Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




#1653 - Livros e Leituras

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.03.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:20


#1652 - Morreu o escritor italiano António Tabucchi [1943-2012]

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.03.12

 

Escritor italiano nascido em 1943, em Pisa. Tendo sido professor de Língua e Literatura Portuguesa na Universidade de Génova, foi director do Istituto Italiano di Cultura em Lisboa. Dedicado ao estudo da figura de Fernando Pessoa, produziu ensaios sobre este autor e traduziu obras suas. Paralelamente à sua actividade de pesquisa e crítica literária, tem criado uma notável obra como ficcionista, de onde se destacam Donna di Porto Pim (A Mulher de Porto Pim, 1983), Notturno Indiano (Nocturno Indiano, 1984), Piccoli Equivoci Senza Importanza (Pequenos Equívocos sem Importância, 1985) e Sostiene Pereira (Afirma Pereira, 1994). Esta última deu origem ao filme com o mesmo nome, realizado por Roberto Faenza e filmado em Portugal. Em 2001, um artigo que escreveu para o jornal fancês Le Monde e que foi traduzido pelo jornal espanhol El País (acerca da liberdade de expressão), fez com que António Tabucchi fosse galardoado com o Prémio de Liberdade de Expressão Josep Maria Llado, na Catalunha, em Espanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:13


#1651 - A servidão e a dignidade

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.03.12

por BAPTISTA-BASTOS

 

Vivemos no interior do medo. O medo deixou de ser um sentimento comum à condição para se transformar numa ideologia e numa arma política. A Inquisição e Salazar deixaram discípulos. Não conseguimos libertar-nos desta fatalidade histórica porque há quem limite as nossas forças e liquide as nossas esperanças. Por outro lado, aceitamos este fardo como um anátema. Reagimos escassamente mas não continuamos as acções contra a afronta. Ver os noticiários das televisões, ler a Imprensa tornou-se um exercício penoso, que conduz à depressão. Parece que o mundo desabou sobre os pobres portugueses. Tudo se enleia para favorecer o nosso infortúnio. Em nada acreditamos: a falsidade, a omissão, a desvergonha atingiram níveis desusados, e ninguém descortina onde está a mentira, e onde se oculta a verdade do que nos dizem. 

 

As informações são um caudal contraditório; e há declarações tão surpreendentes quanto imponderáveis. Mohamed El-Erian, um desses senhores do mundo, que poucos saberiam quem é, assevera que Portugal vai pedir mais dinheiro e segue, cabisbaixo, o caminho da Grécia. Erian, leio no Diário de Notícias, é o presidente do maior fundo de investimento mundial e não costuma utilizar a metáfora nem o epigrama para falar das coisas. Papandreu, grego, socialista, primeiro-ministro até há bem pouco tempo, também não faz reserva em dizer que está aberta a vereda para seguirmos a passada do seu país.

 

O papão, o medo viscoso, ondulante, assustador é a Grécia. A Grécia, tal Asmodeu, rei dos demónios, é o crepúsculo como alegoria de todas as tragédias. Afastamo-nos, repugnados e receosos do contágio. Temos tudo a ver com a Grécia, mas nada queremos ter a ver com a Grécia. Os gregos são a doença infecciosa, larvar, perigosíssima. Passos Coelho, quando regressa de viagens, proclama logo, pensativo, austero e formal: com a Grécia, nem tomar café. Julgando, talvez, que esta frase corresponde a um optimismo criador.

 

Vivemos num confuso e absurdo almofariz de dubiedades. Agora, para rematar estes clássicos do assombro, surge Vítor Gaspar, campeão do humorismo involuntário, e assegura, arfante: "No dia 23 de Setembro de 2013 regressaremos aos mercados." Vinha dos Estados Unidos. E tudo indicava que lhe tinham segredado a extraordinária novidade. Ninguém sabe, nem Gaspar esclarece o mistério de tão prodigioso milagre.

O português comum, que sobrevive asfixiado entre o desemprego, o fisco, a multa, a humilhação, o vexame, a fome, a doença, a miséria, os impostos, as taxas moderadoras, a demolição do amor, o divórcio, a emigração, e outra vez a fome, a doença, a miséria, os impostos, esse português desorientado, desgraçado e triste sem remissão - que pode fazer ele?, que pode? Em cada um de nós reside a resposta sobre o compromisso com a honra e a recusa da servidão e da indignidade.


In Diário de Notícias

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:15


#1650 - A última entrevista de Guimarães Rosa

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.03.12
Uma preciosidade histórica da língua portuguesa: a entrevista realizada pelo escritor e jornalista português Arnaldo Saraiva, em 24 de novembro de 1966. Guimarães Rosa morreria menos de um ano depois de tê-la concedido


Arnaldo Saraiva

Eis o homem. O homem que em menos de 20 anos, com sua prosa, seu estilo, sua literatura — sem os favores profissionais da medicina, que pode dar saúde mas ainda não deu gênio (cf. alguns prêmios Nobel), conquistou o Brasil, Portugal, a Alemanha, a Itália, os Estados Unidos, o mundo, não?

Repara no corpo: mau grado as ligeiras ameaças de obesidade, parece atleta, cavaleiro que foi, ou de bandeirante, que da língua é. Vê como está sobriamente elegante, distinto, sorridente, calmo, aristocrata, como convém a um embaixador (ou não estivéssemos num salão do Itamarati). Mas nada da pose ou dos gestos artificiais com que outros tentam iludir a mediocridade. Quem esperou quase quarenta anos para publicar o primeiro livro, ou quem avançou sozinho pelos grandes sertões da língua, não precisa ter pressa nem pedir emprestado um corpo, uma casaca, máscaras.

Lá está o lacinho (ou gravata-borboleta, meu chapa?) simetricamente impecável, fazendo pendant com os óculos claros, tão claros que ainda esclarecem mais os olhos sempre inquiridores, atentos. E é curioso como um mineiro de Cordisburgo, a dois passos (brasileiros) da Ita­­bira de Drum­mond, gosta, ao contrário deste (à primeira vista), de falar, de con­tar, de ser ouvido. Até nisso parece grande o seu amor à língua. Mal me sentei, já ele me começou a falar de Portugal e de escritores portugueses... 

Estive em Portugal três vezes. Na primeira, em 1938, passei lá apenas um dia; ia a caminho da Alemanha. Na segunda, em 1941, passei lá quinze dias, em cumprimento de uma missão diplomática que me fora confiada em Ham­­burgo. Na terceira, em 1942, passei um mês, pois estava já de regresso ao Brasil, por causa da guerra.

Durante essas estadas, travou relações ou conhecimentos com alguns escritores?

Não. Até porque eu ainda não era “escritor” (“Sagarana”, com efeito, só foi publicado em 1946) e o que me interessava mais era contatar com a gente do povo, entre a quais fiz algumas amizades. Gosto mui­to do português, sobretudo da sua integridade afetiva. O brasileiro também é gente muito boa, mas é mais superficial, é mais areia, enquanto o português é mais pedra. Eu tenho ainda uma costela portuguesa. Minha família do lado Gui­marães é de Trás-os-Montes. Em Minas o que se vê mais é a casa minhota, mas na região em que eu nasci havia uma “ilha” transmontana.

Mas não chegou a conhecer Aquilino?

Conheci Aquilino (Aquilino Ribeiro), mas acidentalmente. Eu entrei numa livraria, não sei qual, do Chiado (presumo que a Bertrand) e, quando pedi al­guns livros dele, o empregado per­guntou-me se eu queria co­nhecê-lo, pois estava ali mesmo. Respondi que sim, e desse modo obtive dois ou três autógrafos de Aquilino, com quem conversei alguns instantes. Voltei a estar com ele, mais tarde, num jantar que lhe foi oferecido enquanto de sua vinda ao Brasil. Mas ele, naturalmente, não se recordava de mim (porque eu não me apresentara como escritor), e eu também não lhe falei do assunto.

Não sabe que, justamente numa crônica motivada pela sua ida ao Brasil, Aquilino colocou o seu nome, logo em 1952, ao lado dos de José Lins do Rego, Gilberto Freyre, Graciliano Ramos, Manuel Bandeira, Jorge de Lima e Agripino Grieco, que, segundo ele, eram os "notáveis escritores e poetas" que estavam a "encostar a pena contra a lava" que ia no Brasil "sepultando prosódia e morfologia da língua-mater"? Eu creio mesmo que é essa uma das primeiras referências ao seu nome, em Portugal...

Não sabia dessa curiosa referência do Aquilino. Antes dessa, porém, há uma referência a mim numa publicação do Consulado do Porto, de 1947, feita por não sei quem. Sei de outra referência feita, anos depois, salvo erro, por um irmão de José Osório de Oliveira.

Voltando a Aquilino: acha que recebeu alguma influência dele? Já, pelo menos, um crítico, o mineiro Fábio Lucas, notou alguns “pontos de contato nada desprezáveis” entre a sua obra e a de Aquilino.

Eu gosto de Aquilino, sobretudo da “Aventura Maravilhosa”, mas não creio que dele tenha recebido alguma influência, a não ser na medida em que sou influenciado por tudo o que leio. A verdade é que antes de 1941 só conhecia de Aquilino um ou dois trechos, co­mo infelizmente ainda hoje sucede em relação à quase totalidade dos escritores portugueses vivos. E, como sabe, “Sagarana”, foi escrito em 1937.

Um garçom do Itamarati entra com um copo de água, e pergunta se precisa mais alguma coisa. Guimarães Rosa agradece e diz: Vá com Deus, como se fosse um beirão ou um transmontano. Mais uma razão, portanto, para eu prosseguir: Como encara ou explica o enorme prestígio de que goza nos meios intelectuais e universitários portugueses?

Em relação a mim, houve por aqui (no Brasil) muitos equívocos, que ainda hoje não desapareceram de todo e que, curiosamente, ao que parece, não houve em Por­tugal. Pensaram alguns que eu inventava palavras a meu bel-prazer ou que pretendia fazer simples erudição. Ora o que sucede é que eu me limitei a explorar as virtualidades da língua, tal como era falada e entendida em Minas, região que teve durante muitos anos ligação direta com Portugal, o que explica as suas tendências arcaizantes para lá do vocabulário muito concreto e reduzido. Talvez por isso que ainda hoje eu tenha verdadeira paixão pelos autores portugueses antigos. Uma das coisas que eu queria fazer era editar uma antologia de alguns deles (as antologias que existem não são feitas, como regra, segundo o gosto moderno), como Fernão Mendes Pinto, em quem ainda há tempos fui descobrir, com grande surpresa, uma palavra que uso no “Grande Sertão”: amouco. E vou dizer-lhe uma coisa que nunca disse a ninguém: o que mais me influenciou, talvez, o que me deu coragem para escrever foi a” História Trágico-Marítima” (coleção de relatos e notícias de naufrágios, acontecidos aos navegadores portugueses, reunidos por Ber­nardo Gomes de Brito e publicados em 1735). Já vê, por aqui, que as minhas “raízes” es­tão em Portugal e que, ao contrário do que possa parecer, não é grande a distância “linguística” que me se­para dos portugueses.

Eu penso até que na imediata e incondicional adesão portuguesa a Gui­marães Rosa há muito de transferência sublimada de uma frustração linguística nossa, coletiva, que vem pelo menos desde Eça. Mas não nos desviemos. Admira-me muito que não tenha citado ne­nhum livro de ca­valaria, nem ne­nhuma novela bu­cólica, pois pensava que deles e delas havia diversas ressonâncias na sua obra, sobretudo no “Gran­de Sertão: Veredas”...

Sim, li muitos livros de cavalaria quando era menino, e, por volta dos 14 anos, entusiasmei-me com Ber­nardim (Bernardim Ri­beiro), e depois até com Camilo. Ainda continuo a gostar de Ca­milo, mas quem releio permanentemente é Eça de Queiroz (quando tenho uma gripe, faz mesmo parte da convalescença ler “Os Maias”; este ano já reli quase todo “O Crime do Padre Amaro” e parte da “Ilustre Casa de Ramires”). Camilo, leio-o como quem vai visitar o avô; Eça, leio-o como quem vai visitar a amante. Quando fui a Portugal pela primeira vez, eu só queria comidas ecianas (que gostosura, aquele jantar da Quinta de Tormes). Aliás deixe-me que lhe diga que me torno muito materialista quando penso em Portugal; penso logo nos bons vinhos, nas excelentes comidas que há por lá. E talvez seja também por isso que se há um país a que eu gostaria de voltar é Portugal...

... que, naturalmente, o receberá de braços abertos, em festa. Mas permita-me ainda uma pergunta: como “enveredou” - e penso que a palavra se ajusta bem ao seu caso - pelo campo da “invenção linguística?

Quando escrevo, não pen­so na literatura: penso em capturar coisas vivas. Foi a necessidade de capturar coisas vivas, junta à minha repulsa física pelo lugar-comum (e o lugar-comum nunca se confunde com a simplicidade), que me levou à outra necessidade íntima de enriquecer e embelezar a língua, tornando-a mais plástica, mais flexível, mais viva. Daí que eu não tenha nenhum processo em relação à criação linguística: eu quero aproveitar tudo o que há de bom na língua portuguesa, seja do Brasil, seja de Portugal, de Angola ou Mo­çambique, e até de outras línguas: pela mesma razão, recorro tanto às esferas populares como às eruditas, tanto à cidade como ao campo. Se certas palavras belíssimas como “gramado”, “aloprar”, pertencem à gíria brasileira, ou como “malga”, “azinhaga”, “azenha” só correm em Por­tugal — será essa razão suficiente para que eu as não empregue, no devido contexto? Porque eu nunca substituo as palavras a esmo. Há muitas palavras que rejeito por inexpressivas, e isso é o que me leva a buscar ou a criar outras. E faço-o sem­pre com o maior respeito, e com alma. Respeito muito a língua. Escrever, para mim, é como um ato religioso. Tenho montes de cadernos com relações de palavras, de expressões. Acompanhei muitas boiadas, a cavalo, e levei sempre um ca­derninho e um lápis preso ao bolso da camisa, para anotar tudo o que de bom fosse ouvido — até o cantar de pássaros. Talvez o meu trabalho seja um pouco arbitrário, mas se pegar, pegou. A verdade é que a tarefa que me impus não pode ser só realizada por mim.

Guimarães Rosa vai buscar uma fotografia para me mostrar onde levava o caderninho de notas, nas boiadas: vai buscar uma pasta com a correspondência com um seu tradutor norte-americano, para me mostrar as dúvidas e dificuldades deste, e o trabalho, a seriedade e a minúcia com que as vai resolvendo uma por uma (escrevendo, ele próprio, preciosas autoanálises estilísticas ou considerações filológicas). E, entretanto, vai-me fazendo outras confissões interessantes. Por exemplo:  “gosto das traduções que filtram. Da tradução italiana do Cor­po de Baile gosto mais do que do original.” Ou: “Estou cheio de coisas para escrever, mas o tempo é pouco, o trabalho é lento, lambido, e a saúde também não é muita.” Ou: “Não faço vida literária: como regra, saio daqui e vou para casa, onde trabalho até tarde.” Ou: “No próximo ano, vou publicar um livro ainda sem título, com 40 estórias” (que têm aparecido quinzenalmente, no jornal dos médicos “O Pulso”, onde frequentemente aparecem também cartas ou a atacá-lo ou a defendê-lo ferozmente). Ou ainda: “eu não gosto de dar, nem dou entrevistas. Tenho sempre a sensação de que não disse o que queria dizer, ou que disse mal o que disse, ou que criei maior confusão; e não estou assim tão seguro do que procuro e do que quero. Com você abri uma exceção...”.

 

 

Texto de , revista BULA

 

Nota: Entrevista realizada pelo escritor e jornalista Arnaldo Saraiva, em 24 de novembro de 1966. Publicada no livro “Conversas com Escritores Brasileiros”, editora ECL em parceria com o Congresso Portugal-Brasil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:10


#1649 - A hipocrisia nossa de cada dia

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.03.12

 

A história da acumulação primitiva do capital é uma história do coração das trevas — o horror, o horror, o horror. Tanto do ponto de vista humano — vidas são sacrificadas — quanto da corrupção e da violência. 

 

O banqueiro J. P. Morgan acertou quando disse que poderia justificar sua fortuna, mas não seu primeiro milhão. A acumulação primeva é quase sempre brutal.

 

A fortuna de um poderoso empresário brasileiro, praticamente visto como aristocrata, tem origem na venda de escravos. Naturalmente, sua biografia, hoje exemplar, omite a “mancha” dos negócios do avô.

 

No filme “O Poderoso Chefão 3”, de F. Ford Coppola, o mafioso Michael Corleone tenta “limpar” seus negócios buscando alianças com empresários e banqueiros legais — inclusive financistas do Banco do Vaticano.

 

Entretanto, ao se envolver com os homens dos negócios “limpos”, Corleone descobre que seus negócios são tão “limpos” quanto os das organizações criminosas ítalo-americanas. O mafioso tinha uma ideia equivocada do mundo real. O que “mata” Corleone não é apenas uma doença, mas sobretudo a percepção de que sua inteligência prática, o pragmatismo herdado do pai, rico em frases de efeito, o enganara no confronto com o mundo dos homens “normais”.

 

O filme sugere um elogio da máfia, por causa de certa glamourização. Na verdade, Coppola anuncia, no terceiro filme, a morte da máfia que tentou ser inteiramente “legal”. Devolve, por assim dizer, a máfia ao crime mais banal, à violência. A máfia de smoking não funciona — é o recado dos “mafiólogos” Mario Puzo e Coppola.

 

Numa frase até grosseira, um filósofo inglês sugeriu: “Quer pureza no mundo real? Então, não vá ao convento”. O fato é: a sociedade quer que todos os negócios sejam limpos? Talvez até queira, mas a vida real corre por linhas tortas, como notou Kant, citado pelo filósofo anglo-letão Isaiah Berlin. Uma sociedade mais “reta” precisa ser mais lenta, menos voltada para o presente consumista e mais para um futuro menos comercial. Entretanto, como notou com perspicácia o instigante Berlin, não há sociedade e homens perfeitos. A tentativa de construí-los acaba por levar não ao paraíso — os marxicidas queriam, sim, construir uma sociedade de iguais, pois eram idealistas —, ou à democracia social, e sim à ditadura.

 

Mas, sim, de vez em quando precisamos pegar um fruto podre, ou supostamente podre, e jogá-lo “fora”. Aí ficamos com a impressão de que a sociedade melhorou e, portanto, estamos “limpos”. Faz bem à eterna “impureza” do ser. 

 

Texto de  publicado na Revista BULA

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:59


#1648 - Os Livros

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.03.12

quadro de joana rego

 

 

É então isto um livro,

este, como dizer?, murmúrio,

este rosto virado para dentro de

alguma coisa escura que ainda não existe

que, se uma mão subitamente

inocente a toca,

se abre desamparadamente

como uma boca

falando coma nossa voz?

É isto um livro,

esta espécie de coração (o nosso coração)

dizendo 'eu' entre nós e nós?

 

Poema de Manuel António Pina, "como se desenha uma casa", edição Assírio & Alvim, 2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:07


#1647 - Festival para gente sentada em Santa Maria da Feira

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.03.12
Festival Para Gente Sentada a 24 e 25 de março em Santa Maria da Feira      

 

Ponto alto da cena independente de música confirma “Tindersticks” em cartaz

 

 

Como tem sido habitual, de há vários anos a esta parte, o Festival Para Gente Sentada, que em 2012 conta a sua 8ª edição, marca o roteiro nacional de festivais, sendo único no seu género.

 

Ocupando o intimismo do Cine Teatro António Lamoso em Santa Maria da Feira, o “Gente Sentada” confirma datas para 2012 a 24 e 25 de março, com os cabeças de cartaz a dar mote prometedor – Low, para a noite de 24 e Tindersticks a prometer casa cheia no dia 25.

  

Sendo uma das bandas de referência da música independente no seu característico estilo indie rock, os Low, originários do estado do Minnesota (EUA), apresentam, na sua formação original, Alan Sparhawk na voz e na guitarra e Mimi Parker na percussão e na voz, desde 2010 a banda contam com a incontornável presença de Steve Garrington na guitarra baixo. Como marcas de referência no seu caráter singular distinguem-se a combinação da delicadeza com a distorção, como nenhuma outra.

 

 

Com várias presenças e passagens marcantes por Portugal, de norte a sul do país, do Coliseu dos Recreios à Casa da Música, a banda inglesa de Nottingham promete o que de melhor este festival tem para oferecer aos seus seguidores mais fiéis – intimismo, harmonia e a autenticidade de song writers distintos. Os britânicos apresentarão no Festival Para Gente Sentada o seu mais recente álbum – “The Something Rain” – que só chegará às lojas em Portugal no final do mês de fevereiro, sendo este o 9º álbum de originais da banda, a reafirmar o caráter imperativo e incontornável da banda está o single de apresentação do álbum “Medicine”.

 

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02


#1646 - A ironia do druida

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.03.12

 

A IRONIA DO DRUIDA

 

 

Toda a noite a luz multiplicou

o instantâneo de um rosto intraduzível.

Esquiva, a tua morte não escapou

à ladainha de regra.

 

Correu uma versão torpe quando

te viram a sorrir

uma ironia de druida clandestino,

indiferentes à voragem dos bárbaros.

 

Nada de muito óbvio mas havia

qualquer coisa de refractário

no seu nomadismo.

Alguém um dia referiu

 

episódios escabrosos de antiquissima

factura.

Sempre a espessua de um canalha

haverá demisturar urze

 

com o delito oculto de algumas

quimeras. Vivia em paz quando

a desordem chegou

mas o plot mudara a personagem.

 

Poema de Eduardo Pitta

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:14


#1645 - Ausência

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.03.12

 

- e então fico liberta

dos muros     das paredes      dos entraves

e já vou desdobrada

ao azul mais distante

 

- jingone      cariacó     paquitequete

matite e cumilamba -

 

é a hora das acácias

rubras à claridade toda limpa

 

em frente aos longos ramos que me abraçam

transpirando de seiva

das altas casuarinas

 

- a mesma casa

o mar tão largo

búzios de nácar

e o tempo achado - )

 

Poema de Glória de Sant' Anna (1925-2009)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:42


#1644 - Uma mão-cheia de maravalhas

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.03.12

 

Não desespera apenas a quem não espera.

Desesperada, a esperança espera ainda.

Espera-se até ao fim do desespero.

 

 

----------------------

 

 

É guerra esta paz?

É paz esta fome?

É fome esta ânsia?

É nada isto tudo.

 

 

Poemas de Armindo Rodrigues (1904-1992)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:30


#1643 - Frases

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.03.12

 

«Todas as doutrinas são verdadeiras pelo que afirmam e falsas pelo que negam.»

 

Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716), alemão, filósofo, cientista, matemático, diplomata, bibliotecário

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01


#1642 - O Cavalo

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.03.12

 

Um cavalo parado; presa a ele uma carroça parada. Na carroça, dois corpos com uma corda ao pescoço e mãos amarradas atrás das costas. Estão mortos

 

Voltamos ao cavalo. Está parado. Aguarda qualquer coisa. Uma ordem, talvez. Mas o cavalo não percebe nada. É muito estúpido.

 

Texto de Gonçalo M. Tavares in  Short Movies

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:56


#1641 - Livros e leituras

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.03.12

 

Todos sabem como o escorpião paga ao sapo que o ajuda a atravessar o rio. Pica-o, mesmo que isso implique a morte de ambos, porque essa é a sua natureza. A história repete-se agora como farsa no mundo financeiro. A crise acabou por contaminar a economia global com os vírus que hoje ninguém consegue combater com os melhores remédios. Para acudirem à fraqueza dos bancos e os salvarem da falência, os Estados injetaram dinheiro no sistema financeiro e ficaram, eles próprios, à mercê daqueles que salvaram. François Chesnais mostra-nos como os mecanismos financeiros e bancários estiveram na origem das atuais dívidas soberanas. E avança com uma proposta: os europeus devem ir para o campo de batalha, denunciando estas como dívidas ilegítimas. O alvo é claro: os bancos desviaram-se da sua missão original e a atividade atual é um pecado sem fim. «Assim, os bancos afastaram-se da sua função indispensável de crédito aos particulares e às empresas para se dedicarem a atividades de especulação financeira nocivas e desprovidas de utilidade social.» A solução passa por voltar  a colocá-los nos eixos, afastando-os da sua atividade de grupos financeiros diversificados que vivem de operações sem ligação à criação de riqueza económica real. Para este economista francês, professor e membro do ATTAC, entre a vida dos bancos e a sobrevivência da sociedade é preciso optar por esta e não seguir aquilo que tem sido a palavra de ordem da classe política.

 

As Dívidas Ilegítimas (Temas e Debates, trad. Artur Lopes Cardoso) é um livro bem estruturado e defendido, onde o autor francês coloca interrogações legítimas sobre um mundo virtual que atirou a sociedade para as areias movediças.

 

Texto de Fernando Sobral, in Revista Ler, pag. 64 [Março 2012]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:16


#1640 - O vazio das não-notícias

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.03.12

 

Vivemos mum país desconhecido. Por baixo da informação tangível, dos números e das estatísticas, correm fluxos de acontecimentos inquantificáveis e que, no entanto, condicionam decisivamente a nossa vida. Quantas doenças psíquicas foram desencadeadas pela crise? Quanta energia vital se desperdiça na fabricação da imagem de um rosto jovem  necessário exigido por tal profissão? São "dados" incognoscíveis ou imateriais, não susceptíveis de se tornarem informação. São não-notícias.

 

O Público deu-nos a possibilidade, neste número, (Jornal Público, edição de 5 de Março de 2012), de fazer aparecer esse avesso do estado da nação, levantando uma ponta do véu que o recobre e o esconde. Não se tratou, pois, de informar ou de desinformar, mas de fazer pensar diferentemente no país que temos e na informação que dele dispomos.

 

Ordenámos a não-informação em três categorias: o que é impossível conhecer (por exemplo, aquele factor decisivo, singular, único do "talento", que não entra numa grelha de avaliação de competências de um aluno), mas é condição essencial para que se ordene de modo inteligente, ético e eficaz a infoemação que se conhece; o que não se conhece mas que se poderia e deveria conhecer (o número de mortes estimado por atraso na lista de espera de uma operação) para o fazer entrar numa decisão política ou outra; o que seria possível conhecer mas que se torna impossível saber porque o seu conhecimento poria radicalmente em questão o regime das nossas sociedades pós-democráticas (por exemplo, o número de políticos corruptos). As inúmeras perguntas que fizemos aos organismos competentes receberam não-respostas, confirmando a ideia de um vazio obrigatório de informação: na secção "Pobreza" os dados recolhidos não permitem um plano de combate exaustivo e eficaz à pobreza; na secção "Política" a ausência de números oficiais sobre os políticos que detêm depósitos em offshores indica que a transparência nesse domínio subverteria o nosso regime político; e assim por diante.

 

O nosso país está demasiado "cheio" (de informações, imagens, bugigangas de toda a espécie) e quanto mais se enche mais se enterra o vazio essencial a que não se dá a importância que tem. Acreditamos que a informação que, por definição, vive da positividade do dado, do pleno, que nos enche os olhos e o cérebro criando a ilusão de pensamento, pode ser tratada de outra forma. A massa de informação a que hoje temos acesso contribui para uma espécie de visão global que faz da realidade um conjunto de coisas e factos objectivos - de que decorre ao mesmo tempo a despoetização do mundo e um crescente caos afectivo. Contra isso, acreditemos nas virtudes do vazio.

 

O que fizemos - em trabalho extraordinário de equipa -  sugere a possibilidade de traçar um mapa de Portugal que mostre os trajectos duplos, de um pleno que constantemente atropela e exclui o vazio; e dos movimentos do vazio que abrem linhas de fuga, incita a pensar diferentemente, desencadeia poderosas forças de criação. Não estamos condenados ao que julgamos que nos condenaram. Só assim poderemos conceber reformas radicais que libertem as energias e mudem o país.

 

Editorial de José Gil no Jornal Público de 5 de Março de 2012

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:47


#1639 - O coala

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.03.12

 

O COALA

 

«O coala é levado às cavalitas pela mãe» e isso parece excelente também aqui nas ruas do México, em que as mães levam os filhos às cavalitas e também ne europa os meninos vão às cavalitas e também nas inundações e por vezes nos incêndios e por vezes nos terramotos, é bom sempre este dorso de cavalo que a mãe tem e que permite que os meninos subam às suas cavalitas e pensem que é uma brincadeira o que afinal é desespero.

 

Texto de Gonçalo M. Tavares in «Canções Mexicanas»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11


#1638 - O quarto

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.03.12

 

O QUARTO

 

 

Quem te pôs a mão no ombro,

a faca que te atravessou o coração,

são feridas alheias, talvez algo que leste;

entretanto partiste

 

para lugares menos iluminados

e corações menos vulneráveis,

pode perguntar-se é o que fazes ainda aqui

se já cá não estás.

 

A hora havia de chegar em que

nos perderíamos um do outro.

E acabaríamos necessariamente assim,

mortos inventariando mortos.

 

Morrer, porém, não é fácil,

ficam sombras nem sequer as nossas,

e a nossa voz fala-nos

numa língua estrangeira.

 

Apaga a luz e vira-te para o outro lado

e acorda amanhã como novo,

barba impecavelmente feita,

o dia um sonho sólido onde a noite se limpa e se deita.

 

Poema de Manuel António Pina in «Como se desenha uma casa»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:57


#1637 - Livros e Leituras

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.03.12

 

Rostos na Multidão é o primeiro romance da mexicana Valeria Luiselli editado em Portugal em 2012 pela Bertrand.

 

«Rostos na Multidão é uma história onde se encontram duas vozes: a da jovem editora, uma espécie de Emily Dickinson do século XXI, e a de Owen, um obscuro poeta mexicano que viveu em Harlem nos anos vinte. À medida que ela conta o seu intenso passado como editora em Nova Iorque, altura em que tentou desesperadamente convencer o diretor a publicar a obra de Owen, entretanto feito fantasma que a assombrava no metro, vai deixando transparecer a lenta mas inevitável desintegração da sua família no presente. Até que a sua história se desdobra na do próprio Owen, o poeta em tempos amigo de García Lorca e que termina os seus dias febrilmente num apartamento em Filadélfia. Um romance intimista, vertiginoso e original, onde a vida e o destino dos dois protagonistas se cruzam de forma inesperada e vão convergindo até um final surpreendente e inesquecível.»

 

 

 

«O assassinato de duas prostitutas, no Rio de Janeiro, que, de início, parece obra de um maníaco sexual, abre uma caixa de Pandora de onde vão brotando, no decorrer de uma ação trepidante, as complexas ramificações de um tenebroso sindicato do crime. A história passa-se em boîtes e bares sórdidos, em sumptuosas mansões do Rio, em vilarejos da fronteira entre a Bolívia e o Brasil, onde reinam a cocaína e o crime, bem como na interminável viagem de um comboio que percorre metade do Brasil com couchettes que rangem sob o peso de casais fazendo sexo.» Do posfácio de Mario Vargas Llosa.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:35


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas