Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

O restaurante Buhle, noPorto, está entre os cinco finalistas do concurso “Best New Restaurant”,  promovido pela revista Wallpaper, especializada em lifestyle, arte, design, arquitectura e moda.

 

O Buhle é o único representante português e está a competir com o restaurante DamUm, em Seul,  Kaá , São Paulo, Tegui, em Buenos Aires, e o Terzo Piano, Chicago.

 

 

In Jornal "i"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26


#1118 - O melhor Bar do Mundo para navegadores

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.12.09



Quer saber qual o melhor bar do mundo para navegadores? Pois bem, o Peter - Café Sport, na Horta, Faial, foi o eleito, numa competição que pretende criar uma rede de pontos de referência para os marinheiros nas suas viagens pelo mundo, refere a Lusa.

Nesta primeira edição, o «Peter» - como é vulgarmente conhecido - conquistou o primeiro lugar, deixando em segundo o Royal Hong Kong Yacht Club, enquanto a terceira posição foi conquistada pelo IYAC, em Newport, EUA.

 

In Jornal "i"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:19


#1117 - A entrevista de Paul Auster ao jornal "El Mundo"

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.12.09

'Todo escritor debe dudar de las palabras', dice Paul Auster

El escritor estadounidense Paul Auster, en León. | José Manuel Gutiérrez
  • El autor de 'Invisible' viaja a León a recoger el Premio Leteo
  • Anuncia que en 2010 publicará su nueva obra, 'Sunset Park'

Con sus ojos del tamaño de bolas de billar, parece que Paul Auster va a devorar todo cuanto ve para plasmarlo en un libro. Ayer estos ojos vislumbraron León, donde recogió el Premio Leteo, que no tiene dotación económica y que en anteriores ediciones han recibido Fernando Arrabal (2005), Michel Houellebecq (2005), Amélie Nothomb (2007) o Adonis (2008). Anunció que el próximo otoño publicará una nueva novela (Sunset Park, ambientada, cómo no, en Brooklyn) y habló largo y tendido de las palabras y sus paradojas.

- Dicen los jóvenes del Club Leteo que el premio es un reconocimiento "por parte de escritores que inician su carrera hacia autores que, a su entender, han contribuido de manera más decisiva a la renovación literaria de nuestro tiempo".

- No soy un modelo para nadie. Todo aquel que mire mi vida y las cosas que he hecho debería tomas nota para hacer justo lo contrario. Por otra parte, con los premios me pasa algo extraño. A mí me resulta más interesante estar con los jóvenes autores que se sienten alentados por mi obra que el propio hecho de recoger el galardón.

� Hace un par de años, cuando vino a León a recoger este mismo premio, Martis Amis dijo que sólo leía a escritores muertos. ¿Y usted?

- Martin, que es buen amigo mío, estaría bromeando. Por supuesto que lee a autores vivos, igual que yo. Hay muchos escritores geniales actualmente: Don DeLillo, Coetzee, mi esposa Siri Hustvedt� Y también me gustan autores españoles, como Javier Marías o Vila-Matas. Lo que sí sucede es que a medida que un escritor se hace viejo le interesa menos lo que está pasando. Cuando eres joven lees de todo y de forma voraz. Tan pronto como encuentras tu propio camino, lo que digan los demás no tiene ningún efecto en uno.

- Y, después de pelear por encontrar una voz propia, ¿no acaba uno volviéndose un esclavo de ella?

- Yo estoy buscándola todo el tiempo. No tengo un único método de trabajo y en cada libro me siento como un principiante. Lo que haya hecho en el pasado no me sirve en el presente. Tampoco leo lo que se escribe de mí. No es arrogancia, sino protección.

- Pero sí que será consciente de su aureola de rockstar.

- No mucho, a decir verdad. Mi compatriota, el escritor John Ashbery dijo una cosa estupenda sobre esto: «Ser un poeta famoso no es lo mismo que ser famoso». Comparado con las celebrities soy un enano que camina entre las sombras.

- ¿Cuál es la clave para escribir sobre el propio hecho de escribir?

- No tengo respuesta. Si la tuviera, escribiría un libro sobre cómo escribir el acto de escribir (Risas).

 

- Se puede usar el lenguaje para distorsionar la realidad, como vemos en la propaganda política y en la publicidad. La gente usa las palabras como un arma. Pero también hay quien usa el lenguaje para intentar expresar algún tipo de verdad sobre el mundo. Pero es difícil, porque las palabras nos dan el mundo, pero al mismo tiempo nos sacan de él. Un escritor se puede esforzar todo lo que quiera, pero nunca triunfará. A ver, todo escritor debe dudar de las palabras y mantener una relación defensiva respecto a ellas, porque no las posee. Tienes que usarlas de una forma que te sacudan. Si te vuelves complaciente con tu lenguaje pierdes interés.

- Hablando de manipulación y política, usted, que tomó partido de forma activa por Obama, ¿cómo lo ve ahora?

- Ha sido un año muy difícil en EEUU en muchos aspectos. Pero lo que más me ha escandalizado ha sido la hostilidad de los republicanos y de la derecha en general contra Obama. Le odian y quieren que caiga. No he visto una atmósfera tan desagradable en el país desde hacía mucho tiempo y, francamente, no me esperaba estos ataques tan miserables. Creo que su decisión de enviar más tropas a Afganistán es errónea, pero también que su reforma sanitaria, aún siendo mucho más floja de lo que necesitábamos, es esperada desde hace 100 años. ¿Qué sucede? Que el gobierno no funciona. Está paralizado por los filibusteros, que bloquean las votaciones con sesiones interminables en el Senado.

- ¿Cómo ve el futuro de la literatura con el libro electrónico?

- Puede animar a la lectura. Ahora bien, el problema es cómo regular el negocio y la piratería. Los jóvenes piensan que todo debería ser gratis, y no es así. Hay que educar para que entiendan que las obras están hechas con muchos sacrificios y que tienen que ser pagadas. Después, veremos si la gente prefiere el e-book al papel, cosa que no creo. Mi hija tiene 22 años y no está interesada en leer en una pantalla.

- ¿Y cómo es su relación con la tecnología?

- No tengo ni ordenador ni móvil. Me mantengo sin mácula.


 

Entrevista publicada no Jornal "El Mundo" e conduzida por Darío Prieto


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08



Javier Cercas

Autor de 'Anatomía de un instante', libro del año para Babelia

Babelia publica este fin de semana un especial con los mejores libros de 2009, según 50 reputados críticos. Para el suplemento cultural de EL PAÍS,

el libro del año ha sido Anatomía de un instante

, la obra de Javier Cercas que analiza el fallido golpe de Estado del 23 de febrero de 1981. El autor charlará con los lectores sobre su libro.


Consulta el especial de Babelia con los mejores libros de 2009


Lee aquí el primer capítulo del libro

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58


#1115 - Poemas Sem Suporte

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.12.09

ELEGIA

Minha presença de setim,

Toda bordada a côr de rosa,

Que fôste sempre um adeus em mim

Por uma tarde silenciosa...

 

Ó dedos longos que toquei,

Mas se os toquei, desapareceram...

Ó minhas bôcas que esperei,

E nunca mais se me entenderam...

 

Meus Boulevards d'Europa e beijos

Onde fui só um espectador...

- Que sôno lasso, o meu amor;

- Que poeira d'ouro, os meus desejos...

 

Ha maos pendidas de amuradas

No meu anseio a divagar...

Em mim findou todo o luar

Da lua dum conto de fadas...

 

Eu fui alguém que se enganou

E achou mais belo  ter errado...

Mantenho o trôno mascarado

Aonde me sagrei Pierrot.

 

Minhas tristezas de cristal,

Meus débeis arrependimentos

São hoje os velhos paramentos

Duma pesada Catedral.

 

Pobres enleios de carmim

Que reservara pra algum dia...

A sombra loira, fugidia,

Jámais se abeirará de mim...

 

- Ó minhas cartas nunca escritas,

E os meus retratos que rasguei...

As orações que não rezei...

Madeixas falsas, flôres e fitas...

 

O "petit-bleu" que não chegou...

As horas vagas do jardim...

O anel de beijos e marfim

Que os seus dedos nunca anelou...

 

Convalescença afectuosa

Num hospital branco de paz...

A dôr magoada e duvidosa

Dum outro tempo mais lilaz...

 

Um braço que nos acalenta...

Livros de côr á cabeceira...

Minha ternura friorenta -

Ter amas pela vida inteira...

 

Ó grande Hotel universal

Dos meus frenéticos enganos,

Com aquecimento-central,

Escrocs, cocottes, tziganos...

 

Ó meus Cafés de grande vida

Com dançarinas multicolôres...

- Ai, não são mais as minhas dôres

Que a sua dança interrompida...

 

Poema de Mário de Sá-Carneiro para Santa Rita Pintor escrito em Lisboa em Março de 1915 na revista trimestral de literatura  Orpheu, ano I, n.º 2, Abril-Maio-Junho.

Editor: António Ferro

Directores: Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:40


#1114 - Estrela Distante - Roberto Bolaño

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.12.09

Em "Estrela Distante", Roberto Bolaño aplica o antigo tema do duplo ao período da ditadura militar chilena e expõe as origens da ruína moral de uma geração.

A concepção dualista da natureza humana é tão ancestral quanto as histórias de duplos. Surgida quase ao mesmo tempo em diferentes culturas (na Grécia, no Egito e na Pérsia), a oposição entre o bem e o mal teve sua primeira ocorrência literária no Gilgamesh sumério (2.600 a.C.) e foi explorada por românticos alemães e craques da narrativa de múltiplas línguas: Nathaniel Hawthorne, Edgar Allan Poe, Ambrose Bierce, Guy de Maupassant, Marcel Schwob etc. - a lista é imensa.

Ideal para refletir a crise de identidade do indivíduo na modernidade, a narrativa de sósias arrasta atrás de si a velha maldição romântica ligada à dissociação e ao mal: aquele que encontrar com seu Doppelgänger, o seu duplo, estará fadado à ruína. Aplicada ao período das ditaduras do século 20 no continente, a hipótese rendeu ao chileno Roberto Bolaño (1953-2003) o seu livro mais cristalino, Estrela Distante, novela tão curta quanto precisa que difere da fragmentação típica de seus romances mais extensos.

 

Publicado originalmente em 1996, o livro sucedeu a empreitada de viés enciclopédico e borgiano de La Literatura Nazi en América (que ainda não foi publicado no Brasil), a qual trazia epílogo que descrevia o fictício Ramírez Hoffmann. "Essa história me foi contada pelo meu companheiro Arturo B., veterano das guerras floridas e candidato a suicida na África", explica o prefácio de Bolaño para Estrela Distante, dando início ao jogo de reflexos que se estenderia por toda a sua obra posterior. "Arturo B" é Arturo Belano, alter ego de Bolaño e o anti-herói de muitos de seus textos, entre eles de Os Detetives Selvagens.

 

O protagonista de Estrela Distante, o poeta Alberto Ruiz-Tagle, é inspirado no tenente Hoffmann de La Literatura Nazi en América. Infiltrado em oficinas literárias no Chile de Salvador Allende (a história começa em 1971 ou 1972), Ruiz-Tagle seduz e assassina duas poetas gêmeas. Mais tarde, já durante a ditadura de Augusto Pinochet, o mesmo personagem ressurge com outro nome, Carlos Wieder, que, além de poeta, é torturador. Ele não é guiado por ideias morais, apenas ideias estéticas. Suas peripécias nos céus de Santiago - onde escreve versículos bíblicos com fumaça  dão-lhe status de herói no novo regime. Ele almeja a obra de arte total, um feito que não exclui a morte como ingrediente.

 

Mais pura encarnação do mal, Wieder representa a busca da outra face da geração de Roberto Bolaño (aqueles nascidos na fatídica América Latina dos anos 50). O jogo de duplos expõe as origens ocultas da ruína política e moral de toda uma geração.

 

Joca Reiners Terron é escritor, autor de Sonho Interrompido por Guilhotina, entre outros

(In "Bravo"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:49


#1113 - As crónicas de Mário Crespo

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.12.09
Primeiro o PS depois o PR

Primeiro o PS depois o PR

Portugal tem tido muita gente esquisita a governá-lo mas, com Cavaco Silva e José Sócrates, atingimos um elevado grau de desconforto. O semipresidencialismo destes dois homens produziu um regime híbrido que não executa nem deixa executar. Semi-governante e semi-presidente ao fim de quatro anos de semi-vida institucional aparecem embrulhados numa luta por afirmação confusa e desagradável de seguir. O embaraço público que foram os cumprimentos de Natal adensou a sensação de incómodo. O regime poderia funcionar se os actores se quisessem complementar. Mas estes actores, por formação e deformação, não têm valências associáveis. O voluntarismo de que os dois vão dando testemunho não chega para disfarçar as suas limitações. Com eles a circular a alta velocidade nos topos de gama à prova de bala e nos jactos executivos do Estado, o futuro de Portugal fica hipotecado ao patético despique da escolha de impropérios numa inconsequente zaragata de raquíticos. Até que alguém de fora venha pôr ordem na casa. A menos que venha alguém de dentro. Semi-governante e semi-presidente tornaram-se descartáveis e, dada a urgência, é preciso começar pelo Partido Socialista. A crise no PS com a ausência de resultados desta direcção é muito mais séria para Portugal do que o tumulto no PSD. Porque o PS governa e o PSD não. O PSD morreu. Ressuscitará ao terceiro dia para um mundo diferente. Um mundo em que homens casam com homens e mulheres com mulheres e onde se morre, ou se mata, por uma questão de vontade, requerimento ou decreto. Um mundo cheio de coisas difíceis de descrever. Coisas que precisam de muitas palavras para serem narradas e, mesmo assim, não fazem sentido. Como por exemplo a "activista-transexual-espanhola" que é alguém que frequenta o Parlamento de Portugal pela mão deste PS segundo José Sócrates. Um PSD ressuscitado vai ter que incorporar estas invenções na matriz de costumes de Sá Carneiro, inovadora à época, monástica hoje, ainda que, provavelmente, adequada para o futuro. Até lá é aos Socialistas a quem compete definir alguém para governar. Alguém que quando falar de educação não nos faça recordar a Independente. Alguém que quando discutir grandes investimentos não nos faça associar tudo ao Freeport. Alguém que definitivamente não seja relacionável com nada que tenha faces ocultas e que quando se falar de Parlamento não tenha nada a ver com as misteriosas ambiguidades de Carla Antonelli "a activista transexual espanhola" que, com Sócrates, agora deambula pelos Passos Perdidos em busca do seu "direito à felicidade". O governo não pode estar entregue a um PS imprevisível e imprevidente, menor em qualidades executivas e em ética, capturado nos seus aparelhos por operadores desalmados e oportunistas. Recuperar a majestade das construções ideológicas e políticas de Salgado Zenha, Sottomayor Cardia e Mário Soares é fundamental nesta fase da vida, ou da morte, do país. No Partido Socialista há gente seguramente preparada governar e começar a recuperar o clima de confiança e respeito pelos executivos nacionais que Sócrates e Cavaco arruinaram. Substituir Sócrates é já um dever. Na hierarquia de urgências o problema Cavaco Silva vem depois mas, também aqui, Portugal tem que ter na Presidência alguém que não possa ser nem vagamente relacionável com nada onde subsistam incógnitas. E há muitas incógnitas no BPN. Mas cada coisa a seu tempo. Primeiro o PS, depois o PR. [In JN]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22


#1112 - Prémio Clube Literário do Porto

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.12.09



José Rodrigues dos Santos é o vencedor da edição de 2009 do Prémio Clube Literário do Porto 2009. O prémio, no valor de 25.000 € , visa galardoar o autor que mais criatividade teve no  domínio da ficção no ano em que é atribuído.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:10


#1111 - Jan Garbarek

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.12.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:21


#1110 - Max Richter

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.12.09

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:07


#1109 - Kings of Convenience - the build up

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.12.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:47


#1108 - Oração

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.12.09



Tenho,

Perante Deus,

O direito

De ter

Um cão.


Poema de Raul de  Carvalho (1920-1984)  escrito em 6 de Janeiro de 1984.

Este poema foi retirado de "Poemas Portugueses, Antologia da Poesia Portuguesa do Séc XIII ao Séc, XXI" edição Porto Editora, Dezembro de 2009

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:11

Um padre anglicano aconselhou os fiéis a roubar em lojas caso estejam a passar necessidades.

O padre britânico Tim Jones disse no seu sermão de domingo que as pessoas deviam roubar em grandes cadeias de lojas e não em pequenos estabelecimentos.

Para ele, a sociedade “deixa algumas pessoas sem outra opção a não ser o crime.”


"Eu não faço esta recomendação porque acho que furtar é uma coisa boa, ou porque acho que não faz mal, pois faz”, explicou, acrescentando que deixar as pessoas sem trabalho e com um apoio social inadequado “é uma insensatez monumental, catastrófica.”


Entretanto, o Arquidiácono de York esclareceu a situação: "A Igreja da Inglaterra (anglicana) não recomenda que ninguém furte”, acusando o padre Tim Jones de irresponsabilidade.


Mais tarde, em entrevista à rádio da BBC em York, Jones afirmou que sua intenção não era encorajar as pessoas ao furto, mas a “doar mais para a caridade para impedir que os necessitados fiquem desesperados.”


"Se uma pessoa esgotou todas as oportunidades dentro da lei para obter dinheiro e ainda está numa situação desesperada, a melhor coisa a fazer será tirar o que precisar e só pelo tempo que precisar", concluiu.


[In Jornal 'i']

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:06


#1106 - A. M. Pires Cabral ganha prémio Luís Miguel Nava

por Carlos Pereira \foleirices, em 22.12.09

 

O Prémio de Poesia Luís Miguel Nava 2009, agora bienal e referente aos livros de poesia publicados em 2007 e 2008, foi atribuído ao livro As Têmporas da Cinza, de A. M. Pires Cabral, publicado pelas Edições Cotovia.


O galardão, no valor de cinco mil euros, foi dado por decisão unânime do júri constituído, por quatro membros da direcção da Fundação Luís Miguel Nava (Carlos Mendes de Sousa, Fernando Pinto do Amaral, Gastão Cruz e Luís Quintais), e pelo poeta e crítico António Carlos Cortez.

Segundo um comunicado da fundação, "a limpidez e a precisão da escrita de A. M. Pires Cabral, a sua penetrante e austera visão dum mundo cuja expressão encontra numa espécie de imitação da terra o modelo para uma linguagem poética de invulgar intensidade, fazem deste autor um dos casos mais representativos da nossa melhor poesia contemporânea".

Pires Cabral, 68 anos, já escreveu poesia, teatro, romance, conto, ensaio e crítica.

Nas edições anteriores, o Prémio de Poesia Luís Miguel Nava foi atrtibuído aos poetas Sophia de Mello Breyner Andresen, Fernando Echevarría, António Franco Alexandre, Armando Silva Carvalho, Manuel Gusmão, Fernando Guimarães, Manuel António Pina, Luís Quintais, António Ramos Rosa e Pedro Tamen.

Luís Miguel Nava (1957-1995) foi um poeta e ensaísta português, que se radicou em Bruxelas, onde foi assassinado.

In "Jornal Público"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43


O filme "Singularidades de uma rapariga loura", do realizador português Manoel de Oliveira, foi eleito um dos melhores de 2009 pela revista de cinema francesa "Cahiers du Cinema". [In Público on-line]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:27


#1104 - Steve Kuhn

por Carlos Pereira \foleirices, em 21.12.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:06


#1103 - Ian McEwan publica novo romance em Março

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.12.09



O escritor britânico Ian McEwan publica em Março o próximo romance, Solar, que se anuncia já polémico por ser politicamente incorrecto. O protagonista é um físico e prémio Nobel chamado Michael Beard, que ajudou a combater as alterações climáticas inventando a forma de gerar energia de um processo artificial de fotossíntese, segundo o vespertino Evening Standard.

 

Um dia, numa conferência, o cientista afirma que a razão pela qual há um desequilíbrio no mundo da ciência entre homens e mulheres é devido às diferenças inatas entre os cérebros de um e outro sexo.

 

O último número da revista New Yorker publicou, na edição electrónica, um extracto de Solar, que conta como, na juventude, Beard seduziu uma bela estudante de literatura investigando o seu tema favorito, Milton, com facilidade, por estar habituado às exigências intelectuais da física teórica.

De acordo com o Evening Standard, McEwan tem sido alvo de ataques na Internetàs suas obras, sobretudo ao romance Sábado, facto que um comentador atribui em parte a ressentimentos de classe e divergências políticas.[In DN]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:18


#1102 - Prémio Branquinho da Fonseca

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.12.09

Mariana Roquette Teixeira foi a vencedora do prémio Branquinho da Fonseca Expresso/Gulbenkian 2009. A autora levou a melhor sobre 36 outros concorrentes na modalidade infantil, com a obra O Pintor Desconhecido. A jovem escritora vai agora receber cinco mil euros e verá o livro publicado em 2010 pela editora Livros Horizonte. A cerimónia de entrega está marcada para as 18.30, na Sala 1 da Fundação Gulbenkian. O júri, composto por Ana Maria Magalhães, Inês Pedrosa, José António Gomes, Maria Manuela Goucha Soares e Maria Helena Melim Borges, deliberou não atribuir prémio na modalidade juvenil, "por considerar que nenhum dos 21 originais apresentadores se enquadrava nos objectivos com que o prémio foi instituído", pode ler-se em comunicado Os mesmos passam por "incentivar a escrita de um texto de ficção dirigido a adolescentes ou pré-adolescentes". [In DN]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:14


#1101 - "Vejo um País triste e de tédio”

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.12.09

Rentes de Carvalho, escritor português que é best-seller na Holanda, publicou este ano em português ‘Com os Holandeses’ e ‘Ernestina'.



Correio da Manhã - José Saramago escreveu, em Maio de 1968, uma crítica na ‘Seara Nova’ a propósito do romance ‘Montedor’ em que falava de “uma escrita que decide sugerir e propor em vez de explicar e impor...?. Concorda?

Rentes de Carvalho - Concordaria sempre. Era uma crítica séria porque o Saramago não era o de agora, era um crítico respeitado e uma crítica dele era excelente.

- Como descreve a sua escrita?

- É simples. A dificuldade é saber o que se quer dizer e acumular as palavras necessárias. Por trás da simplicidade está um trabalho forte.

- Trás-os-Montes está muito presente na sua escrita. Quais são as recordações que guarda desse Trás-os-Montes dos anos 30/40?

- Portugal era diferente. Lembro-me do medo. Foram tempos terríveis, de fome, pobreza e humilhação. Quando escrevi o meu segundo romance, muitos jovens lá da aldeia leram e foram interrogar os pais e os avós se tinha sido assim mas a resposta foi sempre: “Não se fala sobre isso”. O medo continua entranhado nas pessoas, é o medo dos pobres, dos que não têm defesa nem direitos.

- Porque é que apesar de ter passado tantos anos na Holanda, Trás-os-Montes continuou sempre tão presente na sua escrita?

- Escrevi também sobre temas holandeses mas achei que não era tão capaz de o fazer como o faço em relação à minha gente. Conheço melhor os holandeses do que a sociedade portuguesa mas a minha afinidade é maior com o nosso povo. Se olhar para a minha vida, fui para Paris, onde vivi quatro anos, e encontrei uma sociedade diferente - com mais conforto, dinheiro e liberdade. Depois fui para a Holanda, onde vivo, mas o que guardo como os anos mais importantes foram os meus 20 anos que passei em Portugal. Estive 14 anos sem poder regressar mas quando voltei, em 1964, encontrei tudo como tinha deixado. No regresso à Holanda, cheguei ao aeroporto e ouvi-me a dizer: cheguei a casa e, esse sentimento de chegar a casa, nunca tenho quando venho cá. Quando chego a Portugal sou a pessoa de antigamente, aquele que ficou cá. O meu primeiro romance fala do que me teria acontecido se tivesse ficado e é nesse livro que sinto que fugi ao destino. O holandês é a língua com que escrevo no diário, com que falo no quotidiano, é a língua do amor e da família, o inglês e o francês são as minhas línguas de leitura e o português é a língua em que eu escrevo – é como se tivesse um quarto em que ninguém entra, ali mando eu. É o meu tesouro.

- Escreve ficção ou memórias?

- Os dois. Tenho contos que as pessoas perguntam se aconteceu mesmo e não posso dizer que é ficção porque não acreditam.

- Como é que um escritor opta pela fusão das duas?

- Tem um filtro. Faz uma valiação entre o que é bom e o que não é. O segredo é não deixar que o leitor perceba o que é o quê.

- Vendo de fora, o que há a dizer sobre Portugal?

- Vejo um País triste, de tédio e do almoço. O acontecimento mais notável para o português é o almoço. A pessoa levanta-se, trabalha um bocadinho e depois vai almoçar e, estende o almoço como se fosse um fim em si.

- Foi obrigado a sair de Portugal por razões políticas. O que aconteceu?

- Eu estava na faculdade de Direito e fiz umas perguntas sobre os sindicatos e um dos professores não gostou. Um dia o meu pai foi abordado pela PIDE: “O rapaz que tenha cuidado porque arrica-se a ir para a cadeia”. Na altura, ou saía de Portugal ou era preso, o que não me deixou escolha.

- Já alguma vez pensou como seria se não tivesse ido embora?

- Era um escriturário de segunda na Câmara de Mogadouro ou tinha aprendido a arte de sapateiro. No livro ‘Montedor’, mostro isso mesmo: o que me teria acontecido e a tantos outros como eu.

- Que razões encontra para vender cerca de 120 mil exemplares de um livro na Holanda e não ter o mesmo sucesso em Portugal, sendo ele tantas vezes mencionado nas obras? 

- Os holandeses acham-me simpático e eu ganhei uma certa reputação quando comecei a escrever nos jornais em holandês. Escrevi ‘Com os Holandeses’, de 1972, que vai agora na 13ª edição e continua a vender. Eu sou bom na escrita, sou diferente. Um escritor holandês tem um número de temas sobre os quais escreve – sexo, amor, família e, depois aparece um sujeito a contar histórias de Trás-os-Montes, que acham exótico e bonito. Em Portugal, talvez não seja tão conhecido porque é preciso ter os amigos certos, dizer que determinados livros são bons, entre outras coisas e, eu nunca entrei nesse jogo. Neste sentido a pátria é madrasta.

- Olhando para Portugal e para a Holanda, que características se podem apontar como o que de melhor há nos dois países?

- Na Holanda, há sentido de organização, pontualidade, não há quase corrupção no aparelho do governo e há responsabilidade social, enquanto em Portugal apenas falamos de uma roubalheira nacional. Mas temos também um sentido de carinho que falta na Holanda porque as pessoas são mais frias dentro do núcleo familiar.

- Quantos livros vendeu na Holanda e em Portugal?

- Na Holanda deve rondar o meio milhão de exemplares enquanto em Portugal falamos de cerca de três mil exemplares.

- O facto de o mesmo livro ter um número de vendas tão diferente pode apontar para diferenças nos leitores dos dois países? Quais?

- Na Holanda existe uma tradição de leitura, uma pessoa para contar na sociedade tem de ler e ter em casa uma estante com vários livros.

- Voltaria a viver apenas em Portugal?

- Vivo cá. Passo metade do ano em Trás-os-Montes e metade em Amesterdão. A casa que o meu avô construiu sozinho estava em ruína e nós mandámos reconstruir. Sentimos obrigação de a habitar por respeito ao homem que foi. É a ternura que me traz aqui.  

- Nos anos em que não veio a Portugal sentiu saudades do que, além da família e dos amigos?

- De não participar. Os meus pais iam ver-me à fronteira espanhola mas eu não podia passá-la, via Portugal do outro lado, é inesquecível. Mesmo hoje, sem fronteiras, passo por ali e custa-me.

- ‘Europa Rica, Europa Pobre’, fala exactamente sobre a perspectiva de não existirem fronteiras físicas mas que para alguns permanecem lá. Qual é a ideia?

- O pobre português pode ver a Europa rica mas não pode ir para lá, enquanto povos, como o Holandês, podem andar por toda a parte. Não consigo esquecer a história dos humildes e humilhados que conheci na infância. Nós não eramos pobres mas todos à nossa volta eram, ao ponto de só terem um bocado de pão e de uma cebola para comer. A vida neste País era muito dura. Houve um ano em que fugiram quase um milhão de portugueses para irem a pé até França mas quando chegaram à fronteira da Espanha com a França, ao rio Bidasoa – que tem uma corrente terrível – atravessavam o rio a pensar que podiam nadar e morreram milhares de pessoas de quem ninguém fala. Pensavam que a fortuna estava do outro lado e deitavam-se ao rio na esperança de uma vida melhor. Quando passo por lá fico sempre emocionado.

- Voltando aos livros. Há algum que destaque em particular?  

- ‘Com os Holandeses’ porque teve uma origem curiosa. Estava com um amigo holandês, que é editor, e comecei a falar mal dos holandeses – chatos, forretas, insensíveis – e ele propôs-me que escrevesse isso. Uns dias depois chegou uma carta da editora com um chegue no valor dos primeiros direitos de autor, e escrevi. Sabia que os holandeses iam aceitar, eles encaram as críticas como construtivas. Este livro tem me trazido amizades porque eles reconhecem que são mesmo assim.

- Sente algum tipo de mágoa por ser tão reconhecido na Holanda e não em Portugal, onde pertence e que tantas vezes menciona nos livros?

- Não porque as pessoas não são obrigadas a ler mas dói-me o desleixo e egoísmo que há em Portugal. As pessoa vivem em torno do pai, da mãe e dos filhos e não se preocupam com o resto do país. Vivo num país onde há alguma frieza no núcleo familiar mas o País interessa porque é de todos. Portugal é um país de poucos ricos e muitos pobres, e esta parte do País magoa-me muito.

- Qual era o seu sonho de criança?

- Ser advogado porque queria defender os pobres mas descobri que o que podia fazer para ‘gritar’ era o jornalismo. Era a denúncia.

PERCURSO ERRANTE DO ESCRITOR

Apesar dos anos na Holanda, Portugal continuou sempre presente na sua escrita. Rentes de Carvalho escreveu sobre temas do país de adopção, na obra ‘Com os Holandeses’, mas não se sente tão capaz de o fazer como o faz em relação à sua "gente", caso de ‘Ernestina’.

Viveu quatro anos em Paris, onde encontrou uma sociedade diferente: "Havia mais liberdade, conforto e dinheiro." Depois descobriu a Holanda, onde vive até hoje, mas o que guarda como os anos mais importantes da sua vida são os 20 que passou em Portugal. "Quando chego sou a pessoa de antigamente, aquele que ficou cá", garantiu ao CM.

Homem de várias línguas, Rentes de Carvalho usa a língua holandesa no quotidiano como idioma do amor e da família, tal como o inglês e o francês para a leitura, mas é o português o idioma eleito para escrever: "É o meu tesouro. É como se tivesse um quarto onde ninguém entra. Ali mando eu."

PERFIL

De ascendência transmontana, nasceu em Vila Nova de Gaia em 1930, onde viveu até 1945. Em 1956 passou a viver em Amesterdão, na Holanda. Desde 1988, dedica-se principalmente à escrita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:08


#1100 - Antologia da Poesia Portuguesa apresentada hoje

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.12.09

Poemas Portugueses – Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI  é apresentada hoje, às 19h, na Fundação Medeiros e Almeida, em Lisboa. Oitocentos anos de poesia, 267 autores e mais de dois mil textos, com prefácio de Vasco Graça Moura. Coordenação e organização Jorge Reis-Sá e Rui Lage:
 

«Esta é a primeira antologia panorâmica que abarca a poesia portuguesa desde os seus alvores, na transição do século XII para o século XIII, cerca de seis décadas após o nascimento do Reino de Portugal, até ao presente, entendendo-se por presente o ano de 2008, data dos poemas mais recentes aqui recolhidos. Em consequência desta novidade, surge uma outra: a de ser esta a primeira vez que todo o arco temporal do século XX é objecto de um projecto antológico não exclusivo, isto é, nem temático, nem tendencioso. Por outras palavras, esta antologia, passe a redundância, começa no começo, e termina na actualidade. [...] Nestas mais de 2000 páginas coexistem, diacronicamente, mais de 800 anos de poesia, desde a "Cantiga de Garvaia" de Paio Soares de Taveirós, datável do primeiro decénio do século XIII, até Outubro de 2008, data do mais recente poema aqui incluído, "Rasto", de Luís Quintais.»

 

In Revista LER

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:51


#1099 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.12.09


De novo o IEFP

A notícia vem no "Público" e põe questões que só o são num país onde os poderes públicos parecem ter batido no fundo no que toca a degradação moral: pode um serviço público prosseguir interesses diferentes do interesse público?

 E: é ou não do interesse público o cumprimento isento e imparcial da lei pelas instituições do Estado? Para o IEFP ou, pelo menos, para uma directora da sua Delegação Norte, a resposta à primeira questão é "sim" e a resposta à segunda é "não". Compreende-se assim que o IEFP tenha afastado compulsivamente um jurista das suas funções por ele "(olhar) para a lei com isenção e imparcialidade" quando deveria fazê-lo "a favor do IEFP, numa óbvia perspectiva de parcialidade e pouca isenção". A senhora directora bem o alertou contra os inconvenientes de um funcionário público agir com isenção e imparcialidade: "Tudo o que fizer ao contrário deste princípio (o da "parcialidade e pouca isenção") prejudica a sua carreira". O funcionário insistiu em ser "isento e imparcial" e a carreira foi-se-lhe. Em contrapartida, a da directora "parcial e pouco isenta" vai de vento em popa.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


#1098 - Kevin Meredith

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.12.09

Photographer: Kevin Meredith

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40


#1097 - LANGSTON HUGHES

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.12.09



Quando se adia um sonho

Harlem [2]


 

O que acontece quando se adia um sonho?

Será que ele seca

Como uva-passa?

Será que inflama como ferida -

E depois apodrece?

Será que fede como carniça?

Ou cristaliza -

Como a calda do doce

Talvez só se acomode

Como carga pesada.

Ou será que explode


Poema de Langston Hughes

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29


#1096 - Banca sobreviveu graças ao tráfico de droga, acusa ONU

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.12.09

Roberto Saviano, quando esteve em Santa Maria da Feira em de Setembro deste ano, denunciou, com toda a clareza, o papel do tráfico da droga no sistema financeiro mundial.


Perto de 240 mil milhões de euros em dinheiro sujo evitou um colapso ainda maior, diz responsável da ONU pelo combate ao crime

 

O máximo responsável da ONU pelo combate ao crime e ao tráfico de droga, o italiano Antonio Maria Costa, acusou o sistema financeiro de ter recebido dinheiro sujo como forma de resolver os problemas de liquidez que enfrentava. "Os empréstimos interbancários foram financiados por dinheiro vindo do tráfico de droga e outras actividades ilegais", acusou ontem em declarações ao "Observer". Ao todo, calcula em 352 mil milhões de dólares (240 mil milhões de euros) o capital ilícito que terá entrado no sistema financeiro durante a crise.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:04


#1095 - Quem semeia ventos colhe tempestades

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.12.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59


#1094 - O Palhaço

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.12.09
O palhaço

O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Puerto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco. E diz que não fez nada. O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem.

 

O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas. O palhaço é absoluto. O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços. O palhaço coloca notícias nos jornais. O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço. O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa. O palhaço não tem vergonha. O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos. O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas. O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também. O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem. O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre. E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro. A fazerem figura de palhaços pobres. O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada.

 

Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver.

O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer. Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar.

 

E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha. O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político. Este é o país do palhaço. Nós é que estamos a mais. E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar. A escolha é simples. [In JN]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:49

Tarragona explora desde esta semana las posibilidades del libro electrónico en la Red. El portal gestionado por la Diputación de la provincia ha impulsado una biblioteca digital gratuita (www.tinetbiblioteca.org) en la que los internautas disponen de 241 obras literarias. Los textos pueden descargarse para ser leídos en libros electrónicos sin aportar un céntimo. "Es una iniciativa pionera para medir el alcance del fenómeno dele-book y su evolución en el territorio", señala un portavoz de Tinet, portal orientado a los ciudadanos de las comarcas de Tarragona.

 

In 'El País'

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:45


#1092 - The Walkabouts

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.12.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:19


#1091 - O Original de Laura - Vladimir Nabokov

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.12.09

"O Original de Laura", escrito no fim da vida por Vladimir Nabokov, é pouco mais que um rascunho. Mas a história do manuscrito - que envolve morte, dinheiro e até fantasmas - é tipicamente nabokoviana

 

.

Exilado com a família, filho de um pintor russo de "óleos inconsoláveis", Adam Lind era um fotógrafo homossexual de sucesso em Nova York, casado com uma bailarina que colecionava amantes polacos em sindicatos de transportes. Com "pendor para a trucagem", Lind registrou o próprio suicídio a bala, em fotos tiradas de diferentes ângulos num hotel, depois que o homem por quem se apaixonara havia estrangulado outro. "Essas fotografias automáticas de seus últimos momentos e das patas de leão de uma mesa não saíram muito bem; mas sua viúva vendeu-as com facilidade pelo preço de um apartamento em Paris para a revista local Pitch especializada em futebol e fait divers diabólicos", escreve Vladimir Nabokov em O Original de Laura, o manuscrito incompleto do escritor russo revelado ao mundo com estardalhaço no mês passado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:47


#1090 - Frases

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.12.09

Alberto João Jardim: "Não tenho a idade do menino Jesus para fazer acordos secretos"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:34


#1089 - Ateneu do Porto revela códices medievais

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.12.09



Até ao próximo dia 20, o Ateneu Comercial do Porto recebe uma mostra de tesouros bibliográficos medievais. Inaugura hoje às 18.30

Está patente a partir de hoje, no Salão Nobre do Ateneu Comercial do Porto, a exposição Códices Medievais e Cartografia Portuguesa, que inclui reproduções de alguns dos mais preciosos códices medievais e de exemplares únicos de cartografia.

"Estão aqui três das mais importantes obras da cartografia portuguesa: o Atlas Universal, de Diogo Homem (cujo original está na Biblioteca Nacional da Rússia), o Atlas Miller (original na Biblioteca Nacional de França) e o Atlas Vallar, cujo original também está fora de Portugal", disse Manuel Moleiro, um dos responsáveis desta mostra, que estará patente no Ateneu Comercial do Porto até ao dia 20.

A exposição, integrada na comemoração do 140.º aniversário da Biblioteca do Ateneu, inclui um exemplar da primeira edição de Os Lusíadas, que faz parte do espólio bibliográfico do Ateneu e foi recentemente restaurado pela Fundação Ricardo Espírito Santo.

A mostra integra ainda reproduções de obras como o Livro de Horas de Joana I de Castela (séc. XVI), o Tacuinum Sanitatis (um livro com conselhos para a saúde escrito em Bagdad por volta de 1036 e iluminado na Alemanha no século XV), o Livro da Felicidade, pintado em Istambul para o sultão Murad III, e ainda As Grandes Horas de Ana Bretanha, um livro de horas que é também um tratado de botânica, cujo original está na Biblioteca Nacional de França.

Todavia, o principal tesouro desta mostra é a Bíblia de S. Luís, considerada como o "monumento bibliográfico mais impressionante alguma vez criado pela humanidade". O responsável por esta edição, Manuel Moleiro, disse à agência Lusa que, apesar de não ser a versão original que se encontra na mostra, está patente "uma reprodução fidelíssima, em que foram usados todos os materiais originais, inclusivamente o ouro, em cada uma das suas 4887 iluminuras". O editor acrescentou ainda: "Com três volumes e 1230 páginas com 4887 cenas da Bíblia, esta obra, pintada em Paris entre 1226 e 1234 para o rei Luís IX de França, futuro São Luís, é uma criação irrepetível e de valor inestimável."

Como já foi referido, a mostra está patente no Ateneu a partir de hoje, estando marcada a inauguração para as 18.30, hora em que realizar-se-á uma conferência subordinada ao tema "O Atlas Vallard e a Cartografia Portuguesa de Quinhentos", pelo professor Luís Filipe Thomaz.

 

Horário da exposição:
Dia 12 das 17h00 às 23h30
Dia 13 das 15h00 às 23h30
Dias 14 a 18 das 16h00 às 22h00
Dias 19 e 20 das 15h00 às 23h30

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:26


#1088 - Realizador brasileiro roda em Santa Maria da Feira

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.12.09

O realizador brasileiro André Francioli está a rodar, até depois de amanhã, na Mata das Guimbras, junto ao castelo de Santa Maria da Feira, a curta-metragem "Hai Kai Diamante", que conta "a história algo assombrada de um rockabilly perseguido no bosque".

 

O calendário de filmagens enquadra-se na 13.ª edição do Festival de Cinema Luso-Brasileiro, a decorrer na cidade até amanhã. Baseando-se numa "tirinha de banda desenhada que apresentava um jogo de signos gráficos muito interessantes", o filme aplica à imagem real não só os símbolos da micropoesia japonesa conhecida como "hai kai" mas também a estética própria da manga, conduzindo a "um final surpreendente com desdobramento de sentidos", explicou o cineasta.

 

André Francioli reconhece que essa diversidade de estilos não será habitual no Brasil, onde "a maior parte do cinema tem hoje pouco interesse para o público e para a crítica porque há uma estandardização da forma determinada pela linguagem das telenovelas".

"Isso leva a que filmes mais interessantes do ponto de vista da linguagem fiquem muito marginalizados e não encontrem espaço no circuito comercial", explica o realizador.

"O grosso da produção média acaba, portanto, por não aprofundar a pesquisa de novas linguagens nem atingir as massas, ficando num limbo sem qualquer interesse", considera.

O cinema português também não se consegue afirmar no Brasil, porque, como refere André Francioli, "não chega ao circuito comercial e passa apenas em festivais".

In JN

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15


O poeta António de José Dias de Carvalho Neves Cabrita foi o grande vencedor do Prémio Nacional de Poesia “Natércia Freire” 2009. O galardão vai ser entregue esta sexta-feira, 11 de Dezembro, às 21h30, no Cineteatro de Benavente.

O Júri do Prémio Nacional de Poesia Natércia Freire, reunido na Biblioteca Municipal de Benavente no passado dia 17 de Novembro de 2009, decidiu por unanimidade atribuir ao galardão ao original “Bar La Fontaine”, de António de José Dias de Carvalho Neves Cabrita, um dos 147 originais concorrentes ao Prémio Nacional de Poesia Natércia Freire 2009 .

António de José Dias de Carvalho Neves Cabrita nasceu no Pragal a 16 de Janeiro de 1959. Em 1979 publicou Oblíqua Visão de um Cristal num Gomo de Laranja ou Perene o Sangue que arrebata os Anjos Vingadores. Parte considerável da sua obra poética está reunida em Arte Negra, livro publicado em 2000 pela editora Fenda. Crítico de cinema e crítico literário no Expresso, António Cabrita é também editor das edições Íman, director da revista Construções Portuárias e autor de vários contos e argumentos para cinema.


In "Livros e Leituras"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:17


#1086 - Efemérides

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.12.09

9 de Dezembro de 1905


- Separação da Igreja do Estado na França: completa liberdade de consciência;

- Morte de Richard Jebb com 64 anos;


9 de Dezembro de 1908


- Na Alemanha são regulamentados os horários de trabalho das mulheres e das crianças;


9 de Dezembro de 1909


- Nascimento de António Pedro (1909-1966);

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:16


#1085 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.12.09
O passado e o presente

O passado e o presente

Os desígnios do Senhor (diz-se) são insondáveis, mas o cardeal Javier Barragan arranjou, perscrutando S. Paulo, maneira de os sondar concluindo que transexuais e homossexuais não entrarão no Reino dos Céus. Isto porque "não se nasce homossexual, torna-se homossexual", o que, segundo o cardeal, acontece "por várias razões: por educação e por não ter desenvolvido a dignidade durante a adolescência…". Assim, "por irem contra a dignidade do corpo", o Reino dos Céus fechar-lhes-á a porta na cara. Aparentemente, os homossexuais não frequentarão instituições católicas de desenvolvimento da dignidade durante a adolescência como, entre outras, as da Igreja irlandesa recentemente objecto de um relatório sobre o modo como, durante décadas e ante o vaticano silêncio de bispos e cardeais, aí se cuidou da "dignidade do corpo" de centenas de adolescentes, orientando-os no correcto caminho sexual para o Reino dos Céus. Talvez a Igreja, gestora dos negócios do Reino dos Céus na Terra, devesse preocupar-se mais com o que faz e diz no presente em vez de passar a vida a pedir desculpa pelo que fez no passado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:13


#1084 - Medina Carreira "O Triturador"

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.12.09


Programa Novas Oportunidades é “trafulhice”, diz Medina Carreira

Antigo ministro das Finanças critica o programa Novas Oportunidades.  "Enquanto formos governados por mentirosos e incompetentes este país não tem solução", acusou. 


 

Medina Carreira: "Deputados não valem nada"

Antigo ministro das Finanças acusa os deputados da Assembleia da República de não terem voz activa e compara Parlamento à Assembleia Nacional de Salazar.

"Aquilo [o Parlamento] vale tanto como a Assembleia Nacional do Salazar. Eles não valem nada, não têm voz activa", disse Medina Carreira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:58


#1083 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.12.09
A traição do PSD

A traição do PSD

Tudo indica que o negócio dos "Magalhães" será o senhor--que-se-segue nos casos, que se multiplicam, de utilização duvidosa de dinheiros públicos. O Tribunal de Contas tem já uma auditoria em curso ao negócio, no valor de centenas de milhões de euros, ganho sem concurso pela empresa JP Sá Couto (que, por via dele, terá crescido 1 308% só nos três primeiros meses do ano). O caso está igualmente na mira da Comissão Europeia, e o PSD pretende ver criada uma comissão de inquérito parlamentar para o investigar. O incómodo que o assunto provoca no PS fica patente na irritação do actual líder parlamentar socialista com a hipótese de ele poder vir a ser alvo da função fiscalizadora da AR, sobretudo agora que o PS não tem maioria absoluta: "O PSD está a optar por uma via radical, extremista e irresponsável (…) imprópria de um partido com vocação alternativa de poder". O importante da frase é a segunda parte, que soa a algo como "hoje nós, amanhã vocês". Dir-se-ia que o PS estava a contar com a cumplicidade do PSD que, por ter "vocação de poder", teria obrigação de ser "compreensivo" com coisas do género.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:39


#1082 - Os melhores livros de 2009 - The Sunday Times

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.12.09

Best of 2009

The Sunday Times books of the year

The best writing of 2009

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:34


#1081 - Efemérides

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.12.09

8 de Dezembro de 1907:

 

- Morre Óscar II da Suécia; sucede-lhe Gustavo V (até 1950);

- Vladimir Lenine deixa a Rússia;

- O Príncipe Luís Filipe de Portugal visita S. Tomé, Angola  e Moçambique;

- Greve académica em Coimbra;

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52


#1080 - Encontro com Joan Margarit

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.12.09

 

Joan Margarit, uma das grandes figuras da poesia catalã contemporânea, lança o seu primeiro livro em Portugal a 14 de Dezembro, pelas 18.30h, na Casa Fernan­do Pessoa. Na sessão participará também o escritor Fernando Pinto do Amaral. Casa da Misericórdia tem chancela da editora OVNI e tradução de Rita Custódio e Àlex Tarradellas, e recebeu, entre outros, o Prémio Nacional de Poesia em 2008, galardão conferido anualmente pelo Ministério de Cultura de Espanha à obra de poesia que mais se destaca em qualquer uma das línguas oficiais do país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:55


#1079 - Efemérides

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.12.09

 

7 de Dezembro de 1922 - O Parlamento da Irlanda do Norte vota contra a integração no Estado Livre da Irlanda;


7 de Dezembro de 1917 -  Os EUA declaram guerra à Áustria-Hungria;


7 de Dezembro de 1975 - Tropas indonésias invadem Timor, o que faz com que Portugal corte relações com a Indonésia;

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15


#1078 - Por outras palavras, de Manuel António Pina

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.12.09
A face oculta do "milagre"

A face oculta do "milagre"

O estudo é da "Data Angel Policy Research Incorporated" e foi apresentado na semana passada na Gulbenkian, em Lisboa. Revela que apenas 1 em cada 5 portugueses é capaz de ler e compreender o que lê de modo a dar resposta a problemas concretos, isto é, que apenas 20% dos portugueses possuem o nível médio exigível de literacia, o que constitui o resultado mais baixo entre todos os países analisados. A notícia não surpreende ninguém, a não ser quem acreditou (ou quis acreditar) no assombroso "milagre educativo" propagandeado pelo anterior Governo, provando aquilo que os criticados "bota abaixistas" vinham dizendo: que o facilitismo educativo pode melhorar artificialmente as estatísticas e povoar o país de diplomados de aviário com computadores "Magalhães" debaixo do braço, mas que ter um diploma não significa necessariamente saber ler e compreender o que se lê (se calhar nem sequer ler e compreender o que diz o próprio diploma). A opção do Governo Sócrates pelas aparências propagandísticas num sector estratégico como o da Educação é uma pesada factura que o país irá pagar durante muito tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:09


#1077 - PRÉMIO JOSÉ CRAVEIRINHA ENTREGUE A ALDINO MUIANGA

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.12.09



Aquele que é o maior prémio literário moçambicano, o Prémio José Craveirinha, foi entregue este ano a Aldino Muianga, com a obra “Contravençã

O júri lembra que “o livro condensa as glórias do seu povo, cujo ponto maior foi a proclamação da independência nacional, os infortúnios da guerra que levou milhares e milhares de moçambicanos à degradante condição de refugiados no Malawi, Zâmbia, Zimbabwe, África do Sul e Tanzânia”., refere um comunicado da Caminho.

 

Aldino Frederico de Oliveira Muianga nasceu no dia 1 de Maio de 1950, em Lourenço Marques (actual Maputo), Moçambique. Além de escritor, o autor é cirurgião de profissão e coordenador nacional do Trabalho Comunitário em Moçambique. Como escritor, utiliza, por vezes, o pseudónimo Khambira Khambiray. Publicou alguns livros dos quais se salientam Xitala Mati (1987), Magustana (1992), A Noiva de Kebera (1992) e O Domador de Burros e Outros Contos (2003). 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29


#1076 - Ilustração

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.12.09

Illustration by Blexbolex

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59


#1075 - Umberto Eco. "O Google é uma tragédia para os jovens"

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.12.09

As listas estão na origem da cultura. Fazem parte da história de arte e da literatura. De que precisa a cultura? De tornar o infinito compreensível . Também precisa de criar ordem - nem sempre, mas frequentemente. E, enquanto seres humanos, como enfrentamos o infinito? Como se pode tentar captar o sentido do incompreensível? Por meio de listas, catálogos e colecções em museus, e recorrendo a enciclopédias e dicionários. Há um fascínio em enumerar as mulheres com quem Don Giovanni dormiu: 2063, a acreditar em Lorenzo da Ponte, libretista de Mozart. Também temos listas inteiramente práticas - listas de compras, testamentos, ementas - que são actos culturais por mérito próprio.


A pessoa culta deve ser vista como uma guardiã que tenta impor a ordem nos locais onde predomina o caos?

 

A lista não destrói a cultura; cria-a. Para onde quer que olhe, na história da cultura, há-de encontrar listas. Com efeito, há uma gama estonteante: listas de santos, de exércitos e plantas medicinais, de tesouros e de títulos de livros. Pense-se na natureza das colecções do século XVI. Aliás, os meus romances estão cheios de listas.

Os contabilistas fazem listas, mas elas também existem nas obras de Homero, James Joyce e Thomas Mann.

Pois. Mas estes, obviamente, não são contabilistas. No "Ulisses", James Joyce descreve o modo como o seu protagonista, Leopold Bloom, abre as gavetas e tudo o que nelas encontra. Eu considero isso uma lista literária, e ela diz muito sobre Bloom. Ou então tomemos Homero, por exemplo. Na "Ilíada", ele tenta dar a noção do tamanho do exército grego. De início, recorre a comparações: "Tal como um grande incêndio de floresta, rugindo no topo de uma montanha, se avista ao longe, assim também, ao marcharem, o brilho das armaduras iluminava o firmamento". Mas não fica satisfeito. Não consegue encontrar uma boa metáfora e, por isso, pede às musas que o ajudem. Então tem a ideia de enumerar muitos, muitos generais e os seus navios.


Mas, ao fazê-lo, não estará a desviar- -se da poesia?

No princípio, pensamos que uma lista é uma coisa primitiva e típica das culturas mais antigas, que não tinham uma concepção exacta do universo e que, portanto, estavam limitadas a enumerar as características a que conseguiam dar nome. Contudo, na história da cultura, as listas continuaram a prevalecer. Não são de modo algum uma mera expressão das culturas primitivas. Na Idade Média já havia uma imagem muito clara do universo e também havia listas. Uma nova mundividência baseada na astronomia dominou a Renascença e a época do Barroco e as listas continuaram a ser usadas. Também na era pós- -moderna as listas têm um papel importantíssimo . Têm uma magia irresistível.


Mas por que razão Homero enumerou todos aqueles guerreiros e navios se sabia que nunca poderia dar nomes a todos?

A obra de Homero toca repetidamente no

topos

do inexprimível. As pessoas fazem sempre isso. Sempre sentimos fascínio pelo espaço infinito, pela interminável série de estrelas e de galáxias. Como se sente uma pessoa quando olha para o céu? Pensa que não tem línguas suficientes que descrevam o que vê. Mesmo assim, as pessoas nunca deixaram de descrever o céu, recorrendo ao simples expediente de enumerarem o que vêem. Com os amantes passa-se o mesmo. Sentem uma deficiência na linguagem, uma falta de palavras que exprimam os seus sentimentos. E será que alguma vez os amantes desistem de o tentar fazer? Fazem listas: os teus olhos são tão belos, a tua boca também, e o teu colo... É possível ser muito pormenorizado.


Porque perdemos tanto tempo a tentar completar coisas que, de um ponto de vista realista, não se podem completar?

Nós temos um limite, um limite muito desanimador e humilhante: a morte. Por isso gostamos de tudo o que para nós não tem limites e que, portanto, não tem fim. É uma fuga que nos distrai de pensar na morte. Gostamos de listas porque não queremos morrer.


Na sua exposição no Louvre também vai expor obras das artes visuais, como naturezas-mortas. Mas essas pinturas têm molduras, ou seja, limites, e não podem representar nada mais do que aquilo que de facto representam.

Pelo contrário, o que nos leva a gostar tanto delas é acreditarmos que conseguimos ver nelas para além disso. Quem contempla uma pintura sente necessidade de abrir a moldura e ver como são as coisas à esquerda e à direita do quadro. Esse tipo de pintura é verdadeiramente como uma lista, um pedaço recortado do infinito.


Porque são essas listas e acumulações tão importantes para si?

As pessoas do Louvre contactaram-me e perguntaram-me se eu gostaria de comissariar uma exposição nesse museu. Pediram-me que apresentasse um programa de actividades. Só a ideia de trabalhar num museu foi suficiente para me atrair. Estive lá sozinho recentemente e senti-me como uma personagem de um romance de Dan Brown. Foi simultaneamente estranho e maravilhoso. Percebi imediatamente que a exposição iria ter como tema central as listas. Porque me interessa tanto esse tema? Não sei bem. Gosto de listas pela mesma razão que outras pessoas gostam de futebol ou de pedofilia. Gostos não se discutem.


Mesmo assim, é famoso por saber explicar as suas paixões ...

...mas não por falar sobre mim. Ora veja, desde os dias de Aristóteles que temos tentado definir as coisas com base na respectiva essência. A definição de homem? Um animal que age de maneira deliberada. Ora, os naturalistas levaram 80 anos a arranjar uma definição para o ornitorrinco. Foi extremamente difícil descrever a essência desse animal. Vive debaixo de água e em terra, põe ovos e, no entanto, é mamífero. E como era essa definição? Era uma lista, uma lista de características.


Seria certamente possível defini-lo se fosse um animal mais convencional.

Talvez, mas será que isso tornaria o animal interessante? Pense num tigre, que a ciência classifica como predador. Como iria uma mãe descrever um tigre ao seu filho pequeno? Provavelmente através de uma lista de características: o tigre é grande, é um felino, amarelo, às riscas, e forte. Só um químico se referiria à água como sendo H2O.

Mas eu digo que é líquida e transparente, que a bebemos e que nos podemos lavar com ela. Agora pode finalmente perceber aquilo de que estou a falar. A lista é a marca de uma sociedade altamente avançada e culta porque nos permite questionar as definições essenciais. A definição essencial é primitiva em comparação com a lista.


Pode parecer que está a dizer que devemos parar de definir as coisas e que haveria vantagem se, em vez disso, as contássemos e enumerássemos.

Pode ser libertador. A idade do Barroco era uma época de listas. De repente, todas as definições eruditas feitas na era precedente deixaram de ser válidas. As pessoas tentaram ver o mundo a partir de uma perspectiva diferente. Galileu revelou novos pormenores sobre a Lua. E, na arte, as definições consagradas foram objectivamente destruídas e a diversidade de temas expandiu-se enormemente. Por exemplo, eu vejo as pinturas do Barroco holandês como listas: as naturezas-mortas com todos aqueles frutos e as imagens de gabinetes de curiosidades opulentos. As listas podem ser anárquicas.


Mas também disse que as listas podem trazer ordem. Quer então dizer que tanto a ordem como a anarquia se aplicam neste caso? Isso tornaria perfeitas para si a internet e as listas criadas pelo motor de pesquisa Google.

Sim, no caso do Google, ambos os conceitos convergem. O Google cria uma lista, mas no momento em que olho para a lista que o Google gerou, ela já mudou. Essas listas podem ser perigosas - não para os adultos como eu, que adquiriram conhecimento de outro modo -, mas para os jovens, para quem o Google é uma tragédia. As escolas deveriam ensinar a arte da discriminação.


Está a dizer que os professores deviam ensinar aos estudantes a diferença entre bom e mau? E, nesse caso, como o fariam?

A educação deveria regressar às estratégias das oficinas da Renascença. Aí, os mestres podiam não ser capazes de explicar aos alunos por que razão uma pintura era boa em termos teóricos, mas faziam-no de maneiras mais práticas. Olha, isto é o aspecto que o teu dedo pode ter e este é aquele que deve ter. Olha, esta é uma boa combinação de cores. A mesma abordagem deveria ser utilizada nas escolas quando se lida com a internet. O professor deveria dizer: "Escolham qualquer assunto: a história da Alemanha ou a vida das formigas. Pesquisem em 25 páginas web diferentes, comparando-as, e tentem descobrir qual tem informação importante e pertinente". Se dez páginas disserem a mesma coisa, pode ser sinal de que essa informação está correcta. Mas isso também pode acontecer porque alguns sites se limitaram a copiar os erros dos outros.


Quanto a si, é mais provável que trabalhe com livros; tem uma biblioteca de 30 mil volumes. Provavelmente não funciona sem uma lista ou catálogo.

Receio bem que, nesta altura, já sejam 50 mil livros. Quando a minha secretária os quis catalogar, pedi-lhe que não o fizesse. Os meus interesses mudam constantemente, tal como a minha biblioteca. A propósito, se os nossos interesses mudarem constantemente, a nossa biblioteca dirá algo de diferente sobre nós. Além disso, mesmo sem um catálogo, vejo-me forçado a lembrar-me dos meus livros. Tenho uma sala para literatura com 70 metros de comprimento. Percorro-a várias vezes por dia e sinto--me bem quando o faço. Cultura não é saber quando morreu Napoleão. Cultura significa saber como vou descobrir isso em dois minutos. Claro que, hoje em dia, posso encontrar esse tipo de informação na internet em menos de um ai. Mas, como disse, com a internet nunca se sabe.


Incluiu uma lista simpática feita pelo filósofo francês Roland Barthes no seu novo livro, "A Vertigem das Listas". Ele enumera as coisas de que gosta e as de que não gosta. Gosta de salada, de canela, de queijo e de especiarias. Não gosta de ciclistas, de mulheres de calças compridas, de gerânios, de morangos e de harpa. E o senhor?

Eu seria louco se respondesse; significaria rotular-me. Fiquei fascinado com Stendhal aos 13 anos e com Thomas Mann aos 15 e, aos 16, adorava Chopin. A seguir, passei a vida a tentar conhecer o resto. Neste momento, Chopin voltou a estar no topo da lista. Quando interagimos com as coisas da nossa vida, tudo muda. Se nada mudar, somos idiotas.


In "Jornal i"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30


#1074 - O menino prodígio na pintura

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.12.09




Não sabia desenhar, mas, de um ano para o outro, passou a criar aguarelas, óleos e pastéis com o nível de Picasso, quando tinha a sua idade, garante um galerista. O caso atraiu atenção mundial.

 

No ano passado, Kieron Williamson desenhava como quase todos os meninos de seis anos. Hoje, alegadamente após umas férias inspiradoras, é conhecido em todo o Mundo como o "novo Picasso". Bastaram 15 minutos para vender 16 obras por cerca de 18 mil euros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:13

O presidente da Cáritas Portuguesa disse hoje, domingo, que os níveis de corrupção e as disparidades salariais no país são escandalosos, defendendo o regresso da ética à política e à economia.

"Sãos escandalosos os níveis de corrupção que este país está a registar. É escandalosa a disparidade que existe de compensações que determinados cidadãos têm pelos cargos que desempenham relativamente ao geral dos rendimentos que são auferidos pela população portuguesa", declarou à Agencia Lusa Eugénio da Fonseca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:05


#1072 - 13.º Festival de Cinema Luso-Brasileiro

por Carlos Pereira \foleirices, em 06.12.09

Começa, hoje, no Auditório da Biblioteca Municipal, o 13.º Festival de Cinema Luso-Brasileiro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:43

 

El Consejo de Ministros ha concedido la Orden de las Artes y las Letras de España al escritor japonés Haruki Murakami, en reconocimiento a la personalidad creativa de una "originalísima voz narrativa", creadora de una obra que se ha convertido en un destacado referente de la literatura contemporánea.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:24


#1070 - O teu rosto

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.12.09

Simulo uma fábula

para acariciar as folhas

que ainda não brotaram

Simulo um estábulo de odores espessos

para o conforto do fundo do ventre

para me situar entre as raízes e os astros

Como um insecto na palma do gérmen

e numa torre profunda

vou talhar o arco de um sorriso de água

entre duas vespas agudas do verão

Volto a esta página de argila

e à luz destas paredes fulvas

Subo à garganta cálida do tempo

como um abrigo onde pulsa o sol verde

Estou entre a penumbra e as veias das janelas

entre os astros domésticos

e no movimento de uma calma massa de água

o teu corpo impele a pedra frágil

do meu canto entre a fábula e o real

Poema de António Ramos Rosa, do livro "O Teu Rosto", edição Pedra Formosa, Março 1994

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:35


#1069 - Teoria Sentada

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.12.09

                              III

A minha idade é assim - verde,sentada.

Tocando para baixo as raízes da eternidade.

Um grande número de meses sem muitas saídas,

soando

estreitos sinos, mudando em cores mergulhadas.

A minha idade espera, enquanto abre

os seus candeeiros. Idade

de uma voracidade masculina.

Cega.

Parada.

Algumas mãos fixam-se à sua volta.

Idade que ainda canta com a boca

dobrada. As semanas caminham para diante

com um espírito dentro.

Mergulham na sua solidão, e aparecem

batendo contra a luz.

É uma idade com sangue prendendo

as folhas. Terrível. Mexendo

no lugar do silêncio.

Idade sem amor bloqueada pelo êxtase

do tempo. Fria.

Com a cor imensa de um símbolo.

Eu trabalho nas luzes antigas, em frente

das ondas da noite. Bato a pedra

dentro do meu coração. Penso, ameaçado pela morte.

E uma raiz séca, canta-se

no calor. É uma idade cor da salsa.

Amarga. Imagino

dentro de mim. Trabalho de encontro à noite.

Procuro uma imagem dura.

Estou sentado, e falo da ironia de onde

uma rosa se levanta pelo ar.

A idade é uma vileza espalhada

no léxico. Em sua densidade quebram-se

os dedos. Está sentada.

Os poentes ciclistas passam sem barulho.

Passam animais de púrpura.

Passam pedregulhos de treva.

É para a frente que as águas escorregam.

Idade que a candura da vida sufoca,

idade agachada, atenta

à sua ciência. Que imita por um lado

as nações celestes. Que imita

por um lado a terra

quente.

Trabalhando, nua, diante da noite.

 

Poema de Herberto Helder,  In "Ofício Cantante", edição 1297, Janeiro 2009, Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04


#1068 - Deaf Center

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.12.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:13


#1067 - Os 10 melhores livros de 2009

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.12.09
10 Best Books of 2009  do New York Times
The Book Review makes its selections.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:56


#1066 - Bad Sex in Fiction Award atribuído a Jonathan Littell

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.12.09

A Literary Review entregou a edição de 2009 a The Kindly Ones (As Benevolentes, D. Quixote), obra vencedora do Goncourt em 2006. Comentário do júri: «It is in part a work of genius. However, a mythologically inspired passage and lines such as "I came suddenly, a jolt that emptied my head like a spoon scraping the inside of a soft-boiled egg" clinched the award for The Kindly Ones. We hope he takes it in good humour.» A passagem do livro que mereceu tamanha distinção pode ser lida aqui.

In Revista LER

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:50


#1065 - "Povo sem cultura é povo sem alma"

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.12.09
Há muita gente que não sabe o que é a arte porque não tem acesso a ela, e um povo sem cultura é um povo sem alma", apontou Gustavo Dudamel, ontem, ao início da noite, no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian, em Lisboa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:36


#1064 - Anselm Kiefer

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:43


#1063 - Samuel Barber

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:34


#1062 - O adeus a todas as coisas belas

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09


Um caçador de leões


Autor: Olivier Rolin
Título original: Un chasseur de lions
Tradução: Tiago França
Editora: Sextante
N.º de páginas: 198
ISBN: 978-989-8093-95-0
Ano de publicação: 2009


Na génese deste magnífico romance está um golpe do acaso. Ao visitar o Museu de Arte de São Paulo, Olivier Rolin deparou pela primeira vez com o Retrato do Senhor Pertuiset, Caçador de Leões (1881), no qual Edouard Manet imortaliza um «pacóvio» de olhar inexpressivo e «farto bigode de morsa». Diante do quadro, o escritor lembra-se de já ter visto aquele homem grosseiro e recupera-o de um «obscuro recanto» da memória onde o sepultara, 25 anos antes, depois de ler a história da sua «rocambolesca» expedição à Terra do Fogo, num livrinho (Pequena História Austral) comprado em Punta Arenas, nas margens do Estreito de Magalhães.


À atracção pela invulgar personagem, junta-se uma perplexidade: a de saber como é que o percurso de Pertuiset se cruzou com o do sofisticado Manet (esse artista revolucionário que vivia como um burguês); ou melhor, a de saber como terá acontecido esta amizade entre tipos humanos diametralmente opostos. «É uma das poéticas consequências do tempo que passa: as testemunhas morrem, depois morrem os que ouviram contar as histórias, faz-se silêncio, as vidas desaparecem no esquecimento, o pouco que não se perde torna-se romance.» Eis a ficção a beber na realidade, a literatura como operação de resgate (nada contra).


Rolin começa justamente por resgatar Eugène Pertuiset: mitómano compulsivo, fanfarrão, caçador desastrado, traficante de armas, inventor de «balas explosíveis», mestre em fogos-de-artifício e crente nos poderes da sua própria «força magnética». Ele é o típico arrivista, ansioso por chegar às altas esferas políticas; o aventureiro irresponsável que se intromete nos conflitos militares do Peru e do Chile; o aldrabão aldrabado que acredita na existência de um tesouro inca, por desenterrar, na Terra do Fogo. O escritor segue-lhe os passos, descobrindo histórias picarescas nas bibliotecas da América do Sul e nunca escondendo um fascínio similar ao que Pertuiset decerto provocou em Manet — cujos dilemas artísticos e andanças pelos boulevards também acompanhamos, em paralelo, tendo a História francesa (final do séc. XIX) como pano de fundo. E como são admiráveis, essas páginas em que se evoca o cerco de Paris pelos prussianos (1870), os dias da Comuna e a «semana sangrenta».


Além destas duas linhas narrativas principais (servidas por uma escrita poderosamente visual, descritiva, cheia de cores e contornos, sempre à beira de se tornar pintura), há uma terceira: a do narrador/autor que interrompe (com judiciosos parêntesis curvos e rectos) o fluxo do romance, relatando a sua deambulação pelos lugares onde se deram os triunfos e as tragédias de Pertuiset e Manet, para confirmar o trabalho demolidor que o tempo exerce sobre as coisas, os homens e a sua memória, seja nos confins do mundo (Valparaiso, Porvenir), seja nas ruas parisienses onde os cabarés e outros antros de boémia foram substituídos por sucursais bancárias, armazéns de calçado e lojas de quinquilharia.
Atravessando este cafarnaum, que só por milagre nunca se torna confuso, há um sopro proustiano. Rolin vai atrás do tempo perdido. O do modelo, o do pintor e o seu. Fixa o «adeus a todas as coisas belas» (Villiers), segue o rasto do que se dissipou, sabendo que esta é «a única caça onde se tem a certeza de acabar morto pela fera, a única exploração onde se termina sempre entre os dentes dos antropófagos».

Avaliação: 9/10

[Texto publicado no suplemento Actual, do semanário Expresso]

Retirado do blog "Bibliotecário de Babel"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:54


#1061 - Balsemão: "Temos de sair deste lento suicídio"

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09

Fundador do PSD critica "impasse" e quer agenda menos conservadora."Podemos caminhar para um lento suicídio"

 




"Novos tempos, novos desafios, novas ideias." O fundador e militante número um do PSD, Francisco Pinto Balsemão, correspondeu ontem ao mote da primeira edição do Ciclo de Encontros organizados pelo Instituto Francisco Sá Carneiro. O objectivo era reflectir sobre o futuro do PSD e o discurso de Balsemão foi contundente. Criticou a "acomodação" do partido, apontou baterias à falta de clareza na sua "identidade ideológica" e lançou o alerta: "Temos de sair deste impasse, sob pena de caminharmos para um lento suicídio."

As propostas do militante mais antigo do PSD tiveram como ponto de partida a necessidade de "inverter o pessimismo" e "acabar com a resignação, lamúria e desgraça que só ajudam os coveiros". Nomeadamente os que diz existirem "dentro do partido", embora se tenha recusado a nomeá-los durante o seu discurso no Hotel Tivoli.

Sublinhando a urgência de recuperar o cariz "reformista e interclassista" do PSD, Francisco Pinto Balsemão propôs também o equilíbrio entre a responsabilidade da sociedade civil nas "tarefas de desenvolvimento social, cultural, ambiental e até económico" e as responsabilidade do Estado em áreas como a defesa nacional, a polícia ou a justiça. Mas lançou também as bases para uma agenda mais "tolerante e aberta" no partido: com particular enfoque na legalização da droga e no casamento homossexual.

"Devíamos ser um partido capaz de antecipar e apreender as novas realidades sociais, de não ser conservador e de mobilizar os sectores mais dinâmicos da sociedade para as enfrentar e absorver, sejam elas as emissões excessivas de CO2, a legalização da droga ou o casamento dos homossexuais", sugeriu Balsemão.

Defensor da imposição de rankings anuais para "as actividades mais relevantes", o fundador do PSD aplaudiu a lógica da avaliação em sectores como as escolas, universidades, hospitais, esquadras de polícia, tribunais ou misericórdias. "Sem se premiar o mérito e punir o demérito, a sociedade não progride", apontou. Sobre as "grandes, urgentes e imperiosas" reformas da Justiça, Educação, Saúde e Administração Pública - e também sobre a mudança da lei eleitoral para um sistema misto de representação proporcional e uninominal -, Balsemão defendeu que o PSD só deve abordar esses dossiês se a iniciativa assentar "em pactos de fundo ou acordos de regime" subscritos pelo "maior número possível de partidos, por um prazo superior a duas legislaturas".

O primeiro encontro deste ciclo organizado pelo Instituto Francisco Sá Carneiro contou ainda com a participação do antigo director do "Público", José Manuel Fernandes, e do jurista Miguel Morgado como oradores.


In Jornal "i"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:08


#1060 - Amós Oz - Música de Câmara Crítica

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.12.09



 

No autobiográfico De Amor e Trevas (2002), Amós Oz revelou que a leitura da obra do americano Sherwood Anderson (1876-1941) foi tão impactante que o levou às lágrimas ("soluçando de uma felicidade temerosa, em êxtase"), fazendo com que ele descobrisse sua vocação literária. Em seu novo livro, Cenas da Vida na Aldeia, o autor israelense mostra a extensão dessa influência, ao homenagear a estrutura de uma das maiores obras do americano, Winesburg, Ohio. Como este, é um livro que reúne relatos sobre moradores de um lugar imaginário — a vila de Tel Ilan —, em capítulos que podem ser lidos de forma independente. Entretanto, os textos ganham força justamente quando lidos em sequência, encadeados à maneira de um romance.

Amós Oz já declarou em várias entrevistas que sua produção é uma espécie de música de câmara, ou seja, concentra-se em episódios domésticos, nos conflitos familiares. Cenas da Vida na Aldeia segue o mesmo padrão. Não há aqui heroísmos ou grandes acontecimentos, somente a vida que teima em seguir escorrendo, lenta e viscosa. Só o que existe é solidão, frustração, arrependimento, preconceito, incapacidade de se abrir às outras pessoas — lição aprendida por Oz com outro de seus modelos, o russo Anton Tchekhov.

QUESTÃO PALESTINA

Uma médica que espera o sobrinho chegar de ônibus; um adolescente apaixonado pela bibliotecária que, em vez de amá-lo, sente pena; o corretor de imóveis que sonha em comprar um velho casarão do povoado e fraqueja quando a oportunidade enfim surge. São enredos escritos em tom menor, com gosto daquilo que poderia ter sido e não foi. O mais pungente dos capítulos é Os que Cavam, sobre um ex-deputado à beira da senilidade que entra em conflito com a filha quando ela hospeda um jovem árabe em sua casa. Afinal, seria impossível escrever sobre Israel sem falar dos conflitos com os palestinos. Desde os memoráveis romances Não Diga Noite (1997) e A Caixa Preta (2003), Oz toca apenas indiretamente nesse e em outros traumas coletivos, como o Holocausto. Em vez de explorar grandes temas, prefere estudar o modo como se manifestam em gestos de ódio e afeto. Como se fôssemos todos feitos do acúmulo de dores e alegrias.

------

Jonas Lopes é repórter da revista Veja São Paulo e assina o blog http://gymnopedies.blogspot.com.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:02

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas