Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 HERBERTO HELDER

 

A Porto Editora vai editar, em Março, "Em Minúsculas", obra de Herberto Helder que reúne as crónicas e reportagens feitas pelo poeta em Angola entre Abril de 1971 e Junho de 1972.

 

Este livro resulta da investigação, transcrição, revisão e selecção de textos feita por Daniel Oliveira, filho de Herberto Helder, Diana Pimentel e Raquel Gonçalves.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26


#2711 - CATÁLOGO BOTÂNICO DA PRIMAVERA

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.12.17

FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO

 

CATÁLOGO BOTÂNICO DA PRIMAVERA

 

Principia a estação, com o seu ruído

feito de sons de pássaros, que eu decifro.

Mais difícil sinal são as cores várias,

que despontam cada dia e eu vejo,

ano após ano, iguais e singulares.

Primeiro, um pouco além, o lírio roxo,

que me traz consigo a criança viva

que o colheu e, tal como a um barco

o fez singrar, só, roxo, macerado,

na água que descia por um rego.

Um lírio com a mão que o cortara

já decepada e presa ao passado,

sem o seu corpo. Vejo as três pétalas

assim a confundir-se com os três dedos,

como se as nossas mãos por vezes vivessem

mais do que os passados corpos.

Depois, foi esta a manhã das camélias

brancas, cravadas com dureza em rostos,

que, ainda de olhos fechados, tocam

as corolas em busca do seu cheiro.

São camélias mortais, e ainda atraem

a face dos mortos, que algum dia

as bafejaram com o seu hálito próximo.

Manchas brancas de círculos informes,

cada círculo contendo outro círculo.

E, no centro de cada rosto, apenas,

em cada Primavera, duram os olhos.

 

Já caem as glicínias, de alto, sobre

o esplendor do crânio ou do cabelo.

São cachos também roxos, em manhãs

de assombro, por cada dia mais

trazer um diverso cacho pendente.

Misturam-se com a cabeleira antiga

estes cachos de glicínias de hoje.

Mas são absolutos, novos, singulares

os momentos com a sua luz e cor,

os seus insectos e as suas sombras.

Alguém, que os colhera os fez prender

entre cabelos fecundos, de orelhas,

adornos para os filhos da Terra.

Estão, depois dos lírios e das camélias,

para salvar, em cada dia novo,

o viço dos cabelos, mais eternos

do que a já sepultada carne. Carne

de alguém que tinha um nome seu e que

se oferecia, com deleite, ao Tempo.

Só pode ter sido a de parentes, dúbios

cohabitantes do ser que relata

esta actual Primavera, com saudade.

A Primavera, que me surpreende

somente por estar a ser olhada.

 

Se aquela rosa rubra, na manhã

em que surgiu, logo fosse ignorada,

eu não estaria aqui neste papel,

dando-me inteira à nova Primavera.

Recebo-a, olho-a como um visitante,

aliás porque, na sua latada,

ela está perto do meu sólio. Rosa

de repente vista, primeira rosa

na natural frescura. E, também,

o vento lhe tocou, e já a abrem

aquelas mãos que haviam sabido

lançar barcos de pétalas aqui.

Junto da rosa só cabe esta boca,

pronta a beijar com amor as suas línguas

ou a beber a linfa que é da abelha.

Havia uma boca assim, sem a face,

a respirar ao ritmo dessa rosa,

que hoje nasceu fadada para ser

a sempre minha, única, igual.

A cor da rosa mostra-me o lugar

daquela boca, e eu quero sentir-me

aqui e ali. Pois vejo-te, rosa,

e vejo a outra, a que foi beijada.

Assim, não posso mais do que olhar.

Rosas terás em redor, solitária.

 

- Eis os melros, rasteiros, que insistem

em tornar-se evidentes, saltitando

sobre cômoros de terra. Mas hoje

perante o mistério das flores súbitas,

são como eu, embora não como eu,

com a negra plumagem que os cobre.

Sobre a lage do poço correm dois,

negros contendores no mesmo sprint,

músicos de assobio que eu bem entendo.

 

E, próximos da rosa, mas alheios,

estão a nascer os narcisos, de amarelas

frisadas campânulas e de sépalas

perto do solo, e que se elevam

na luz de cor. Também uma figura

de mulher genuflectida as colhia,

e uma criança, oscilando no riso,

quer ter para si uma flor solar.

Junto aos eternos matizes das pedras,

a cor dos narcisos, nítida, clara,

evoca esses desejos saciados

em tempo ido: o da mulher, prendendo-os

no seu seio, e os da criança, seguindo

o movimento que pertence ao tempo.

Hoje, como hei-de separar os corpos

da haste e da corola dos narcisos,

pois a mancha amarela tem a forma

humana contida em si, curva, erecta.

 

Salva-me o vermelho vivo da rosa,

que atrai a cor intensa dos narcisos

para contraste, outra tensão,

que eu revivo, amando o beijo da rosa

e a prece ao sol destes narcisos.

Mas outra prece, hesitante, desponta

ao raso dos terrenos, dispersa, ágil.

Flores que vibram esguias e tácteis,

de um vermelho ardente, submissas

como pálpebras, ao cair da noite.

Abrem-se na aurora, comovidas

pela unção da luz, porque se chamam

páscoas. E são amadas, benditas.

Anunciam a passagem eterna

da luz sagrada entre noite e aurora.

A aragem devagar as sacode,

finas folhas e hastes a dançar,

em pleno dia de êxtase, no sono

das corolas exaustas pela noite.

 

Noutra manhã, eu vejo, deslumbrada,

a poalha da brancura florida

que envolve os troncos velhos da ameixoeira,

flores que o ar conhece e o vento leva,

há muito, para lugares e tempos.

Poalha em que não estão vultos humanos.

Apenas um nó de sombra, atrás

de cada flor, mostra a imagem de antes

ou a espessura de um fruto futuro.

São as flores do jardim que guardam o enigma,

pois cada espécie vista tem em si

um sinal visível de outra estação.

Flores solitárias que, uma a uma, vêm

ligar-se a fragmentos de vida antiga.

 

- Repetem-se os melros p'lo empedrado,

a debicar sempre nas pedras húmidas,

sob o fascínio do cálido dia.

Tão nítidos, tão certos, a presença deles

não cabe ao lado de uma flora rara,

a desta Primavera em narração.

 

Também os loureiros em flor, visíveis

ao longe como nuvens, são visões

completas, com  a floração e as folhas

na mesma cor de sempre, indecifrável.

Alguém pega no ramo do loureiro,

num verso clássico, e o dá a toda

a humanidade, pois a memória

da poesia passa de poeta a poeta,

para o mundo. Se o meu relato é vivo

é porque olho c'os outros a Primavera,

e nesta Primavera eu vi melhor,

presa do assombro do que é novo e antigo.

Os meus olhos, o espírito e as mãos

pegam em cada imagem de uma flor,

em cada dia de visão e ganho.

Mas a perda, enfim, virá somar tudo

igual a si mesmo, uno, passado.

E, de repente, uma flor de palavras

muito branca chega até mim, e é

esta estação, nesse florir de goivos.

Uma carta traz-me inscrita as palavras

de Eugénio, goivos, e o seu eflúvio.

Esta transcreve-a ele de Pessanha,

diante de tão nítidos canteiros.

Grata, prendo-me a esses elos vivos

da corrente de vozes, que se oferecem

aos ouvintes, depois de recolherem

o real, o findo, o que foi amado.

Aqui, depois do loureiro, floriu

a acácia, também sem qualquer vulto

escondido no seu florir imenso.

São árvores solitárias, constantes

na pura relação com a luz solar.

E, talvez por fim, neste  infinito,

uma inflorescência de gladíolo

rosada, erecta, se tenha aberto.

 

Vem de um único bolbo, soterrado,

está só, entre a verdura vária.

Junto de si viveram outras hastes

também de gladíolos, há muito tempo.

Braços levaram-nas juntas, consigo,

em braçadas de amor e de alegrias.

Os braços são as linhas de matizes,

unidas em redor da cor suavíssima

das flores de hoje, a florir aqui.

Cada manhã me põe diante dos olhos

nova forma de cor e  luz e, às vezes

figuras esbatidas de outra estação

igual, porém perdida já, inane.

 

- Melro audaz, que te aproximas mais

de mim, ou do que eu fui e agora sou,

não vejas que eu represento o Tempo.

A tua colheita de grãos e de larvas

seja o teu mais subtil pensamento.

 

- E, afinal, entraste no meu espaço,

num intervalo entre o concreto e o abstracto.

 

 

Poema de Fiama Hasse Pais Brandão

Carcavelos, Março, 1997

 

____________________________________________________________________________________________

 

Fiama Hasse Pais Brandão
 
Dramaturga, tradutora e poetisa, nasceu a 15 de agosto de 1938, em Lisboa,faleceu a 19 de janeiro de 2007, na mesma cidade. Frequentou o colégio St.Julian's School, em Carcavelos, e, mais tarde, o curso de Filologia Germânicada Universidade de Lisboa. Fez crítica de teatro, estagiou no TeatroExperimental do Porto (1964), e foi, com Gastão Cruz - com quem se casaria - e outros, fundadora do grupo Teatro Hoje (1974). Ao longo da sua vida,exerceu  atividade de investigação na área da linguística assim como  pesquisa histórica e literária sobre o século XVI em Portugal. Traduziu vários autores como Bertolt Brecht, Antonin Artaud, Novalis e    Anton Chekhov e colaborou em revistas literárias, como Seara Nova Cadernos do Meio-Dia Vértice entre outras. 
                                                                                                                                                                                                                                    Revelou-se com "Morfismos", no âmbito da iniciativa Poesia 61 coletânea que refletia uma tendência poética atenta à palavra, à linguagem  na sua opacidade, na busca de uma expressão depurada e não discursiva. A criação poética de Fiama Hasse Pais Brandão                             i impõe-se pela busca de uma expressão original, onde as palavras tentam evocar uma essência perdida, anterior à erosão do              tempo e do uso corrente. A desconstrução das articulações do discurso e a sua metaforização provocam um estranhamento que conduz o leitor a despir a linguagem da sua convencionalidade e a entrever o acessopela palavra pura a um tempo primordial. 
critério de "amor pela leitura" que presidiu à versão de Cântico Maiorpode, por extensão, ser aplicado à obra da autora que apresenta comofontes de emoção poética "o texto que cabe na pupila: o simultâneo, a grande cena das metáforas e das comparações, a Visão multiforme doConhecimento (pus no coração a Sabedoria de Ezra), que é parcelar naspalavras e nas imagens e que  por acumulação diurna e através daabsorção pupilar (como a do ar) tende para o Todo." ("Do prefácio de CânticoMaior", reproduzido em "Apêndice" a Obra Breve 1991).
 
Sob o Olhar de Medeia , a obra que marca a primeira incursão no romance porparte desta autora, foi publicado em 1998. 
Fiama Pais Brandão recebeu várias distinções, entre as quais se destacam o Prémio Adolfo Casais Monteiro, 1957; o Prémio Revelação de Teatro, 1961; o Prémio Pen Clube Português de Poesia, 1985; o Grande Prémio de PoesiaAPE/CTT, 1996; o Prémio D. Dinis, da Fundação Casa de Mateus, 1996; e o Prémio Pen Clube Português de Ficção e o Prémio da Crítica da AssociaçãoPortuguesa de Críticos Literários, ambos em 2005.
 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03


# 1935 - "Viagem Literária", uma iniciativa da Porto Editora

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.04.15

Bragança vai ser, dia 25 de abril, palco da primeira etapa de "Viagem Literária", uma iniciativa que pretende fomentar o gosto pela leitura e pelo pensamento e que, neste dia, contará com as participações dos escritores Luís Sepúlveda e Valter Hugo Mãe.

O espaço escolhido para este encontro, que se inicia pelas 17 horas, é o Teatro Municipal da cidade. As entradas são gratuitas.

Pela primeira vez, um evento literário compromete-se a, mensalmente, percorrer o país, de norte a sul, do litoral ao interior, passando pelos Açores e pela Madeira, indo ao encontro dos leitores e desafiando-os para uma viagem na qual participarão grandes nomes da literatura.

A "Viagem Literária", uma iniciativa apresentada, esta quinta-feira, pela Porto Editora, vai acontecer em 18 cidades e terminará em Viana do Castelo, em setembro do próximo ano. De fora ficam Lisboa e Porto, "vincando-se assim a projeção nacional deste evento que pretende envolver os públicos que, regra geral, não têm acesso à mesma oferta cultural que existe nos dois maiores centros urbanos", sublinham os organizadores.

A ideia da "Viagem Literária" é a de que, em cada cidade estejam dois escritores à conversa, tendo como moderador o jornalista João Paulo Sacadura.

A Porto Editora esclarece que "os espaços em que decorrerão as sessões serão, preferencialmente, os teatros municipais, por forma a permitir a participação de centenas de leitores", e que "os bilhetes serão gratuitos".

Depois de Bragança, a "Viagem Literária" vai passar por Vila Real, Viseu, Guarda e pelas restantes cidades, só terminando em Viana do Castelo, em setembro de 2016. Confirmadas estão já as participações de autores como Laurentino Gomes, Richard Zimler, Francisco José Viegas, José Eduardo Agualusa, José Rentes de Carvalho, Miguel Esteves Cardoso, Rosa Montero e Gonçalo M. Tavares, numa lista que vai crescer e que, a seu tempo, será atualizada.

In "Jornal de Notícias", por Ana Vitória

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:24


#1870 - Livros e Leituras

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.08.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:25


#1733 - Novo livro de Mário de Carvalho

por Carlos Pereira \foleirices, em 30.08.12

 

Mário de Carvalho afirmava há poucas semanas que o seu novo livro estava pronto e tinha como título O Varandim Seguido de Ocaso em Carvangel. Sabe-se agora que será lançado pela Porto Editora a 6 de setembro, que inicia assim a publicação da obra completa do escritor.

 

In "Bibliotecário de Babel"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59


#1564 -Porto Editora reforça catálogo

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.01.12

O Grupo Porto, do qual fazem parte as chancelas Porto Editora, Sextante e Albatroz, apresentou hoje as novidades editoriais para o primeiro semestre de 2012. Quase seis dezenas de títulos dos quais se destacam Grande Arte' a obra prima do brasileiro Rubem Fonseca, Adão no Eden, de Carlos Fuentes e Últimas Noticias do Sul, uma viagem pela Patagónia que junta textos de Luís Sepulveda a fotos de Daniel Mordzinsky.

 

Três nomes fundamentais das literatura contemporânea que transitaram de outras editoras directamente para o grupo Porto que no ano passado já tinha conseguido os direitos de publicação de Isabel Allende e de Jorge Luís Borges, (este através da Quetzal).

 

Das obras que serão lançadas até Julho fazem parte Lágrimas na Chuva da espanhola Rosa Montero, Baku-Últimos Dias, de Olivier Rolin, Os Malaquias de Andrea del Fuego, vencedora do Prémio Saramago, ou Os Filhos de Alexandria de Françoise Chandernagor.

 

Serão ainda publicadas obras de vários autores portugueses como Teolinda Gersão, João Pedro Marques, Sofia Marrecas Ferreira, Miguel Miranda, Joel Neto, João Bouza da Costa, entre outros.

 

Fernando Pessoa chega ao Grupo Porto pelas mãos de um ex-ministro da Justiça brasileiro, José Paulo Cavalcanti Filho. A obra que resulta de dez anos de pesquisa em torno do poeta português intitula-se Uma Quase Autobiografia.

 

O grupo aposta ainda em best sellers como Sveva Casati Modignani ou Agape do padre brasileiro que arrasta multidões, Marcelo Rossi.

Dentro do nicho infanto-juvenil o destaque vai para a colecção CHERUB, da qual serão publicados dois titulos:O General e Brigands M.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50

A Autoridade da Concorrência decidiu viabilizar a compra do Direct Group Portugal, detentor das livrarias Bertrand, do Círculo de Leitores e de quatro editoras, pela Porto Editora, o maior grupo editorial português, foi hoje, segunda-feira, anunciado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46


#1265 - Porto Editora prepara-se para comprar a Bertrand

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.04.10

 

A Porto Editora prepara-se para se transformar no segundo grande grupo editorial no mercado português, a seguir à Leya.

 

In

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:48


#1108 - Oração

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.12.09



Tenho,

Perante Deus,

O direito

De ter

Um cão.


Poema de Raul de  Carvalho (1920-1984)  escrito em 6 de Janeiro de 1984.

Este poema foi retirado de "Poemas Portugueses, Antologia da Poesia Portuguesa do Séc XIII ao Séc, XXI" edição Porto Editora, Dezembro de 2009

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:11


#1100 - Antologia da Poesia Portuguesa apresentada hoje

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.12.09

Poemas Portugueses – Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI  é apresentada hoje, às 19h, na Fundação Medeiros e Almeida, em Lisboa. Oitocentos anos de poesia, 267 autores e mais de dois mil textos, com prefácio de Vasco Graça Moura. Coordenação e organização Jorge Reis-Sá e Rui Lage:
 

«Esta é a primeira antologia panorâmica que abarca a poesia portuguesa desde os seus alvores, na transição do século XII para o século XIII, cerca de seis décadas após o nascimento do Reino de Portugal, até ao presente, entendendo-se por presente o ano de 2008, data dos poemas mais recentes aqui recolhidos. Em consequência desta novidade, surge uma outra: a de ser esta a primeira vez que todo o arco temporal do século XX é objecto de um projecto antológico não exclusivo, isto é, nem temático, nem tendencioso. Por outras palavras, esta antologia, passe a redundância, começa no começo, e termina na actualidade. [...] Nestas mais de 2000 páginas coexistem, diacronicamente, mais de 800 anos de poesia, desde a "Cantiga de Garvaia" de Paio Soares de Taveirós, datável do primeiro decénio do século XIII, até Outubro de 2008, data do mais recente poema aqui incluído, "Rasto", de Luís Quintais.»

 

In Revista LER

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:51


#1059 - Antologia reúne dois mil poemas em português

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

A Porto Editora lança este mês aquela que será a maior antologia de poesia portuguesa reunida num só volume.

 

A obra Poemas Portugueses, que será lançada pela Porto Editora em meados de Dezembro, vai reunir dois mil poemas portugueses de 267 autores.

 

Organizada por Rui Lage e Jorge Reis-Sá, esta será a maior antologia de poesia portuguesa jamais reunida num só volume. Os antologiadores consideram que o elemento de distinção da obra, relativamente às organizadas no passado, é o facto de ela ser "a primeira antologia panorâmica que abarca a poesia portuguesa desde os seus alvores, na transição do século XII para o século XIII até ao ano de 2008".

Tentar que a antologia seja o mais representativa possível, das "tendências, sensibilidades e créditos poéticos" foi uma das preocupações de Lage e Reis-Sá. A antologia está organizada "por ordem cronológica do nascimento de cada poeta", abrindo com a "Cantiga de Garvaia", de Pai Soares de Taveirós, trovador do primeiro decénio do século XIII, e fechando com um poema de Outubro de 2008, "Rasto", de Luís Quintais. O prefácio de Poemas Portugueses é de Vasco Graça Moura.

In "DN"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:27


Gonçalo M. Tavares na Porto Editora

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.01.09

Segundo um comunicado que acabo de receber (BIBLIOTECÁRIO DE BABEL), a Porto Editora (PE) vai publicar «uma nova linha de ficção» de Gonçalo M. Tavares, um escritor que amplia assim a considerável lista de editoras com que trabalha ou já trabalhou (Caminho, Relógio d’Água, Campo das Letras, Assírio & Alvim, Difel, Teatro do Campo Alegre). Embora o projecto não esteja completamente definido, Tavares avança que a nova «linha» terá como ponto de partida «o conceito de cidade».
No final de 2008, o escritor publicara já um texto – Bucareste-Budapeste: Budapeste-Bucareste – numa colectânea da PE intitulada Contos Policiais. Cláudia Gomes, responsável pela Divisão Editorial Literária do Porto da PE, congratula-se com o acordo e adianta que este é mais um passo dado no sentido de «reforçar a presença no âmbito da ficção portuguesa e apostar nas novas vozes da nossa literatura».

 

Post publicado por "Bibliotecário de Babel"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44

 

 

A Wook.pt, a maior livraria virtual portuguesa, coloca a partir de hoje um milhão de livros grátis na Internet, numa iniciativa inédita de promoção da leitura, anunciou hoje a Porto Editora, proprietária desta livraria on-line.Nos próximos dias, livros como A Viagem do Elefante, A Vida num Sopro ou O Priorado do Cifrão estarão disponíveis a preço zero", refere a Porto Editora, num comunicado enviado à Lusa, aludindo aos mais recentes livros de José Saramago, José Rodrigues dos Santos e João Aguiar.

A campanha, que começa terça-feira, vai permitir "durante três dias, em determinadas horas, disponibilizar um milhão de livros com 100 por cento de desconto".
Para ter acesso a esta campanha é necessário estar registado na Wook.pt e, depois, ficar atento aos anúncios que assinalam o início dos denominados `Momentos Wook`.
"Os primeiros mil clientes que tiverem a sorte de encontrar um dos seus livros preferidos com 100 por cento de desconto, e rapidamente confirmarem a encomenda, serão os felizardos", salienta a Porto Editora. [rtp.pt]
 
Post retirado do blog "bibliotecadafeira"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:19


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas