Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#3241 - MÚSICA

POEMA DE ANTÓNIO GANCHO

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.22

MÚSICA

 

A música vinha duma mansidão de consciência

era como que uma cadeira sentada sem

um não falar de coisa alguma com a palavra por baixo

nada fazia prever que o vento fosse de azul para cima

e que a pose uma nostalgia de movimento deambulante

era-se como se tudo por cima duma vontade de fazer uma asa

nós não movimentamos o espaço mas a vida erege a cifra

constrói por dentro um vocábulo sem se saber

como o que será

era um sinal que vinha duma atmosfera simplificante

silêncio como um pássaro caído a falar do comprimento.

 

Poema de António Gancho in "Ar  da  Manhã", edição Assírio & Alvim, 2022.

 

_________________________________________________________________________________________________________________

Poeta e ficionista. Nascido no início da década de 40, a poesia de António Gancho permaneceu inédita até 1985, data em que Herberto Helder reuniu, na sua antologia Edoi Lelia Doura, onze poemas do autor até então completamente desconhecido. As poucas informações biográficas disponíveis sobre António Gancho encontram-se aí expostas, dando a perceber a razão da escassez de publicação da obra deste poeta: «Com pouco mais de 20 anos foi internado numa clínica psiquiátrica, tendo vivido desde então em estabelecimentos deste género.» Sabe-se hoje que António Gancho viveu no estabelecimento psiquiátrico de Telhal (arredores de Lisboa) desde 1967 até à sua morte a 2 de Janeiro de 2006. Retirado da convivência editorial devido ao seu internamento, foi através do contacto com alguns amigos (de entre os quais se destacam Álvaro Lapa, António Palolo e Mário Cesariny, com os quais António Gancho tinha primeiramente contactado aquando da sua frequência do Café Gelo, ligado ao grupo dos surrealistas) que a sua produção chegou às mãos do editor. Assim, só em 1995 foi possível reunir, no volume intitulado O Ar da Manhã, toda a sua produção poética, datada de entre 1960 e 1985. Dividido em três conjuntos autónomos de poemas («Gaio do Espírito», 1985/86, «Poesia Prometida», 1985, e «Poemas Digitais», 1989), o livro em que se reúne a poesia de António Grango evidencia alguma heterogeneidade de temas e de formas poéticas, não sendo fácil a sua síntese. Assim, a par de poemas em que se explora ludicamente a materialidade sonora da linguagem como, por exemplo, nos versos «Route / Rota / Caminho puro e são / Chanção / Coração / Sahara / Uazara / Oasara / Oasimara»), com evidentes ressonâncias surrealistas, existem também alguns poemas, escritos na língua original dos autores homenageados, que se constituem como tributos a, entre outros, François Villon e Oscar Wilde, por via dos quais se estabelece uma interessante intertextualidade com os autores citados. Alguns dos mais interessantes poemas de António Gancho são aqueles em que está presente uma certa auto-reflexividade sobre os princípios de criação poética e que dão a ler os alicerçes da sua prática poética: «Nasce o sol e nasce o poema / e com esta simultaneidade / o que o poeta significa é que a sua arte é luz». Concebida como um processo de simultânea integração e totalização do homem na natureza, a poesia de António Gancho poderia ser sintetizada nestes versos seus, onde se afirma que «A poesia nasce e faz-se aqui neste fazer-se poesia. / […] A poesia assim maravilhosamente constituída / […] faz do homem o ser absoluto por natureza», sobretudo porque esta se funda num princípio de transmutação de todas as coisas: «A poesia assim é uma maravilhosa alquimia da vida».

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:58


#3240 - 98

POEMA DE ANTÓNIO CABRITA

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.22

98

 

Como querer viver sem estar ferido,

meu amor? O falcão e a rola

desprendem-se da mesma nuvem,

de um mesmo sono sem cuidados.

 

Como estar vivo e não me engastar

No medo relativo? Heitor

é o estado que acrescentei ao nome,

a telha que faltava ao céu azul,

 

as tuas três sílabas de argila

com que a água escora o vento

e o hálito aclara a alusão:

presença de si mesmo desvendada

 

Poema de António Cabrita in "Tristia," Porto Eitora, 2021.

 

_________________________________________________________________________________________________________

BIOGRAFIA

António Cabrita (1959) tem vinte e tal livros publicados, em Portugal, Brasil (três livros de ficção) e Moçambique (livros de fábulas, poesia e ensaio). Foi jornalista durante 23 anos e editor (Fim de Século e Íman Edições). Em 2005 emigrou para Moçambique onde, neste momento, é professor de Dramaturgia e cronista no semanário Savana. Tem também uma coluna no jornal Hoje Macau. Escreveu inúmeros filmes. De entre os seus livros destacam-se: Inferno, 2001, três guiões sobre Camilo Castelo Branco, escritos em parceria com Maria Velho da Costa, Bagagem não ReclamadaAnatomia Comparada dos Animais Selvagens (Prémio PEN Clube 2018), e a Kodak faliu. também Dick, o cão da minha infância, 2020, poesia; e A Maldição de Ondina, 2013 (finalista do Prémio Literário Casino da Póvoa - C. M. Póvoa de Varzim 2013), Éter, 2015 (finalista do Prémio PEN Clube 2016), A Paixão segundo João de Deus, 2019, e Fotografar contra a luz, 2020, romances. Como tradutor, realça-se a sua antologia de poesia hispânica, As Causas Perdidas, 2020.
 
FONTE: 

PORTO EDITORA

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:35


#3239 - ROMANCE DE POMPEIA

POEMA DE DAVID MOURÃO-FERREIRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.11.22

ROMANCE DE POMPEIA

 

Ninguém nos vem em socorro

Ninguém nos liberta os braços

Há dois milénios que somos

os amantes soterrados

Nem o mais ínfimo agouro

na manhã daquela tarde

Mas era o último encontro

sem que ninguém o sonhasse

E soubemos ir tão longe

tão enlaçados ficámos

que em tudo vibrava o sboço

de uma já eternidade

Mergulhados neste sono

há dois milénios ou quase

é ainda o dia de hoje

esse ontem tão recuado

Ou foi sonho o dia de ontem

e desde então acordados

nem cremos que à nossa roda

existisse uma cidade

que lá fora houvesse um Foro

lojas   casas   balneários

Apenas o teu pescoço

Apenas as tuas pálpebras

Apenas o antegosto

de sabê-las deflagradas

Sentimos súbito um sopro

mais escaldante      Julgámos

que o ar se tornara louco

do calor dos nossos lábios

que ia arder o mundo todo

com o fogo que lhe dávamos

Só depois vimos que o fogo

de encontro a nós avançava

líquido    espesso    de rojo

como um imenso lagarto

putrefacto e cujo dorso

cada vez mais coruscava

E tanto crescia em torno

da casa onde stávamos

e tanto subia ao topo

de paredes e telhado

e tanto o ardente bojo

se ia tornando compacto

que de súbito esse forno

de todo nos apertava

Leio terror no teu rosto

pânico em tuas spáduas

pavor em todo o teu corpo

que era hápouco o de uma galga

o de uma galga no ponto

mais elevado do orgasmo

E nesse ponto de há pouco

eternizados ficámos

Somos assim um do outro

há dois milénios ou quase

saboreando o tesouro

da eternidade do auge

Ao profundíssimo poço

até hoje inviolado

que no chão se abriu e onde

vivos ainda tombámos

chegam-nos vagos rumores

do que por cima se passa

todo o sonho     todo o logro

que por cima tem passado

Cascos agudos de donos

e pés desnudos de escravos

cupidez de demagogos

estupidez  de soldados

os que bramam contra o lodo

para mais lodo criarem

os que rastejam no tojo

até se julgarem águias

os que ao céu o fogo roubam

mas em fumo se desfazem

utopias de alguns tontos

visões de alguns visionários

que se quebraram de encontro

ao gelo dos homens práticos

de cujos hábeis engodos

nos poderiam ter salvo

E também a luz     a força

de corpos jovens e ágeis

corças     panteras     e potras

mais belas quanto selvagens

há lei do que há-de ser podre

todavia condenadas

Antes o fim que nos coube

Se é  que fim pode chamar-se

a este abraço em que somos

um só astro     uma só státua

uma só chama     um só tronco

por toda a eternidade

mais livres porque um do outro

um ao outro acorrentados

Ninguém nos venha em socorro

Ninguém nos deslace os braços

 

POEMA DE DAVID MOURÃO-FERREIRA, in "OBRA POÉTICA" [1948-1995], EDIÇÃO ASSÍRIO & ALVIM, NOVEMBRO 2019

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:58


#3238 - PRÉMIO LEYA DE LITERATURA

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.10.22

Celso José da Costa, brasileiro, 73 anos, natural do Estado do Paraná, venceu, com o livro "A Arte de Driblar Destinos" o Prémio Leya de Literatura 2022, para romances inéditos em língua portuguesa.

 

Estiveram a concurso 218 originais provenientes de Portugal, Brasil, Espanha, Alemanha, Holanda, Inglaterra, Moçambique e Polónia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07


#3237 - PORTUGAL CONTEMPORARY ART GUIDE

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.10.22

Será lançada no dia 2 de Novembro, no Palácio Foz, em Lisboa, uma aplicação (APP) para telemóvel Android e iOS que vai mapear toda a arte contemporânea em Portugal. A aplicação "Portugal Contemporary Art Guide" disponibiliza, em tempo real e em constante actualização, toda a produção artística contemporânea patente no país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47


#3236 - THE BOOKER PRIZE 2022

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.10.22

O escritor cingalês Shehan Karunatilaka venceu, com o livro "The Seven Moons Of Maali Almeida", The Booker Prize 2022.

 

"The Seven Moons of Maali Almeida" é o segundo livro do autor nascido em 1975 no Sri Lanka que ganhou notoriedade internacional quando o seu primeiro livro "Chinaman" venceu o Commonwealth Book Prize.

 

The Booker Prize, criado em 1969, distingue anualmente obras de ficção escritas em inglês e publicadas no Reino Unido e Irlanda é considerado um dos Prémios Literários mais importante do mundo.

 

Desde 2015, a Booker Prize Foundation atribui também anualmente o International Booker Prize, um galardão que distingue obras escritas noutras línguas desde que tenham sido traduzidas para inglês. O prémio deste ano foi entregue à escritora Geetanjali Shree, pela obra “Tomb of Sand”. Foi a primeira vez que um livro escrito numa língua indiana venceu este galardão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26


#3235 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.10.22

SINOPSE
 

Uma Conversa Silenciosa, de Eugénio Lisboa, reúne 78 textos, breves ensaios sobre literatura, sobre escritores, sobre política cultural, sobre edição e editores. ao longo de todos os ensaios perpassa a erudição do autor, o seu vasto conhecimento, não apenas das literaturas lusófonas mas também das literaturas de outras latitudes, nomeadamente de língua inglesa e francesa.

Numa escrita elegante, onde o rigor da palavra se associa a uma enorme amplitude cultural, pontuada, por vezes, pelo episódio curioso ou pela citação oportuna, Uma Conversa Silenciosa é também um diálogo. Diálogo onde o leitor tem como interlocutor um dos maiores críticos literários portugueses.

 

EUGÉNIO LISBOA

Escritor e engenheiro português nascido em 1930, em Lourenço Marques (atual Maputo). Colaborou em diversos jornais e revistas e foi autor de programas radiofónicos de divulgação de teatro. Dedicou-se ao estudo da literatura portuguesa e particularmente do Neorrealismo, tendo publicado, entre outros títulos, José Régio - A Obra e o Homem (1976), O Segundo Modernismo em Portugal (1977) e Poesia Portuguesa: do "Orpheu" ao Neorrealismo (1980). Atualmente ocupa o cargo de adido cultural da Embaixada de Portugal em Londres

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:06


#3234 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.10.22

 

 

SINOPSE
 

«Uma questão difícil de tratar. É assim que o historiador e crítico de arte Norte-americano James Elkins vê a relação entre criação artística e religião na contemporaneidade. O seu ensaio mais conhecido sobre este tema tem um título que diz tudo: The Strange Place of Religion in Contemporary Art (2004). E estranho lugar porquê? Certamente as razões culturais são antigas e profundas e ligam-se ao debate que funda a modernidade: a emergência da autonomia do espaço secular face ao religioso, a reivindicação da liberdade individual reinterpretando a estrita normatividade do ethos comunitário, o desmantelamento de uma visão social que tinha no referente religioso o seu elemento decisivo de definição, etc.» É com estas palavras que começa o texto introdutório do Cardeal Tolentino Mendonça.

Este volume nasceu no contexto da pandemia. No primeiro inverno da era pandémica, Álvaro Siza, pelas razões que ele explica no texto, fez uma série de desenhos sobre a Paixão de Cristo, mais precisamente 45. Foram eles o ponto de partida para um diálogo, em forma de entrevista, com o Cardeal Tolentino sobre o lugar estranho do religioso na arte contemporânea e outras questões que sempre surgem quando se fala de arte e de religião e quando os interlocutores são pessoas com a autoridade destes dois referentes da cultura do nosso tempo. Aqui se reproduzem os desenhos e o texto desse diálogo.

 

FONTE: WOOK

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:40


#3233 - PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA 2022

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.10.22

ANNIE ERNAUX

Annie Ernaux, escritora francesa, 82 anos, vence o Prémio Nobel da Literatura 2022.

A escolha, de acordo com o júri da Academia Sueca, refere a "coragem e acuidade clínica" explica a sua decisão.

Os seus livros são publicados em Portugal pela editora Livros do Brasil.

Annie Ernaux nasceu em Lillebonne, na Normandia, em 1940, e estudou nas universidades de Rouen e de Bordéus, sendo formada em Letras Modernas. É atualmente uma das vozes mais importantes da literatura francesa, destacando-se por uma escrita onde se fundem a autobiografia e a sociologia, a memória e a história dos eventos recentes. Uma espécie de «diário em bruto», nas palavras da Academia Sueca.

 

Galardoada com o Prémio de Língua Francesa (2008), o Prémio Marguerite Yourcenar (2017) e o Prémio Formentor de las Letras (2019) pelo conjunto da sua obra, destacam-se os seus livros Um Lugar ao Sol (1984), vencedor do Prémio Renaudot, e Os Anos (2008), vencedor do Prémio Marguerite Duras e finalista do Prémio Man Booker Internacional, e já publicado pela Livros do Brasil em fevereiro de 2020, na coleção Dois Mundos. Em outubro do mesmo ano, foi editado, dessa feita na coleção Miniatura, o romance Uma Paixão Simples. Seguiu-se O Acontecimento, disponível nas livrarias desde o mês passado, um relato despojado de uma situação de aborto ilegal, escrito em 1999 e recentemente adaptado ao grande ecrã num filme premiado em Veneza.

 

Fonte: LIVROS DO BRASIL

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42


#3232 - EPOPEIAS DE LUZ [POEMA DE ANA LUÍSA AMARAL]

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.09.22

 

Ana Luísa Amaral (1956-2022)

EPOPEIAS DE LUZ

 

Queria um poema de epopeia

e luz,

escrito às duas da tarde

e num café,

o espelho à minha esquerda,

o café amarelo (que é cor de que não gosto,

mas que brilha

na tarde adolescente)

 

Se eu não tivesse olhar,

mas só ouivido atento a pequenos ruídos,

como uma voz e coisas indistintas:

o café a sair para lá do balcão,

uma cadeira de ferro

pintado

a arrastar-se de súbito...

 

Incongruências de quem tem olhar:

que no poema de epopeia

e luz

eu fale do que é táctil, mas se vê

(Ah! linha que seduz,

mas que contenho!)

 

Atirar a palavra pelo chão

com o abandono todo

da adolescência em tarde,

tantas horas de sol à minha frente

Deixá-la navegar como se fosse gente

quinhentista:

ao longo do desejo

e para lá

 

À minha esquerda, o espelho

que a reflicta,

a multiplique em sons e em sentidos,,

lhe evite idade adulta

e a guarde finalmente:

adolescente e nua

como a tarde

 

Até que dela nasça,

navegando,

poema de epopeia sem o ser,

mas corpo todo em luz e boa esperança:

como um Adamastor,

uma criança,

uma sereia abandonada

e livre

 

Poema de Ana Luísa Amaral

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:15


#3231 - LIVROS E LEITURAS ||| Histórias de loucura normal

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.09.22

 

Estas histórias, inspiradas na própria vida do autor, são tão selvagens e inusitadas quanto as histórias dos seus romances. Bukowski foi uma lenda no seu tempo e um visionário para aqueles que se lhe seguiram. Louco, recluso, amante. Afável e mesquinho. Lúcido e insano. Sempre inesperado. As excepcionais Histórias de loucura normal vêm directas do âmago de uma vida, a que ele mesmo viveu, marcada pela violência e pela depravação. Histórias de liberdade, tão profanas quanto sagradas.
Da prostituição à música clássica, Bukowski traça neste livro um retrato irado, apesar de terno, bem-humorado e inquietante, da vida marginal de Los Angeles, uma realidade obscura e perigosa que emoldurou a vida de um dos maiores escritores de culto do século XX.

Histórias, afinal, da loucura que espreita dentro de cada um de nós, que faz do corpo uma marioneta e que não desaparece senão com a morte.

________________________________________________________________

Charles Bukowski nasceu na Alemanha, em 1920, mas cresceu em Los Angeles, onde viveu durante cinquenta anos. Publicou o seu primeiro conto em 1944, quando tinha vinte e quatro anos, e começou a escrever poesia com trinta e cinco anos. Morreu em 1994, aos setenta e três anos, pouco tempo depois de completar o seu último romance, Pulp. Viu publicados mais de quarenta e cinco livros de prosa e poesia, incluindo os romances Post Office (1971), Factotum (1975), Women (1978), Ham on Rye (1982), Hollywood (1989) e Pulp (1994). É um dos autores americanos contemporâneos mais conhecidos a nível mundial e, possivelmente, o poeta americano mais influente e imitado de sempre.

FONTE: WOOK

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38


#3230 - O ESPELHO ||| Poema de Vasco Graça Moura

por Carlos Pereira \foleirices, em 22.08.22

VASCO GRAÇA MOURA [1942-2014]

 

O ESPELHO

 

escrevo, escreverei para espalhar a realidade,

suas sombras rasteiras, suas nuvens altas,

a luz mais líquida de algum olhar, as difíceis ausências

e as plantas lascivas trepando entre os silêncios,

 

entre lisas colunas, níveas tetas, roxos lírios

e citações assim, da minha juventude,

e os ritmos do vento e a erosão dos seixos,

e os fios de algumas ariadnes, solícitas e lúbricas

 

na sua timidez, nos estranhos percursos

em que há devorações e o poema se torna

uma triste película a envolver a alma

para lhe conservar as impurezas do desejo.

 

talvez por isso a escrita não passe de um concheiro

de camadas calcárias que o tempo estratifica,

mas então o real que ela espelhou não mente

embora mais terrível se torne desvendá-lo,

 

digo eu do meu amor, do que trarei comigo

até me calcinar ou da violência dos corpos

por noites esquecidas feitas de fogo e orgasmo

e entrecortadas palavras e roucos monossílabos,

 

digo eu da superfície de um lago de sossego

em que a lua mergulha e uma brisa mais tensa

ressoa nos pinheiros, percorre a habitação

e traz em seus harpejos o eco de um soluço.

 

tornou-se este lugar a pedra da violência

onde se calam a voz, a luz, so sons da terra,

e tudo se entrechoca e tudo se fragmenta

e as quadrigas do tempo não poderão deter-se

 

e então é que eu escrevo desde esta realidade

esperando da escrita que pelo menos sirva

para espelhá-la em suas nuvens altas

e nas sombras que crescem até ao teu olhar.

 

POEMA DE VASCO GRAÇA MOURA RETIRADO DO LIVRO "O CADERNO DA CASA DAS NUVENS", EDIÇÃO N.º 1266  EDIÇÕES AFRONTAMENTO MARÇO DE 2010                                                                

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:43


#3229 - ÚLTIMO SOPRO - A DESPEDIDA DA ALMA DO CORPO

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.07.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:46


#3228 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 22.07.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58


#3227- OS CAMINHOS DE SANTIAGO - PEREGRINAÇÕES

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.07.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47


#3226 - PRÉMIO BOOKER INTERNACIONAL

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.03.22

The 2022 International Booker Prize


Paulo Scott, escritor brasileiro, é um dos 13 nomeados da edição deste ano do Prémio Booker Internacional com o livro "Marrom e Amarelo" com a tradução para a língua inglesa de Daniel Hahn.

_____________________________________________________________________________________________________

The 13 long listed novels have been announced. They are works of fiction translated into English from 11 languages and originate from 12 countries across four continents – including Hindi for the first time.

This year’s longlist includes previous winners Olga TokarczukJennifer CroftDavid Grossman and Jessica Cohen, alongside authors translated into English for the first time. 

Independent presses with a mission for bringing the world’s fiction to English-speaking readers have dominated, with Tilted Axis - the publisher founded by Man Booker International Prize winner Deborah Smith - appearing on the list for the first time with three titles.

The shortlist of six will be announced on 7 April and the winners of the prize will be named on 26 May 2022. 

The Longlist

Paradais

Paradais

byFernanda Melchor

Translated by Sophie Hughes

Heaven

Heaven

byMieko Kawakami

Translated by Samuel Bett David Boyd

Love In The Big City

Love in the Big City

bySang Young Park

Translated by Anton Hur

Happy Stories Mostly

Happy Stories, Mostly

byNorman Erikson Pasaribu

Translated by Tiffany Tsao

Elena Knows

Elena Knows

byClaudia Piñeiro

Translated by Frances Riddle

The Book of Mother

The Book of Mother

byViolaine Huisman

Translated by Leslie Camhi

More Than I Love My Life

More Than I Love My Life

byDavid Grossman

Translated by Jessica Cohen

Phenotypes

Phenotypes

byPaulo Scott

Translated by Daniel Hahn

A New Name, Septology VI-VII

A New Name: Septology VI-VII

byJon Fosse

Translated by Damion Searls

After The Sun

After the Sun

byJonas Eika

Translated by Sherilyn Hellberg

Tomb of Sand

Tomb of Sand

byGeetanjali Shree

Translated by Daisy Rockwell

The Books of Jacob

The Books of Jacob

byOlga Tokarczuk

Translated by Jennifer Croft

Cursed Bunny

Cursed Bunny

byBora Chung

Translated by Anton Hur

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:15


#3225 - GRANDE PRÉMIO DE ENSAIO EDUARDO PRADO COELHO

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.03.22

 

Cristina Robalo-Cordeiro, professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, venceu o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho, da Associação Portuguesa de Escritores (APE), em conjunto com a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, com a obra "O Véu de Maia - Relendo Almeida Faria".

Esta obra foi publicada por Edições Minerva em 2020.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:49


#3224 - A BARBEARIA DO SENHOR LUÍS, DE LUÍS NOVAES TITO

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.03.22

Descobri que A Barbearia do Senhor Luís estava aberta. Fiquei feliz... pois pensava que encerrara as portas do seu distinto estabelecimento.

O dono da Barbearia, Luís Novaes Tito, continua na mesma. Coerente. inteligente, sem medos, apesar de pontuais desacordos.

O meu respeito por um velho amigo com quem aprendi algumas coisas.

Tentarei passar pela Barbearia todos os dias para o cumprimentar e pôr a conversa em dia.

Os meus cumprimentos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:57


#3223 - O MEU FILHO É INTERROGADO

PROSA DE TIMOTHY HAGELSTEIN

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.03.22

Ouço um disco da Dulce Pontes, aqueles fados imortais, Canção do Mar, Povo que lavas no rio, Se voasses para perto de mim... todas canções maravilhosas.

 

Isso ajuda-me a suportar a distância, o tempo faz o sentimento, transforma-o e idealiza-o, imagino o brilho suave nas terras escarlates do Alentejo, naquela estrada que leva ao Sul e atravessa aldeias adormecidas. E hoje dou comigo a pensar no que a actual namorada do meu filho, o seu primeiro amor, lhe perguntará daqui a alguns anos quando se voltarem a encontrar, com uma outra vida desenhada e outras respirações partilhadas, para ambos, imagino as suas questões, se eu ainda estiver vivo, ela poderá perguntar-lhe:

 

E o teu pai? Ainda encerrado na sua gruta, o seu escritório e ateliê de  criação? A  procurar palavras e a juntá-las, transmitindo uma ideia, um momento que conseguiu captar, uma pata com os seus patinhos? uma imagem para desenhar ou colorir? uma música que não lhe sai da cabeça e não o deixa em paz até a ter gravado? Ainda tão solitário e afastado de tudo e de todos, sozinho com as suas memórias indefiníveis excepto através dos seus poemas? Continua um misantropo? revoltado contra a ignomínia dos políticos e apoiantes de movimentos políticos ou sindicais hipócritas? Ainda fala das suas noites bravas e das cores do céu cujos perfumes dizia respirar, quando dizia que alguém era um poema que vivia dentro de si e através do qual chegava ao seu coração e aos seus tormentos? Invejoso, mas com admiração, não cobiça, sentimemnto que diz nunca ter tido e que deixou aos medíocres que desperdiçam a sua energia preocupando-se com os outros.

 

Continua tão solitário, tão afastado de tudo, após ter conhecido certas glórias e certas luzes? Revoltado contra as sentinelas da moralidade nas suas cidadelas, intransigentes, contra aqueles que cultivam com talento a denúncia, ele que se alimenta da imprevisibilidade do som das palavras e que vê em cada velho músico uma beleza digna de uma pintura de Miguel Ângelo. Esses Mick Jaggers, esses Keith Richards, septuagenários enrugados e marcados mas tão belos pelas suas vivências.

 

Ainda tem aqueles ímpetos para misturar violentamente cores numa tela infernal que ninguém entende, mas na qual ele vê o deserto florescer ou um pequeno fosso amargo de riquezas íntimas? Ainda diz que as palavras são sons, a música,  cores, e a çpintura, frases coloridas e que, portanto, as expressões das três artes são idênticas e se fundem?

 

Não sei o que o meu filho poderá responder, sei, pelo menos espero, que ele lhe dirá que passou comigo os melhores anos da sua vida familiar e que o amor que lhe dei foi o principal, a arte é apenas uma mensagem que deixarei àqueles que apreciei e amei na vida e que me terá ajudado a viver, sobreviver e morrer e,  na verdade, isso é o principal.

 

TEXTO DE TIMOTHY HAGELSTEIN, DO LIVRO "APNEIAS EMOCIONAIS - POESIAS, PROSAS E NOTAS BIOGRÁFICAS", EDIÇÃO GUERRA E PAZ, EDITORES, NOVEMBRO DE 2021, TRADUÇÃO DE ANA PAULA FILIPE.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:59


#3222 - POEMA DE HERBERTO HELDER

DO LIVRO "SERVIDÕES"

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.03.22

já não tenho tempo para ganhar o amor, a glória ou a Abissínia,

talvez me reste um tiro na cabeça,

e é tão cinematográfico e tão sem número o número dos efeitos especiais,

mas não quero complicar coisas tão simples da terra,

bom seria entrar no sono como num saco maior que o meu tamanho,

e que uns dedos inexplicáveis lhe dessem um nó rude,

e eu de dentro o não pudesse desfazer :

um saco sem qualquer explicação,

que ficasse para ali num sítio ele mesmo sítio bem amarrado

- não um destino à Rimbaud,

apenas longe, sem barras de ouro, sem amputação de pernas,

esquecido de mim mesmo num saco atado cegamente,

num recanto pela idade fora,

e lá dentro os dias eram à noite bem no fundo,

um saco sem qualquer salvação nos armazéns obscuros

 

POEMA DE HERBERTO HELDER in "SERVIDÕES", EDIÇÃO ASSÍRIO & ALVIM, MAIO DE 2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20


#3221 - ORAÇÃO

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.03.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07


#3220 - O POETA DAS IMAGENS

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.02.22

São corpos pendurados em paredes de sombras, registados em papel com a ajuda de um relâmpago emitido por uma velha máquina fotográfica. Poses  artísticas forçadas de pais, avós, filhos dos filhos, tias solteiras, putos ranhosos que também aparecem mas que não foram convidados por falta de espaço e não ser domingo - era o argumento...

Ser fotógrafo era também ser encenador e mestre na arte de dispor as almas nas suas diversas posições e atitudes para, no final, parecerem actores ou figurantes numa cena de teatro burlesco, de marionetes . Era considerado no seu meio e entre os seus pares um verdadeiro mestre na arte de fixar para a posteridade os momentos em memórias que alguém guardaria numa caixa qualquer ou num caixilho que ficaria em equilíbrio numa parede qualquer de um compartimento da casa.

As expressões do rosto e as formas diversas que o corpo assumia reflectiam estados psicológicos, de humor, de hierarquias bem vincadas pela posição de cada um no espaço geográfico da lente da máquina que dava para perceber a  importância que cada um tinha e o seu papel na estrutura social e familiar.

Era um verdadeiro alquimista, um mágico que no quarto escuro apenas iluminado por uma luz vermelha conseguia dar vida a películas  mergulhadas num caldo químico, como se fosse o útero onde se formava, célula a célula, um corpo que era expulso depois de estar completamente pronto.

Era um poeta que escrevia e fixava um momento da vida para a posteridade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:56


#3219 - Madrugada - Chimes at Midnight - Ecstasy

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.02.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:19


#3218 - Thomas Feiner - The Opiates Revisited - The Rain Collector

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.02.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:48


#3216 - LIVROS E LEITURAS

APNEIAS EMOCIONAIS - TIMOTHY HAGELSTEIN

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.02.22

AFAGAR A MEMÓRIA

 

Desenho a tua ausência,

perdoo-te por existires;

alquimia que mistura

a chuva do passageiro.

Gestos de amor esquecidos

e esperanças nocturnas

da minha infância destruída

levaram afinal à minha fortuna.

Podes a minha memória afagar

para eu sempre em ti acreditar?

 

POEMA DE TIMOTHY HAGELSTEIN "in Apneias Emocionais" edição Guerra & Paz, Novembro de 2021, tradução de Ana Paula Filipe

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17


#3215 - AS PALAVRAS NA BOCA DOS TAGARELAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 20.01.22

O vazio está sentado no centro de uma estrela

com a cabeça apoiada num pensamento incolor, transparente, inodoro,

inclinando-se para o lado que o vento soprar

provocando o tédio

bocejando até a boca não poder abrir-se mais

criando um sopro de ar

que circula entre a garganta e o exterior do corpo

situado no limite da vertigem,  da tolerância, do vómito

e que devora a vontade de se opôr ao ruído opaco das palavras

sentado ao lado do vazio que deixa de ser, por isso,

o centro da estrela.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:24


#3214 - DESENHOS

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.01.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:23


#3213 - A STANISLAW WYSPIANSKY

POEMA DE KATHERINE MANSFIELD [1888-1923]

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.01.22

Credit: Getty Images/Keystone

 

A STANISLAW  WYSPIANSKY

 

Do outro lado do mundo,

De uma pequena ilha embalada no grande regaço do mar,

De uma pequena ilha sem história,

(Fazendo a sua própria história, lenta e desajeitadamente,

Juntando isto e aquilo, encontrando o padrão, resolvendo o problema,

Como uma criança com uma caixa de tabuinhas),

Eu, uma mulher, com a marca do pioneiro no meu sangue,

Cheio de uma força juvenil que consigo guerreia e ignora leis,

Canto em teu louvor, guerreiro magnífico; Eu proclamo a tua batalha triunfante.

O meu povo não teve nada contra o que lutar;

Trabalharam à luz clara do dia e manipularam o barro com dedos rudes;

A Vida - uma coisa de sangue e músculo; a Morte - um enterro de desperdícios.

 

Que poderiam saber de fantasmas e presenças invisíveis,

De sombras que obscurecem a realidade, da escuridão que nega a manhã?

Límpida e suave é a água que escorre das suas montanhas;

Como poderiam conhecer ervas venenosas, gavinhas podres que estorvam?

A tapeçaria tecida com os sonhos da tua infância trágica

Eles rasgariam com as suas mãos inábeis,

A luz triste e pálida da tuua alma apagariam com o seu riso infantil.

Mas os mortos - os velhos - Oh Mestre, aí te pertencemos;

Oh Mestre, somos crianças e aterrados pela força de um gigante;

Como saltaste vivo para o túmulo e lutaste com a Morte

E encontrste nas veias da Morte o sangue vermelho florindo

E ergueste a Morte nos teus braços e a mostraste a todo  o povo.

A tua foi uma tarefa mais pessoal que os milagres do Nazareno,

O teu um encontro mais estrénuo que as ordens mais amáveis do Nazareno.

Stanislaw Wyspiansky - oh homem com o nome de um combatente,

Através destes milhares de quilómetros estilhaçados de mar, em alta voz te proclamam;

Dizemos «Ele jaz na Polónia, e a Polónia pensa que ele morreu;

Mas ele disse não à Morte - ele jaz ali, acordado;

O sangue do seu grande coração pulsa vermelho nas suas veias».

 

Poema de Katherine Mansfield, escritora neozelandesa, (1888-1923) traduzido por José Alberto Oliveira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:46


#3212 - CAMPANHA ELEITORAL (LEGISLATIVAS - JANEIRO 2022

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.01.22

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:58


#3211 - Thomas Feiner, Anywhen - The Opiates Revisited - Betty Caine

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.01.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03


#3210 - LIVROS E LEITURAS

AS CRÓNICAS - ANTÓNIO LOBO ANTUNES

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.12.21

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:58


#3209 - B0AS FESTAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.12.21

Aos crentes. Aos não crentes. Aos cerca de 7,8 bilhões de pessoas que habitam esta planeta,

desejo-vos um Bom Natal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58


#3207 - "TOMÁS NEVINSO" - O NOVO LIVRO DE JAVIER MARÍAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.12.21

SINOPSE

Dois homens - um deles na ficção, o outro na vida real - tiveram oportunidade de assassinar Hitler antes que ele desencadeasse a Segunda Guerra Mundial. Um mal menor teria impedido um mal maior. Se é legítimo pensar que aqueles dois homens deveriam ter disparado sobre o Führer para evitar a morte de milhões, até que ponto podemos decidir quem merece viver ou morrer?

Tomás Nevinson, marido de Berta Isla, cai na tentação de regressar aos Serviços Secretos após uma temporada de ausência. Estamos no ano de 1997. Tomás é incumbido de se deslocar a uma cidade do Noroeste de Espanha para identificar uma pessoa que, dez anos antes, participara em atentados do IRA e da ETA.

A missão é-lhe atribuída pelo seu ex-chefe, Bertram Tupra, figura ambígua que já anteriormente lhe atrapalhara a vida. Ambos são anjos desagradáveis que devem velar pela tranquilidade dos demais. Feito espião que sonda a verdade, Javier Marías constrói uma intriga inquietante, uma reflexão profunda acerca do alcance e das consequências das nossas acções.

Quão longe podemos ir para evitar o triunfo do mal? E, num mundo de claro-escuro, como podemos estar certos do que é o mal?

Tomás Nevinson é o retrato do que acontece a alguém a quem já tudo aconteceu, o retrato de um homem que tenta intervir na História e acaba desterrado do mundo.

 

CRÍTICAS DE IMPRENSA
««Tomás Nevinson será talvez o melhor romance que Javier Marías já publicou.»
José-Carlos Mainer, El País

«Sempre que leio Javier Marías, tenho a impressão de estar a ouvir uma sinfonia.» Julia Navarro, Hoy por Hoy

«Marías escreve como sempre, escreve como ninguém, [...] porque está num outro nível: eleva-nos e está a fazer - porque não dizê-lo? - o que Shakespeare fez com a sua época e com os seres humanos da sua época.»
Alberto Olmos, El Confidencial

«É impossível dizer se este é o melhor romance de Marías. Mas é, sem dúvida, um dos mais empolgantes.»
J. A. Masoliver Ródenas, La Vanguardia

«Uma história poderosa, com uma pulsação fortíssima. [...] Um assombroso retrato da realidade. [...] Um romance impressionante.»
Antonio Lucas, El Mundo
 
 
Tomás Nevinson
ISBN 9789897843518Edição/Reimpressão 12-2021Editor: Alfaguara PortugalIdioma: PortuguêsDimensões: 149 x 233 x 42 mmEncadernação: Capa molePáginas: 656Tipo de Produto: LivroClassificação Temática: Livros em Português Literatura Romance
 
 
___________________________________________________________________________________________
 
Javier Marías nasceu em Madrid em 1951. É um dos mais destacados autores espanhóis da atualidade. É autor de Los dominios del lobo, Travesía del horizonte, El monarca del tiempo, El siglo, El hombre sentimental (Prémio Ennio Flaiano), Todas las almas (Prémio Ciudad de Barcelona), deste Amanhã na batalha pensa em mim (Prémio Fastenrath, Prémio Rómulo Gallegos, Prix Fémina Étranger), Negra espalda del tiempo, Tu rostro mañana (3 volumes), Os enamoramentos e Coração tão branco (vencedor do Prémio da Crítica em Espanha, do Prix l’Oeil et la Lettre e do IMPAC Dublin Literary Award), estes dois últimos já publicados na Alfaguara).
Tem ainda editados vários livros de contos, antologias e coletâneas de ensaios e crónicas.
Em 1997, recebeu o Prémio Nelly Sachs, em Dortmund; em 1998, o Prémio Comunidad de Madrid; em 2000, os prémios Grinzane Cavour, em Turim, e Alberto Moravia, em Roma; em 2008, os prémios Alessio, em Turim, e José Donoso, no Chile; e, em 2011, o Prémio Nonino, em Udine, e o Prémio Literário Europeu, todos eles pelo conjunto da sua obra. Entre as traduções de sua autoria, destaca-se a de Tristram Shandy.
Foi professor na Universidade de Oxford e na Universidade Complutense de Madrid. A sua obra encontra-se publicada em quarenta e dois idiomas e cinquenta e quatro países, com seis milhões de exemplares vendidos em todo o mundo.
É membro da Real Academia Espanhola.
 
FONTE:WOOK
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


#3206 - PRÉMIO LITERÁRIO VERGÍLIO FERREIRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.12.21

HELENA BUESCU, professora universitária da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa onde leciona Literatura Comparada, foi galardoada com o Prémio Literário Vergílio Ferreira atribuído pela Universidade de Évora.

Considerada uma autoridade incontestável dos estudos comparatistas, publicou 12 livros de ensaio, tendo a sua última obra "O Poeta na Cidade: A Literatura Portuguesa na História" vencido o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho, da Associação Portuguesa de Escritores.

________________________________________________________

Prémio Vergílio Ferreira

A Universidade de Évora atribui desde 1997 o Prémio Vergílio Ferreira ao conjunto da obra literária de um autor de língua portuguesa destacado no âmbito da narrativo e/ou do ensaio. 

Foi em 1959 que Vergílio Ferreira (1916-1996) publicou o livro que lhe rendeu o Prémio Camilo Castelo Branco da Sociedade Portuguesa e também aquele que o ligará para sempre a Évora. A obra “Aparição” retrata a cidade, na qual o autor ainda viveu, durante a época do salazarismo, fazendo referência a algumas marcas ainda presentes nos dias de hoje e levando o leitor a conhecer alguns dos locais mais emblemáticos de Évora, como é o caso do próprio Colégio do Espírito Santo. A cerimónia de entrega do Prémio Vergílio Ferreira realiza-se anualmente a 1 de março, o dia em que se assinala também o aniversário da morte do seu patrono. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:35


#3205 - O MAIS FORTE ENTRE OS ESTRANHOS

POEMA DE CHARLES BUKOWSKI

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.12.21

não os encontrarás com regularidade

pois não se encontram

onde se encontra 

a multidão

 

estes seres ímpares,

não há muitos

mas deles

vêm

os poucos

bons quadros

as poucas

boas sinfonias

os poucos

bons livros

e outras

obras.

 

e dos

melhores

entre os estranhos

talvez

nada.

 

eles são

os seus próprios

quadros

os seus próprios

livros

as suas próprias

obras.

 

às vezes penso

que

os vejo - por exemplo

um determinado

velho

sentado num

determinado banco de jardim

de uma determinada 

forma

 

ou 

uma cara fugaz

num carro

que passa

em direcção

contrária

 

ou

há um certo

gesto de mãos

do rapaz ou

da rapariga

a embalar compras

em sacos

de supermercado.

 

às vezes

até é alguém

com quem se vive

há algum

tempo -

dás conta de

um fugidio

olhar luminoso

que nunca lhes viras

antes.

 

às vezes

apenas notas

a sua existência

subitamente

e de forma vívida

alguns meses

alguns anos

depois de

partirem.

 

lembro-me

de um caso

assim -

ele tinha

cerca de 20 anos

bêbedo

às 10 da manhã

a fitar

um espelho partido

em Nova Orleães

 

cara sonhadora

contra

as paredes

do mundo

 

para

onde

fui eu?

 

POEMA DE CHARLES BUKOWSKI, DO LIVRO "OS CÃES LADRAM FACAS (ANTOLOGIA POÉTICA", EDIÇÃO ALFAGUARA, NOVEMBRO DE 2018

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:49

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28


#3203 - JOSÉ CARLOS BARROS VENCEU O PRÉMIO LEYA 2021

"As Pessoas Invisíveis"

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.12.21

"As Pessoas Invisíveis", romance escrito por José Carlos Barros, foi a escolha, por unanimidade, do Júri do Prémio Leya 2021.

O Prémio Leya foi criado em 2008 com o objectivo de distinguir um romance inédito escrito em português.

 

______________________________________________________________________________________________

José Carlos Barros nasceu em Boticas em 1963. Licenciado em Arquitetura Paisagista pela Universidade de Évora, foi diretor do Parque Natural da Ria Formosa. É autor de dois romances e de nove livros de poesia, tendo sido distinguido com vários prémios literários. Vive no Algarve, em Vila Nova de Cacela, desde finais dos anos oitenta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45


#3202 - OS TAGARELAS

POEMA DE CHARLES BUKOWSKI

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.21

OS TAGARELAS

o rapaz de pés enlameados atravessa-me a 

alma

a falar de recitais, de virtuosos, de maestros,

dos romances menos conhecidos de Dostoiévski;

a falar de como corrigiu uma empregada de mesa,

uma bimba que desconhecia que o molho francês

era feito disto e daquilo;

tagarela sobre as Artes até

eu odiar as Artes,

e não há nada mais limpo

do que voltar para um bar ou

do que ir para o hipódromo

e vê-los correr

ver coisas a passar sem este

clamor e falatório,

falar, falar, falar,

a boquinha a mexer, os olhos a piscar,

um rapaz, uma criança, doente com as Artes,

a agarrar-se a elas como à saia da mãe,

e pergunto-me quantos dezenas de milhares

existem como ele por esta terra

em noites chuvosas

em manhãs soalheiras

em serões que prometiam paz

em salas de concerto

em cafés

em recitais de poesia

a falar, a sujar, a discutir.

é como o porco

que vai para a cama

com uma mulher linda

e por causa disso

deixas de querer aquela mulher.

 

POEMA DE CHARLES BUKOWSKI in "Os cães ladram facas"[Antologia Poética], edição Alfaguara, Novembro de 2018

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:42


#3201 - RIO CÁSTER (DIÁLOGOS COM AS SUAS MARGENS) versão piano

Carlos Pereira

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.12.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:25


#3200 - Thomas Feiner - Troth (The Dreamers)

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.12.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04

Jeferson Tenório, escritor brasileiro, venceu com o livro "Avesso da Pele" o Prémio Jabuti na categoria de "Romance Literário".

 

Pode ver aqui a lista completa dos vencedores das outras categorias

_______________________________________________________________________________

Jeferson Tenório nasceu no Rio de Janeiro, em 1977. Radicado em Porto Alegre, é doutorando em Teoria Literária pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Estreou-se na literatura com o romance O beijo na parede (2013), eleito livro do ano pela Associação Gaúcha de Escritores. É autor também de Estela sem Deus (2018). O avesso da pele é o seu terceiro romance e está a ser adaptado ao cinema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07


#3198 - A AGONIA NO JARDIM

POEMA DE ANA LUÍSA AMARAL

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.21

A AGONIA NO JARDIM

 

A solidão avança como onda,

ausente

toda a luz

 

Saísse eu deste quadro,

poderia tocar o tronco amargo,

os ramos mais esguios dessa oliveira,

libertar-me das mãos

 

Podia ainda, se quisesse,

inventar vento

aproveitando a chama que ele

ostenta

 

Devo ceder a quê?

À história que contaram

sobre mim?

 

Eles não sabem da história mais de dentro,

a que me fez chegar até aqui,

sabendo finalmente:

 

que dizer sim

era morrer por dentro

que dizer não

era afogar-me nessa longa chama,

numa Palavra -

 

em mim

 

POEMA DE ANA LUÍSA  AMARAL, do livro Ágora, edição Assírio & Alvim, Fevereiro de 2020

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:49

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38


#3196 - DO ROSSIO ATÉ AO CASTELO - UM PASSEIO PELAS GUIMBRAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:35


#3195 - Richard Hawley - Valentine

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.11.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:25


#3194 - A CASA ILUMINADA

POEMA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.11.21

A CASA ILUMINADA

 

Olhai honestamente para o vosso passado

escondido da rua pelos arbustos

oferecendo-se aos pedaços

naquilo que o rasurado quis  extirpar

nos trechos sem relação que vos assaltam no sono

no desabamento, na estranheza

outro nome possível se transcreve

a face molhada por uma chuva repentina

e o seu invencível sentido

 

Somos ainda os nativos, os mais remotos

 

Assim que chegarmos ao mar alto

e perguntarmos por que razão

seremos baixados por cordas

à casa demolida ainda iluminada

 

POEMA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA  in «Introdução à Pintura Rupestre», edição Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49


#3193 - ENTRE OS ATOS

POEMA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.11.21

ENTRE OS ATOS

 

Espantamo-nos por encontrar o mundo na nossa memória

o mundo que se começa a ouvir no fundo da casa

o mundo que circula em nós entre os corpos deitados

no meio do terreiro da dança

nas cabanas indígenas

no assobio que os indígenas trazem amarrado ao pescoço

com uma atenção fascinada

o mundo que é um dos raros animais

que sabe descer as árvores de cabeça para baixo

 

Espantamo-nos por uma conivência

atestada desde há muito

nos ser entregue de chofre

cheirosa como uma floresta inteira

uma agitação de enxame

uma oficina celeste

a entrelaçar-se no sopro

fosse o que fosse

a zumbir em volta do rosto

 

O mundo é às um toldo que desdobramos às apalpadelas

durante o dilúvio

espantamo-nos que reproduza

na nossa cabeça o grito de uma pintura rupestre

os trilhos que ninguém me diz terem mudado de sítio

as recitações entre duas tormentas

que permitirão às fibras dessa árvore interna sobreviver

o resgate e as cores das casas

onde voltados de lado

repetidamente morremos

 

O mundo desencadeia-se em plena noite

organiza a vida errante

escolhe itinerários, fixa as paragensele

transforma a língua daquele que o mastiga

em corpo estranho

em fabrico inédito da sua matéria anónima

e assim nos dá a contemplar

a imagem irreconhecível

 

POEMA DE JOSÉ  TOLENTINO DE MENDONÇA in "Introdução à Pintura Rupestre"

 

____________________________________________________________________

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:23


#3192 - PRÉMIO GONCOURT 2021

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.11.21

Mohamed Mbougar Sarr, escritor senegalês, foi o vencedor do Prémio Goncourt de 2021 com o romance "La Plus Secrèt Mémoire des Hommes".

É o primeiro autor da África subsaariana a receber o mais importante galardão literário francês.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:56


#3191 - DAMON GALGUT VENCE O PRÉMIO BOOKER PRIZE 2021

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.11.21

 

Damon Galgut, escritor sul-africano, venceu com o livro "The Promise" o Prémio Booker Prize

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:24


#3190 - PRÉMIO LITERÁRIO FERNANDO NAMORA 2021

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.11.21

 

 

João Tordo venceu o Prémio Literário Fernando Namora 2021 com o livro "Felicidade".

Este prémio é atribuído pela Estoril Sol há 24 anos.

 

 

SINOPSE

Lisboa, 1973
Nas vésperas da revolução, um rapaz de dezassete anos, filho de um pai conservador e de uma mãe liberal, cai de amores por Felicidade, colega de escola e uma de três gémeas idênticas.
As irmãs Kopejka são a grande atracção do liceu: bonitas, seguras, determinadas, são fonte de desejos e fantasias inalcançáveis.

Respira-se mudança - a Europa a libertar-se das suas ditaduras e Portugal a despedir-se da velha ordem - e vive-se a promessa da liberdade, com todos os seus riscos e encantos. É neste tempo e neste mundo, indeciso entre tradição e modernidade, que o nosso narrador cai num abismo pessoal.

A primeira noite de amor com Felicidade acaba de forma trágica, e o jovem vê-se enredado na malha inescapável das trigémeas Kopejka, três Fúrias que não tem poderes para controlar. À semelhança de uma tragédia grega, o herói encontra-se subjugado por forças indomáveis, preso entre dois mundos.

Felicidade é uma história de amor e assombração nas décadas que transformaram Portugal. Um romance enfeitiçante, repleto de ironia e humor, de remorso e melancolia, em que João Tordo aborda os temas do amor e da morte, e das pulsões humanas que os unem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:57

VER PROGRAMAÇÃO AQUI

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30


#3188 - TIRINHAS DE PAPEL

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.10.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:17


#3187 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.10.21

O Orçamento para o ano 2022 não foi aprovado. Os elos que suportavam o governo não aguentaram a pressão de perdas eleitorais sucessivas e partiram...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:58


#3186 - PEREGRINO E HÓSPEDE SOBRE A TERRA

POEMA DE RUY BELO

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.10.21

PEREGRINO E HÓSPEDE SOBRE A TERRA

 

Meu único país é sempre onde estou bem

é onde pago o bem com sofrimento

é onde num momento tudo tenho

O meu país agora são os mesmos campos verdes

que no outono vi tristes e desolados

e onde nem me pedem passaporte

pois neles nasci e morro a cada instante

que a paz não é palavra para mim

O malmequer a erva e o pessegueiro em flor

asseguram o mínimo de dor indispensávl

a quem na felicidade que tivesse

veria uma reforma e um insulto

A vida recomeça e o sol brilha

a tudo isto chamam primavera

mas nada disto cabe numa só palavra

abstracta quando tudo é tão concreto e vário

O meu país são todos os amigos

que conquisto e que perco a cada instante

Os meus amigos são os mais recentes

os dos demais países os que mal conheço e

tenho de abandonar porque me vou embora

pois eu nunca estou bem aonde estou

nem mesmo estou sequer aonde estou

Eu não sou muito grande nasci numa aldeia

mas o país que tinha já de si pequeno

fizeram-no pequeno para mim

os donos das pessoas e das terras

os vendilhões das almas no templo do mundo

Sou donde estou e só sou  português

por ter em portugal olhado a luz pela primeira vez

 

POEMA DE RUY BELO in «Transporte no Tempo»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:09


#3185 - FALA DE UM HOMEM AFOGADO AO LARGO DA SENHORA DA GUIA NO DIA 31 DE AGOSTO DE 1971

POEMA DE RUY BELO

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.10.21

FALA DE UM HOMEM AFOGADO AO LARGO

DA SENHORA DA GUIA NO DIA 31 DE AGOSTO DE 1971

 

A mim morto no mar entre algas e corais

que notícias me dais aí da superfície

dessa única terra onde vivi

e foi minha ambição morrer pra nunca mais?

Ainda cheira a esteva por aí?

Que mundo de repente recupera

quem ao abrir um dado dicionário sente o cheiro

do jornal infantil folheado em criança

no pavimento térreo dessa adega

onde o verão intenso nem entrava

mas intensificava mesmo a humidade?

Ainda porventura a alguém

se lhe molham os olhos ao lembrar

quem à vontade meninice fora assim corria

como quem aí tem aquela única casa

afinal sua toda a sua longa vida?

Ao menos uma folha se moveu quando morri

à vista desse cerro aonde o vento dependura cantos

nas mais instáveis copas dos pinheiros

onde a névoa se adensa e cobre aquele castelo

ali erguido para humanizar o mar

e até perpetuar esse quebrar das ondas

contra esses rochedos um recurso secular

que a terra utilizou para se opor à sedução da água

instável envolvente e incapaz de conseguir a paz

como o chão que na pedra tem a máxima fixação?

Alguém notou acaso a minha falta

para além dum visível ponto de referência

um aceno do sono ou som do sino

gesto de mão sorriso silhueta?

Sentiram-se levados a exaltar-me

os que na destruição me vislumbravam

uma certa razão das suas vidas?

Alguém me aquecerá o coração ao fogo

quando o frio do fundo e das correntes

fender as minhas vísceras dispersas

por estes cinco mares onde espalho

a morte merecida pela minha condição de peixe?

Se alguém descer até estas profundidades

porventura será capaz de decifrar

o mistério reflectido nestes olhos

eternamente abertos sobre o meu amado mundo?

Alguém foi como eu profundamente vil

e muito mais o foi por conhecer que o era?

Onde dormem agora os que eu amei?

Como lhes foi possível perecer

se eu por os amar os tinha por eternos?

Seriam só eternos para mim?

Que paz lhes pesa agora sobre o peito?

O sol ainda nasce? Ouve subitamente alguma música

quem tão perdido estava que de súbito começa

e olha para tudo com os olhos limpos

de quem as coisas vê pela primeira vez?

Quem lá na minha aldeia sacrifica hoje

o porco semanal em troca dum grunhido

desfeito contra os montes circundantes?

Morto o miguel ainda fica a faca?

Ainda pelas ruas ao domingo

se tem de procurar não pôr os pés nos bêbados prostrados

convencidos talvez de vir a ter em tão precária posição

mera antecipação da humana condição definitiva

alguma solução para a sua indigna sujeição?

Ainda vem à quarta de almoster o ferrador

ferrar machos cavalos na barraca de madeira

erguida ali à beira do caminho

que me levava a casa e devolvia à vida?

Porventura o barbeiro ainda se chama marcelino?

Compram cada semana os seus trabalhadores

reunidos na praça após matar o bicho

os senhores dos pauis e vinhas e courelas?

Festeja-se na adega o termo da colheita

dessa azeitona vorazmente varejada da oliveira

sobre o espesso pano de serapilheira?

Alguém caiu de cima de uma árvore

por causa da geada de janeiro

e até da aguardente ingerida em jejum

em todos estes anos desde a morte do bizarro?

A cheia traz o s+avel pela primavera?

Há bailes na ribeira a dois quilómetros

passado o pinheiro manso pelo carnaval?

Como se chama agora a dona da farmácia? 

Há fogueiras em junho onde debaixo de aparente devoção

se exalta a vida e normaliza a natureza?

Os noivos vão casar-se de carroça

e abrem de abalada as mãos cheias de confeitos sobre as testas dos miúdos

que se juntam à espera para os ver passar

e não sabem ainda como é triste a alegria?

A quem pertencem hoje as lavegadas

onde as mulheres mondavam as searas

e as folhas arrancavam às videiras

que vedavam às uvas o acesso ao sol?

Nestas núpcias eternas com a água

sobre sinos e ventos sibilantes

não se ouvirá soar a monocórdica

e harmónica música daquelas campainhas

das máquinas registadoras dessa lojas

desse porto e da vila onde dormi

os últimos dez anos de visitas começadas

num verão lembro-me bem num dia três de agosto

dentro da composição número mil e oito da cp

(alguém de letra irregular o deixou escrito num romance

comprado na estação do entrocamento

e por mim esquecido ao chegar a são bento)?

Existirá ainda o escuro casarão até talvez capaz de atenuar

a música do sino que ritmava a vida

nessa vila pequena aonde o homem

mais de frente enfrentava o frio olhar da morte?

Que é feito da pensão perto dos estaleiros

onde eu bebia com os pescadores e carpinteiros

e que deixei de vez para ir ao encontro

da musa mais discreta e silenciosa dos meus versos?

E eu que nos lençóis via a neve polar

que às vezes ao cheirá-los me sentia transportado

subitamente a sítios e a dias do passado

que só os soube na verdade apreciar

levado pela mão de camilo pessanha e dylan thomas

eu que em lençóis de linho ambicionava repousar

são de água os meus lençóis e à volta é o mar

Se me via cingido de cidade

se nem já mesmo o sol deixava entrar em casa

sem antes ele limpar os dois sapatos ao entrar

devo afinal a gestos artificiais

o meu regresso às coisas naturais

Não pense quem vier que estou sozinho

entre inúmeros peixes das profundidades

e os corpos de incontáveis pescadores

como o jovem lourenço são miguel

que aqui se despediu dessa vida de aí

a cinco salvo erro de janeiro de sessenta e cinco

Não reparam que olho com os olhos cheios de água

quem só mais do que eu pertence ao mar

por aqui habitar só aparentemente antes?

Moradores da terra fogo ou ar

sabei que o solo sólido da terra foi apenas para mim

insegurança oscilação vertigem

e que em verdade agora mais do que acabar

o que fiz foi voltar à minha origem

 

POEMA DE RUY BELO IN "TODA  A  TERRA" E RETIRADO DA COLECTÂNEA "TODOS OS POEMAS", EDIÇÃO ASSÍRIO & ALVIM REIMPRESSO EM JANEIRO DE 2020

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16


#3184 - O ÚLTIMO DESFILAR, ANTES QUE O INVERNO CHEGUE!

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.10.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08


#3183 - Hans Zimmer ft Lisa Gerrard & Moya Brennan - Sorrow

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.10.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02


#3182 - SLOWDIVE - CATCH THE BREEZE (Official Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.10.21

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:36


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

BERTRAND - SUGESTÃO DE LIVROS E LEITURAS

20% a 50% IMEDIATO em todos os livros - Instagram Post 25-26/03

#LERÉPODER 2020 - Large Billboard


O Mundo na Mão - Large Billboard

Arquivo



Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas