Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#2707 - CONVERSANDO COM OS ASTROS

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.17

 TERESA RITA LOPES

 

CONVERSANDO COM OS ASTROS

 

1

Confesso que me desiludiste um pouco

Quando ouvi dizer que estavas para chegar

pus-me ansiosa à tua espera

                                             Foste o primeiro

cometa da minha vida

                                  Antes de te conhecer pensava

que serias maior mais vistoso mais em fogo

                                                                    Depois

aceitei o teu recato a tua timidez

                                                  e tentámos

acertar o passo e o olhar

                                      Encontrámo-nos no céu

da Cacela e depois puseste-te a caminhar comigo

até Lisboa

               Aqui perdemo-nos de vista

                                                        Há luz eléctrica

a mais     Nesta cidade até do céu somos despossuídos:

o buruburinho das luzes obscurece os astros

                                                                      que fogem

a esconder-se atrás dos  montes mais próximos

                                                                           Dizem

os cientistas que voltas daqui a três mil anos

Que é isso para o deus de quem és brinquedo

e eu também?

                    Em breve regressarás ao teu abismo

e um dia destes também eu mergulharei no meu

Marquemos já encontro para o dia 11 de Abril

de 4997

           à esquina do crepúsculo

 

2

Eis-te de repente     Espreitas e devagar

levantas-te do leito do rio afogueada

sacudindo a saia

                         Que fazias aí deitada com ele

minha magana?

                     ah lua! maluca lua que não tomas

juízo!

      Aqui estamos de novo   cara a cara

sorriso no sorriso

                         Quantas vezes já nos olhámos

assim nos olhos    tão enamoradas?

                                                       Saboreio

daqui deste meu décimo andar jardim suspenso

todos os momentos da tua caminhada céu acima

Agora já estás perfeitamente senhora de ti

redonda e rutilante

                             e olhas de alto o rio

que se aquieta para te receber e espelhar

tua inevitável retirada

                                 Ninguém te dá a idade

que tens

            Quem havia de dizer que ficaríamos

grisalhas um dia!

Mas a ti fica-te bem esse

cabelo de neve luminosa     O meu pediu ao Outono

o ruivo fulgor de suas folhas

                                           Ah lua amiga minha

da longínqua infância da perdida juventude

cúmplice de tanto fervor adulto    sozinho e

comungado   confidente de tanto pranto em fogo

transformado   à tua alquímica maneira em fina

prata

       aonde vais buscar esse sorriso manso

teu sereno aceitar de tudo o que acontece

tua ironia doce?

                       Quem me dera libertar-me assim

da canseira do dia!

                             Minha amiga minha Mãe meu amor

porque és tudo isso ao mesmo tempo

                                                            afaga o áspero

dorso da minha irrequieta mágoa

                                                   e afoga-me no teu

mar de luar

                que é água e ar e fogo ao mesmo tempo

 

CONVERSANDO COM OS ASTROS - POEMA DE TERESA RITA LOPES

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:19



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas