Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#2689 - LISBOA

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.11.17

 WILLIAM CLIFF

 

LISBOA

 

o céu do Atlântico o grande céu errante

o céu e estas nuvens que passam lentamente

o céu que com o vento se nos faz inconstante

e nos despeja água que colhe prontamente

 

céu que faz renascer o gosto das viagens

no corpo do que quer por certo ainda sonhar

enquanto vê correr a sombra das imagens

pensamentos e fumos lá por fora a voar

 

oh! como é triste aqui desejar o amor

neste canto da terra tão longe da Europa

oh! como nos enfraquece todo este céu sem cor

e estas ondas que caem com a dureza da rocha

 

como está só aquele que passeia com o cão

e quer beber ao longe a sua solidão

com o seu negro olhar odeia e não mais quer

que olhar as mesmas ondas sem sequer as ver

 

oh! como este vento nos corta já a pele

como é mais forte aqui o sopro do mar alto

e como é tão difícil achar neste vergel

um lugar para o barco onde ancorar a salvo

 

e todo o mau humor na cara desta gente

e o silêncio diante da imensidão marinha

e este enorme rio com o seu maldoso vento

onde passam vapores para a Praça sozinha

 

Poema do poeta belga William Cliff

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas