Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#2714 - ALBERTO MORAVIA: O PARAÍSO

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.12.17

 AMADEU BAPTISTA

 

 

ALBERTO MORAVIA: O PARAÍSO

 

Vi como a actriz levitou entre as sete paredes da sala

e soube imediatamente como isso era bom.

O céu de antracite dos últimos dias

foi um sinal do tempo nos meus olhos

que de uma árvore a outra projectou

um momento único de calor e vida.

A actriz era o primeiro êxtase

nos vários segmentos dos meus olhos,

silenciosa sequência de roldanas

onde a luz é um milagre e algo palpita

nas têmporas como uma recordação.

Falou da ausência, a actriz?

Fumava em Roma num vestidinho negro

tão frágil como uma pérola

e actuava sobre as palavras como se algo real

estivesse para acontecer à nossa frente.

Sentada no banco de madeira,

com os botões da camisa sensulmente abertos

e os lábios vermelhos que lembravam um Verão próximo

         do passado

ela esculpia na terra

algo tão perturbador como  o princípio do mundo.

Foi bom  olhá-la nos olhos,

tomar a eloquência por uma evocação

onde o silêncio tem o poder de despertar no corpo

um ritmo alucinante de febre e de loucura.

Ela, a actriz, nada podia fazer,

embora invocasse a infância com todas as forças do espírito,

em nítidas sucessões de terríveis marés-vivas.

Sentei-me e aplaudi.

Ela era sobretudo o exercício das coisas que nos fazem aproximar da solidão dos homens,

a cidade cercava-a e entontecia-a

porque algo se lhe colava à pele, um enigma, uma ave, talvez,

essa memo a que perdemos o rastro entre Bari e La Spezia

quando os múltiplos sinais da representação nos intimidavam

a conferir à comunicação o estatuto do medo e do fascínio.

A actriz? Agora podes vê-la.

Entre os toldos amarelos e azuis e a areia ocre dessa praia

ela penteia meditativamente os cabelos de oiro,

embala a boneca de trapos,

canta sentada num trono onde cada um de nós já se sentou

          um dia

para se sentir espectador de algo fascinante

que em silêncio responde à nossa solidão.

Escuta-a.

Ela chama  um nome desconhecido num rumor incontornável,

o nome do homem que partiu,

persegue-o num único movimento,

a sombra do seu corpo alonga-se na ausência

e o arco dos seus braços transfigura-lhe o olhar,

é uma mulher que vem com o rosto iluminado pela escuridão

para regressar do outro lado da noite

com uma criança nos braços,

ela própria,

um peixe vermelho que cintila

como uma pedra na distância

que vai do inferno ao paraíso,

de Capri a Peruggia.

Não é um incêndio que ela tem na boca?

A actriz tem na boca um incêndio

que é tanto a ternura como a exaltação,

ela entregou-se ao grito pela incandescência pura,

é um sonho e exalta-se pela beatitude de um crime

nesse sangue espesso

que é um círculo fulvo noutra esfera do mundo,

um brilho que se amplia numa barra de vidro

onde o rosto reflecte mil acrobacias

que reencontra a pedra onde a limpidez preserva

a tensão dos rostos em cada expectativa.

E a actriz sorri ainda porque o poder da luz amplia nos lugares

formas tão indistintas como as que há no coração

e outras tão belas como as corças que correm na planície

e nós pensamos que nos pertencem com o mesmo vigor

da agilidade do salto que empreendem.

Chamaste? Viste como isto era bom?

E o sortilégio era esse,

a magia do mundo,

a passagem de um lugar para outro lugar

onde tudo era possível

e um tiro à queima-roupa sobre o nosso peito

continha em si a graça de nos devolver à vida.

 

POEMA DE AMADEU BAPTISTA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:31



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas