Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2582 - Memórias

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.09.17

cirac014.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:25


#2578 - Memórias

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.09.17

II semana cultural012.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:24


#2575 - Memórias

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.09.17

a fala do índio011.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:09


#2573 - Memórias

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.09.17

semana cultural 3009.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:04


#2572 - Memórias

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.09.17

semana cultural 3008 (2).jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:29


#2571 - Memórias

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.09.17

semana cultural 2007.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:20


#2570 - Memórias

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.09.17

semana cultural 1006.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15


#1955 - Geografias

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.02.16

Geografias

Há as ruas e os lugares. E os lugares que esqueceram como eram chamados para serem ruas, avenidas, caminhos, becos, números de polícia e códigos postais. Havia os quintais, as cortinhas e as quintinhas, os quinteiros, os aidos, a eira, o estrume, os currais e as retretes comunitárias e as folhas de jornal; as ramadas suspensas em braços de pedra;  carros de bois, desfolhadas, o milho-rei e o primeiro beijo. Capoeiras comandadas por galos emproados que comandavam galinhas e garnisés. Porcos na engorda à espera do capador, das arrobas certas e dos primeiros farrapos de geada; Os pés descalços que atropelavam "bolas de capa"; a fruta roubada no quintal do vizinho; as mestras que eram o nosso infantário; o suplício da cata de piolhos e lêndeas; a descoberta de livros que tinham cheiro; o Regedor e Salazar; as noites quentes apaziguadas nas soleiras; a cantina e a sopa dos pobres; o sangue que se ia buscar ao matadouro e que era comido depois de cozido;  as madrinhas de guerra; os soldados a desejarem na Emissora Nacional um feliz natal e um ano cheio de "propriedades"; o mata-porco e o arroz de miúdos; o vinho doce; o colo do meu avô e as sopas de cavalo cansado, e o presépio encaixado numa caixa de sapatos alcatifado com musgo verde; o Bonanza na "sede das pombas"; a alegria e a magia do circo "Arraiola Paramés"; o teatro na "Casa do Povo"; a forja do "Ti" Américo; o saco de pano a tiracolo com a lousa e o caderno de linhas. Primavera, Verão, Outono e Inverno; a Páscoa e as amêndoas e o beijar da cruz; Natal, cigarros e macinhos de chocolate embrulhados em papeizinhos brilhantes e coloridos que guardavamos entre as páginas de qualquer coisa que tivesse letras e desenhos; o tojo para a cama do gado; saquetas com cromos comprados na "Isaurinha"que trocavamos os repetidos; as mãos doridas pelas reguadas do professor Pinto, puxões de orelhas, bofetadas; a apanha diária de leitugas e carrijó; pregoeiros, vendedores de quinquilharias, amoladores, canastras de carapaus e sardinhas; as missas de domingo; os caldos de galinha que celebravam o nascimento e suavizavam as maleitas do parto, e só comidos em dias de festa; a "Ti" Margarida que nos libertava para a vida com um golpe de tesoura enferrujada;  Broa e papas de milho; almoço, janta e ceia, com merenda pelo meio; as rabanadas e malgas de vinho em Castelo de Paiva; as Segundas-Feiras de Páscoa com enguias fritas; os pirolitos e as camarinhas na Senhora da Saúde, em Fornos;  óleo-de-fígado-de-bacalhau; salgadeiras e masseiras; lareira e enchidos abençoados pelo fumo. A noite iluminada a candeias de azeite. A caixa da Sagrada Família. Colchões forrados a palha; forquilhas; brincadeiras, trepar às àrvores, brinquedos feitos de lata, uma fisga no bolso, pedrinhas, botões e berlindes, piões e faniqueiras, e várias fanfarronices; jogar à pancada, fazer recados, o acto subversivo de fabricar cigarros com barbas de milho enrolados em tiras de jornal. Risos, muitos risos que troçavam da pobreza, das doenças e da miséria.

- A bênção, meu Pai?!

- Que Deus te abençoe...

- A bênção, minha Mãe?!

- Que Deus te abençoe...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:29

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:54


Memória - Pesadelos

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.10.08

 A importância da memória, para lembrarmos!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:29


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas