Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2537 - REVISTA LER (EDIÇÃO VERÃO 2017 | N.º 146)

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.08.17

revista ler verão 2017002.jpg

 Capa da revista LER, edição Verão 2017, n.º 146

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:56


#2136 - REVISTA LER - EDIÇÃO DE INVERNO

por Carlos Pereira \foleirices, em 20.01.17

LER - INVERNO028.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:52


#1781 - Poema de Almada Negreiros

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.11.12

Eram sete e meia.

O mais tarde que podias entrar era até às oito

e depois das oito tornava-se reparado.

Havia ordem no mundo

e meia-hora para nós,

meia-hora que não foi como queríamos

meia-hora em que cada um de nós nos prejudicava

habituados que estávamos a não nos termos visto nunca.

Levámos meia-hora a combinar outra hora para nós

meia-hora que afinal só começou depois de terminada

ao despedirmo-nos até à vista.

E até tornar a ver-te

eu não me senti, nem a fome, nem a sede

nem outra vontade que tu,

fiz como os poetas

que apagam a realidade

para lhe pôr outra melhor por cima.

 

(Inédito)

 

Poema de Almada Negreiros in Revista Ler n.º 50, 2001

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:37


#1780 - Capas de Revistas

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.11.12

 

REVISTA LER - Primavera 2001 - N.º 50

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30


#1544 - Nas bancas

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.12.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:08


#1473 - Frases

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.11.11

 

"queria ter sido como você, um escritor", afirmou George Steiner a António Lobo Antunes quando recebeu o escritor português em sua casa nos arredores de Cambridge em 9 de Outubro de 2011.

 

Os diálogos podem  ser lidos na revista "LER", n.º 107 de Novembro de 2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:41


#1432 - Já nas bancas

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.07.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:27


#1276 - Revista Ler já nas bancas

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.05.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:32


#1257 - A Arte de Morrer Longe nas livrarias a 21 de Abril

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.04.10

«Descortina o leitor um tipo de português largo e inflado, ovante e intrusivo, propenso à calvície, com sobrancelhas de escovilhão, riso beiçudo, pelame encaracolado em todo o corpo, amador da piadola e da pirraça, grosseiro para os mais fracos, airoso para os superiores, em absoluto impenetrável a noções básicas de decência e decoro? Uma figura digna das Metamorfoses, em que se hibridam o entranhado lanzudo e o atávico malandrim? Não descortina? Então é porque este Quintão Malpique era uma raridade e convém, na passagem, examiná-lo mais de perto como espécime singular.
Se lhe perguntassem por que é que ele se tinha queixado à polícia, por carta anónima, duma velha dependurava os cobertores nas traseiras do prédio, sem que isso afectasse ninguém, e muito menos os empregados duma empresa que não moravam ali, ele responderia, rindo: «É só p`ra chatear.» Do mesmo modo, quando telefonava para a Câmara, disfarçando a voz , a denunciar um vizinho que fazia obras clandestinas numa casa de banho, era «só p`ra chatear». Também era «só p`ra chatear» o gesto de deixar o elevador encravado no nono andar para que um casal de idosos , com o seu velho cão, tivesse de se arrastar pelas escadas.
Comprazia-se, naturalmente, com a incomodidade dos outros. Uma acção que tivesse como motivação «chatear» parecia-lhe absolutamente justificada, desde que não fosse ele o chateado. Uma representação popular – aliás falsa e caluniosa – que atribui o incêndio de Roma a Tibério Nero Enobarbo, para depois celebrar a catástrofe, a toque de cítara, poderá não andar longe do feitio de Quintão Malpique, descontando o pendor artístico.
Desde que descobrira a Internet, aliás tardiamente, tinha sido um alvoroço. Aplicava boa parte das horas de serviço a escrever comentários anónimos nos blogues alheios e nas páginas que os admitissem. Apreciava especialmente os jornais e as suas colunas de posts.
Eis uma amostra de uma contribuição de Quintão Malpique para o debate nacional, que pode ser encontrada facilmente na imprensa electrónica, a propósito da questão, hoje esquecida, dos apoios ao cinema português:
Esses senhores o que querem é repimpar-se!!! É só mama!!! Banquetes de lagosta, em Nice e em Cannes, aproveitando os favores do Estado e o dinheiro dos contribuintes. Isto é tudo sempre no poleiro, a chuchar no orçamento, à custa do Zé Povinho, e a gastar os nossos ricos carcanhóis com filmalhadas que ninguém percebe nem ninguém vê. Topam? Deviam era mandá-los todos cavar batatas e elas coser meias, a ver se ganhavam calos nas mãos e eram úteis ao povo que é quem mais ordena. Tá? Ao menos o doutor Salazar tinha critério e dava ao povo aquilo que o povo queria.»

 

Leia as primeiras páginas dos novo romance de Mário de Carvalho na edição de Abril da LER, já nas bancas!

 

In Blog "LER"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:34


#1178 - Babel apresenta-se amanhã em Lisboa

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.02.10


Guimarães, Verbo, Ulisseia, Ática, Arcádia, Athena, Centauro, K4 e Pi são as nove chancelas do novo grupo editorial de Paulo Teixeira Pinto. Apresentação oficial, amanhã, às 18h, no Auditório da Biblioteca Nacional, em Lisboa.

 

In Revista Ler

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20


#1166 - Revista Ler já nas bancas

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.02.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:49


#1123 - "LER", amanhã nas bancas

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.01.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48


#1100 - Antologia da Poesia Portuguesa apresentada hoje

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.12.09

Poemas Portugueses – Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI  é apresentada hoje, às 19h, na Fundação Medeiros e Almeida, em Lisboa. Oitocentos anos de poesia, 267 autores e mais de dois mil textos, com prefácio de Vasco Graça Moura. Coordenação e organização Jorge Reis-Sá e Rui Lage:
 

«Esta é a primeira antologia panorâmica que abarca a poesia portuguesa desde os seus alvores, na transição do século XII para o século XIII, cerca de seis décadas após o nascimento do Reino de Portugal, até ao presente, entendendo-se por presente o ano de 2008, data dos poemas mais recentes aqui recolhidos. Em consequência desta novidade, surge uma outra: a de ser esta a primeira vez que todo o arco temporal do século XX é objecto de um projecto antológico não exclusivo, isto é, nem temático, nem tendencioso. Por outras palavras, esta antologia, passe a redundância, começa no começo, e termina na actualidade. [...] Nestas mais de 2000 páginas coexistem, diacronicamente, mais de 800 anos de poesia, desde a "Cantiga de Garvaia" de Paio Soares de Taveirós, datável do primeiro decénio do século XIII, até Outubro de 2008, data do mais recente poema aqui incluído, "Rasto", de Luís Quintais.»

 

In Revista LER

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:51


#1067 - Os 10 melhores livros de 2009

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.12.09
10 Best Books of 2009  do New York Times
The Book Review makes its selections.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:56


#1066 - Bad Sex in Fiction Award atribuído a Jonathan Littell

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.12.09

A Literary Review entregou a edição de 2009 a The Kindly Ones (As Benevolentes, D. Quixote), obra vencedora do Goncourt em 2006. Comentário do júri: «It is in part a work of genius. However, a mythologically inspired passage and lines such as "I came suddenly, a jolt that emptied my head like a spoon scraping the inside of a soft-boiled egg" clinched the award for The Kindly Ones. We hope he takes it in good humour.» A passagem do livro que mereceu tamanha distinção pode ser lida aqui.

In Revista LER

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:50


#1058 - Novo romance de Valter Hugo Mãe editado pela Objectiva

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

O autor de O Nosso Reino (Temas e Debates), O Remorso de Baltazar Serapião e O Apocalipse dos Trabalhadores (ambos na Quidnovi) regressa com um novo romance em Fevereiro com o selo da Objectiva. Em Julho, Valter Hugo Mãe adiantava nas páginas da LER (nº 82). «Estou a meio do livro. Trata-se do senhor Silva que tem 84 anos e acaba de perder a esposa com quem passou mais de 50 anos de vida em comum. A narrativa pretende fazer um exercício de justificação para a vida depois de uma perda desta dimensão. A morte da companhia é uma fractura terrível mas o ser humano segura-se à vida mesmo sem perguntar o que é que ainda falta. Trata-se de um texto muito forte com passagens muito duras mas também com páginas de uma certa casmurrice, senilidade e ternura. [...] No livro digo que a velhice é suportável porque vamos perdendo a consciência das coisas. O que parece uma asneira para os mais novos é um mecanismo de sobrevivência dos mais velhos para manter o corpo vivo, apreciando alguns raios de sol depois de uma tragédia tão grande. Tenho a certeza que não vou chegar a velho, por isso escrevo o pensamento de um homem mais velho do que eu. Vi chegar a minha calvície aos 19 anos, aí percebi a precocidade da discrepância entre idade real e idade aparente.»

 

Fotografia de Pedro Loureiro.

In Revista Ler

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:17


#1057 - 4 de Dezembro, nas bancas

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:16


#1037 - Nada de Dois, por Pedro Mexia

por Carlos Pereira \foleirices, em 18.11.09

Lançamento marcado para amanhã, às 19h, no foyer do Teatro Aberto, em Lisboa, com apresentação de Nuno Artur Silva e leitura de excertos por Joana Seixas e Albano Jerónimo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00


#1033 - Escrita de Mário Cláudio em Serralves

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.11.09

A partir do próximo dia 25 de Novembro, Mário Cláudio orienta mais uma edição do Atelier de Escrita em Serralves. Desta vez, a temática são «Homens e Bichos». Sempre às quartas-feiras, até 10 de Fevereiro, das 19h às 21h.

 

In "Revista LER"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12


1001 - Prémio Jabuti de melhor ficção do ano para Moacyr Scliar

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.11.09

Depois do Jabuti de melhor romance, o escrito gaúcho recebeu ontem novo prémio por Manual da Paixão Solitária (Companhia das Letras). Melhor obra de não-ficção do ano: Monteiro Lobato: Livro a Livro, de Marisa Lajolo e João Luís Ceccantini (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e Unesp).

 

In Revista Ler

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:09


#974 - João Tordo - Vencedor do Prémio Literário José Saramago

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.10.09

João Tordo: «Não tenho paciência para os puros contadores de histórias»


Novo romance, pelos vistos. É diferente dos anteriores? Explica lá porquê.

Porque é maior, mais estruturado, mais denso, com mais personagens e uma história que atravessa um quarto de século e que faz viagens constantes a outros momentos marcantes do século XX, a guerra civil espanhola, a Segunda Guerra Mundial… E, também, porque conta a saga da família Millhouse Pascal, vista através dos olhos do protagonista, na qual temos um pouco de tudo: um velho misterioso com poderes mágicos, três netos rebeldes, um jardineiro assas­si­no, funâmbulos na corda bamba… e um final secreto em que o destino de uma das personagens principais se intersecta com uma das grandes catás­trofes do nosso século. E também porque deu imenso trabalho. Contente?

Nem por isso. Uma vez mais, a história é contada na primeira pessoa. Alguma coisa de «pessoal» nisso ou vais aldrabar e continuar a dizer que não?

Claro que é pessoal. Todos os escritores mentem quando dizem que não existe nada de seu nos seus romances: no meu caso, acho que as personagens reflectem, cada uma à sua maneira, os meus pontos de vista e sentimentos em relação ao mundo. Começo sempre na primeira pessoa porque gosto de um ponto de vista limitado, que não seja omnisciente, que me aproxime do leitor, isto é: só sabemos uma parte da história, não sabemos o todo. Somos limitados, finitos, queremos tudo mas, infelizmente, não dá. Depois o romance utiliza outros pontos de vista e narradores, mas o fundamental é que, uma vez que as histórias acontecem no mundo a partir do momento em que as imaginamos, gosto de olhar para elas a partir dos olhos dos meus narradores.

Já que falas nisso, continuas a achar que escrever e viver são coisas incompatíveis? Continuas a achar que é uma angustiante dicotomia?

Agora já acho que são as duas coisas idênticas. Julgo que a vida quotidiana é apócrifa deste ponto de vista: o mundo exterior é menos real, em muitos sentidos, do que o mundo da literatura. Menos real porque menos interessante, pelo menos para quem escreve ou, se estou a exagerar, pelo menos para mim. Mas escrever pode ser equivalente a viver no sentido em que é na escrita que me descubro enquanto pessoa: a vida quotidiana é o que é, raramente feliz, muitas vezes deprimente; a vida de um livro tem a obrigação de ser interessante, fascinante, aventurosa, desafiar todos os instintos de quem está lançado a uma história. Por vezes, viver todos os dias pode ser muito parecido com uma forma lenta de morte; na escrita tudo está mais vivo, mais iluminado.

Ora pensa lá bem: o que é que costumas fazer enquanto escreves, sem te dares conta disso?

Que pergunta tão estúpida. Então olha: às vezes ouço os Beatles, sobretudo o Abbey Road ou o White Album; coloco o CD no computador sem sequer pensar no assunto. Mas grande parte das vezes não ouço nada, gosto do silêncio e do barulho dos dedos nas teclas. Não sou capaz de escrever à mão – não só tenho uma caligrafia ilegível como me cansa imenso o pulso, ao final de um bocado. Teclo tipo «secretária», isto é, muito depressa e sem olhar para o ecrã. Quando estou a escrever um romance é também das poucas alturas do ano em que bebo café e fumo cigarros logo de manhã. Tenho a televisão ligada sem som. A sensação de um romance por acabar angustia-me e, ao mesmo tempo, motiva-me. É esquisito. Também tremo as pernas e bato com os pés no chão, repetidamente, que é uma espécie de banda sonora dos meus livros.

Já que falamos em desordens obsessivas, continuas a ter as mesmas obsessões, paranóias e minudências?

Tenho uma razoável obsessão com a medição das obras. Isto é, enquanto estou a escrever gosto de manter uma média diária de número de palavras (para As Três Vidas, por exemplo, escrevi duas mil por dia). Não sei de onde é que isto vem. Claro que não «contabilizo» a coisa, mas tento manter um registo idêntico todos os dias porque o tempo é escasso – tenho de «tirar férias» do mundo real para escrever – e é preciso chegar ao final. É uma corrida a contra-relógio, na verdade. Outras paranóias: deixar um parágrafo em aberto para o dia seguinte; procurar não ler autores de que gosto muito durante essas alturas, ou tendo a começar a imitá-los; deitar-me cedo; tentar não beber. Essas coisas. Ser como um desportista na aldeia olímpica, só que sem as medalhas, a consagração e o hino nacional.

Quais são as tuas mais recentes embirrações?

Cada vez menos aprecio os escritores em «série», do género Dan Brown e derivados. Dá-me a sensação de que estão sempre a escrever o mesmo livro, numa linha contínua que não tem altos nem baixos. Embora eu pertença a uma linha muito anglo-saxónica do romance, confesso que não tenho muita paciência para os puros contadores de histórias, funcionais e mecânicos. Tem de haver alguma coisa de muito íntima, um ponto de vista, uma dor ou uma perda, no momento de escrever um romance. É para isso que serve toda a construção narrativa, tem de existir uma metáfora, nunca forçada, ou então é mera ginástica textual. Para isso existem os dicionários e as enciclopédias. Gosto de autores que se entregaram, que renderam a sua vida à obra, cuja existência passa por ali, passa pelo texto, ao ponto de quase se confundirem com aquilo que escrevem, até para eles próprios. O grande exemplo contemporâneo disto é o Javier Cercas, cuja fronteira obra/vida é quase indiscernível.

 

Há precisamente um ano, quando lançava As Três Vidas, João Tordo passou pelo sofá da LER e aceitou o desafio de se entrevistar: JoãoTordo por João Tordo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:43


#825 - O novo romance de Miguel Sousa Tavares

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.06.09
 
Extractos do próximo romance de Miguel Sousa Tavares, No Teu Deserto, a lançar pela Oficina do Livro no final da primeira semana de Julho:
 
 
«Éramos donos do que víamos: até onde o olhar alcançava, era tudo nosso. E tínhamos um deserto inteiro para olhar.»

«Ali estavas tu, então, tão nova que parecias irreal, tão feliz que era quase impossível de imaginar. Ali estavas tu, exactamente como te tinha conhecido. E o que era extraordinário é que, olhando-te, dei-me conta de que não tinhas mudado nada, nestes vinte anos: como nunca mais te vi, ficaste assim para sempre, com aquela idade, com aquela felicidade, suspensa, eterna, desde o instante em que te apontei a minha Nikon e tu ficaste exposta, sem defesa, sem segredos, sem dissimulação alguma.»

«Parecia-me que já tínhamos vivido um bocado de vida imenso e tão forte que era só nosso e nós mesmos não falávamos disso, mas sentíamo-lo em silêncio: era como se o segredo que guardávamos fosse a própria partilha dessa sensação. E que qualquer frase, qualquer palavra, se arriscaria a quebrar esse sortilégio.»

«Eu sei que ela se lembra, sei que foi feliz então, como eu fui. Mas deve achar que eu me esqueci, que me fechei no meu silêncio, que me zanguei com o seu último desaparecimento, que vivo amuado com ela, desde então. Não é verdade, Cláudia. Vê como eu me lembro, vê se não foram assim, passo por passo, aqueles quatro dias que demorámos até chegar juntos ao deserto.»
 

Apresentado como «Quase Romance», No Teu Deserto terá apenas 128 págs.

 

Post retirado do blog "Ler"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:32


Buenos Aires, Capital Mundial do Livro em 2011

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.06.09

Ainda falta muito tempo, mas não deixa de ser uma boa notícia.


Na foto: livraria El Ateneo, Buenos Aires. Vídeo aqui.


Post retirado da revista Ler

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40


"Ler", edição do mês de Junho

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.06.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:06


'Barroco Tropical', de José Eduardo Agualusa

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.09

Primeiro capítulo de Barroco Tropical (D. Quixote), novo romance de José Eduardo Agualusa, disponível aqui. Nas livrarias a partir de Junho.

 

Post retirado da revista LER

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:26


Primeiro romance de Fernando Pinto do Amaral publicado em Março

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.02.09

O Segredo de Leonardo Volpi é o título do primeiro romance do poeta, ensaísta e professor Fernando Pinto do Amaral, a publicar em Março pela Dom Quixote, que lança ainda por essa altura A Vingança de Marcolina ou O Último Duelo de Casanova, ficção do historiador e ex-ministro da Cultura José Sasportes, Eu Sou a Charlotte Simmons, de Tom Wolfe, O Sétimo Véu, de Juan Manuel de Prada e A Filha do Destino, autobiografia de Benazir Bhutto — para além de reedições de Machado de Assis (Dom Casmurro) e Robert Wilson (A Companhia de Estranhos e O Último Acto em Lisboa).  [In Revista Ler]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:58


Revista Ler

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.01.09
Já se encontra disponível a edição n.º 76, da Revista LER[Janeiro] Segunda Série

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02


Revista Tabacaria

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.12.08

A revista Tabacaria vai voltar a ser editada, «não necessariamente com esse nome», garantiu hoje Inês Pedrosa, directora da Casa Fernando Pessoa, em entrevista ao jornal Público. «Tem de ser bilingue, além de fortemente literária. Pessoa já não é só de Portugal - aliás, nunca foi. Temos também um projecto de edição contínua de textos em torno de Fernando Pessoa com o grupo editorial Leya. Estamos a estudar o modelo.»

 

Post retirado do blog "LER"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:02


Revista Ler - novo n.º já disponível nas bancas

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.08
LER 75 já na rua!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:06


Mais um capítulo de Millennium

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.08
 

A tradução portuguesa do segundo volume da trilogia (Millennium) escrita por Stieg Larsson já está disponível nas  livrarias. Edição Oceanos.

 

Post retirado do blog "LER"

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:15


Revista ler

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.11.08
A revista LER já está disponível nos locais habituais de venda
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:02


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas