Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Seminário debate valor da Biodiversidade

O projecto do Parque das Ribeiras do Uíma, que se encontra em fase de arranque, após a aprovação de uma candidatura a fundos comunitários, vai ser apresentado no seminário “Biodiversidade. Qual o seu Valor?”, que o Município de Santa Maria da Feira promove no dia 18 de Junho, das 09h30 às 17h00, no auditório da Biblioteca Municipal.

Seminário debate valor da Biodiversidade

Este seminário pretende ser um espaço de reflexão sobre a complexidade dos efeitos que temos sobre os ecossistemas e os desafios e pressões que temos de enfrentar para valorizar e preservar a biodiversidade. A iniciativa assinala o Ano Internacional da Biodiversidade.

O seminário divide-se em três sessões: “Valor Ecológico da Biodiversidade”, “Valor Social da Biodiversidade” e “Valor Económico da Biodiversidade”. Em cada uma delas serão apresentadas três comunicações. As intervenções estarão a cargo de técnicos do Instituto Nacional da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB), Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR, Parque Ornitológico de Lourosa, Administração da Região Hidrográfica do Norte (ARH Norte), Município de Santa Maria da Feira, Faculdades de Engenharia e Economia da Universidade do Porto, Cantinho das Aromáticas, e Quercus/Condomínio da Terra.

A sessão de abertura, marcada para as 09h30, será presidida por Emídio Sousa, vice-presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, e conta ainda com a intervenção de representantes do Centro Regional de Excelência do Porto (CRE – Porto) e da Comissão Nacional da UNESCO.

Enquadramento

No ano em que se comemora o Ano Internacional da Biodiversidade, uma avaliação realizada pela Agência Europeia do Ambiente (AEA) mostra que, de facto, estamos a perder biodiversidade a um ritmo sem precedentes. Apesar dos inúmeros “serviços ecossistémicos” prestados pela biodiversidade, sem os quais não seria possível a vida na Terra, raramente lhes é atribuído o devido valor, pois constituem predominantemente bens públicos, sem mercado, nem preço.

‘Fotografia da Natureza’ e ‘Observação de Aves’

No âmbito deste seminário, o município promove ainda duas actividades complementares: um curso de Iniciação à Observação e Identificação de Aves, a realizar nos dias 19 e 20 de Junho, das 09h00 às 18h30, no Parque Ornitológico de Lourosa e no Parque das Ribeiras do Uíma, em Santa Maria da Feira. Paulo Travassos, da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves orienta esta actividade, limitada a 20 participantes.

No dia 26 de Junho, das 08h30 às 18h30, realiza-se o curso de Fotografia da Natureza, também no Parque Ornitológico e no Parque das Ribeiras do Uíma, local de grande beleza paisagística e ambiental. João Luís Teixeira, do Parque Biológico de Gaia, é o formador. A actividade é limitada a 15 participantes.

O programa e as fichas de inscrição encontram-se disponíveis neste portal (Ambiente e Obras Municipais). Para mais informações, os interessados devem contactar o Gabinete de Ambienta da Câmara Municipal, através do telefone 256 370 800 ou e-mail gabinete.ambiente@cm-feira.pt.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:52


#1061 - Balsemão: "Temos de sair deste lento suicídio"

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

Fundador do PSD critica "impasse" e quer agenda menos conservadora."Podemos caminhar para um lento suicídio"

 




"Novos tempos, novos desafios, novas ideias." O fundador e militante número um do PSD, Francisco Pinto Balsemão, correspondeu ontem ao mote da primeira edição do Ciclo de Encontros organizados pelo Instituto Francisco Sá Carneiro. O objectivo era reflectir sobre o futuro do PSD e o discurso de Balsemão foi contundente. Criticou a "acomodação" do partido, apontou baterias à falta de clareza na sua "identidade ideológica" e lançou o alerta: "Temos de sair deste impasse, sob pena de caminharmos para um lento suicídio."

As propostas do militante mais antigo do PSD tiveram como ponto de partida a necessidade de "inverter o pessimismo" e "acabar com a resignação, lamúria e desgraça que só ajudam os coveiros". Nomeadamente os que diz existirem "dentro do partido", embora se tenha recusado a nomeá-los durante o seu discurso no Hotel Tivoli.

Sublinhando a urgência de recuperar o cariz "reformista e interclassista" do PSD, Francisco Pinto Balsemão propôs também o equilíbrio entre a responsabilidade da sociedade civil nas "tarefas de desenvolvimento social, cultural, ambiental e até económico" e as responsabilidade do Estado em áreas como a defesa nacional, a polícia ou a justiça. Mas lançou também as bases para uma agenda mais "tolerante e aberta" no partido: com particular enfoque na legalização da droga e no casamento homossexual.

"Devíamos ser um partido capaz de antecipar e apreender as novas realidades sociais, de não ser conservador e de mobilizar os sectores mais dinâmicos da sociedade para as enfrentar e absorver, sejam elas as emissões excessivas de CO2, a legalização da droga ou o casamento dos homossexuais", sugeriu Balsemão.

Defensor da imposição de rankings anuais para "as actividades mais relevantes", o fundador do PSD aplaudiu a lógica da avaliação em sectores como as escolas, universidades, hospitais, esquadras de polícia, tribunais ou misericórdias. "Sem se premiar o mérito e punir o demérito, a sociedade não progride", apontou. Sobre as "grandes, urgentes e imperiosas" reformas da Justiça, Educação, Saúde e Administração Pública - e também sobre a mudança da lei eleitoral para um sistema misto de representação proporcional e uninominal -, Balsemão defendeu que o PSD só deve abordar esses dossiês se a iniciativa assentar "em pactos de fundo ou acordos de regime" subscritos pelo "maior número possível de partidos, por um prazo superior a duas legislaturas".

O primeiro encontro deste ciclo organizado pelo Instituto Francisco Sá Carneiro contou ainda com a participação do antigo director do "Público", José Manuel Fernandes, e do jurista Miguel Morgado como oradores.


In Jornal "i"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:08


#902 - Investigação Sobre o Amor

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.07.09
Sophie Calle em Paris, na Biblioteca Nacional da França, que abrigou a mostra Cuide de Você em 2008. O papel no chão simboliza o e-mail de rompimento enviado à artistaGrégoire Bouillier

Sophie Calle em Paris, na Biblioteca Nacional da França, que abrigou a mostra Cuide de Você em 2008. O papel no chão simboliza o e-mail de rompimento enviado à artistaGrégoire Bouillier


Um debate na Flip, um livro e uma instalação buscam compreender por que o escritor Grégoire Bouillier terminou o namoro com Sophie Calle, a cultuada artista contemporânea francesa.

 

Ler aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:04


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas