 

INSTRUMENTO DE SOMBRAS

 

coração, instrumento de sombras

e silêncios vibrantes, coração que te destróis

na turvação da alma,

de que matéria é feita a lucidez com quue palpitas

e sabes o que vai acontecer?

 

rente às águas fluviais, a neblina é mais espessa

entre os choupos de inverno.

também o amor é uma arte do tempo, uma

melodia delgada e frágil instalada em novembro,

tocada num instrumento de sombras

 

e pressentimentos, na indecisa fronteira

entre a vida e a morte. um dia

a chuva  há-de diluir tudo

na sua música, nas cadências da sua

lenta anestesia.

 

POESIA DE VASCO GRAÇA MOURA - POESIA REUNIDA, QUETZAL, 2012

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:21

revista ler020.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44


#2838 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.06.18

Os homens que nascem sem alma são umas bestas sem sensibilidade e completamente desprovidos de inteligência emocional e afectiva; logo o presidente americano já nasceu sem alma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:40


#2837 - Uma alma amarrotada

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.06.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30

Luís de Camões, Poesia
Foto
FERNANDO VELUDO/NFACTOS

 

 

O poeta Daniel Jonas é o vencedor da 23.ª edição do Grande Prémio da Literatura dst, no valor de 15 mil euros, com a obra Oblívio (Assírio & Alvim, 2017).

 

Em comunicado, a organização do prémio literário, que já distinguiu autores como Mário Cláudio, Luísa Costa Gomes, Armando Silva Carvalho, Jacinto Lucas Pires e Maria Velho Costa, destaca em Oblívio o "trabalho textual, muito depurado, assumindo uma linguagem de timbre clássico, para melhor encontrar uma clara modernidade de temas e formas". A obra, continua o júri, distingue-se também "pelas evidências cultas, sensíveis, de uma criação poética que não se alheia do quotidiano nem da emoção".

Daniel Jonas é poeta, dramaturgo e tradutor. Enquanto poeta, haviam já merecido atenção os anteriores Sonótono (Cotovia, 2006), que lhe valeu o prémio PEN de Poesia, Passageiro Frequente (Língua Morta, 2013), com que foi candidato ao prémio Poeta Europeu da LiberdadeNó (Assírio & Alvim, 2014), Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes da Associação Portuguesa de EscritoresBisonte (Assírio & Alvim, 2016).

 

Em 2012, Daniel Jonas foi distinguido com o Prémio Europa David Mourão-Ferreira, da Universidade de Bari/Aldo Moro, pelo conjunto da obra.

 

O Grande Prémio de Literatura dst foi instituído há mais de duas décadas pelo dstgroup e é entregue de forma rotativa, distinguindo num ano poesia e no ano seguinte prosa.

 

O prémio será entregue no dia 29 de Junho, numa cerimónia integrada na Feira do Livro de Braga.

 

JORNAL PÚBLICO

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:38

 

 Antonio Muñoz Molina, escritor espanhol, vai estar hoje na Feira do Livro de Lisboa para apresentar o seu romance "Como a Sombra que Passa", edição portuguesa da Ponto de Fuga.

O livro, finalista da edição deste ano do Prémio Man Booker Internacional, trata o assassinato de Martin Luther King ocorrido em 4 de Abril de 1968, e do percurso do seu assassino James Earl Ray desde o crime até à sua captura, incidindo particularmente nos dias que passou em Lisboa durante a sua fuga.

 

__________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

Antonio Muñoz Molina nasceu em Úbeda, na província andaluza de Jáen, em 1956. Mundialmente reconhecido como um dos maiores escritores atuais em língua espanhola, é autor de mais de uma quinzena de romances, duas recolhas de contos, além de numerosos ensaios e escritos jornalísticos. De entre a sua obra narrativa foram publicados em Portugal Beatus Ille (1986), O Inverno em Lisboa (1987), Beltenebros (1989), O Cavaleiro Polaco (1991), Os Mistérios de Madrid (1992), Nada do Outro Mundo (contos, 1993), O Dono do Segredo (1994), Ardor Guerreiro (1995), Plenilúnio (1997), Carlota Fainberg (2000), Na Ausência de Blanca (2001), Sefarad (2001) e O Vento da Lua (2006). Duas vezes vencedor do Premio Nacional de Narrativa (1988 e 1992) e galardoado com o Premio Príncipe de Asturias pelo conjunto da sua obra (2013), é membro da Real Academia Española desde 1995. Vive entre Madrid e Lisboa e é casado com a escritora Elvira Lindo. 

(Este texto foi retirado do «sítio» da WOOK)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:42


#2834 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.05.18

Quanto maior a expectativa maior o desassossego.

 

Quanto maior o desejo maior a angústia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44


#2833 - My Autumn Empire . Death Song

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.05.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:33


#2832 - A Importância de seres tu

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.05.18

Quando tu passas...

As árvores inclinam-se respeitosamente

As aves ficam suspensas em gotas de orvalho

O ar fica transparente

O vento parado e

A respiração da natureza é um gemido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:46


#2831 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.04.18

Há homens que gostam de exibir a sua virilidade ao promover e provocar conflitos.  Mas na realidade o que exibem é a sua imbecilidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:57


#2830 - PRÉMIOS PULITZER 2018

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.04.18

2018 Pulitzer Prizes

See 2018 Board Members

JOURNALISM

The New York Times, for reporting led by Jodi Kantor and Megan Twohey, and The New Yorker, for reporting by Ronan Farrow

For explosive, impactful journalism that exposed powerful and wealthy sexual predators, including allegations against one of Hollywood’s most influential producers, bringing them to account for long-suppressed allegations of coercion, brutality and victim silencing, thus spurring a worldwide reckoning about sexual abuse of women.

Staff of The Press Democrat, Santa Rosa, Calif.

For lucid and tenacious coverage of historic wildfires that ravaged the city of Santa Rosa and Sonoma County, expertly utilizing an array of tools, including photography, video and social media platforms, to bring clarity to its readers — in real time and in subsequent in-depth reporting.

Staff of The Washington Post

For purposeful and relentless reporting that changed the course of a Senate race in Alabama by revealing a candidate’s alleged past sexual harassment of teenage girls and subsequent efforts to undermine the journalism that exposed it.

Staffs of The Arizona Republic and USA Today Network

For vivid and timely reporting that masterfully combined text, video, podcasts and virtual reality to examine, from multiple perspectives, the difficulties and unintended consequences of fulfilling President Trump's pledge to construct a wall along the U.S. border with Mexico.

The Cincinnati Enquirer Staff

For a riveting and insightful narrative and video documenting seven days of greater Cincinnati's heroin epidemic, revealing how the deadly addiction has ravaged families and communities.

Staffs of The New York Times and The Washington Post

For deeply sourced, relentlessly reported coverage in the public interest that dramatically furthered the nation’s understanding of Russian interference in the 2016 presidential election and its connections to the Trump campaign, the President-elect’s transition team and his eventual administration. (The New York Times entry, submitted in this category, was moved into contention by the Board and then jointly awarded the Prize.)

Clare Baldwin, Andrew R.C. Marshall and Manuel Mogato of Reuters

For relentless reporting that exposed the brutal killing campaign behind Philippines President Rodrigo Duterte’s war on drugs.

 

Rachel Kaadzi Ghansah, freelance reporter, GQ

For an unforgettable portrait of murderer Dylann Roof, using a unique and powerful mix of reportage, first-person reflection and analysis of the historical and cultural forces behind his killing of nine people inside Emanuel AME Church in Charleston, S.C.

 

John Archibald of Alabama Media Group, Birmingham, Ala.

For lyrical and courageous commentary that is rooted in Alabama but has a national resonance in scrutinizing corrupt politicians, championing the rights of women and calling out hypocrisy.

Jerry Saltz of New York magazine

For a robust body of work that conveyed a canny and often daring perspective on visual art in America, encompassing the personal, the political, the pure and the profane.

Andie Dominick of The Des Moines Register

For examining in a clear, indignant voice, free of cliché or sentimentality, the damaging consequences for poor Iowa residents of privatizing the state’s administration of Medicaid.

Jake Halpern, freelance writer, and Michael Sloan, freelance cartoonist, The New York Times

For an emotionally powerful series, told in graphic narrative form, that chronicled the daily struggles of a real-life family of refugees and its fear of deportation.

Ryan Kelly of The Daily Progress, Charlottesville, Va.

For a chilling image that reflected the photographer’s reflexes and concentration in capturing the moment of impact of a car attack during a racially charged protest in Charlottesville, Va.

Photography Staff of Reuters

For shocking photographs that exposed the world to the violence Rohingya refugees faced in fleeing Myanmar. (Moved by the Board from the Breaking News Photography category, where it was entered.)

LETTERS, DRAMA & MUSIC

Less, by Andrew Sean Greer (Lee Boudreaux Books/Little, Brown and Company)

A generous book, musical in its prose and expansive in its structure and range, about growing older and the essential nature of love.

Cost of Living, by Martyna Majok

An honest, original work that invites audiences to examine diverse perceptions of privilege and human connection through two pairs of mismatched individuals: a former trucker and his recently paralyzed ex-wife, and an arrogant young man with cerebral palsy and his new caregiver.

Prairie Fires: The American Dreams of Laura Ingalls Wilder, by Caroline Fraser (Metropolitan Books)

A deeply researched and elegantly written portrait of Laura Ingalls Wilder, author of the Little House on the Prairie series, that describes how Wilder transformed her family’s story of poverty, failure and struggle into an uplifting tale of self-reliance, familial love and perseverance.

Half-light: Collected Poems 1965-2016, by Frank Bidart (Farrar, Straus and Giroux)

A volume of unyielding ambition and remarkable scope that mixes long dramatic poems with short elliptical lyrics, building on classical mythology and reinventing forms of desires that defy societal norms.

DAMN., by Kendrick Lamar

Recording released on April 14, 2017, a virtuosic song collection unified by its vernacular authenticity and rhythmic dynamism that offers affecting vignettes capturing the complexity of modern African-American life.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:44


#2829 - Poema de Hilda Hilst

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.04.18

HILDA HILST

 

Alcoólicas (trechos)

É crua a vida. Alça de tripa e metal.
Nela despenco: pedra mórula ferida.
É crua e dura a vida. Como um naco de víbora.
Como-a no livor da língua
Tinta, lavo-te os antebraços, Vida, lavo-me
No estreito-pouco
Do meu corpo, lavo as vigas dos ossos, minha vida
Tua unha plúmbea, meu casaco rosso.
E perambulamos de coturno pela rua
Rubras, góticas, altas de corpo e copos.
A vida é crua. Faminta como o bico dos corvos.
E pode ser tão generosa e mítica: arroio, lágrima
Olho d’água, bebida. A vida é líquida.

 

Também são cruas e duras as palavras e as caras
Antes de nos sentarmos à mesa, tu e eu, Vida
Diante do coruscante ouro da bebida. Aos poucos
Vão se fazendo remansos, lentilhas d’água, diamantes
Sobre os insultos do passado e do agora. Aos poucos
Somos duas senhoras, encharcadas de riso, rosadas
De um amora, um que entrevi no teu hálito, amigo
Quando me permitiste o paraíso. O sinistro das horas
Vai se fazendo tempo de conquista. Langor e sofrimento
Vão se fazendo olvido. Depois deitadas, a morte
É um rei que nos visita e nos cobre de mirra.
Sussurras: ah, a vida é líquida.

 

Alturas, tiras, subo-as, recorto-as
E pairamos as duas, eu e a Vida
No carmim da borrasca. Embriagadas
Mergulhamos nítidas num borraçal que coaxa.
Que estilosa galhofa. Que desempenados
Serafins. Nós duas nos vapores
Lobotômicas líricas, e a gaivagem
se transforma em galarim, e é translúcida
A lama e é extremoso o Nada.
Descasco o dementado cotidiano
E seu rito pastoso de parábolas.
Pacientes, canonisas, muito bem-educadas
Aguardamos o tépido poente, o copo, a casa.

 

POEMA DE HILDA HILST

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26


#2828 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.04.18

 Foto: Ameer Alhalbi/Reprodução

 

Homens graúdos disputam contra outros homens graúdos, e usam a força e o poder para despejar sobre gente muito mais pequena os seus brinquedos de estimação que matam, mutilam e  destroem, julgando que é desta maneira que resolvem as suas diferenças e os conflitos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:44


#2827 - Adiamento de uma declaração que era suposto ser importante

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.04.18

Adiamento de uma declaração que era suposto ser importante

 

Uma pequena conversa como intróito

diálogos curtos

poupar as palavras

disparates podem ser ditos mas

não atropeles a minha fala

o silêncio é a minha deixa

lavas a garganta com o vinho que ainda não beberas

aclaras a voz

sacodes a rouquidão até ao lenço

brincas nervosa com as pontas onduladas do cabelo

uma porta abre-se

o empregado entra

com delicadeza diz as horas

e a declaração fica adiada

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:51


#2826 - Boduf Songs - The Rotted Names

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.04.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41

 

 
 
 

 Pascal Bost

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:36


#2824 - A terapia do silêncio

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.04.18

Gosto do silêncio. Não do silêncio branco, asséptico e surdo.

 

Às vezes o corpo reclama-o quando precisa de combater contra qualquer desequilíbrio.

 

O silêncio pode ser comovente quando se torna transparente. E através dessa transparência  descobrimos que as árvores falam entre si (senão a vida delas seria tragicamente monótona e secavam por tristeza); as abelhas são chamadas pelas flores quando precisam de ser polinizadas; o vento confidencia com os cata-ventos, dizendo-lhes em que sentido devem indicar a força do seu sopro.

 

O silêncio serve para lavarmos a boca, os ouvidos, os olhos;  para ouvir as angústias da alma; expulsar os vários demónios que nos inquietam.

 

O mundo seria muito melhor se ouvissemos as vozes do silêncio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:28


#2823 - LIVROS [LANÇAMENTOS PREVISTOS PARA ESTE MÊS ]

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.04.18

Uma nova edição do "Fausto" de Fernando Pessoa, os contos completos de Marcel Proust e o novo romance de Salman Rushdie, "A Casa Golden": estes são alguns dos lançamentos que pode esperar em abril.

 

O mês de abril vai ficar sobretudo marcado por bons lançamentos de ficção

Getty Images/iStockphoto/MaskaRad

Livros de ficção

A Tinta-da-China vai publicar, neste mês de abril, uma nova edição de Fausto, de Fernando Pessoa. A obra, inacabada, foi editada pela primeira e única vez em 1988 por Teresa Sobral Cunha, com prefácio de Eduardo Lourenço. Esta será, portanto, a primeira edição nova em 30 anos. Da responsabilidade de Carlos Pittela (co-autor de Como Fernando Pessoa pode mudar a sua vida), esta nova edição de Fausto será também a primeira a ter aparato crítico.

 

A E-Primatur vai editar Contos Completos e Outros Textos, de Marcel Proust enquanto que pela Elsinore vai sair O Gato, o Ankou e o Maori, de Michel Rio, e A Devastidão do Silêncio, de João Reis. Já a Cavalo de Ferro vai publicar A Mente Aprisionada, de Czeslaw Milosz, e A Língua Resgatada, de Elias Canetti, na continuação da publicação das obras do escritor búlgaro. A Alfaguara vai publicar Tu não és como as outras mães, de Angelina Schrobsdorff.

A Língua Resgatada, do Prémio Nobel da Literatura Elias Canetti, vai sair no dia 16 de abril pela Cavalo de Ferro

 

A Livros do Brasil vai editar neste mês de abril Um Crime em Glenlitten, de E. Phillips Oppenheim, o novo volume da coleção “Vampiro”, e Um Diário Russo, o relato da viagem que John Steinbeck fez pela Rússia do pós-Segunda Grande Guerra, com fotografias de Robert Capa. A Porto Editora vai publicar Burgueses somos nós todos ou ainda menos, de Mário de Carvalho, e O Caderno, um volume com textos escritos por José Saramago entre setembro de 2008 e março de 2009.

 

Depois de Dois Irmãos, a Companhia das Letras vai editar Relato de um certo oriente, do brasileiro Miltom Hatoum. “Entre o Oriente e o Amazonas, este é o relato da procura de um mundo perdido, como perdidos estão sempre os lugares das nossas recordações. Nele, as memórias fluem como o rio, entre este e oeste, entre cidade e selva, entre vida e morte”, refere a editora. “Carregado do magnetismo e beleza da Amazónia, submerso no lirismo doce e envolvente da escrita de Milton Hatoum, Relato de um certo oriente traz o sopro das obras que vieram para ficar.”

 

Companhia das Ilhas vai publicar Puta de Filosofia, de Carlos Alberto Machado, “um romance político-policial, polvilhado por cenas eróticas, literárias e gastronómicas”. Pela Caminho vai sair, a 24 de abril, Juncos à beira do Caminho, um livro de poesia de Francisco José Viegas. É também mais ou menos na mesma altura que vai chegar às livrarias Poemas Escolhidos, do poeta inglês William Wordsworth, com chancela da Assírio & Alvim.

A Companhia das Letras vai publicar outro romance do premiado escritor brasileiro Milton Hatoum. Relato de um certo oriente chega às livrarias a 17 de abril

 

A Dom Quixote vai publicar Memórias Secretas, de Mário Cláudio, Autobiografias Alheias, de Antonio Tabuchi (cujos seis anos da sua morte serão assinalados em abril pela Fundação Calouste Gulbenkian com uma série de iniciativas), A Casa Golden, o novo romance de Salman Rushdie, e A Mãe, de Pearl S. Buck. Pela Planeta vai sair Beren e Lúthien, de J.R.R. Tolkien.

 

A ASA vai lançar uma nova edição de A Trança de Inês, o romance de Rosa Lobato de Faria que deu origem ao filme “Pedro e Inês”, realizado por António Ferreira, e Tempo Suspenso, de Elizabeth Jane Howard. A Guerra & Paz vai publicar três clássicos: Drácula, de Bram Stoker, O Alienista, de Machado de Assis, e A Letra Escarlate, de Nataniel Hawthorne.

Livros de não-ficção

A Dom Quixote vai editar Maio de 68. Uma Contrarevolução conseguida, de Régis Debray, A Ordem do Dia, de Éric Vuillar, vencendor do Prémio Goncourt em 2017, e À conversa sobre negociações – um diálogo sobre a arte da negociação ao longo da História, de José Miguel Júdice e Pedro Fontes Falcão. A BookBuilders vai lançar em abril O Mar, Uma História Cultural, de John Mack (com prefácio de Álvaro Garrido).

 

A Guerra & Paz vai publicar Cabinda – Um Território em Disputa. Organizado pelo jornalista e ativista Sedrick de Carvalho, o livro reúne “ensaios de oito autores influentes e decisivos, mostrando diferentes perspectivas sobre a questão e o estatuto do território” angolano, refere a editora. Pela Ítaca — que agora pertence à Relógio d’Água — vai sair Mercadores de gente  Como os jiadistase o Estado Islâmico transformaram o rapto e tráfico de refugiados num negócio multimilionário, uma investigação meticulosa da jornalista e economista italiana Loretta Napoleoni sobre a indústria do rapto no Médio Oriente e Norte de África.

Cabinda — Um Território em Disputa, com organização de Sedrick Carvalho, vai ser publicado já no dia 3 de abril pela Guerra & Paz

 

A Saída de Emergência vai lançar Lava-Jato, a investigação do jornalista brasileiro Vladimir Netto sobre o complexo processo de corrupção e lavagem de dinheiro que já deu origem a mais de mil mandados de busca, apreensão e detenção no Brasil. Pela Planeta vai sair A Filha do Profeta, de Rachel Jeffs.

 

Informação retirada do jornal online "Observador" e cuja autora é Rita Cipriano

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:54


#2821 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.04.18

Palavras rugosas naufragam nos meus ouvidos por não terem qualquer valor, significado, afecto e emoção. Por que não prestam afogo-as num mar cínico e sarcástico acompanhadas por uma assassina gargalhada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:37


#2820 - Destroyer "Girl in a Sling" (Official Music Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.04.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:22


#2819 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.04.18

Viver é morrer devagarinho todos os dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:18


#2818 - Son Lux feat. Faux Fix - Race To Erase

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.04.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:19


#2817 - Son Lux - No Fate Awaits Me (Audio) ft. Faux Fix

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.04.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15


#2816 - Grita...o mais alto que puderes

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.04.18

 ALEXANDRA DE PINHO  EXPRESSÕES

 

Sobe

sobe até ao ponto mais alto do monte

e grita

Grita o teu nome

o nome dos teus pais

o nome dos teus filhos

se os tens

 

Grita

grita o mais alto que puderes

até sentires o peito a arder

mas grita

não te importes com a dor

muitas vezes alivia

 

Sobe

sobe ao sítio mais alto do monte 

e berra

berra as provocações que sofreste

as humilhações cravadas na cabeça para que não esquecesses

os maus e feios nomes tatuados na face da tua pele

 

Não gemas

grita

berra

o mais alto que a dor conseguir suportar

até as nuvens sumirem e

o céu ficar todo azul

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:53


#2815 - sob a voz contraída da poesia [um poema de Rosa Oliveira]

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.04.18

podia bordar a minha cara 

sobre tantas caras

do mundo

(abro parêntese

nele entra o voo desta paisagem

tão inútil

como mudar uma vírgula a alguém)

 

rostos que só vimos um momento

rostos que encontramos pelo caminho

os últimos momentos de um rosto

as ideias que se têm sobre um rosto

os seus longos trajectos ínvios

desde o latim liceal

o dorso dos rostos coberto de mato

 

olhos débeis palpitam dentro dos olhos

mal nos deixam ver os rostos nublados

por excesso de vegetação

palpitam

sobrepõem-se páginas de rostos

vemos rostos nos rostos

há rostos que choram tanto

que acabam por se partir

 

um molho de folhas arrefece

entre os meus olhos líricos de cortiça

por vezes olhamos para o espelho

não há nada lá dentro

por vezes morremos na rua

reflectidos nos vidros partidos

da varanda materna

no clarão intempestivo do fósforo

ilusão fulgurante

 

morremos um pouco

na mudança de linha

em cada parágrafo

mal assinalado

 

alguém

espera o primeiro choro da criança

para entrar nela

ainda suja da lama genética

 

venceste a insidiosa

a cadela que exige sangue

(julgas tu...)

 

Poema de Rosa Oliveira in tardio

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:07


#2814 - JACQUELINE WOODSON VENCE PRÉMIO LITERÁRIO ASTRID LINDGREN

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.03.18

Link to: More about Astrid Lindgren

Good literature gives the child a place in the world and the world a place in the child.

 

 JACQUELINE WOODSON

 

Jacqueline Woodson, escritora norte-americana, venceu o Prémio Literário Sueco Astrid Lindgren (ALMA). Estavam nomeados, também, o projecto teatral Andante e os autores André Letria e Maria Teresa Maia Gonzalez.

 

Este prémio literário - Astrid Lindgren Memorial Award - foi criado pelo governo sueco em 2002 e tem como objectivo reconhecer anualmente o trabalho de um autor, ilustrador ou organização na promoção da leitura e do livro infanto-juvenil.

 

Jacqueline Woodson nasceu em Brooklyn no ano de 1963, e é autora de mais de trinta obras que se dividem pelo romance, poesia e livro ilustrado para a infância sendo o mais conhecido o seu livro autobiográfico "Brown girl dreaming" que lhe deu em 2014 o Prémio Nacional de Literatura.

 

A Biblioteca do Congresso nomeou-a embaixadora nacional para a literatura para jovens.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23


#2813 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.03.18

Conforme os cânones da Igreja Católica, a Quaresma é o tempo de reflexão e penitência, silêncio e introspecção, humildade. É o tempo para entender o significado e o propósito da morte e ressurreição do homem que sacrificou a sua vida para salvar a humanidade. 

 

Tudo é espectáculo, folclore. E em nome dos chamados "Roteiros Religiosos" banaliza-se o sagrado tornando-o numa grande algazarra, pompa e circunstância onde o que verdadeiramente interessa aos seus promotores são números e talvez um qualquer prémio que enriqueça o curriculum.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30


#2812 - Recordar a obra de Dick Haskins

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.03.18
 
 
 
 

Nascido em Lisboa, a 11 de Novembro de 1929 e falecido a 21 de Março de 2018, foi defensor do princípio de que um escritor nasce com a vocação para escrever, António de Andrade Albuquerque (que usou o pseudónimo de Dick Haskins nas obras do género policial) sentiu inclinação para a produção literária desde a adolescência. Escreveu contos que se perderam no fundo de uma gaveta e no tempo, teceu e orientou os argumentos das aventuras que todos «vivemos» com os amigos na juventude que, de uma forma ou outra, deixa sempre um rasto de saudade, ouviu e nunca esqueceu o que o seu Professor de Português no Liceu de Passos Manuel, em 1942, lhe vaticinou tornar-se um dia escritor, mas ainda viria a hesitar entre a Medicina e a Literatura.

Contudo, o vaticínio do Professor António José Saraiva prevaleceu; Andrade Albuquerque, já casado e trabalhador-estudante na altura, abandonaria o já iniciado curso de Medicina e optaria pela profissão de escritor, embora continuasse, por gosto, em contacto com a ciência médica através de diversos meios.

O Sono da Morte - Capa do Livro

Em 1955, surpreende-se com a aprovação do primeiro livro que escreveu, O Sono da Morte. Uma semana depois de o ter submetido à apreciação da Empresa Nacional de Publicidade, proprietária de um dos principais jornais portugueses, o «Diário de Notícias». Mas não seria este, afinal, o passo decisivo que iria consolidar a sua profissão de escritor. A colecção na qual o seu primeiro livro iria ser publicado saía ao ritmo de dois a três volumes por ano, o que deu origem a que aquela obra só fosse editada em 1958, ano em que criava a Colecção Policial Enigma e ingressava nas Edições Ática como director e autor da mesma.

Em 1961, foi editado pela primeira vez no estrangeiro – em Espanha e em diversos países da América do Sul – através da Editorial Molino. Em 1963, as editoras alemã Wilhelm Goldmann Verlag, de Munique, e Krimi Verlag AG, de Wollerau, Suíça, contratam oito dos seus livros já então escritos e publicados no idioma original, para publicação na Alemanha, Áustria e Suíça, e o editor Plaza & Janés, de Barcelona, publica dois títulos em Espanha e na América do Sul.

Seguir-se-iam outros países a partir de 1963, França, Itália, Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Suécia, Noruega, Dinamarca, Finlândia, Grã-Bretanha, Irlanda, Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, Estados Unidos, México, Colômbia, Argentina, Uruguai e Brasil o que, realmente, consolidou a decisão anteriormente tomada de optar pela profissão de escritor.

Ainda na década de sessenta, a RTP – Radiotelevisão Portuguesa – produz e apresenta no programa «Noite de Teatro» a adaptação da sua novela «Fim-de-Semana com a Morte» com o título de O Caso BardotA mesma novela, mantendo o título original, é adaptada ao cinema numa co-produção internacional – Portugal, Espanha e Alemanha  – filme que foi protagonizado por António Vilar, Peter Van Eyck e a italiana Letícia Román, dobrado em diversos idiomas e apresentado em vários países, entre eles os Estados Unidos.

 

LER O RESTO AQUI

 

Todas as Obras (24)

 
O Expresso de Berlim
€16,90
 
O Papa Que Nunca Existiu
€12,90
 
Climax
 
                         

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53


#2810 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.03.18

iosif brodskii013.jpg

CANÇÃO

 

Queria que estivesses aqui comigo, querida,

Queria que estivesses aqui comigo.

Queria que te sentasses no sofá

e eu sentava-me ao teu lado contigo.

O lenço, o teu podia ser,

e minha era a lágrima, até ao queixo.

Mas, claro, podíamos inverter

os respectivos papéis.

 

Queria que estivesses aqui xomigo, querida,

Queria que estivesses aqui comigo.

Queria que estivéssemos no meu carro,

meter as mudanças era contigo.

Quando parássemos, daríamos

por nós algures, numa costa ignorada.

Ou então regressaríamos

à nossa antiga morada.

 

Queria que estivesses aqui comigo, querida,

Queria que estivesses aqui comigo.

Queria não saber nada de astronomia

quando as estrelas aparecem e as sigo,

quando a lua a água coa

que a dormir se mexe e suspira sem parar.

Queria ainda que a lua fosse uma moe

da para te telefonar.

 

Queria que estivesses aqui comigo, querida,

aqui neste hemisfério,

agora que estou na varanda sentado,

a beber uma cerveja.

Cai a tarde, o sol está a pôr-se;

ouvem-se rapazes aos berros e gaivotas a gritar.

Que interesse tem esquecer,

se se lhe segue morrer?

 

                      1989

 

Poema de Iosif Brodskii

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53


#2809 - Sidi Larbi Cherkaoui & Woodkid - I Will Fall For You

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.03.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:02


#2808 - YONVILLE

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.03.18

 

YONVILLE

 

viu que o tempo atravessava tudo

entrava nas cabeças

desfazia pequenas ligações interiores

enlouquecia

 

sobre os cabelos caía

uma poeira de mãos rápidas

a rede quase invisível

à volta dos lábios

 

escondia os livros mais importantes

desfazia os dias em tarefas inúteis

atraiçoava os amigoa com amantes desdichados

 

secretamente sabia

o tempo vai transformar-nos

em glosas esventradas de nós mesmos

vai pôr a rezar os poetas mais obscuros

leva-nos pela mão

arrasa

 

olhou o horizonte e suspirou

era vasto demais

o prado e o céu juntavam-se

 

insuportável

como toda a paz campestre

 

Poema de Rosa Oliveira in tardio, edição Tinta-da-China, Março de 2017

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:15


#2807 - Fernando Pessoa - carta a Ronald de Carvalho

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.03.18

Fernando Pessoa - carta a Ronald de Carvalho


"Para as mãos de Fernando Pessoa, fraternalmente Ronaldo de Carvalho. Rio MCMXIV"
A única carta conhecida de Fernando Pessoa a um poeta brasileiro.


Um exemplar do livro "Luz Gloriosa", foi oferecido a Fernando Pessoa pelo autor e enviado através de Luís de Montalvor, no seu regresso a Lisboa após dois anos como secretário da Embaixada de Portugal no Rio de Janeiro. O livro tem uma dedicatória escrita pelo punho de Ronald de Carvalho:

Em 29 de Fevereiro de 1915, Fernando Pessoa escreveu ao autor, agradecendo o livro que este lhe oferecera e fazendo uma crítica de "Luz Gloriosa", leia abaixo a carta na íntegra. A crítica de Fernando Pessoa parece ter influenciado Ronald de Carvalho, que iria aderir ao modernismo, destacando-se a sua intervenção na Semana de Arte Moderna de 1922, cinco anos mais novo do que Fernando Pessoa, Ronald de Carvalho viria a morrer, por coincidência, no mesmo ano do escritor português.


CARTA DE FERNANDO PESSOA AO POETA RONALD DE CARVALHO

 

Lisboa, 24 de Fevereiro de 1914?


Meu caro Poeta
.

Escrevo-lhe a desoras da Delicadeza. Há meses que o Luís de Montalvor me fez chegar aos olhos o seu Livro. Embora o lesse sem tardança, tenho demorado o agradecimento para além dos limites que se usam. A licença poética não admite tanto. Eu tenho abusado do direito concedido aos camaradas de responder longe de propósito. Começo a minha carta por lhe pedir as desculpas a que este adiamento obriga.


Não sei que lhe diga do seu livro, que seja bem um ajuste entre a minha sensibilidade e a minha inteligência. Ele é deveras a obra de um Poeta, mas não ainda de um Poeta que se encontrasse, se é que um Poeta não é, fundamentalmente, alguém que nunca se encontra. Há imperfeições e inacabamentos nos seus versos. Vêem-se ainda entre as flores as marcas das suas passadas. Não se deveriam ver. Do poeta deve ser o ter passado sem outro vestígio que a presença das rosas. Para quê os ramos quebrados, ainda, e partido o caule das violetas?


Eu não lhe devia dizer isto, talvez, sem prefaciar que sou o mais severo dos críticos que tem havido. Exijo a todos mais do que eles podem dar. Para que lhes havia eu de exigir o que cabe na competência das suas forças? O poeta é o que sempre excede o que pode fazer.
O seu livro é dos mais belos que recentemente tenho lido. Digo-lhe isto para que, não me conhecendo, me não julgue posto sobre a severidade sem atenção às belezas do seu livro. Há em si o com que os grandes poetas se fazem. De vez em quando a mão do escultor faz falar as curvas nuas da sua Matéria. E então é o seu poema sobre o “Cais”, e o seu “Outono”, e este e aquele verso, caído dos deuses como o que é azul no céu nos intervalos da tormenta. Exija de si o que sabe que não poderá fazer. Não é outro o caminho da Beleza.
Eu detalho.


Tenho vivido tantas filosofias e tantas poéticas que me sinto já velho, e isto faz com que me dê o direito de o aconselhar, como Keats a Shelley, que esteja de vez em quando com as asas fechadas. Há um grande prazer estético às vezes em deixar passar sem exprimir uma emoção cuja passagem nos exige palavras. Dos nossos jardins interiores só devemos colher as rosas mais afastadas e as melhores horas e fixar só aquelas ocasiões do crepúsculo quando dói demasiado sentirmo-nos. Nenhum poeta tem o direito de fazer versos porque sinta a necessidade de os fazer. Há só a fazer aqueles versos cuja inspiração é perfumada de imortalidade.


Escrevo e paro. Pergunto a mim-próprio se poderá julgar tudo isto, porque não é transbordante de elogios, uma crítica adversa. Não o conheço e não sei. Mas repare que só a quem muito aprecio eu escrevo destas coisas. Decerto me faça justiça de crer que a quem não tem nenhum valor eu digo imediatamente que tem muito. Só vale a pena notar os erros dos que são na verdade Poetas, daqueles em quem os erros são erros. Para que notar os erros daqueles que não têm em si senão o jeito de errar?


Com tudo isto, que parece hesitante no elogio, repito-lhe que o seu livro é dos mais belos que ultimamente tenho lido. A sua imaginação, doentia e delicada, é uma princesa que olha das janelas o luxo longínquo dos tanques. Vejo que sente os repuxos. Eles são com efeito as melhores horas da água, e decerto que os mais belos são aqueles, em jardins ainda do século dezoito (e que nós nunca poderemos ver) .
A sua sensibilidade dói-me. Por certo que outrora nos encontramos e entre sombras de alamedas dissemos um ao outro em segredo o nosso comum horror à Realidade. Lembra-se? Tinham-nos tirado os brinquedos, porque nós teimávamos que os soldados de chumbo e os barcos de latão tinham uma realidade mais preciosa e esplêndida que os soldados-gente e os barcos reais. Nós andamos longas horas pela quinta. Como nos tinham tirado as coisas onde púnhamos os nossos sonhos, pusemo-nos a falar delas para as ficarmos tendo outra vez. E assim tornaram a nós, em sua plena e esplêndida realidade — que paga de seda para os nossos sacrifícios! — os soldados de chumbo e os barcos de latão; e através das nossas almas continuaram sendo, para que nós brincássemos com eles. A hora (não se recorda?) essa era demasiado certa e humana. As flores tinham a sua cor e o seu perfume de soslaio para a nossa atenção. O espaço todo estava levemente inclinado, como se Deus, por uma astúcia de brincadeira, o tivesse levantado do lado das almas; e nós sofríamos a instabilidade do jogo divino como crianças que apreciam as partidas que lhes fazem, porque são mostras de afeição. Foram belas essas horas que vivemos juntos. Nunca tornaremos a ter essas horas, nem esse jardim, nem os nossos soldados e os nossos barcos. Ficou tudo embrulhado no papel da seda da nossa recordação de tudo aquilo. Os soldados, pobres deles, furam quase o papel com as espingardas eternamente ao ombro. As proas dos barcos estão sempre para romper o invólucro. E sem dúvida que todo o sentido do nosso exílio é este — o terem-nos embrulhado os brinquedos de antes da Vida, terem-nos posto na prateleira que está exatamente fora do nosso gesto e do nosso jeito. Haverá uma justiça para as crianças que nós somos? Ser-nos-ão restituídos por mãos que cheguem aonde não chegamos os nossos companheiros de sonho, os soldados e os barcos? Sim, e mesmo nós próprios, porque nós não éramos isto que somos... Éramos duma artificialidade mais divina...


Escrevo e divago, e tudo isto parece-me que foi uma realidade. Tenho a sensibilidade tão à flor da imaginação que quase choro com isto, e sou outra vez a criança feliz que nunca fui, e as alamedas e os brinquedos, e apenas, no fim de tudo, a supérflua realidade da Vida...
Perdoe-me que lhe escreva assim... A Vida, afinal, vale a pena que se lhe diga isto. Deus escuta-me talvez, mas de si ouve, como todos que escutam. A tragédia foi esta, mas não houve dramaturgo que a escrevesse...

Abraça-o

 

Fernando Pessoa

 

Fonte: PESSOA, Fernando. In “Correspondência (1905-1922)”, Lisboa: Assírio & Alvim, 1999, p.150. / in "Páginas de Estética e de Teoria Literárias. Fernando Pessoa". Lisboa: Ática, 1966.  p. 135. /e TRIBUNA da Imprensa, Rio de Janeiro, 12-13 de Fevereiro de 1955, com o título “Carta inédita de Fernando Pessoa a Ronald de Carvalho”. [mantida a grafia original]

 

 

Autor - Templo Cultural Delfos

Elfi Kürten Fenske - Ano VII, 2017.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:59


#2806 - Já fui muito feliz aqui

por Carlos Pereira \foleirices, em 20.03.18

Campos do Jordão


Localizada na Serra da Mantiqueira, no interior de São Paulo, alguns dos principais atrativos de Campos do Jordão são o clima ameno e o charme da arquitetura. A cidade fica a 1628 metros de altitude, o que faz com que seja o município brasileiro mais alto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:13


#2805 - DÚVIDA SOBERANA (À memória de Wislawa Szymborska)

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.03.18

Não seremos puros, anuncia o poema.
Grão de areia havemos de conter,
o zumbido das moscas, música propícia
do âmago das infinitas brumas declararemos.
Das estrelas apenas o pulsar negro
havemos de saudar.

 

Grande calamidade a dor de um único
homem. Por isso odes não cantaremos
às esferas, mas as perturbações geológicas
saudaremos com grave equilíbrio,
se bem que com considerável afoiteza
rodopie dentro de nós o tempo zombador.

 

Se forças nos faltarem para gizar os grandes
voos, um murmúrio seco será então o penhor
da nossa vontade, porquanto mais amamos
o instante em que o espírito sangra
que as fileiras de preciosos pensamentos
dispostos em camadas seculares.

 

Certamente os olhos brilharão quando o rude chão
os pés tocarem e um oh soltarmos diante
do mundo que se revela. Morte, definitivamente
sim, mas só aos bocados deglutiremos,
talvez à espera do olvido impossível.

 

O privilégio do silêncio proclamaremos
diante das pedras cujos milénios não contaremos.
O infinito tocaremos só ao de leve, que nossos
curtos braços são precisos para dar à manivela
à celeridade triunfante.

 

Ressonância terá acolhimento em nosso
seio, mas não debateremos se será matéria
reciclável, pelo menos enquanto nos interrogar
a face esfolada de um único vivo. Alta metafísica,
devolver à procedência. Contrato rescindir com
o desassossego que não seja o eco
da própria vida a debater-se.

 

Beleza, só a lacerada daremos guarida,
a que emerge dos escombros que dão nome
à derrota, atiça a fome do que não há,
improviso irrepetível, fagulha em extinção,
oração que não redime, mas persiste
impertinente como maleita gerada pela nossa
retumbante miséria.

 

No entanto, generosos seremos sempre
com as barrigas inchadas, os olhos esbugalhados,
as falanges sem ardor, e por vós testemunharemos,
silenciosas musas, tudo o que é indigno da vossa
majestade, e à vossa presença o levaremos em inefáveis
vestes envolto, sem nada que provoque riso ou cólera.

 

Contudo, eternidade alguma almejaremos,
sequer a simples verdade, tributos por demais
pesados para as nossas frágeis canelas,
mas bem vinda seja um pouco ou toda a vivaz
liberdade brotada da carne da pura imaginação,
ainda que amiúde rendida à vénia conveniente.

 

No entanto permiti que protestemos
contra a alegre despreocupada cor azul
à ilharga das pancadas que o escuro arreia
em nossas junturas, não sabendo nós
com que intenções, salvo que nos salta ao caminho
com um alforge de incontáveis repenicantes ruídos.

 

Uns soluços amealharemos, mas paisagem
de sentimentos não seremos. Um momento
de deslumbramento, e é tudo — voltamos à inicial
mudez da pedra que fala, se interrogada com
os instrumentos convenientes. Não recriminaremos
a pressa se for o vento golfando sobre os povoados.
Abraçar a chuva é excepção permitida, conquanto
nos deixe o hirto pescoço à flor do dilúvio assomado.

 

Não remiraremos nas águas lustrais o perfil
primitivo ou a felina destreza com que saltávamos
de constelação em constelação, quando com delicadas
luvas o cosmos acolhedor afagávamos e em nosso
cálido regaço o mundo nem ao de leve cedia
ao apalpar inclemente; porém a máscara mais
esfarrapada afilaremos não para o fingimento
nos entreactos em que com esbracejante vigor
alinhavávamos os grandes temas — tempo, solidão,
eternidade —, mas para o desconsolo nosso
ocultarmos e não ofendermos a glória farejada,
a alta omnisciência que escarnece do nosso
desabrochar impuro, ou do assomo farfalhante
de um oceano de dúvidas.

 

Um bom dia de carantonha ressequida embora
acolheremos quando inferno de pó abraça
a cintura do território, mas não usaremos coloridas
lentes de ler da pedra o movimento, porquanto
confiamos na imobilidade primordial,
e um estremecer fortuito é normal,
seja vivo ou inanimado o assediado pelo temporal.

 

O sol consentiremos bem repartido pelas
unhas, cabelos e pele, inda que momentaneamente
uma nuvem escale o topo das preocupações
sensíveis. Daí termos a alma de prevenção,
mas bem trancada, que se insinua em tudo, a danada.

 

A mudança e a metamorfose aplaudiremos,
mesmo se com elas trazem a defenestração fatal.
Motivo de profundo regozijo será para nós
o olhar desdenhoso dos circunstantes
quando arribados à soleira declararmos
«saudações, senhores, somos a peregrina poesia».

 

Infinitamente compreensivos seremos
com o desiludido que logo se retira grunhindo
«isto não é um poema», mas milagres não
prometeremos, pelo menos nesta estação ou safra:

 

nas costas corsárias na flibusta outrora embrenhados,
até o ar expelir agora nos custa. Mas asas e bico
de rapina na imaginação teremos e, eia avante
agigantados ante a treva, com lume nos ossos
e bocejo rangente às lacustres moradas então
retornaremos (as sublimes mansões derruídas
foram pela mão do tempo), ao imo do primeiro
ovo, e seremos pão do povo, se pólvora já não
podemos, sequer a simples pedra que se atira
ao cocuruto do destino, aos fundilhos do infinito.

 

De borco, com o suor do esforço,
ergueremos já não as cidades futuras
onde o passado é longo e refulgente
e batedores trazem novas dos feitos imorredoiros,
mas um sítio apenas onde poisar a cabeça
espreitando o milagre corriqueiro.

 

Por isso mensageiros já não somos do estertor
dos tiranos nas praças do mundo enforcados,
mas reflectimos logo de manhã a taxa de madrugada
lançada sobre o nascente raio de sol, sobre a viela
que pisamos, e o abraço retribuído com um
entusiasmo de caveiras nas fileiras dos crematórios.
Decerto baixará o rating da dívida, mas aumentará
a soberana dúvida sobre nosso poder de esconjuro e dolo.

 

Um último suspiro porém guardaremos para gritar
«poesia ou morte», de tal sorte que nosso retorcido
esqueleto em mil estilhas se espalhará. Nossa eterna
tristeza, nossa definitiva derrota porém seria
todo o leitor aqui chegado não declarar
«algo aqui há a acrescentar».

 

Poema de José Luiz Tavares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15


#2804 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.03.18

Usar as palavras novas, as palavras deste tempo para responder às perguntas já feitas no passado com as palavras daquele tempo.

As respostas serão diferentes?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00


#2803 - Cidade Velha Revisitada

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.03.18

JOSÉ LUIZ TAVARES

 

CIDADE VELHA REVISITADA

 

Darling, agora que mareio

ao descompasso desta chuva,

num maxixe bem swingado,

é vida esse eco que escoa

ao rasgão do frio na pele?

 

No sossego delatado

pela voz de um búzio,

dói, darling, essa distância

em que tudo se faz cerração

 

e o pensamento declina

ao gosto da época,

mesmo se a safra é agora

o pólen que fica nos dedos

e evoca longínquas serranias.

 

Ó, darling, o mundo

é esta derme que escurece

enquanto a boca mastiga

a heteronímica dúvida

se o homem é apesar

da sua pele ou da faca

que lhe fincam ao invés.

 

Sangra-me essa dúvida, darling,

num derrame prolongado,

e é sem respostas que me enrolo

à poeira que desumidifica

o rufar de domingo,

 

enquanto, ao débito da calema,

subo, darling, humílimo transeunte,

até onde o deus se acocora

e  entre gritos selvagens

vinco-lhe na boca

a limpidez que supusera

as primícias do teu nome.

 

POEMA DE JOSÉ LUIZ TAVARES

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:19

LITERATURA-MUNDO COMPARADA: PERSPECTIVAS EM PORTUGUÊS I

Mundos em português (Vol. 1 e 2)

Helena Carvalhão Buescu (coord.) | Inocência Mata (coord.)

 

A MAIS AMBICIOSA DAS ANTOLOGIAS EM PORTUGUÊS REÚNE TEXTOS LITERÁRIOS DE TODO O MUNDO EM SETE VOLUMES


Luís de Camões, Fernando Pessoa, Mia Couto, Maria Teresa Horta, José Eduardo Agualusa, Machado de Assis, Herberto Helder, Paulina Chiziane, Nelson Rodrigues, Eça de Queirós, Clarice Lispector, José Luandino Vieira, Germano Almeida e Sophia de Mello Breyner Andresen são apenas alguns dos mais de cem escritores representados na primeira parte da antologia Literatura-Mundo Comparada: Perspectivas em Português.

Estes dois primeiros volumes, que constituem a parte «Mundos em Português», fazem uma leitura ampla de grande parte da literatura escrita originalmente em português. Os volumes seguintes incluem uma parte dedicada à literatura europeia e outra com a literatura do resto do mundo.
 
Informação retirada do sítio da Editora Tinta-da-China
 
____________________________________________________

Há antologias que marcam uma época, inauguram novas leituras, sugerem muitos estudos. Literatura-Mundo Comparada, Perspetivas em Português reclama esse estatuto, ao propor um olhar panorâmico e planetário da criação literária desde os textos fundadores aos escritores revelados até ao ano 2000. Serão sete volumes (os dois primeiros acabam de chegar às livrarias) com poemas, contos ou excertos de romances de alguns dos mais representativos (e por vezes esquecidos) autores da tradição cultural de língua portuguesa, da Europa e dos outros mundos do mundo. A coordenação é de Helena Carvalhão Buescu. Leia aqui o artigo de António Carlos Cortez

 

 

 

O texto foi escrito por António Carlos Cortez para o JL-Jornal de Letras

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:08


#2801 - Poema de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.03.18

 A vida exige de ti ainda mais escuro

A poesia vai acbar, os poetas

vão ser colocados em lugares mais úteis.

Por exemplo, observadores de pássaros

(enquanto os pássaros não 

acabarem). Esta certeza tive-a hoje ao

entrar numa repartição pública.

Um senhor míope atendia devagar

ao balcão; eu perguntei: «Que fez algum

poeta por este senhor?» E a pergunta

afligiu-me tanto por dentro e por

fora da cabeça que tive que voltar a ler

toda a poesia desde o princípio do mundo.

Uma pergunta numa cabeça.

- Como uma coroa de espinhos:

estão todos a ver onde o autor quer chegar? -

 

Do livro "Ainda Não É o Fim nem o Princípio do Mundo Calma É apenas Um Pouco Tarde" (1974)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:08


#2800 - REVISTA LER

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.03.18

a REVISTA LER INVERNO 2017 2018012.jpg

 REVISTA LER, EDIÇÃO DE INVERNO 2017 - 2018. N.º 148

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

 

Inundação

 

Há um rio que atravessa a casa. Esse rio, dizem, é o tempo. E as lembranças são peixes nadando ao invés da corrente. Acredito, sim, por educação. Mas não creio. Minhas lembranças são aves. A haver inundação é de céu, repleção de nuvem. Vos guio por essa nuvem, minha lembrança.

 

A casa, aquela casa nossa, era morada mais da noite que do dia. Estranho, dirão. Noite e dia não são metades, folha e verso? Como podiam o claro e o escuro repartir-se em desigual? Explico. Bastava que a voz de minha mãe em canto se escutasse para que, no mais lúcido meio-dia, se fechasse a noite. Lá fora, a chuva sonhava, tamborileira. E nós éramos meninos para sempre.

 

Certa vez, porém, de nossa mãe escutamos o pranto. Era um choro delgadinho, um fio de água, um chilrear de morcego. Mão em mão, ficamos à porta do quarto dela.
Nossos olhos boquiabertos. Ela só suspirou:

– Vosso pai já não é meu.

Apontou o armário e pediu que o abríssemos. A nossos olhos, bem para além do espanto, se revelaram os vestidos envelhecidos que meu pai há muito lhe ofertara. Bastou, porém, a brisa da porta se abrindo para que os vestidos se desfizessem em pó e, como cinzas, se enevoassem pelo chão. Apenas os cabides balançavam, esqueletos sem corpo.

– E agora – disse a mãe -, olhem para estas cartas.

Eram apaixonados bilhetes, antigos, que minha màe conservava numa caixa. Mas agora os papéis estavam brancos, toda a tinta se desbotara.

– Ele foi. Tudo foi.

Desde então, a mãe se recusou a deitar no leito. Dormia no chão. A ver se o rio do tempo a levava, numa dessas invisíveis enxurradas. Assim dizia, queixosa. Em poucos dias, se aparentou às sombras, desleixando todo seu volume.

– Quero perder todas as forças. Assim não tenho mais esperas.

– Durma na cama, mãe.

– Não quero. Que a cama é engolidora de saudade.

E ela queria guardar aquela saudade. Como se aquela ausência fosse o único troféu de sua vida.

Não tinham passado nem semanas desde que meu pai se volatilizara quando, numa certa noite, não me desceu o sono. Eu estava pressentimental, incapaz de me guardar no leito. Fui ao quarto dos meus pais. Minha mãe lá estava, envolta no lençol até à cabeça. Acordei-a. O seu rosto assomou à penumbra doce que pairava. Estava sorridente.

– Não faça barulho, meu filho. Não acorde seu pai.

– Meu pai?

– Seu pai esta aqui, muito comigo.

Levantou-se com cuidado de não desalinhar o lençol. Como se ocultasse algo debaixo do pano. Foi à cozinha e serviu-se de água. Sentei-me com ela, na mesa onde se acumulavam as panelas do jantar.

– Como eu o chamei, quer saber?

Tinha sido o seu cantar. Que eu não tinha notado, porque o fizera em surdina. Mas ela cantara, sem parar, desde que ele saíra. E agora, olhando o chão da cozinha, ela dizia:

– Talvez uma minha voz seja um pano; sim, um pano que limpa o tempo.

 

No dia seguinte, a mãe cumpria a vontade de domingo, comparecida na igreja, seu magro joelho cumprimentando a terra. Sabendo que ela iria demorar eu voltei ao seu quarto e ali me deixei por um instante. A porta do armário escancarada deixava entrever as entranhas da sombra. Me aproximei. A surpresa me abalou: de novo se enfunavam os vestidos, cheios de formas e cores. De imediato, me virei a espreitar a caixa onde se guardavam as lembranças de namoro de meus pais. A tinta regressara ao papel, as cartas de meu velho pai se haviam recomposto? Mas não abri. Tive medo. Porque eu, secretamente, sabia a resposta.

 

Saí no bico do pé, quando senti minha mãe entrando. E me esgueirei pelo quintal, deitando passo na estrada de areia. Ali me retive a contemplar a casa como que irrealizada em pintura. Entendi que por muita que fosse a estrada eu nunca ficaria longe daquele lugar. Nesse instante, escutei o canto doce de minha mãe. Foi quando eu vi a casa esmorecer, engolida por um rio que tudo inundava.

 

Revista Prosa Verso e Arte

 

– Mia Couto, conto ‘Inundação’, do livro “O fio das missangas”. Lisboa: Editora Caminho, 2003.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:41


#2798 - Moby - This Wild Darkness (Official Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.03.18

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06


#2797 - Prémio Literário Inês de Castro

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.03.18

Rosa Oliveira vence Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2017      

 

 

Na sua 11.ª edição, o Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2017 foi atribuído a Rosa Oliveira pela obra Tardio, editada pela Tinta da China. Sobre a autora, que em 2013 publicou pela mesma editora, Cinza, o seu primeiro livro de poesia, escreveu António Guerreiro no Público, "Nunca a poesia de Rosa Oliveira se desliga da prosa do mundo, por mais que ouse alguns flirts com algo que a supera. Ela pratica, de certo modo, uma arte do recuo, traça com grande racionalidade os seus territórios, acaba por ser uma elegia da própria poesia, quase um túmulo do poeta que se vê obrigado a declinar os seus tempos sombrios como «uma longa marcha para a mediania»."

 

O júri do Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2017, composto por José Carlos Seabra Pereira (Presidente), Mário Cláudio, Isabel Pires de Lima, Pedro Mexia e António Carlos Cortez, não foi unânime na escolha da obra premiada, sendo o Prémio atribuído por maioria. Mário Cláudio votou em A queda de um homem, de Luís Osório, e Pedro Mexia em Hoje estarás comigo no Paraíso, de Bruno Vieira Amaral.

 

Nesta edição, o Tributo de Consagração Fundação Inês de Castro 2017, um prémio de carreira, foi atribuído a Eugénio Lisboa.

 

Prémio Literário Fundação Inês de Castro tem distinguido ao longo dos anos autores e obras de reconhecido valor, tais como Pedro Tamen (2007), José Tolentino Mendonça (2009), Gonçalo M. Tavares (2011), Mário de Carvalho (2013) ou Rui Lage (2016), entre muitos outros.

 

A cerimónia de entrega do Prémio Literário Fundação Inês de Castro - um troféu de prata e pedra, da autoria do escultor João Cutileiro, que simboliza todo o drama e mistério que rodeiam o episódio de Pedro e Inês - terá lugar no Hotel Quinta das Lágrimas, em Coimbra, no dia 17 de Março. O livro premiado, Tardio, de Rosa Oliveira, será apresentado por António Carlos Cortez, e Pedro Mexia falará sobre a obra de Eugénio Lisboa.

 

Biografias dos autores

 

Rosa Oliveira (Viseu, 1958) é autora dos ensaios Paris 1937 e Tragédias Sobrepostas: Sobre "O Indesejado" de Jorge de Sena. Foi leitora na Universidade de Barcelona e é professora no Ensino Superior Politécnico. Cinza, o seu primeiro livro de poesia (Tinta da China, 2013), foi galardoado com o Prémio PEN Clube Primeira Obra. Tardio, igualmente publicado pela Tinta da China recebe agora o Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2017. Tem poemas editados nas publicações literárias RelâmpagoColóquio-Letras (no prelo), Suroeste (Badajoz, 2016), Cidade Nua e nas antologias Voo Rasante (Mariposa Azual, 2015) e Os cem melhores poemas portugueses dos últimos cem anos(Companhia das Letras, 2017). Publicou na Granta 8 (Tinta-da-China, 2016) o primeiro conto de uma série em que presentemente trabalha.

 

Eugénio Lisboa (Loureço Marques, 1930) é um ensaísta e crítico literário português especialista em José Régio. Licenciado em engenharia electrotécnica pelo I.S.T. (1955), residiu em Moçambique até 1976, trabalhando sobretudo no ramo petrolífero, actividade que acumulou a partir de 1974 com a docência de Literatura Portuguesa nas universidades de Maputo e Estocolmo. Entre 1978 e 1995 foi Conselheiro Cultural na Embaixada de Portugal, em Londres, e entre 1995 e 1998, Presidente da Comissão Nacional da UNESCO. É Doutor Honoris Causa pela Universidade de Nottingham e pela Universidade de Aveiro. Recebeu os seguintes prémios literários: Prémio Cidade de Lisboa, pelo livro A Matéria Intensa; Prémio Jacinto Prado Coelho, pelo livro Portugaliae Monumenta Frivola; Grande Prémio de Literatura Biográfica da APE, por Acta Est Fabula – Memórias I. Consulte aqui (link) as suas principais obras literárias.

 

Informação retirada do site da Fundação Inês de Castro

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:38


#2796 - Helder Macedo vence Prémio D. Diniz

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.03.18

Prémio D. Diniz

 

A Fundação da Casa de Mateus informa que o júri do Prémio D. Diniz, constituído por Nuno Júdice, Fernando Pinto do Amaral e Pedro Mexia, atribuiu, por unanimidade, o prémio de 2018 a Hélder Macedo, pelo seu livro «Camões e outros contemporâneos», publicado pela Editorial Presença.

 

Poeta e romancista reconhecido, Hélder Macedo oferece-nos neste livro da sua vertente ensaística um percurso pela literatura portuguesa, da Idade Média à actualidade, em que a familiaridade com os grandes autores do passado e os do presente nos aproxima do seu universo, cruzando criação e vida. O prémio D. Diniz, dado a uma obra que começa precisamente pela análise inovadora de uma cantiga de amigo do rei poeta que o nome do prémio celebra, distingue uma obra que assume a ousadia das suas descobertas e o faz com uma erudição que, longe de afastar o leitor, o fascina pelos novos horizontes que vem abrir.

 

A sessão solene de entrega do Prémio será presidida por S. Exa. o Sr. Presidente da República e decorrerá no dia 6 de Outubro de 2018, pelas 18h00.

 

Informação retirada do "sítio" da Fundação Casa de Mateus

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:25


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas