Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#1446 - Tudo mudando "como soía"

por Carlos Pereira \foleirices, em 22.07.11

 

Se "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades" e "muda-se o ser, muda-se a confiança", porque não haveria de mudar a opinião do presidente da República sobre as agências de "rating"? E se "todo o Mundo é composto de mudança", porque não haveria de mudar a pequeníssima, embora irritante, parte do Mundo que é Macário Correia?

 

Dir-se-á que, se as agências de "rating" eram para Cavaco Silva, ainda há meses, uma espécie de anjo vingador das más políticas do Governo e se tornaram entretanto diabos, não foi Cavaco quem mudou mas a realidade (e o Governo).

 

O mesmo se diga de Macário Correia. Se, há um ano, portagens na Via do Infante eram uma "perfeita idiotice" e "uma medida tonta, esquisita, anárquica, de quem não tem noção da realidade" e, antes das eleições, uma "imposição pouco democrática" (pois "temos de ser sérios, coerentes, honestos e ter princípios"), e agora são "inevitáveis", não foi porque Macário Correia deixasse de ser "sério, coerente, honesto e ter princípios", mas porque a realidade é que deixou de ser honesta e ter princípios no dia 5 de Junho.

 

"Continuamente vemos novidades" e quem sabe?, um dia destes veremos Macário Correia convertido ao tabaco (os prejuízos da Tabaqueira pode bem ser uma pedra no sapato do desenvolvimento e, afinal de contas, os pulmões dos fumadores também têm que sacrificar-se pelo défice) proclamando que "beijar um cinzeiro é como lamber uma fumadora".

 

In "

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:09


#1429 - "No pasa nada"

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.06.11

 

Em notícias como a de que o Exército pagou ilegalmente (aplicando, segundo a IGF, uma regra que "carece de suporte legal") 8,4 milhões de euros em remunerações, o que implicou ainda uma "revalorização" de outros salários que custou aos contribuintes 2,6 milhões por mês; ou a de que o Ministério da Justiça pagou centenas de milhares de euros em "subsídios de compensação" a magistrados que a ele não tinham direito, incluindo mortos; o que mais surpreende é que vêm a público e não se volta a ouvir falar no assunto.

 

Bem podem os portugueses interrogar-se sobre se os milhões pagos ilegalmente terão sido restituídos e se terá sido responsabilizado quem ordenou ou permitiu os pagamentos. Nunca terão resposta. Um denso pano cai sistematicamente sobre casos destes e, depois, a generalizada falta de memória faz o resto.

 

Em plena crise económica, o Comando-Geral da PSP gasta dinheiro em festarolas de aniversário quando muitos milhares de portugueses não têm que comer e a própria PSP vive afogada em carências de toda a ordem?; o Estado paga 15,7 milhões de euros em "estudos" a certos escritórios de advogados?; há autarquias que gastam 587 503 euros em concertos de Tony Carreira e Quim Barreiros, 4 324 163,13 em "festas" e 700 000 em corridas de automóveis?

 

"No pasa nada"... Os contribuintes "pergunt[am] ao vento que passa/ notícias do [seu] país/ e o vento cala a desgraça,/o vento nada [lhes] diz".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:54


#1405 - Terrorismo financeiro

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.06.11

 

Desta vez foi "engano", mas a coisa mostra como funcionam consultoras financeiras e agências de "rating" (até onde é possível distinguir umas e outras, pois as agências de "rating" aconselham e avaliam ao mesmo tempo).

 

A crer na consultora High Frequency Economics, Portugal entraria hoje em falência, não tendo com que pagar 6,4 mil milhões em Obrigações do Tesouro e cupões que hoje vencem.

 

Os "mercados" entraram logo "em pânico" o que, em economês, significa que abriram logo a imensa e voraz boca a exigir mais sangue, isto é, juros mais usurários ainda. Entretanto, a consultora, emendou a mão: havia um pequeno "engano" de 12 mil milhões de euros. Pelos vistos"esquecera-se" dos 6,1 mil milhões que Portugal recebera tanto do FMI como do FEEF. E, de um momento para o outro, por suave milagre, os "mercados" sossegaram.

 

Imagine-se agora porque é que os grandes fundos de investimento (BlackRock, Capital, Fidelity...) são simultaneamente accionistas de agências como a Moody's, a S&P ou a Fitch - as mesmas que, com os desmesurados "ratings" atribuídos ao lixo financeiro do Lehmans Brothers e outros bancos estiveram na origem da crise financeira internacional - e quanto metem esses fundos ao bolso sempre que as "suas" agências baixam o "rating" das dívidas públicas ou empresas em que pretendem investir. Para quando leis contra o terrorismo financeiro, que mata e desemprega muito mais que o islâmico?

 

In ""

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:22


#1374 - Os 20 magníficos

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.05.11

 

Com 689 000 desempregados e 204 000 "inactivos" (pessoas que desistiram já de procurar emprego), isto é, 15,5% de gente sem trabalho que os critérios estatísticos transformaram em 12,4%, o país já há muito teria soçobrado não fosse o patriótico esforço daqueles que, para compensar a calaceirice nacional, se desdobram por sucessivos postos de trabalho, correndo incansavelmente de um para outro, indiferentes à tensão arterial, ao colesterol, aos triglicerídeos e à harmonia familiar.

 

O Relatório Anual sobre o Governo das Sociedades Cotadas em Portugal - 2009, da CMVM, agora tornado público, refere "cerca de 20" desses magníficos, todos membros de conselhos de administração de empresas cotadas, muitas delas públicas, que "acumulavam funções em 30 ou mais empresas distintas, ocupando, em conjunto, mais de 1000 lugares de administração".

 

Revela a CMVM que, por cada um destes lugares, os laboriosos turbo-administradores recebem, em média, 297 mil euros/ ano, ou, no caso dos administradores-executivos, 513 mil, havendo um recordista que, em 2009, meteu ao bolso 2,5 milhões de euros.

Surpreendente é que, no meio de tanta entrega ao interesse nacional, estes heróis do trabalho ainda encontrem nas prolixas agendas tempo para ir às TV exigir salários mais baixos e acusar desempregados, pensionistas e beneficiários dos "até" (como nos saldos) 189,52 euros de RSI de viverem "acima das suas possibilidades"

 

In ""

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:19


#1307 - Quem vier atrás feche a porta

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.06.10

 

Não se entende o alarme suscitado pela proposta do ministro Luís Amado de estabelecer na Constituição um limite à dívida pública.

Contra a ideia insurgiu-se toda a gente, do PSD (pela voz do seu secretário-geral, aflito por a proposta ser "muito socialista"; Angela Merkel, que a impôs na Alemanha, há-de ter ficado com as orelhas a arder...) ao PCP, ao BE e ao próprio PS. Toda a gente?

Não! Uma aldeia povoada por irredutíveis gauleses ainda resiste ao invasor, o CDS/PP. A má sorte de soluções que, em Portugal, metam travão a fundo à dívida pública (que, em finais do ano passado já ia - incluindo os encargos das famosas "parcerias público-privadas" e a dívida das EP - em 120% do PIB) é que as gerações futuras, que terão de a pagar, ainda andam de cueiros e não votam.

De qualquer modo só haveria vantagens se a Constituição determinasse até onde podem os governos endividar-nos. De facto, a vingar a teoria do ministro Teixeira dos Santos de que os princípios constitucionais "não são absolutos" e podem mandar-se às urtigas, deixar-se-iam os "mercados" contentes e a coisa não teria efeito nenhum.

 

In

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:51


#1280 - "Sacrifícios para todos" - Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.05.10

 

Duas notícias de ontem dão conta da revolução semântica sofrida pela palavra "todos" quando usada, como fazem PS e PSD, na expressão "sacrifícios para todos".

A primeira é da Lusa: o presidente da Antrop anunciou que está a negociar com o Governo aumentos de 3 a 4% nos transportes já a partir de 1 de Julho. Com mais 1% do IVA isso significará, para "todos" os portugueses, mais de 4 ou 5% no preço dos bens essenciais.

Entretanto, os portugueses com emprego verão, com as subidas do IRS, diminuir os salários e os 730 mil desempregados e beneficiários do RSI ficarão, com a razia nos subsídios, ainda mais pobres.

A segunda é do "Correio da Manhã": os deputados, a quem, pois os "sacrifícios são para todos", haviam saído pela porta 5% dos vencimentos, verão agora entrar pela janela da AR aumentos de 25% para viagens, transportes e despesas diversas, designadamente "artigos honoríficos e de decoração".

É justo. Se "todos" vamos pagar mais pelo pão e pela água, porque não haveríamos de pagar também mais pelos nossos 230 (o máximo que a Constituição permite) deputados, que são bens não menos essenciais?

 

in

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:55


#1249 - Que dirá Deus da sua Igreja?

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.03.10

Nos anos que levo de vida tenho ouvido a Igreja Católica "desculpar-se" por crimes inomináveis, do género dos que hoje se classificariam de crimes contra a humanidade (de fora foram ficando séculos de crimes "menores", como o homicídio, a tortura, a guerra ou a escravidão).

Trata-se de uma organização que habitualmente enche os ouvidos dos fiéis de moralismo sexual (basta ouvi-la falar de divórcio, casamento homossexual, aborto) e que, enquanto isso, encobria milhares de abusos sexuais de crianças praticados no seu seio. Agora, quando já não é possível continuar a encobri-los, o Papa vem de novo pedir "desculpa", mas omitindo qualquer sanção quanto a abusadores e encobridores (ele próprio terá participado nesse encobrimento quando arcebispo de Munique e Freising). A hipocrisia foi ao ponto de, um dia depois, o Papa ter exortado os católicos a não se assumirem como juízes "dos que cometem pecados". É em alturas assim que um ateu como eu lamenta que não haja um Deus que julgue gente desta. E, pelo seu comportamento, cada vez me convenço mais de que a própria Igreja está também convicta disso.

In "JN"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:43


#1210 - Por Outras Palavras de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.02.10



Guilhotinar a cultura

Em 1933, a Alemanha hitleriana promoveu, em dezenas de cidades, a queima pública de livros "não alemães" e de "intelectuais judaicos". A "Bücherverbrennung" (queima de livros) obedeceu ao projecto de "sincronização cultural" de Goebbels visando a "limpeza" da cultura alemã.

Foram assim atirados ao fogo, no meio de multidões ululantes e de braço estendido, obras de, entre outros, Thomas Mann, Walter Benjamin, Brecht, Musil, Heine, Freud, Einstein... Hoje já não se acendem fogueiras, usam-se guilhotinas. Mas o objectivo continua a ser a "limpeza", desta vez comercial, e a "sincronização cultural", agora com os padrões do lucro a qualquer preço, mesmo que seja ao preço da própria cultura. Se não vejam-se os "intelectuais" sacrificados na "Bücherguillotinierung" (guilhotinagem de livros) recentemente organizada pelo Grupo Leya de Miguel Pais do Amaral: Garrett, Fernão Lopes, Eduardo Lourenço, Eugénio de Andrade, Jorge de Sena, Ramos Rosa, Goethe, Holderlin... Ao menos os nazis queimavam livros em nome de uma ideia de cultura, o que sempre é um pouco mais respeitável que fazê-lo por mera ganância.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:28


#1163 - Pomo da discórdia - O artigo de opinião de Mário Crespo

por Carlos Pereira \foleirices, em 01.02.10


Mário Crespo cessa colaboração no JN

O jornalista Mário Crespo foi até ontem colaborador de opinião do Jornal de Notícias. Essa colaboração cessou por sua vontade. Acontece que, no domingo à noite, o director do JN o contactou dando-lhe conta das dúvidas que lhe causava o texto que Mário Crespo enviara para publicação no dia seguinte. Basicamente, no entender do director do JN o texto de Mário Crespo não era um simples texto de Opinião mas fazia referências a factos que suscitavam duas ordens de problemas: por um lado necessitavam de confirmação, de que fosse exercido o direito ao contraditório relativamente às pessoas ali citadas; por outro lado, a informação chegara a Mário Crespo por um processo que o JN habitualmente rejeita como prática noticiosa; isto é: o texto era construído a partir de informações que lhe tinham sido fornecidas por alguém que escutara uma conversa num restaurante.

Da conversa entre o director e o colaborador do jornal resultou que este decidiu retirar o texto de publicação e informou que cessava de imediato a sua colaboração com o jornal, o que a Direcção do JN respeita.

_____________________________________________________________

 

Terça-feira dia 26 de Janeiro. Dia de Orçamento. O Primeiro-ministro José Sócrates, o Ministro de Estado Pedro Silva Pereira, o Ministro de Assuntos Parlamentares, Jorge Lacão e um executivo de televisão encontraram-se à hora do almoço no restaurante de um hotel em Lisboa. Fui o epicentro da parte mais colérica de uma conversa claramente ouvida nas mesas em redor. Sem fazerem recato, fui publicamente referenciado como sendo mentalmente débil (“um louco”) a necessitar de (“ir para o manicómio”). Fui descrito como “um profissional impreparado”.

 

O Artigo de opinião de Mário Crespo in "público"

Que injustiça. Eu, que dei aulas na Independente. A defunta alma mater de tanto saber em Portugal. Definiram-me como “um problema” que teria que ter “solução”. Houve, no restaurante, quem ficasse incomodado com a conversa e me tivesse feito chegar um registo. É fidedigno. Confirmei-o. Uma das minhas fontes para o aval da legitimidade do episódio comentou (por escrito): “(…) o PM tem qualidades e defeitos, entre os quais se inclui uma certa dificuldade para conviver com o jornalismo livre (…)”. É banal um jornalista cair no desagrado do poder. Há um grau de adversariedade que é essencial para fazer funcionar o sistema de colheita, retrato e análise da informação que circula num Estado. Sem essa dialéctica só há monólogos. Sem esse confronto só há Yes-Men cabeceando em redor de líderes do momento dizendo yes-coisas, seja qual for o absurdo que sejam chamados a validar. Sem contraditório os líderes ficam sem saber quem são, no meio das realidades construídas pelos bajuladores pagos. Isto é mau para qualquer sociedade. Em sociedades saudáveis os contraditórios são tidos em conta. Executivos saudáveis procuram-nos e distanciam-se dos executores acríticos venerandos e obrigados. Nas comunidades insalubres e nas lideranças decadentes os contraditórios são considerados ofensas, ultrajes e produtos de demência. Os críticos passam a ser “um problema” que exige “solução”. Portugal, com José Sócrates, Pedro Silva Pereira, Jorge Lacão e com o executivo de TV que os ouviu sem contraditar, tornou-se numa sociedade insalubre. Em 2010 o Primeiro-ministro já não tem tantos “problemas” nos media como tinha em 2009. O “problema” Manuela Moura Guedes desapareceu. O problema José Eduardo Moniz foi “solucionado”. O Jornal de Sexta da TVI passou a ser um jornal à sexta-feira e deixou de ser “um problema”. Foi-se o “problema” que era o Director do Público. Agora, que o “problema” Marcelo Rebelo de Sousa começou a ser resolvido na RTP, o Primeiro Ministro de Portugal, o Ministro de Estado e o Ministro dos Assuntos Parlamentares que tem a tutela da comunicação social abordam com um experiente executivo de TV, em dia de Orçamento, mais “um problema que tem que ser solucionado”. Eu. Que pervertido sentido de Estado. Que perigosa palhaçada.


Nota: Artigo originalmente redigido para ser publicado hoje (1/2/2010) na imprensa.

 ________________________________________________________________________

Mário Crespo acusa o governo de o tratar como "um problema" In "i"

"Sem fazerem recato, fui publicamente referenciado como sendo mentalmente débil ('um louco') a necessitar de ('ir para o manicómio'). Fui descrito como ‘um profissional impreparado’". […] Definiram-me como "um problema" que teria que ter 'solução'". As frases são de um artigo publicado hoje na página da internet do Instituto Francisco Sá Carneiro e foram escritas pelo jornalista Mário Crespo. De acordo com uma nota de rodapé no artigo em questão, a crónica deveria ter sido hoje publicada na imprensa - Mário Crespo escreve todas as segundas-feiras no Jornal de Notícias -, mas da edição do jornal consta apenas o texto do outro cronista do dia: Honório Novo, deputado do PCP.

No texto, Mário Crespo descreve uma alegada conversa a 26 de janeiro, durante um almoço que reuniu o primeiro-ministro, José Sócrates, o ministro de Estado Pedro Silva Pereira, o ministro de Assuntos Parlamentares, Jorge Lacão, e um "executivo de televisão", na qual terá sido "o epicentro da parte mais colérica de uma conversa claramente ouvida nas mesas em redor", afirma, acrescentando que a conversa lhe foi relatada, tendo sido depois confirmada pelo próprio.

"Uma das minhas fontes para o aval da legitimidade do episódio comentou (por escrito): '(…) o PM tem qualidades e defeitos, entre os quais se inclui uma certa dificuldade para conviver com o jornalismo livre (…)'", escreve o jornalista, e acrescenta ainda ser considerado pelo governo "um problema que tem que ser solucionado", tal como os casos já testemunhados da jornalista Manuela Moura Guedes, do ex-director da TVI, José Eduardo Moniz, do ex-director do jornal Público, José Manuel Fernandes, e do comentador político da RTP, Marcelo Rebelo de Sousa, todos eles dados como exemplo.

"O 'problema' Manuela Moura Guedes desapareceu. O problema José Eduardo Moniz foi 'solucionado'. O Jornal de Sexta da TVI passou a ser um jornal à sexta-feira e deixou de ser 'um problema'. Foi-se o 'problema' que era o diretor do Público. Agora, que o 'problema' Marcelo Rebelo de Sousa começou a ser resolvido na RTP, […] abordam com um experiente executivo de TV, em dia de Orçamento, Eu. Que pervertido sentido de Estado. Que perigosa palhaçada", sublinha.

Mário Crespo disse entretanto ter suspendido a colaboração com o Jornal de Notícias devido à recusa de publicação do seu artigo, que deveria constar da edição de hoje do jornal diário.
Contactado pelo i, José Leite Pereira, director do JN, recusou fazer qualquer comentário sobre o assunto.

 

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico” ***

Outros links

também aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01


#1161 -37.º Festival Internacional de Banda Desenhada em Angoulême

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.01.10

 

Começa amanhã o 37.º Festival International de la Bande Dessinée d'Angoulême, em França, a mais importante manifestação europeia dedicada aos quadradinhos. Alguns criadores portugueses vão aproveitar o evento para mostrar a sua obra a nível internacional.

 

Resto da notícia aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:14


#1160 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.01.10



O pelintra pródigo

A notícia vem no DN: o Governo português comprometeu-se a emprestar a Angola até 200 milhões de dólares. Para isso, apesar de a dívida externa do país ultrapassar já os 100% do PIB (e com as agências de "rating" a anunciar, em face disso, o aumento das taxas de juro da remuneração da dívida), o Governo irá contrair um (mais um) empréstimo.

A boa notícia é que o mais certo é que parte desses milhões, ao menos a das "comissões" e das "contrapartidas", acabe por voltar a penates, seja através das empresas e dos negócios do costume, seja em artigos de "griffe" como relógios de ouro Rolex e Patek Phillipe, pulseiras Dior e H. Stern, roupas Ermenegildo Zegna e até... casacos de peles, comprados nas lojas de luxo de Lisboa sem olhar a preços. De facto, as elites do regime angolano constituem hoje, segundo uma notícia publicada pelo "Expresso" em finais de 2009, 30% do mercado de luxo português. Que isso nos sirva de conforto, aos pelintras contribuintes portugueses, quando pagarmos a escandalosa factura dos 200 milhões. Porque, como diria o gondoleiro de "A morte em Veneza", haveremos de pagá-la.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:04


 

Nas livrarias desde a passada sexta-feira, "A máquina de fazer espanhóis" é o quarto romance de Valter Hugo Mãe. Antigo regime, terceira idade, provocação - de tudo se encontra num livro que o autor admite ser terapêutico, mas não piegas.

 

O pai morreu há dez anos, sem ter direito a essa idade que se chama terceira. Surge então o livro, que lhe é dedicado. "É feito para imaginar um espaço sensível, ou tempo sensível, que o meu pai não pôde viver", diz Valter Hugo Mãe, escritor e filho. Em "A máquina de fazer espanhóis" - título que aparenta ter nada a ver com nada -, o autor usa a voz de António Silva para incitar à dignificação.

Reformado de barbeiro, António Silva é um velho dos seus 84 "que começa talvez a maior aventura da vida no momento em que a esposa morre", conta, insistindo: "É um homem que tem de lidar com a revolta do efémero, com a revolta da perda, e de encontrar motivos para, naquela idade e debilitando-se cada vez mais, sobreviver".

Apesar de pouco sair à rua, a personagem central do livro carrega às costas o fardo de despertar consciências. E como? Diz à sociedade que "os velhos ainda são perigosos, neste sentido de que a opinião deles ainda tem de contar", explica o escritor. Mas há mais personagens, às quais Valter recorre para alcançar outro objectivo do novo romance, que é revelar "um certo testemunho que existe nas pessoas mais velhas em Portugal e que se prende com o facto de terem uma experiência directa do que foi o fascismo e do que foi o antigo regime".

É nesse apelo à memória que o livro identifica o que sobrou, ou pode ter sobrado, da ditadura. Eis a constatação do autor: "Que o enfraquecimento do nosso país durante o século XX - e sobretudo um enfraquecimento ao nível das consciências - nos leva a pensar que somos piores do que os outros e que estaríamos melhores se fôssemos espanhóis". Eis-nos, então, chegados ao título.

"Obviamente discordo com a manutenção dessa menorização. Temos a tendência para uma certa menorização que nos foi deixada por décadas de ditadura", critica. E, apesar de considerar que o povo português tem "valores humanos assinaláveis", não deixa de lhe apontar uma "tendência para desmobilizar". "Já passaram 30 e tal anos e a verdade é que nós continuamos, de alguma forma, à deriva", acrescenta.

Voltando à idade que é a terceira, Valter Hugo Mãe diz ainda que o livro é "uma tentativa de perceber que drama é esse de, a dada altura, estarmos a viver contra o corpo". Mas sem exageros. "O livro acaba por ser um pouco terapêutico, mas, sobretudo, não é piegas", garante. "O que pretende é incitar os cidadãos da terceira idade a uma participação maior, a uma exigência de uma dignificação", refere ainda.

A capa do livro resultou de uma feliz coincidência. É que a personagem central costumava namorar com a mulher atrás de cortinas. Depois de António Silva ter feito essa revelação na história, o autor encontrou na Internet uma fotografia muito semelhante, acabando por usá-la agora.

Valter deverá lançar dois livros infantis proximamente e, até ao fim do ano, é provável que publique um outro romance, já concluído há uns tempos. Será uma edição especial, ilustrada, espécie de oferta para quem costuma ler os seus escritos.


Notícia publicada no JN

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:01


#1113 - As crónicas de Mário Crespo

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.12.09
Primeiro o PS depois o PR

Primeiro o PS depois o PR

Portugal tem tido muita gente esquisita a governá-lo mas, com Cavaco Silva e José Sócrates, atingimos um elevado grau de desconforto. O semipresidencialismo destes dois homens produziu um regime híbrido que não executa nem deixa executar. Semi-governante e semi-presidente ao fim de quatro anos de semi-vida institucional aparecem embrulhados numa luta por afirmação confusa e desagradável de seguir. O embaraço público que foram os cumprimentos de Natal adensou a sensação de incómodo. O regime poderia funcionar se os actores se quisessem complementar. Mas estes actores, por formação e deformação, não têm valências associáveis. O voluntarismo de que os dois vão dando testemunho não chega para disfarçar as suas limitações. Com eles a circular a alta velocidade nos topos de gama à prova de bala e nos jactos executivos do Estado, o futuro de Portugal fica hipotecado ao patético despique da escolha de impropérios numa inconsequente zaragata de raquíticos. Até que alguém de fora venha pôr ordem na casa. A menos que venha alguém de dentro. Semi-governante e semi-presidente tornaram-se descartáveis e, dada a urgência, é preciso começar pelo Partido Socialista. A crise no PS com a ausência de resultados desta direcção é muito mais séria para Portugal do que o tumulto no PSD. Porque o PS governa e o PSD não. O PSD morreu. Ressuscitará ao terceiro dia para um mundo diferente. Um mundo em que homens casam com homens e mulheres com mulheres e onde se morre, ou se mata, por uma questão de vontade, requerimento ou decreto. Um mundo cheio de coisas difíceis de descrever. Coisas que precisam de muitas palavras para serem narradas e, mesmo assim, não fazem sentido. Como por exemplo a "activista-transexual-espanhola" que é alguém que frequenta o Parlamento de Portugal pela mão deste PS segundo José Sócrates. Um PSD ressuscitado vai ter que incorporar estas invenções na matriz de costumes de Sá Carneiro, inovadora à época, monástica hoje, ainda que, provavelmente, adequada para o futuro. Até lá é aos Socialistas a quem compete definir alguém para governar. Alguém que quando falar de educação não nos faça recordar a Independente. Alguém que quando discutir grandes investimentos não nos faça associar tudo ao Freeport. Alguém que definitivamente não seja relacionável com nada que tenha faces ocultas e que quando se falar de Parlamento não tenha nada a ver com as misteriosas ambiguidades de Carla Antonelli "a activista transexual espanhola" que, com Sócrates, agora deambula pelos Passos Perdidos em busca do seu "direito à felicidade". O governo não pode estar entregue a um PS imprevisível e imprevidente, menor em qualidades executivas e em ética, capturado nos seus aparelhos por operadores desalmados e oportunistas. Recuperar a majestade das construções ideológicas e políticas de Salgado Zenha, Sottomayor Cardia e Mário Soares é fundamental nesta fase da vida, ou da morte, do país. No Partido Socialista há gente seguramente preparada governar e começar a recuperar o clima de confiança e respeito pelos executivos nacionais que Sócrates e Cavaco arruinaram. Substituir Sócrates é já um dever. Na hierarquia de urgências o problema Cavaco Silva vem depois mas, também aqui, Portugal tem que ter na Presidência alguém que não possa ser nem vagamente relacionável com nada onde subsistam incógnitas. E há muitas incógnitas no BPN. Mas cada coisa a seu tempo. Primeiro o PS, depois o PR. [In JN]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22


#1099 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.12.09


De novo o IEFP

A notícia vem no "Público" e põe questões que só o são num país onde os poderes públicos parecem ter batido no fundo no que toca a degradação moral: pode um serviço público prosseguir interesses diferentes do interesse público?

 E: é ou não do interesse público o cumprimento isento e imparcial da lei pelas instituições do Estado? Para o IEFP ou, pelo menos, para uma directora da sua Delegação Norte, a resposta à primeira questão é "sim" e a resposta à segunda é "não". Compreende-se assim que o IEFP tenha afastado compulsivamente um jurista das suas funções por ele "(olhar) para a lei com isenção e imparcialidade" quando deveria fazê-lo "a favor do IEFP, numa óbvia perspectiva de parcialidade e pouca isenção". A senhora directora bem o alertou contra os inconvenientes de um funcionário público agir com isenção e imparcialidade: "Tudo o que fizer ao contrário deste princípio (o da "parcialidade e pouca isenção") prejudica a sua carreira". O funcionário insistiu em ser "isento e imparcial" e a carreira foi-se-lhe. Em contrapartida, a da directora "parcial e pouco isenta" vai de vento em popa.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


#1094 - O Palhaço

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.12.09
O palhaço

O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Puerto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco. E diz que não fez nada. O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem.

 

O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas. O palhaço é absoluto. O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços. O palhaço coloca notícias nos jornais. O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço. O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa. O palhaço não tem vergonha. O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos. O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas. O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também. O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem. O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre. E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro. A fazerem figura de palhaços pobres. O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada.

 

Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver.

O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer. Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar.

 

E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha. O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político. Este é o país do palhaço. Nós é que estamos a mais. E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar. A escolha é simples. [In JN]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:49


#1085 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.12.09
O passado e o presente

O passado e o presente

Os desígnios do Senhor (diz-se) são insondáveis, mas o cardeal Javier Barragan arranjou, perscrutando S. Paulo, maneira de os sondar concluindo que transexuais e homossexuais não entrarão no Reino dos Céus. Isto porque "não se nasce homossexual, torna-se homossexual", o que, segundo o cardeal, acontece "por várias razões: por educação e por não ter desenvolvido a dignidade durante a adolescência…". Assim, "por irem contra a dignidade do corpo", o Reino dos Céus fechar-lhes-á a porta na cara. Aparentemente, os homossexuais não frequentarão instituições católicas de desenvolvimento da dignidade durante a adolescência como, entre outras, as da Igreja irlandesa recentemente objecto de um relatório sobre o modo como, durante décadas e ante o vaticano silêncio de bispos e cardeais, aí se cuidou da "dignidade do corpo" de centenas de adolescentes, orientando-os no correcto caminho sexual para o Reino dos Céus. Talvez a Igreja, gestora dos negócios do Reino dos Céus na Terra, devesse preocupar-se mais com o que faz e diz no presente em vez de passar a vida a pedir desculpa pelo que fez no passado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:13


#1084 - Medina Carreira "O Triturador"

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.12.09


Programa Novas Oportunidades é “trafulhice”, diz Medina Carreira

Antigo ministro das Finanças critica o programa Novas Oportunidades.  "Enquanto formos governados por mentirosos e incompetentes este país não tem solução", acusou. 


 

Medina Carreira: "Deputados não valem nada"

Antigo ministro das Finanças acusa os deputados da Assembleia da República de não terem voz activa e compara Parlamento à Assembleia Nacional de Salazar.

"Aquilo [o Parlamento] vale tanto como a Assembleia Nacional do Salazar. Eles não valem nada, não têm voz activa", disse Medina Carreira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:58


#1083 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.12.09
A traição do PSD

A traição do PSD

Tudo indica que o negócio dos "Magalhães" será o senhor--que-se-segue nos casos, que se multiplicam, de utilização duvidosa de dinheiros públicos. O Tribunal de Contas tem já uma auditoria em curso ao negócio, no valor de centenas de milhões de euros, ganho sem concurso pela empresa JP Sá Couto (que, por via dele, terá crescido 1 308% só nos três primeiros meses do ano). O caso está igualmente na mira da Comissão Europeia, e o PSD pretende ver criada uma comissão de inquérito parlamentar para o investigar. O incómodo que o assunto provoca no PS fica patente na irritação do actual líder parlamentar socialista com a hipótese de ele poder vir a ser alvo da função fiscalizadora da AR, sobretudo agora que o PS não tem maioria absoluta: "O PSD está a optar por uma via radical, extremista e irresponsável (…) imprópria de um partido com vocação alternativa de poder". O importante da frase é a segunda parte, que soa a algo como "hoje nós, amanhã vocês". Dir-se-ia que o PS estava a contar com a cumplicidade do PSD que, por ter "vocação de poder", teria obrigação de ser "compreensivo" com coisas do género.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:39


#1078 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.12.09
A face oculta do "milagre"

A face oculta do "milagre"

O estudo é da "Data Angel Policy Research Incorporated" e foi apresentado na semana passada na Gulbenkian, em Lisboa. Revela que apenas 1 em cada 5 portugueses é capaz de ler e compreender o que lê de modo a dar resposta a problemas concretos, isto é, que apenas 20% dos portugueses possuem o nível médio exigível de literacia, o que constitui o resultado mais baixo entre todos os países analisados. A notícia não surpreende ninguém, a não ser quem acreditou (ou quis acreditar) no assombroso "milagre educativo" propagandeado pelo anterior Governo, provando aquilo que os criticados "bota abaixistas" vinham dizendo: que o facilitismo educativo pode melhorar artificialmente as estatísticas e povoar o país de diplomados de aviário com computadores "Magalhães" debaixo do braço, mas que ter um diploma não significa necessariamente saber ler e compreender o que se lê (se calhar nem sequer ler e compreender o que diz o próprio diploma). A opção do Governo Sócrates pelas aparências propagandísticas num sector estratégico como o da Educação é uma pesada factura que o país irá pagar durante muito tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:09


#1074 - O menino prodígio na pintura

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.12.09




Não sabia desenhar, mas, de um ano para o outro, passou a criar aguarelas, óleos e pastéis com o nível de Picasso, quando tinha a sua idade, garante um galerista. O caso atraiu atenção mundial.

 

No ano passado, Kieron Williamson desenhava como quase todos os meninos de seis anos. Hoje, alegadamente após umas férias inspiradoras, é conhecido em todo o Mundo como o "novo Picasso". Bastaram 15 minutos para vender 16 obras por cerca de 18 mil euros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:13


#1053 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.11.09
Missão de sacrifício

Missão de sacrifício

Na gíria do atletismo, chama-se "lebre" ao atleta contratado para puxar pelos outros (levá-los na "roda", como se diz no ciclismo), impondo um ritmo óptimo para obtenção de melhores resultados.

 

Por vocação, ou porque é o modo como entende as suas funções de governador do Banco de Portugal, Constâncio costuma ser a "lebre" do Governo, aparecendo a apalpar terreno sempre que há medidas restritivas, previsivelmente impopulares, no horizonte orçamental. Por esta altura do ano, quando se prepara o Orçamento, é habitual vê-lo justificar, em adequado socioleto económico, a "contenção", ou "prudência", salarial, eufemismos pios da redução do poder de compra. Desta vez, porém, foi a "necessidade" de aumento dos impostos, que permitiu ao Governo, desmentindo-a de imediato, marcar pontos politicamente. A coisa funciona como os clássicos "polícia mau" e "polícia bom": aos olhos dos eleitores, a bondade política do Governo resulta mais óbvia face à maldade técnica dos anúncios catastróficos do governador. Se o Governo não der uma medalha, ou o tal cargo no BCE, a Constâncio é que não há justiça neste mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:49


#1052 - Comunicado

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.11.09
Comunicado


"Ilibação progressiva" devia ser um termo da ciência jurídica em Portugal. Descreve uma tradição das procuradorias-gerais da República. Verifica-se quando o poder cai sob a suspeita pública. Pode definir-se como a reabilitação gradual das reputações escaldadas por fogos que ardem sem se ver porque a justiça é cega. Surge, sempre, a meio de processos, lançando uma atmosfera de dúvida sobre tudo. As "Ilibações" mais famosas são as declarações de Souto Moura sobre alegadas inocências de alegados arguidos em casos de alegada pedofilia. As mais infames, por serem de uma insuportável monotonia, são os avales de bom comportamento cívico do primeiro-ministro que a Procuradoria-Geral da República faz regularmente. Dos protestos verbais de inocência dos arguidos que Souto Moura deu à nossa memória colectiva, Pinto Monteiro evoluiu para certidões lavradas em papel timbrado com selo da República onde exalta a extraordinária circunstância de não haver "elementos probatórios que justifiquem a instauração de procedimento criminal contra o senhor primeiro-ministro". Portanto, pode parecer que sim. Só que não se prova. Ou não se pode provar. Embora possa, de facto e de direito, parecer que sim. Este género de aval oficial de "parem-lá-com-isso-porque-não-conseguimos-provar" já tinha sido feito no "Freeport". Surge agora no princípio do "Face Oculta" com uma variante assinalável. A "Ilibação progressiva" deixou de ser ad hominem para ser abrangente. Desta vez, o procurador-geral da República não só dá a sua caução de abono ao chefe do Governo como a estende a "qualquer outro dos indivíduos mencionados nas certidões", que ficam assim abrangidos por estes cartões de livre-trânsito oficiais que lhes vão permitir dar voltas sucessivas ao jogo do Poder sem nunca ir para a prisão. Portanto, acautelem-se os investigadores e instrutores de província porque os "indivíduos mencionados em certidões" já têm a sua inocência certificada na capital e nada pode continuar como dantes.

 

Desta vez, nem foi preciso vir um procurador do Eurojust esclarecer a magistratura indígena sobre limites e alcances processuais. Bastou a prata da casa para, num comunicado, de uma vez só, ilibar os visados e condicionar a investigação daqui para a frente. Só fica a questão: que Estado é este em que o chefe do Executivo tem de, com soturna regularidade, ir à Procuradoria pedir uma espécie de registo criminal que descrimine vários episódios de crime público e privado e que acaba sempre com um duvidoso equivalente a "nada consta - até aqui".

 

Ângelo Correia, nos idos de 80, quando teve a tutela da Administração Interna acabou com a necessidade dos cidadãos terem de apresentar certidões de bom comportamento cívico nos actos públicos. A Procuradoria-Geral da República reabilitou agora estes atestados de boa conduta para certos crimes. São declarações passadas à medida que os crimes vão sendo descobertos, porque é difícil fazer valer um atestado de ilibação progressiva que cubra a "Independente", o "Freeport" e a "Face Oculta". Quando se soube do Inglês Técnico não se sabia o que os ingleses tinham pago pelos flamingos de Alcochete e as faces ainda estavam ocultas. Portanto, o atestado de inocência passado pelo detentor da acção penal, para ser abrangente, teria de conter qualquer coisa do género… "fulano não tem nada a ver com a 'Face Oculta' nem tem nada a ver com o que eventualmente se vier a provar no futuro que careça de qualquer espécie de máscara", o que seria absurdo. Por outro lado, a lei das prerrogativas processuais para titulares de órgãos de soberania do pós-"Casa Pia", devidamente manipulada, tem quase o mesmo efeito silenciador da Justiça.

 

In "JN"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27


#1034 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 18.11.09
Entre Dominica e o Botswana

Entre Dominica e o Botswana

Desde 2005 (o ano pode não significar nada, mas dá que pensar) que Portugal vem descendo no "ranking" de percepção da corrupção da Transparency International, isto é, vem-se alegremente revelando um país cada vez mais corrupto, tendo este ano descido mais três lugares, da 32ª para a 35ª posição, e estando agora, em termos de corrupção, ao nível de Porto Rico, numa honrosa posição entre a Dominica (um pouco menos corrupta que nós) e o Botswana (um pouco mais corrupto).

Os índices da Transparency International resultam da avaliação anual de analistas e homens de negócios, bem como de organizações como o Banco Mundial, o Fórum Económico Mundial, os Bancos de Desenvolvimento da África e da Ásia e centros de pesquisa como o Economist Inteligence Unit e o Global Insight. Curioso foi o modo detergente como alguns jornais deram ontem a notícia. O "Jornal Digital", por exemplo, deu-a sob o animador título de "Corrupção: Portugal é o país lusófono menos corrupto". Algo assim como, numa corrida com dois corredores, noticiar: "O nosso ficou em segundo lugar, ao passo que o adversário ficou em penúltimo".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

Está patente, a partir de hoje, em Serralves, no Porto, a segunda parte da mostra "A colecção", que decorre até Março de 2010. O director do museu, João Fernandes, guiou o JN pela exposição e escolheu as obras favoritas.

Em ano de comemoração dos 20 anos da criação da Fundação de Serralves e de uma década sobre a inauguração do Museu de Arte Contemporânea, a aposta principal, a nível de exposições, é a mostra da colecção, que integra largas centenas de obras, adquiridas nos últimos 12 anos. Depois da pintura, do desenho e da escultura, que constituíram a primeira parte da colecção, é agora possível observar as obras centradas em múltiplos, através de fotografia, filmes, livros e discos de autores nacionais e estrangeiros.

Distribuída por dez salas do museu e, ainda, na Rua de Cândido dos Reis, também no Porto (nas antigas instalações da RDP), a exposição integra cerca de 500 obras, da autoria de artistas como Dan Graham, Gordon Matt-Clark, Gilbert & George, David Lamelas, Group Collective Actions, Adrian Piper, Ana Vieira, Leonel Moura, Artur Barrio, Sigmar Polke, Vítor Pomar, Alberto Carneiro, Jorge Molder e Júlia Ventura, Augusto Alves da Silva, Grupo KWY, Lourdes Castro e Dieter Roth, entre muitos outros.

Sem pretender, de forma alguma, imprimir-lhes o rótulo de "as obras mais importantes da colecção", João Fernandes acedeu, por outro lado, a comentar e a destacar quatro obras, por considerar "exemplares nos caminhos que colocam na colecção" (ver textos ao lado).

Para o director do Museu de Serralves, o objectivo desta colecção é "procurar que as obras de arte criem novas possibilidades de reafirmação da própria obra de arte". As obras que agora podem ser observadas documentam, segundo João Fernandes, "um capítulo importante da história desta colecção, uma vez que fazem convergir mais suportes que vão além da pintura e da escultura".

 

In "Jornal de Notícias"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:55


#1020 - Este país é para pobres

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.11.09
Este país é para pobres

Este país é para pobres

Aumentar o salário mínimo para 500 euros não serve para nada. Não nos aproxima dos europeus, que ganham muito mais que isso, e afasta-nos dos chineses e indianos, que trabalham por uma malga de arroz. O que seria da nossa competitividade?

1 - Regressam os debates ao Parlamento, regressam as boas notícias. Mostrando um elevado sentido de responsabilidade social, o Governo anunciou que vai aumentar as pensões. Quanto mais baixa a pensão, maior será o aumento. No limite, pode chegar à loucura de subir 1,25%. Mais ainda, como oportunamente lembrou o primeiro-ministro: se a lei fosse cumprida, as pensões não só não aumentariam, como teriam de diminuir. Tudo por causa da inflação negativa. Ou seja, os pensionistas com pensões miseráveis terão um aumento real que chega aos 2%. E em tudo isto, o Estado vai gastar, de forma altruísta, 150 milhões de euros, que tanta falta fazem, por exemplo, para tapar o buraco do BPN, ou para a construção de uma terceira ponte sobre o Tejo. O senhor Silveira, reformado e residente em Torneiros, Vila Real, recebeu a notícia de forma efusiva. A sua pensão passará de uns míseros 374 euros, para uns abastados 378 euros. Poderá deixar a venda de couves e grelos que cultiva no quintal, para se dedicar a tempo inteiro a programas de turismo sénior.

2 - Nada como as sábias declarações de um antigo ministro das Finanças, ainda por cima também antigo administrador do Banco de Portugal, para acabar com a balbúrdia que se adivinhava no que diz respeito a aumentos salariais. Silva Lopes não esteve com meias tintas e qualificou os aumentos salariais, quaisquer que sejam, como "fábricas de desemprego". Um dia depois, José Sócrates mostrava ter tomado boa nota dos conselhos, deste ou de outros economistas. E no que lhe diz respeito, o aumento das pensões será mesmo a única loucura a cometer. Quanto ao salário mínimo, o melhor é renegociar os prazos, assume o primeiro-ministro. Porque o que estava aceite por sindicatos e patrões, agora já não convém aos patrões. Sendo que o que estava acordado era a ousadia de passar o salário mínimo de 450 para 475 euros em 2010, e para uns incríveis 500 euros já em 2011. Com nenhuma vantagem, como é evidente. Porque não só não nos aproxima dos europeus, que ganham muito mais que isso, como nos afasta dos chineses e dos indianos, que aceitam trabalhar por uma malga de arroz. Se começassem para aí a dar aumentos salariais, pequeninos que fossem, o que aconteceria à nossa competitividade?

3 - Os lucros da Corticeira Amorim aumentaram no terceiro trimestre do ano, pela terceira vez consecutiva. Foram 5,7 milhões de euros (3,6 milhões no mesmo período do ano passado). Lucros que só se conseguiram graças a vendas de 103 milhões de euros. E é aqui que bate o ponto. Porque, ao contrário dos lucros, as vendas apresentam valores mais baixos do que um ano antes. Assim, se há lucro, isso deve-se à diminuição dos custos da empresa. E como conseguiram os notáveis gestores da Corticeira Amorim diminuir os custos para aumentar os lucros? Com o despedimento de cerca de duas centenas de trabalhadores, pois claro. Mas atenção que a isto não se chama "fábrica de desemprego", chama-se visão estratégica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:54


#1019 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.11.09
O país subterrâneo

O país subterrâneo

Casa Pia, "Furacão", sobreiros, submarinos, BPP, BPN, Freeport , "Face Oculta"…. Os portugueses vão-se apercebendo, aos poucos, da podridão escondida sob as vistosas roupagens modernaças do regime e entendendo o sentido dos entraves de toda a ordem que, da parte dos partidos do chamado "arco da governação", sempre se intrometem entre as promessas de combate à corrupção e a sua efectivação. Entretanto, uma nova classe de empresários, políticos e ex-políticos vindos do nada instalou-se no país, ascendendo social e economicamente a velocidades nunca vistas e dificilmente explicáveis à luz dos critérios usuais do enriquecimento dentro da lei. Há hoje dois países e duas economias, o país e a economia visíveis e aqueles de que só se ouve falar a espaços, quando alguma investigação criminal os traz episodicamente à luz do dia, e que rapidamente desaparecem de novo na obscuridade pelas portas travessas de uma Justiça que só funciona eficazmente para o cidadão comum. A tentação de se desembaraçar de escrúpulos morais e emigrar para esse país subterrâneo é grande. Aí a vida é fácil, é barata e dá milhões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:51


#994 - Por Outras Palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.11.09
Os "essenciais" e os outros

Os "essenciais" e os outros

Depois dos deputados, também os funcionários dos partidos foram considerados pela Direcção-Geral de Saúde (DGS) "imprescindíveis" para o "normal funcionamento da sociedade" e, por isso, incluídos na 1ª fase da vacinação contra a Gripe A, à frente de doentes crónicos, grávidas, profissionais de saúde em contacto directo com doentes, crianças, etc., que, sendo "substituíveis", terão que esperar pelas fases seguintes, rezando para que o vírus use os mesmos critérios da DGS e não se lembre deles.

Compreende-se que gente dos partidos e deputados sejam, como diz a DGS, "essenciais ao normal funcionamento da sociedade". Pode perguntar-se é como, sem padeiros que lhes façam o pão, sem motoristas que os levem ao Parlamento e às sedes, sem pessoal das águas e da electricidade que lhes garanta o banho diário, a energia para os computadores e a luz para estudar os dossiês, sem educadoras e auxiliares de infantários que lhes tomem conta dos filhos enquanto trabalham e toda a mais gente não "imprescindível" nem "essencial ao normal funcionamento da sociedade", uns e outros poderão cumprir as suas funções.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


#942 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.08.09
Chefes & índios

Chefes & índios


Não é nada que surpreenda no processo orwelliano que vem, a vários títulos, sendo a reforma da Administração Pública: soube-se ontem que, para o Governo e para a Reforma, todos os funcionários públicos são iguais mas uns são mais iguais que outros.

 

Assim, os funcionários (4 500, contas por baixo) que enxameiam os ministérios por nomeação política estão, ao contrário dos que chegaram aos cargos por mérito demonstrado em concurso público, isentos de avaliação de desempenho e podem progredir na carreira e no salário pelo ominoso método tantas vezes desancado pelo actual Governo: a idade e o tempo de serviço, isto é, basta-lhes deixar passar o tempo e envelhecer atrás das secretárias para serem promovidos. Segundo a Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), o Governo visa, desse modo, "premiar" as responsabilidades de chefia. Daí se concluirá que, sendo a não avaliação um "prémio" aos chefes nomeados politicamente, a avaliação é o "castigo" para os índios sem cartão partidário. E que, excepção atrás de excepção, a famosa reforma da Administração Pública se tornou uma coboiada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59


#933 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.08.09
Uma valsa a dois tempos

Uma valsa a dois tempos

Deu trabalho mas encontrei na Net um curioso documento intitulado "Bases Programáticas/Partido Socialista/ Legislativas 2005". Nele o PS faz contas ao país depois do desastre governativo do PSD/CDS.

Agora (se não, veremos) será o PSD a comparar o país de 2005 com o de 2009. "Hoje, os portugueses", dizia o PS em 2005, vivem numa economia "parada há três anos"; e enumerava: taxa de desemprego em 6,8% (9,3% em 2009, dados do Eurostat); rendimento por habitante em 67,7% da média da UE-15 (75% da UE-27 em 2009, o segundo pior da Zona Euro); dívida pública em 62% do PIB (hoje 70,7%, a crer na OCDE); défice em 5,2% do PIB (mais de 6% em 2009, dados também da OCDE); endividamento das famílias em 118% do rendimento disponível (135% em 2008, segundo o Banco de Portugal); e IVA em 19% (20% em 2009). Se o PSD vier a ser outra vez Governo, o PS fará novo balanço desastroso em 2013; e em 2018 o PSD; e em 2023 o PS, e em 2028 o PSD, e por aí fora até ao infinito, cada vez com números piores. É uma valsa a dois tempos que dura há décadas com os mesmos dois dançarinos. E com os mesmos de sempre a pagar a conta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:57


#924 -Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 31.07.09
Minha tão grande culpa

Minha tão grande culpa


Quem me veja por aí de cabeça baixa, incapaz de encarar o Mundo, como se carregasse uma culpa mais pesada e insuportável que o Menino nos braços de S. Cristóvão, não tenha piedade de mim.

 

Os resultados dos exames de Matemática da segunda fase do Secundário foram ainda piores do que os da primeira, que já haviam sido maus (média de 8,8 valores contra 10 na primeira fase, abissalmente abaixo dos gloriosos 14 do ano passado); ora se, na primeira, a culpa, segundo a ministra, já fora minha - porque, como a generalidade da "comunicação social", andei a dizer "que os exames eram fáceis" - agora não tenho remédio senão meter a mão na consciência e penar por aí como o velho marinheiro de Coleridge, arrancando os cabelos e contando a toda a gente que fui quem matou o albatroz e deu cabo das estatísticas da ministra em pleno período eleitoral.

 

O pior é que o mesmo aconteceu em Português, em Física, em Química, em Biologia, em Geologia. Os alunos não estudam e os professores não ensinam porque perdem tempo a ler jornais. Acabe-se com eles (jornais, alunos e professores) e os resultados subirão em flecha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:12


#906 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.07.09
Direitos selectivos

Direitos selectivos


A CGTP, que "no plano internacional se rege por um conjunto de princípios e valores fundamentais", manifestou-se ontem diante do Consulado das Honduras em Lisboa porque "os trabalhadores portugueses não podem ficar indiferentes face às inaceitáveis violações dos direitos humanos do povo das Honduras".


 Quem, como a CGTP, não repudiará "a ditadura e brutal repressão" nas Honduras e as "numerosas detenções e mortes denunciadas por entidades de defesa dos direitos humanos"? Por isso, procurei no "site" da central o que, em nome dos seus "princípios e valores fundamentais", a CGTP teria também feito (ou dito, ou apenas murmurado) face à "ditadura e brutal repressão" e "numerosas detenções e mortes" em Xinjiang e Teerão e "às inaceitáveis violações dos direitos humanos" dos povos da China e do Irão denunciadas por "entidades de defesa dos direitos humanos". Pesquisei "Xinjiang" e obtive zero resultados; pesquisei "Irão" e obtive 15 futuros do indicativo do verbo "ir" e uma referência às "ameaças dos EUA ao Irão". Talvez, quem sabe?, a CGTP tenha, nestes casos, optado por manifestar-se silenciosamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:08


#893 - Chick Corea e Gary Burton no Porto

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.07.09

A dupla Chick Corea (piano) e Gary Burton (vibrafone) actua na próxima sexta-feira nos jardins do Palácio de Cristal, às 22 horas, integrados no Porto Blue Jazz. A entrada é livre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:30


#892 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.07.09
Notícias do defeso
 

Quis o acaso que a pré-campanha para as legislativas coincidisse com o defeso futebolístico e que, na campanha partidária como na futebolística, sejam os clubes das camisolas que um dia foram vermelhas e são agora cor-de-rosa desmaiado que se evidenciam pelas aquisições mais notórias, o Benfica pescando nas suplências do Real Madrid, o PS no banco do BE.


Foi assim que Miguel Vale de Almeida, ponta-de-lança LGBT com contrato findo no Bloco, chegou a custo zero, com garantia de titularidade parlamentar, ao PS. O mesmo partido terá tentado ainda a contratação da suplente não utilizada Joana Amaral Dias, negócio inviabilizado pela elevada cláusula ideológica de rescisão que a prende ao seu actual clube, pese (como se diz nos jornais desportivos) o facto de o PS lhe ter acenado com (agora como diz Almeida Santos) "honrarias, cargos e nomeações". Na blogosfera, lugar onde quase toda a gente se conhece e onde, se abundam as cumplicidades e os catálogos de trocas de elogios, abunda também a controvérsia e o ressentimento, não se fala de outra coisa. E o período das transferências ainda vai no início.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27


#886 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.07.09
Constipado & perigoso


A Metafísica é um lugar longínquo. Talvez uma grande constipação transforme, como diz o engenheiro por Glasgow, o mundo até à Metafísica, mas os danos que uma grande constipação provoca no Ser não são nada comparados com os que, nos dias que correm, uma pequena constipação causa no Estar. Quem hoje saia de casa entre a conferência de Imprensa da manhã e a conferência de Imprensa da tarde da ministra da Saúde sobre a Gripe A, levando atrás de si animais de companhia, buliçosos mas amigáveis, como uns espirros e uma dessas tosses habitualmente incluídas no pacote das constipações, não deve preocupar-se com o mundo das Ideias mas com o dos factos. Ao mais leve espirro, as pessoas mudam de passeio e fogem como se fôssemos vender-lhes um seguro, as mulheres apertam os filhos nos braços deitando-nos olhares assassinos e à nossa volta abre-se uma cratera de suspeita e hostilidade maior que o atol de Mururoa. Talvez a ministra devesse explicar ao bom povo que morrem todos os anos de gripe sazonal, sem notícias nas TV, 2000 autóctones e que um tipo constipado não é necessariamente um inimigo público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:41


#882 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.07.09
O fim de festa

O fim de festa

Desta vez, os autores da "campanha negra" estão devidamente identificados: são os juízes do Tribunal de Contas. Por motivo de "urgência", embora o contrato só terminasse em 2015, o Governo assinou com a Liscont, empresa da famosa "holding" económico-partidária Mota-Engil/Jorge Coelho (e, já agora, Luís Parreirão, também ex-governante socialista da área das Obras Públicas) um "aditamento" à concessão do terminal de Alcântara. Sem concurso, que a coisa era "urgente" e sabe-se lá quem estará no Governo em 2015. É um contrato justo: a Liscont cobra os lucros e o Estado (a Grande Porca bordaliana, a de inesgotáveis tetas) suportará eventuais prejuízos, ou, nas palavras do TC, "o ónus do risco do negócio passa para o [Estado]". O Estado pagará ainda 1,3 milhões em advogados, consultores & assessores para a montagem e gestão da ampliação do terminal; e até se, durante as obras, calhar serem descobertos vestígios arqueológicos, será (adivinhem quem) o Estado a pagar a paragem dos trabalhos. Só de má-fé é que alguém pode concluir que tudo isto não é de interesse público e do mais transparente que há.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:41


#879 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.07.09

Tenham medo, muito medo


Tenham medo, muito medo

Ocenário é apocalíptico, verdadeiro "Mad Max" sanitário: ruas desertas, escolas, fábricas, restaurantes, centros comerciais fechados, os próprios pilares da portugalidade, igrejas, estádios, casas de fado, fechados; e as famílias fechadas em casa (persianas corridas, janelas fechadas, portas fechadas, casota do cão fechada) com as câmaras de segurança direccionadas, já não para os bairros periféricos, mas para partículas em suspensão e vizinhos, a suspeita corroendo os valores mais sólidos do matrimónio, filhos, criadas, maçanetas das portas. A crer em jornais e TV (e na Roche, e na Gilead), o H1N1 propaga-se mais depressa que o comunismo; pior: os comunistas só comiam criancinhas, o H1N1 come a família toda. 127 mortos nos Estados Unidos, 21 no Canadá, 7 na Austrália, 29 no Reino Unido, 3 em Espanha… Segundo o último relatório da OMS, já há 311 mortos em todo o mundo, principalmente no mundo ocidental. Face a números tão aterradores, o que são 6 milhões de crianças morrendo anualmente devido a fome e subnutrição e 10 milhões devido a doenças que podiam ser evitadas com uma simples vacina?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:36


#836 - Retratos sociais

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.06.09

"Portugal tem 1,8 milhões de pobres. Por coincidência, é esse o número de reformados existentes no país e cuja pensão média é de 385 euros. Mas uns serão mais pobres do que outros. Só os de Lisboa e Setúbal ganham, em média, acima do salário mínimo." ....

Artigo de Alexandra Figueira no "JN" de hoje

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:07


Porto perdeu identidade

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.06.09

 

O romance inédito "A Cama do Gato" ganhou, por unanimidade do júri, o Prémio Edmundo Bettencourt 2009, um concurso literário promovido pela Câmara Municipal do Funchal.

A história de... António Rebordão Navarro, escritor e poeta


"Um Infinito Silêncio", título de um dos mais bonitos romances de António Rebordão Navarro, paira, por estes dias, sobre a atribuição do galardão ao livro inédito "A Cama do Gato", vencedor do Prémio Edmundo Bettencourt, poeta da Presença e cujo concurso literário foi atribuído pela Câmara Municipal do Funchal.

 

Agora, na sua bonita casa do Passeio Alegre, à Foz do Douro, forrada de recordações, livros e pinturas, a conversa desagua, naturalmente, na distinção obtida, mas o ficcionista e poeta do Porto, resume em duas frases o que lhe vai na alma: "Surpresa e satisfação". Só isso? A resposta surge tímida e pausada: "Sim, fiquei naturalmente contente, e mais ainda quando soube que o galardão tinha sido atribuído por unanimidade do júri. Um prémio é sempre o reconhecimento do trabalho feito", confessa, não sem antes deixar algumas pistas sobre a obra premiada. "É uma história de amor bruscamente interrompida. É um livro de ficção, com várias leituras", diz o escritor de "Mesopotâmia" (1985, Prémio Miguel Torga); "A Praça de Liège" (1988, Prémio Literário Círculo de Leitores) e "Parábola do Passeio Alegre", entre muitos outros.

 

 

Autor de uma escrita singular, o ficcionista e poeta, admirador de Pessoa, Cesário Verde e Camilo Pessanha, continua a surpreender-nos e, em vez das luzes da ribalta, deixa-se extasiar pela luz única do mar da Foz do Douro; a casa fica em frente e é uma das mais bonitas do Porto antigo, situada ao lado do edifício onde viveu e morreu (fez ontem quatro anos) o poeta Eugénio de Andrade.

 

"Mesmo quando não falo implicitamente do Porto nos meus livros, os lugares, as pessoas e as vivências estão sempre presentes. Por exemplo, no romance "Todos os Tons da Penumbra" (publicado em 2000) não referia a cidade, mas o Porto está presente. Não posso esquecer que o Porto é o lugar onde vivo e amo", responde com emoção e orgulho que só as gentes do burgo portuense são capazes de entender e reconhecer.

 

Mas será que o seu olhar do Porto não se desvaneceu, isto é, a cidade mantém o seu carácter e identidade? "Nem pensar", diz prontamente. "O Porto de hoje já não é a cidade que conheci. Hoje, o Porto está vazio de cidadãos. Perdeu muito da sua identidade e carácter. Dantes, existiam lugares de encontro. Hoje, há shoppings por todo o lado e mesmo os cafés cederam a outros negócios e interesses", reconheceu.

 

Na memória da cidade fraternal e solidária o escritor do Porto deriva a conversa para as tertúlias dos cafés, entre os quais, o Rialto, onde em tempo de ditadura diversos intelectuais, gente das letras e das artes, deram à estampa as "Notícias do Bloqueio", famosos cadernos de poemas com assinatura de Egipto Gonçalves, Luís Veiga Leitão, Daniel Filipe, Papiniano Carlos e, obviamente, Rebordão Navarro. Outros tempos. Agora, em tempo de outras peregrinações, o escritor relê a obra de Dirk Bogarde ["As Sombras no Jardim"] e espera, lá para o final do ano, que a Editora Afrontamento publique mais duas obras: "As Ruas Presas às Rodas", o tal romance inédito que narra a história de um motorista de táxi, bem como a reedição de "Mesopotâmia" (1985). O resto do tempo é vivido diante da varanda virada para o mar.

 

Retirado do "JN"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15


Por outras palavras de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.09
Foleiros & doutores

Foleiros & doutores

Terminaram as chamadas "Queimas das Fitas" e, salvo raras excepções, o balanço foi o do costume: alarvidade+Quim Barreiros+garraiadas+comas alcoólicos. No antigo regime, os estudantes universitários eram pomposamente designados de "futuros dirigentes da Nação". Hoje, os futuros dirigentes da Nação formam-se nas "jotas" a colar cartazes e a aprender as artes florentinas da intriga e da bajulice aos poderes partidários, enquanto à Universidade cabe formar desempregados ou caixas de supermercado. A situação não é, pois, especialmente grave. Um engenheiro ou um doutor bêbedo a guiar uma carrinha de entregas com música pimba aos berros não causará decerto tantos prejuízos como se lhe calhasse conduzir o país. Acontece é que muitos dos que por aí hoje gozam como cafres besuntando os colegas com fezes, emborcando cerveja até cair para o lado, perseguindo bezerros e repetindo entusiasticamente "Quero cheirar teu bacalhau" andam na Universidade e são "jotas". E a esses, vê-los-emos em breve, engravatados, no Parlamento ou numa secretaria de Estado (Deus nos valha, se calhar até já lá estão!).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:33


Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.04.09
Lá se vai mais um sonho

Lá se vai mais um sonho

Perdemos os sonhos ou são os sonhos que nos perdem? O meu sonho de menino sempre foi ser presidente de uma empresa intermunicipal de tratamento de resíduos; e quando, em vez de estudar, me punha a ler o "Cavaleiro Andante", minha mãe dizia-me: "Estuda se queres vir a ser presidente de uma empresa intermunicipal de tratamento de resíduos", sabendo que só isso era capaz de me arrancar da companhia de Tartarin de Tarascon e de Tintin.

 

Chegado a esse lugar de exílio que é a idade adulta (o que sucedeu mais ao menos na altura em que Tintin deixou de usar calças de golfe), procurei em vão informar-me acerca de como seria possível realizar tão desmesurado sonho. Só agora, já velho, o descobri. Para se ser presidente de uma empresa intermunicipal de tratamento de resíduos é recomendável, pelo menos em Braga, ter sido condenado por tentativa de corrupção de um vereador, o que (uma condenação por corrupção) é, como se sabe, uma inalcançável miragem em Portugal. Sem meios para tentar corromper vereadores, terei que me ficar pelo jornalismo, que também é uma actividade do sector do tratamento do lixo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:19


Por outras palavras - Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.03.09
Crime e castigo

Crime e castigo

Noticia o JN que está marcado para o dia 20 de Abril, no Tribunal da Maia, o julgamento de um homem que, em 2007, terá arrombado um galinheiro e furtado duas galinhas no valor de 50 euros.

 

A Justiça tarda, mas chega. O criminoso andou mal e merece justa punição, quer pela mediocridade de fins quer pela ruralidade de meios. Gente como ele, que pilha galinhas em vez de fundar um banco e pilhar as contas dos depositantes, ou como aquela septuagenária que não pagou uma pasta de dentes num supermercado em vez de pedir uns milhões à Caixa, comprar o supermercado na bolsa e igualmente não o pagar, vendendo-o depois à Caixa através de um "offshore" pelo dobro do preço (ou vendendo-lho mesmo antes de o ter comprado), não tem lugar no Portugal moderno e empreendedor. Ainda por cima, deixou-se apanhar. Se calhar, até confessou, em vez de invocar lapsos de memória. E aposto que nem se lembrou de se divorciar antes de ser preso, pondo os 50 euros a salvo na partilha de bens. Não queria estar na pele do seu advogado, não há Código de Processo Penal que valha a um caso destes. É condenação mais que certa.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:54


Mário Crespo - Crónicas

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.03.09
Sensação de que nada acontecerá

Sensação de que nada acontecerá

Está instalado no país um dorido sentimento de resignação de que nada vai acontecer nem no Freeport nem no BPN. Haverá cordeiros sacrificiais, mas que (para usar terminologia de offshore) estarão longe de ser os UBOs das fraudes.

 

Estão longe de ser os Ultimate Benificiary Owners porque o sistema em Portugal nunca chega, nem parece querer chegar, aos verdadeiros beneficiários do que quer que tenha acontecido a muitos milhões, entre bandos de flamingos desalojados para sempre do delta do Tejo, sobreiros seculares cujo abate é autorizado a peso de Euro e dinheiros partidários que têm circulado por blocos centrais de interesses desde o 25 de Abril.

 

Mas como se fala em milhões de Euros sonegados e é cada vez maior a horda ululante de desempregados, precisa-se de bodes expiatórios para dar a imagem virtual de que, em Portugal, com bens públicos não se brinca. No Freeport, Charles Smith cumpre com o perfil para ser o primeiro imolado. Ver Mr. Smith a entrar e a sair do Tribunal de Setúbal entre câmaras de TV sugere que a justiça funciona. Depois, como é estrangeiro e é britânico, e como desde o Ultimato à Maddie em Portugal não gostamos dos Ingleses, Charles Smith é o suspeito perfeito para ser o corruptor num processo em que não há, e provavelmente nunca vai haver, corrompidos. Se os houvesse também pouco interessava.

 

Em Portugal a corrupção detectada e não provada venera-se porque é sinal de esperteza. A bem investigada cai fora de prazo e deita-se fora. A apanhada em flagrante custa cinco mil Euros. No Banco Português de Negócios o bode que expia é Oliveira e Costa. A prisão preventiva dá a ilusão de que a justiça funciona mas o ameaçador mutismo do testa de ferro da bizarra construção de contabilidade prevaricadora grita acusações ao mais alto nível imaginável. A sua serena declaração de auto-incriminação (que é tudo o que realmente se sabe sobre Oliveira e Costa) é a mais ameaçadora postura na história portuguesa do crime sem castigo. Enquanto Oliveira e Costa se mantiver calado está seguro na zona dos privilegiados da prisão dos ricos. Quando falar (e ele acabará por falar), provavelmente, cai o regime. É materialmente impossível ser ele o único responsável pela infinita complexidade das urdiduras financeiras nos Second Lives do BPN e da SLN. Logo, ao assumir toda a culpa, Oliveira e Costa mente e encobre. Pelos montantes envolvidos ele não pode ter sido o único beneficiário dos dinheiros que saltaram continentes, vindos sabe-se lá de onde para a maior operação de Dry Clean na história de Portugal, e foram parar…sabe-se lá onde. O certo é que se traduziram em compras de poder e de influência que conseguem transtornar o normal funcionamento das instituições. O problema não é da justiça. Este Carnaval tivemos dois exemplos da celeridade vertiginosa com que o Ministério Público e a Polícia conseguem actuar quando querem. Num par de horas confiscaram, censuraram, ameaçaram, intimaram e intimidaram por causa de imagens de mulheres nuas apensas a um objecto de propaganda governamental e a um livro. Já no Freeport e no BPN, entre investigações, rogatórias e reguladores apáticos, os anos foram passando no dengoso bailado de impunidades rumo ao limbo de todas as prescrições. Hoje ficamos com aquela terrível sensação tão bem descrita por Torga, de que, apesar de estarmos todos a ver tudo nas angústias paradas da vida que não temos, nada vai acontecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:06


Está bem... façamos de conta

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.02.09
Está bem... façamos de conta


Façamos de conta que nada aconteceu no Freeport. Que não houve invulgaridades no processo de licenciamento e que despachos ministeriais a três dias do fim de um governo são coisa normal. Que não houve tios e primos a falar para sobrinhas e sobrinhos e a referir montantes de milhões (contos, libras, euros?). Façamos de conta que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo.


Façamos de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês. Façamos de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral de que, pelo que sabe, no Freeport está tudo bem e é em termos quid juris irrepreensível. Façamos de conta que aceitamos o mestrado em Gestão com que na mesma entrevista Freitas do Amaral distinguiu o primeiro-ministro e façamos de conta que não é absurdo colocá-lo numa das "melhores posições no Mundo" para enfrentar a crise devido aos prodígios académicos que Freitas do Amaral lhe reconheceu. Façamos de conta que, como o afirma o professor Correia de Campos, tudo isto não passa de uma invenção dos média. Façamos de conta que o "Magalhães" é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação. Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo. Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que "quem se mete com o PS leva". Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de "malhar na Direita" (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda). Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport. Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal. Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a "falta de liberdade". E Manuel Alegre também. Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus. Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República. Façamos de conta que não há SIS. Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso. Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que votamos.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:49


Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.01.09
Notícias da crise
 

Notícias da crise

Pela sexta vez, o infantário "A Conchinha", de Sines, foi na semana passada assaltado e roubada toda a comida das crianças guardada nos cofres. A crise está a atingir o sector da ladroagem e é preocupante o alargamento das desigualdades entre ladrões ricos e pobres, com uns a roubar milhões e outros, cada vez mais numerosos, arriscando-se a ir presos (pois são os que costumam ser apanhados e julgados) por uns pacotes de batatas fritas e umas garrafas de leite achocolatado.

Enquanto o Estado não intervenciona também a pequena ladroagem, os infantários admitem acabar com os lanches e almoços, seguindo a engenhosa solução do Ministério da Justiça de retirar as caixas Multibanco dos tribunais (processos, juízes e funcionários serão retirados mais tarde, altura em que os tribunais ficarão, por fim, completamente seguros, sem nada que roubar). As boas notícias são que o governador do Banco de Portugal anunciou que as ajudas de 20 mil milhões do Estado aos bancos não chegam e têm que ser aumentadas e que o gestor do BPP anda por aí a dar conferências sobre como ter sucesso no mundo financeiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:08


Crónica de Mário Crespo

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.01.09
Acção executiva
 

Acção executiva

Independentemente da verdade, José Sócrates pode já não estar em condições de continuar a chefiar o Governo. O envolvimento de familiares seus num processo de despacho governamental delicado cria-lhe fragilidades que o vão acompanhar daqui para a frente.

 

O ambiente de alegadas influências em decisões governamentais (supostas ou reais) para extorquir contrapartidas dá um carácter de favoritismo na prática governativa que, falso ou verdadeiro, lhe criam uma pressão política intolerável.

Em política, ao nível a que José Sócrates chegou, pura e simplesmente não há presunções de inocência quando há indícios insofismáveis. Não há comunicados com desmentidos nem notas da Procuradoria a dizer que hoje está tudo bem mas amanhã não se sabe, que lhe valham. Será este julgamento popular de José Sócrates injusto? É. Mas é assim. A infelicidade é que no ponto da pirâmide executiva onde José Sócrates se encontra o que parece já é, mesmo antes de o ter sido. É uma vulnerabilidade que vem com o território.

 

José Sócrates devia sujeitar-se ao julgamento popular que vem com o voto e aí saber se Portugal acredita na sua boa-fé e na ingenuidade do seu tio e primo, e se este conceito de "família" é compatível com a maneira como em Portugal se entende a função governativa. Está em jogo o bem-estar de uma população de dez milhões de pessoas e a necessidade de tomar medidas rigorosas e duras para enfrentar a crise. Está em jogo a respeitabilidade da imagem de um país que a esta hora está a ser retratado nos media estrangeiros na síntese dos que vêem a realidade de fora através dos desapaixonados despachos das agências noticiosas. Nessa óptica, o que aparece é o chefe do Governo de Portugal no centro de um furacão que envolve pagamentos avultados por favores oficiais num processo que entronca no estrangeiro com offshores de familiares metidos pelo meio. Justa ou injustamente a Standard and Poors vai adicionar este elemento à contabilidade do rating da República.

 

No mundo da banca e da finança internacionais também não há presunção de inocência. Na zona da vida pública em que José Sócrates se encontra, com a necessidade de executivo claro firme e duro que a crise exige, com a ameaça de todo o Portugal se tornar numa gigantesca Qimonda, a verdade ou mentira de uma insinuação são valores subjectivos de menor importância.

 

O momento não se compadece com as delongas da justiça à portuguesa. É preciso indagar se o povo aceita renovar a confiança em José Sócrates nestas envolventes ruidosas e cheias de incógnitas, ou se vamos continuar no "pântano" profetizado por António Guterres quando se demitiu, (curiosamente em data muito próxima do início de toda esta questão do Freeport). Alguém vai ter de tomar uma decisão executiva porque, face ao que já está escrito e dito, não chega clamar pela celeridade da justiça, que não existe, nem pedir o aval diário do até-aqui-tudo-bem-depois-se-verá da Procuradoria. José Sócrates, por si, ou Cavaco Silva, por ele, terão de tomar a única decisão possível, que é fazer o primeiro-ministro sujeitar-se ao juízo do voto antecipado que relegitimará, ou não, o seu Executivo.

Por muito, muito menos, Jorge Sampaio sujeitou Santana Lopes a esse julgamento popular.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:42


Por Outras Palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.01.09
Do drama à comédia
 

Do drama à comédia

A crer nas alegações dos arguidos, que a comunicação social tem abundantemente referido, quem está a ser julgado no processo Casa Pia é o Ministério Público, a Magistratura Judicial (que os pronunciou), a Polícia Judiciária, o Instituto de Medicina Legal, os peritos médicos que observaram as crianças, as próprias crianças, as testemunhas, a comunicação social, a opinião pública e o Mundo em geral; e as vítimas são os arguidos. Um imenso "complot" universal terá sido organizado para congeminar uma maléfica "fantasia" e, com obscuros fins, acusar meia dúzia de inocentes.

Não queria estar na pele do colectivo que julga o processo, a quem, se assim foi, se pede, não que dê uma sentença, mas que encarne o Bem e faça a Revolução, mandando extrair certidões para meter na cadeia dois terços das instituições do país e dois terços do próprio país. Na verdade, o que, no caso, está a ser julgado é a Justiça portuguesa e a sua independência. O grande júri em nome de quem é suposto a Justiça ser administrada tem razões para estar perplexo com o folheto de cordel em que o processo está a ser transformado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20


Por Outras Palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.01.09
Muros de palavras
 

MUROS DE PALAVRAS

 

Há uns anos, numa reportagem de "A Capital" sobre meninos da rua, um rapaz de 8 anos lamentava-se ao repórter: "A minha mãe fecha-me fora de casa". Conto muitas vezes esta história, bem como aquela do internado num hospício que, através das grades, diz para um passante: "Há muitos aí dentro?" Os muros, as grades, as portas fechadas prendem- -nos a todos.

Não criam "foras", multiplicam "dentros". E os muros mais difíceis de atravessar são os das palavras e das ideias. O que mais se tem visto e lido em relação ao actual conflito em Gaza são atitudes entrincheiradas atrás de muros de palavras e ideias, incapazes de vislumbrar no "outro" uma réstia de motivo ou humanidade. Ora, como escreve Nietzsche, julgo que no "Zaratustra", "tu, vítima, não penses que não tens culpa; e tu, carrasco, não penses que não sofres". É fácil ter ideias claras e a preto e branco sobre o que se passa em Gaza sentado diante da TV, vendo o que se quer ver e fechando os olhos ao resto. Os israelitas e palestinianos comuns (pois há israelitas e palestinianos comuns) são forçados há meio século a ver o que não querem ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:47


Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.08

"Mons parturiens"
 

 "Mons parturiens"

 

Depois de o rato das declarações de Manuela Ferreira Leite ter parido a montanha que se viu, tudo indica que a fábula retomará os eixos e que a montanha do BPN irá parir o rato que montanhas do género, quando envolvem montanhistas de peso, sempre parem. O primeiro passo está dado, um inquérito parlamentar, isto é, a transformação de um caso de polícia em caso de política. Toda a gente sabe para que servem os inquéritos parlamentares. Para concluir, em 700 ou 800 páginas, coisa nenhuma.

 

É da sua natureza, como, para Aristóteles, era da natureza das coisas pesadas cair para o centro do Universo. Nem o mais notório, o do "Envelope 9", concluiu fosse o que fosse, apesar do empenhamento da maioria na famosa tese da cabala, ou da "urdidura". Enfiado na "selva oscura" da AR, onde Dias Loureiro sempre o quis, o "caso BPN" fica entregue a todo o tipo de comércios político-partidários, meio caminho andado para se chegar à conclusão de que tudo foi, afinal, um mal-entendido. Depois, se o MP concluir diferentemente, abrir-se-á novo inquérito, desta vez ao MP, que também não concluirá coisa nenhuma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:45


Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.11.08

"Minha Querida Lavandaria"

 

A RTP é a lavandaria do regime. Não há vítima de cabala que não lave a consciência naquela espécie de Santa Casa da Misericórdia dos aflitos.

Desde a entrevista a Carlos Cruz lavado (o termo é apropriado) em lágrimas, os queridos telespectadores já não choravam como choraram com Dias Loureiro (talvez com excepção da entrevista a outra perseguida, a dolorosa mártir Fátima Felgueiras).

Dias Loureiro, um homem, como aquele, Malaquias, de Manuel de Lima, barbaramente agredido, foi aos estúdios de baraço ao pescoço e sem bigode, confessando que, sim, era administrador da SLN, mas, enquanto aconteciam no BPN as trapaças que têm vindo a público (e as que hão-de vir), calhou sempre de estar a olhar para outro lado. Assinava as contas sem as ler, pois só lê biografias e romances policiais (as contas do BPN eram um romance policial, mas como podia Dias Loureiro sabê-lo?). Por isso está, obviamente, de consciência limpa.

Eu acredito em Dias Loureiro (que diabo, é um conselheiro de Estado!) e não em cínicos como Stanislaw Lec, para quem a melhor forma de manter a consciência limpa é não lhe dar uso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32


Congratulations Mr. Derryl

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.11.08

Congratulations Mr. Derryl
 
É alto e magro. Terá uns setenta anos. Nos negros é difícil adivinhar-se a idade, mas os novelos de cabelo branco que pontilham um penteado impecável são um indício de que estamos na presença de alguém que viveu muito.

 

O fato de bom corte assenta-lhe como se fosse parte de si. Um centímetro da manga da camisa engomada a rigor sai do casaco e deixa ver um discreto traço dourado de um botão de punho antigo. O nó da gravata de riscas conservadoras comprime-se na precisão de um homem que sabe tomar conta de si contra um colarinho imaculado que parece de porcelana. 'Quer ficar junto da janela?'. 'Sim por favor.'.'O seu empregado vai trazer-lhe já o café e o sumo de laranja'. E com uma cortesia simples, sem servilismos nem intimidades, puxa-me a cadeira e abre-me um guardanapo. Quando se afasta noto que o fato cinzento-escuro com uma risca fina lhe cai com o rigor da postura rígida quase sem rugas sobre uns sapatos castanhos bem engraxados. Seis e meia da manhã, a sala de jantar está ainda vazia. O maître volta a aproximar-se da minha mesa. Olha para a credencial de imprensa que tenho ao peito e diz-me que já foi jornalista de rádio mas que se reformou e 'na América, nestes tempos, os reformados têm que trabalhar'. Pergunta-me se venho para as eleições. 'Vão ser cruciais', adverte-me. Concordo e ele apresenta-se. 'O meu nome é Mr. Derryl'. 'Prazer, o meu é Mário Crespo'. 'Pensando bem, se Obama ganhar estas eleições é como se a marcha de Luther King pelos direitos cívicos de 1964 tivesse chegado ao fim…Este voto é decisivo Mr.Crespo'. 'Creio que sim'. Despeço-me. 'Boa sorte para amanhã Mr. Derryl'. 'Para si também, Mr. Crespo'. Sigo rumo aos meus destinos, da busca de palavras curtas, medidas ao segundo para contar as evoluções de milénios, revoluções de séculos e estados de espírito que não se conseguem medir nem descrever bem. Votou-se nessa noite. Obama ganhou. Washington explodiu numa madrugada de euforia incontida de centenas de milhar de jovens de todas as raças. Desfilaram buzinando carros e convergiram sobre a Casa Branca, que estava já com as luzes apagadas. Desligam-nas normalmente à meia-noite e os actuais ocupantes não acharam que o momento merecesse qualquer excepção às rotinas. A noite estava muito escura. Entre cânticos de espirituais negros, tambores e latas batidas aos ritmos sempre imprevisíveis dos comboios da história, milhares comprimiram-se contra o gradeamento da residência presidencial e fizeram o ruidoso exorcismo das trevas durante horas. Filmei e falei. Senti um nó na garganta em depoimentos mais expressivos e ri com gosto num ajuntamento maior quando me abraçaram e quiseram entrevistar-me, a mim. E senti aquelas euforias e nostalgias súbitas de estar a viver a história numa ocasião irrepetível. Na manhã seguinte, novamente muito cedo (a diferença de cinco horas é impiedosa) fui tomar o pequeno-almoço. O maître continuava impecável, ostentando talvez um subtil sinal de alegria. A mesma gravata imaculada, o mesmo nó preciso. Em vez das riscas de clube inglês era do azul eléctrico, que é a cor dos Democratas. 'Congratulations Mr. Derryl'. 'Foi uma noite notável Mr. Crespo' e sem intimidades nem servilismo afastou-me a cadeira e abriu-me o guardanapo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:19


Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.10.08

Três anos depois
 

Três anos depois

O título da notícia da Globo provocou um abalo sísmico (por pouco escrevia cívico) nas minhas convicções sobre Portugal: "MP vai investigar nepotismo na Câmara e no Executivo".

Havia um "F" a seguir a MP (Ministério Público), mas, com o alvoroço, nem me apercebi. Tinha na cabeça a contratação por Rui Rio, a 3 790 euros por mês mais IVA, da irmã do seu vice-presidente para um cargo para o qual não tem qualificações específicas, e as de filhos e sobrinhos para tudo o que é gabinete ministerial, e deixei-me levar pelo entusiasmo.

Afinal a Câmara era o Senado brasileiro, e o Executivo o de Lula. Naquela singularíssima Câmara, os "funcionários contratados (…) terão de assinar um termo de compromisso declarando não serem parentes de senadores ou servidores que ocupem cargo de chefia" e 86 parentes deste e daquele, contratados para isto e para aquilo, foram demitidos. Por cá, noutra Câmara, a do Porto, não só o Executivo contrata parentes a peso de ouro como a oposição, apesar de considerar isso imoral e ilegal, se limita a fazer um "julgamento político" e só três anos depois anuncia a "sentença".

 

Crónica publicada no "JN"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53


Por outras palavras de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.10.08
Fome e fartura

 

FOME E FARTURA


Portugal está em risco de ser ultrapassado pela Ucrânia no ranking da UEFA mas, ao menos, continuamos no topo, logo abaixo do México e da Turquia, do ranking dos países com maiores desigualdades sociais. Segundo a OCDE, se houve em Portugal uma melhoria da distribuição de rendimentos entre os anos 70 e 80 (o período "gonçalvista", origem, como se sabe, de todos os nossos males), a partir daí, durante 30 anos de governos de partidos com "socialista" e "social" no nome, nunca mais pararam de crescer as desigualdades, com os ricos sempre mais ricos e os pobres sempre mais pobres.

Hoje até famílias das classes médias pedem, em número cada vez maior, ajuda ao Banco Alimentar contra a Fome. Mas nem tudo são más notícias: se os portugueses (os que têm trabalho) ganham pouco mais de metade (55%) do que se ganha na zona euro, os nossos gestores recebem, em média, mais 32,1% que os americanos, mais 22,5% que os franceses, mais 53,5% que os finlandeses e mais 56,5% que os suecos. Portanto, como Cesariny diria (cito de cor), "se há gente com fome,/ assim como assim ainda há muita gente que come".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:06


Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.10.08
A grande evasão
 

A grande evasão

Se não ficasse na história da educação em Portugal como autora do lamentável "pastiche" de Woody Allen "Para acabar de vez com o ensino", a actual ministra teria lugar garantido aí e no Guinness por ter causado a maior debandada de que há memória de professores das escolas portuguesas. Segundo o JN de ontem, centenas de professores estão a pedir todos os meses a passagem à reforma, mesmo com enormes penalizações salariais, e esse número tem vindo a mais que duplicar de ano para ano.

Os professores falam de "desmotivação", de "frustração", de "saturação", de "desconsideração cada vez maior relativamente à profissão", de "se sentirem a mais" em escolas de cujo léxico desapareceram, como do próprio Estatuto da Carreira Docente, palavras como ensinar e aprender. Algo, convenhamos, um pouco diferente da "escola de sucesso", do "passa agora de ano e paga depois", dos milagres estatísticos e dos passarinhos a chilrear sobre que discorrem a ministra e os secretários de Estado sr. Feliz e sr. Contente. Que futuro é possível esperar de uma escola (e de um país) onde os professores se sentem a mais?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:43


Por Outras Palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.09.08

'Auto-regulação', dizem eles
 

'Auto-regulação', dizem eles

Os fiéis do Deus-mercado parecem ter descoberto de repente as virtudes do Estado Social, devidamente adaptado aos valores da religião do lucro a qualquer preço, e que, em vez de apoiar os pobres, subsidia os ricos. Já tem um Papa. Chama-se Henry Paulson e cabe-lhe a duvidosa glória de ser um dos inventores do capitalismo de casino que agora bateu no fundo provocando a crise financeira que abala a Terra Prometida e arredores.

Depois de 30 anos de especulador na Wall Street, Paulson chegou a secretário do Tesouro e é dele a feliz ideia de pagar com 700 mil milhões dos contribuintes as dívidas e "activos tóxicos" acumulados por empresas falidas, acrescidos de "compensações" milionárias aos gestores que as levaram à falência, assim salvando fortunas como a sua, calculada em 500 milhões de dólares, a maior parte em acções da também falida Goldman Sachs. No Estado Providência neoliberal, quem paga quer as crises quer as soluções das crises do mercado são sempre os contribuintes. Lá como cá, chamam eles a isso (meter os lucros ao bolso e cobrar ao Estado as perdas) "auto-regulação" do mercado. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:17


Por Outras Palavras de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 22.09.08
 
 
A realidade, sempre ela
 

A realidade, sempre ela

Milhares de militantes socialistas romperam em aplausos quando, no sábado, em Guimarães, Sócrates garantiu que não "permitirá que o valor das pensões dos portugueses seja jogado na bolsa e entregue aos caprichos dos mercados financeiros, como quer o PSD".

Até eu, que não sou militante socialista, aplaudi. Mas, porque sou um tipo céptico, lembrei-me de ir verificar onde é que, afinal, o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) aplica o dinheiro da minha reforma.

E o que descobri no sítio da Segurança Social (http://www1. seg-social.pt/inst.asp? 05.11.05) assustou-me. Saberá Sócrates que 20,67% das reservas do FEFSS (mais de 1 562 milhões de euros) se encontram aplicados em acções e "entregues aos caprichos dos mercados financeiros" e ao "jogo da bolsa"? E lembrar-se-á que o seu secretário de Estado da Segurança Social anunciou no ano passado que iria confiar outros 600 milhões à "gestão privada"?

Só espero que os não tenha confiado ao BCP e ao seu prudentíssimo fundo "Millennium Prudente", porque, se assim foi, parte deles acabou prudentemente na Lehman Brothers e já era…

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:02


Tudo se vende, tudo se compra

por Carlos Pereira \foleirices, em 18.09.08

Duas mulheres vendem virgindade
Natalie Dylan quer pagar os estudos
 

 

Duas mulheres vendem virgindade

 

 

 

 

“Quando era mais nova era 100% a favor do romance, até de esperar até ao casamento. Mas vivemos numa sociedade capitalista e por que razão não hei-de capitalizar a minha virgindade”, disse Natalie Dylan, de 22 anos.

Segundo o canal de televisão CBS, Natalie já recusou uma oferta de 250 mil dólares e avisa que não vai com um brutamontes qualquer. “Valorizo a inteligência”, disse em entrevista à cadeia de televisão norte-americana.

“Não tenho qualquer dilema moral com a venda da minha virgindade”, acrescentou a jovem morena de olhos castanhos, que quer o dinheiro para pagar os estudos e licenciar-se como conselheira matrimonial.

Para a modelo italiana, natural de Nápoles, terra de Sofia Loren, a virgindade é um meio para pagar as aulas de representação e comprar uma casa em Roma. "Estou ansiosa para ver quem vai sacar do dinheiro para me possuir", disse Raffaela Fico, citada pelo tablóide britânico "Ther Daily Telegraph".

 

"Não sei o que é ter sexo", disse Raffaela Fico, de 20 anos, em entrevista à revista Chi. E, pelos vistos, a menina nem exige que lhe apareça um Adónis milionário."Se não gostar do homem com quem tiver sexo, bebo um copo de vinho e esqueço o assunto", disse.

A família garante que, apesar do ar sensual e das poses sexy com que vai preenchendo os sonhos de muitos homens, Raffaela é pura e casta, em respeito pelos mandamentos da fé católica, românica e apostólica. "Ela nunca teve um namorado. Juro pela alma da minha mãe", disse o irmão de Raffaela. "Ela é uma católica devota que reza todos os dias ao padre Pio", acrescentou.

Leilão online no "Rancho das Coelhilhas"

No caso Natalie Dylan, a revelação do leilão foi feito no polémico programa de Howard Stern. A virgindade da jovem de San Diego está a ser leiloada, online, no sítio da internet do bordel americano “Rancho das Coelhinhas”, onde já trabalha a irmã. Em bunnyranch.com, é possível ficar a conhecer melhor a mulher de 21 anos que quer fazer negócio com a virgindade.

“Acho que é uma grande ideia”, disse Dennis Hof, proprietário do “Rancho das Coelhinhas”, em declarações ao “Daily News”. “Porquê perder a virgindade com um gajo qualquer no banco de trás de um Toyota quando se pode capitalizar e pagar os estudos”, acrescentou.

Já em 2005, uma modelo peruana, de 18 anos, também leiloou a virgindade. Pretendia angariar dinheiro para pagar as despesas médicas da família, mas acabou por mudar de ideias, quando já tinha uma proposta de 1,5 milhões de dólares (1,05 milhões de euros). 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:14


Bem-vindos à Idade Média (Manuel António Pina)

por Carlos Pereira \foleirices, em 18.09.08

Na Itália, a comediante Sabina Guzzanti arrisca-se a apanhar 5 anos de cadeia por ter dito uma piada sobre o Papa que, nos termos do Tratado de Latrão (assinado por Mussolini e Pio XI em 1929), é uma "pessoa sagrada e inviolável". Por sua vez, na Alemanha, o pastor protestante Clemens Bittlinlger foi posto sob protecção policial em virtude das ameaças de morte que tem recebido de católicos por ter escrito uma canção com perguntas ao Papa sobre a proibição do uso do preservativo.

Apesar de tudo, a comediante e o pastor têm mais sorte do que o Rato Mickey, que foi, no mês passado, condenado à morte pelo clérigo islâmico Muhammad Al-Munajid em directo na TV Al-Majd da Arábia Saudita e não terá direito a julgamento nem a protecção policial. O Tratado de Latrão é omisso quanto a ratos, mas parece que, de acordo com a"Sharia", Mickey é um "soldado de Satã, guiado por ele" e, sendo "impuro", "deve ser morto em qualquer circunstância". Como disse recentemente o Papa em França, as religiões são a "garantia da liberdade" e "da autonomia das coisas terrenas". Além de que criam "consensos éticos".

 

Crónica de Manuel António Pina - Por Outras Palavras - publicada no "JN"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01


Por outras palavras - Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.07.08

Boas notícias

Os últimos dias foram férteis em boas notícias. Enquanto Sócrates prometia uma redução de 30% num imposto que não existe (o IA sobre automóveis eléctricos), a ministra da Educação anunciava que os alunos portugueses se tornaram, de um ano para o outro, génios matemáticos graças ao ovo de Colombo saído da mente imaginosa do seu Ministério: só lhes perguntar o que sabem, ou ainda menos, assegurando-lhes assim, mesmo aos mais ignorantes, aquilo que a directora de Educação do Norte classifica como o seu "direito ao sucesso".

Por sua vez, Vieira da Silva louvava no fim-de-semana efusivamente no "Expresso" as esquisitas virtudes do "seu" Código do Trabalho. Parece que o BE vai fazer suas, na AR, as propostas de alteração que o mesmo Vieira da Silva em tempos fez ao Código Bagão Félix.

O país está suspenso do modo como votará o PS as medidas que preconizava quando era Oposição, e que voltará a preconizar quando for Oposição outra vez, assim como a ministra da Educação passará então a ser a mais acrisolada crítica do facilitismo. Pensando bem, deveria ser sempre a Oposição a formar Governo.

 

Crónica de Manuel António Pina no "JN"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:01


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas