Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2557 - SOLIDÃO

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.08.17

 ALEXANDRA DE PINHO (CONTRA-CORPO)

 

SOLIDÃO

 

No meio da multidão  somos apenas mais um.

Anónimos.

Quase todos se devem sentir assim.

Anónimos,

sem rosto,

iguais a tantos outros,

indistintos,

como se nós fossemos todos e não nós.

Mas subitamente

sentimos que estamos sós

às escuras,

encerrados dentro de um círculo de sombras

em confronto directo connosco

e com os nossos desejos

impulsos

fantasmas

fantasias

frustraçoes.

E vemos

gente que se atropela, que se toca, que se roça.

E vemos

gente perplexa suspensa nos gestos de outrem,

as bocas que se abrem e tomam  a forma do espanto.

E os olhos que não pestanejam

hipnotizados  pelas luzes vermelhas

das palavras  penduradas nas portas

que são um sinal,

um código

que anunciam para iminências urgentes

de corpos ardentes

que buscam o ventre da noite para se tocarem

nos sítios do desejo, e do desespero.

E das janelas dos quartos escorre uma luz coada

que ilumina as silhuetas difusas de corpos nus

que se abraçam

antes que a melancolia da noite chegue

e o prazer dê lugar ao cansaço

ou à desilusão.

E continamos sós.

Apenas nós e a solidão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46


#2556 - Diálogos ao anoitecer

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.08.17

Conheço as pessoas pelo seu nome; digo bom dia, boa tarde, boa noite quando me cruzo com elas.

Algumas não me respondem como se as palavras não tivessem eco, ou então estão ensimesmadas com as suas vidas, ou porque o corpo caminha distraído, ou então não estão habituadas.

 

Os diálogos costumam ser breves:

Tudo bem?

A esposa... e as filhas como vão?

E a netinha quantos anos tem? Jã deve estar crescidinha.... os miúdos de hoje parece comerem fermento!...

É...

Cumprimentos a todos

Obrigado. Serão entregues.

Boa noite até um dia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:09


#2555 - NOCTURNO DOS ANJOS

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.08.17

 XAVIER VILLAURRUTIA (1903-1950)

 

NOCTURNO DOS ANJOS

 

Dir-se-ia que as ruas fluem serenas na noite.

As luzes não são nítidas que ajudem a revelar o segredo,

o segredo dos homens que passeiam, conhecem,

porque estão todos imersos no segredo

não ganhariam nada em fragmentá-lo

sim, é bom guardá-lo

e dividi-lo só com a pessoa eleita.

 

Se cada um falasse uma vez só,

e com uma só palavra, aquilo que pensa,

as letras do desejo moldariam uma grande cicatriz cintilante,

uma constelação antiga, mais viva ainda que as outras.

Seria uma constelação ardente como o sexo

no corpo profundo da noite,

ou como os gémeos que pela primeira vez na vida

se olham de frente, e se abraçam para sempre.

 

A rua enche-se como um rio de seres ávidos,

caminham, aguardam, prosseguem.

Trocam olhares, ensaiam sorrisos,

formam pares imprevisíveis...

 

Há esquinas e bancos sombrios,

auras indistintas, formas profundas,

e súbitos vãos com uma luz que cega

e portas que cedem à mais leve pressão.

 

A rua fica deserta num instante.

Parece afugentar de si mesmo

o desejo de começar de novo.

Está paralisado, mudo, ofegante

como o coração entre dois espamos.

 

Mas uma nova pulsação

lança ao  rio da rua outros seres sedentos.

Cruzam-se, e sobem,

voam ao rés do chão,

nada de forma milagrosa

e ninguém se atreveria a dizer que não caminham.

 

São anjos,

desceram à terra

através de degraus invisíveis.

Vieram do mar, espelho do céu,

em barcos de fumo e sombra,

a fundir-se e confundir-se com os mortais,

a inclinar os seus rostos entre as coxas das mulheres,

a deixar que outras mãos apalpem febrilmente os seus corpos,

e que outros corpos procurem os seus até encontrá-los

como os lábios que se fecham,

a fatigar a boca  tanto tempo estagnada,

a libertar as suas línguas de fogo,

a dizer juramentos, canções, e palavras porcas

com que os homens concentram o antigo mistério

da carne, do sangue, e do desejo.

 

Têm nomes fictícios, sinceramente divinos.

Chamam-se Dick ou John, Marvin ou Louis.

Em nada, senão na beleza, se distinguem dos mortais.

Passeiam, aguardam, e seguem.

Trocam olhares, ensaiam sorrisos,

formam pares imprevisíveis.

 

Sorriem astuciosos ao entrar nos elevadores dos hotéis

donde ainda praticam um voo lento e vertical.

Em seus corpos nus há vestígios celestiais,

signos, estrelas, e letras azuis.

Deixam-se cair nas camas,e afundam-se nas almofadas

que os fazem pensar um momento nas nuvens.

Mas logo fecham os olhos para se entregar aos gozos da sua misteriosa encarnação,

e quando dormem não sonham com os anjos, mas com os mortais.

 

Poema do poeta mexicano Xavier Villaurrutia

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28


#2554 - MULHERES DE PASSAGEM

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.08.17

 KÓSTAS OURÁNIS (1890-1953)

 

MULHERES DE PASSAGEM

 

Mulheres a quem vi por um instante

dentro de trens à hora em que partiam

para outro lugar, mulheres que riam

nos braços de um outro homem, exultantes;

mulheres em balcões, a olhar diante

de si, tão distraídas, o vazio,,

ou a agitar do convés de um navio

que zarpava seus lenços vacilantes:

se soubésseis com quanta nostalgia

eu vos trago de novo ao pensamento

pelas tardes de chuva, tardes frias,

mulheres que passastes um momento

em minha vida - e agora conduzis

minha alma a um exótico país!

 

POEMA DE KÓSTAS OURÁNIS, POETA GREGO

_____________________________________________________________________

 Ouranis (1850 - 1953) was born in Constantinople, the son of Nikolaos Niarchos and Algeliky Giannusi.He received his Elementary and High School educations in Leonidio and Nafplion, Greece and Constantinople, Turkey, respectively; and his college education in Paris, France. In 1920, he was appointed Greek Consul General of Lisbon, Portugal; and in 1924 he settled in Athens, where he subsequently held a number of prominent journalistic and managerial positions in a number of newspapers and magazines there. He died in the Athens area on 12 June 1953

His poetic works published prior to his death include: "Like Dreams" (1909), "Spleen" (1912), and "Nostalgias" (1920). He is known as the last Greek romanticist of the modern times.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09

 

DISCURSO DO GRANDE PÁSSARO

 

Ai de mim! As flores, ainda que tenham resisitido no ano anterior, são levadas pelo gelo no ano seguinte;

Assim é levado este tempo impermanente e ilusório;

O arco-íris, por mais soberbas que sejam as suas cores, desaparece no espaço;

Assim desaparecem os trajos de gala, por mais faustosos que sejam.

A palavra, embora o seu eco seja claro, não tem poder para durar;

Assim como não duram os poderes mundanos, por mais amplos que sejam.

Os visitantes da feira, embora tenham estado reunidos, estão agora dispersos.

Assim se dispersa o círculo de família, por mais unido que tenha sido.

Embora acumulado pelas abelhas, o mel não serve a ninguém.

O mesmo se passa com os bens, as riquezas, e as fortunas.

As acções do mundo são como brincadeiras de crianças.

Ainda que o corpo e as palavras sejam reduzidos a nada, as causas não são eliminadas.

Renunciai pois a este mundo ilusório e falso.

Segui a boa e santa doutrina, ó passaros reunidos.

O corpo no fim recusa alimentar-se:

Bom é se o nosso ser se realizou.

Os bens acumulados gastam-se até ao derradeiro:

Bom é se antes se deram esmolas.

Um homem perdeu todos os que ama até ao derradeiro:

Bom é se a partir de agora, rompeu todos os seus laços.

Um palácio desmorona-se até ao derradeiro muro:

Bom é se se fica solitário sem certeza.

O recurso aos poderosos é o começo da prova:

Bom é se nos apoiamos num Reverendo Lama.

O mundo perecível destrói-se até à sua derradeira realização:

Bom é se nos afastamos do desejo.

Abraçar a Boa Lei é um mérito duradoiro para o presente e o futuro.

E bom é se a ensinamos desde agora.

As (Três) Jóias são um refúgio duradoiro para o presente e o futuro:

Bom é se lhes rezámos neste mundo.

Enquanto os seres, torturados pelo amor, matam com prazer a sede na água da miragem.

É bom abstrairmo-nos na meditação.

Por isso, renunciai ao mundo e cumpri a Boa Lei!

 

Poema tibetano do século XVIII traduzido por Maria Jorge Vilar de Figueiredo

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:36


#2552 - Kevin Morby - Come To Me Now (Official Lyric Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.08.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:26


#2551 - Para onde caminhamos?

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.08.17

A terra treme sob o peso de botas militares que avançam em passo firme, agressivo, intimidador.

O Poder do medo imposto por cínicos grotescos,  avança firme e resoluto na Europa, América, Ásia, África. Qualquer pretexto serve - ou fabrica-se um qualquer para o impôr. Usa-se, sem vergonha, a mentira tantas vezes repetida e amplificada por rádios, jornais, televisões e outros canais ao serviço do regime. Estamos a ficar encurralados - muitas vezes por culpa própria ao avalizarmos as políticas e comportamentos com o nosso voto, a nossa cumplicidade, o nosso silêncio.

Vivemos momentos nada recomendáveis.  E o mundo, que por causa das suas idiossincrasias é naturalmente perigoso, está a tornar-se paulatinamente num espaço onde os garnisés desta vida estão dispostos a tudo para obterem  o título máximo de galo. A disputa é violenta, vai ser ainda mais violenta.

Esta é a minha convicção. A convicção de um optimista pessimista.

 

Agora a ficção:

Na cumplicidade da noite vingamos as nossas fraquezas e cobardias e usamos as latrinas para pendurar os retratos dos tiranos, usamos os jornais com as sua fotografias para limpar a merda com a qual os afogamos. É a nossa secreta e pegajosa vingança, às escuras para não sermos apanhados, até ao dia em que temos de mostrar que ainda temos "tomates" para lhes enfiar pela goela abaixo as pragas que contra eles proferimos nas deseperadas noites de insónia e vigília, ou então seremos eliminados.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:43


#2550 - VEM TROVÃO

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.08.17

CHRISTOPHER OKIGBO (1932-1967)

 

VEM  TROVÃO

 

Agora que a marcha triunfante entrou nas últimas esquinas da rua,

Recordai, ó dançarinos, o trovão entre as nuvens...

 

Agora que a gargalhada, partida em duas, trémula, está suspensa nos dentes,

Recordai, ó dançarinos, o relâmpago além da terra...

 

O cheiro do sangue já flutua na neblina que, na tarde, cheira a lavanda.

A sentença de morte está emboscada nos corredores do poder;

E uma enorme coisa pavorosa é já arrastada pelos cabos do ar livre,

Uma névoa imensa e incomensurável, uma noite de águas profundas -

Um sonho de ferro que não pode ser nomeado nem impresso, uma vereda de pedra.

 

As cabeças sonolentas das vagens em quintas maninhas testemunham-no,

As casa abandonadas no matagal durante o fogo deste século testemunham-no:

Os múltiplos olhos de maçarocas de milho abandonadas em celeiros ardidos testemunham-no:

Pássaros mágicos com o milagre do relâmpago nas suas penas...

 

As setas de Deus tremem nos portões da Luz,

Os tambores do recolher prestam-se a uma doença de morte;

E a coisa secreta no seu impulso

Ameaça com máscara de ferro

A última torcha alumiada do século...

 

POEMA DO POETA NIGERIANO CHRISTOPHER OKIGBO, TRADUZIDO POR JOSÉ ALBERTO OLIVEIRA

 

_________________________________________________________________________________________________

Christopher Okigbo nasceu na pequena vila de Ojoto, nos arredores de Onitsha no sudeste da Nigéria, em 1932. Seu pai era professor de uma escola católica, no auge do domínio britânico da região. O jovem poeta cresceria sob a influência de seu pai, católico fervoroso, e a de seu avô, um sacerdote da deusa das águas Idoto, personificada no rio de mesmo nome que corre na região de sua infância. Idoto seria a deusa invocada naquele que é o mais famoso poema de Christopher Okigbo, "The passage", aqui traduzido como "A passagem", mas também conhecido como "Heavensgate". Este sincretismo religioso pode ser sentido com força em seu poema, que inicia com a invocação a Idoto, para logo em seguido invocar Ana, que em comentários críticos sobre o poema tem sido identificada como a santa do catolicismo. Christopher Okigbo viria a se formar na mesma universidade em que estudaram o conhecido romancista nigeriano Chinua Achebe (n. 1930) e o poeta Wole Soyinka (n. 1934), ganhador do Prêmio Nobel de 1986, de quem Okigbo foi amigo.

 

Começou a publicar poemas na revista Black Orpheus, dedicada ao trabalho de poetas africanos e afro-americanos. Seus poemas seriam reunidos postumamente no volume Labyrinths (1971). Christopher Okigbo morreu em 1967, com apenas 35 anos, lutando na guerra pela independência da República de Biafra (1967 - 1970), região separatista que permaneceria parte do território nigeriano.
 
A poesia de Okigbo é hoje considerada uma das mais importantes obras da poesia africana pós-colonial. Ainda que críticos nacionalistas o tenham criticado por adotar a língua inglesa, o poeta parece apropriar-se da língua do colonizador para implantar uma consciência mítica que só pode ser totalmente compreendida através da poética mística e vocal dos poetas africanos. Para nossa sensibilidade cristã, algo da poesia de Okigbo pode parecer alinhar-se a poetas como o W.B. Yeats do volume The Tower (1932) ou o T.S. Eliot de Choruses from "The Rock"(1934), mas a mim me parece que um dos poetas de língua inglesa com quem poderíamos traçar paralelos interessantes, passando pela poética de Christopher Okigbo, é o norte-americano Robert Duncan (1919 - 1988), de livros como The Opening of the Field (1960) e Bending the Bow (1964).
 
Christopher Okigbo nasceu em 1932, o que o faz contemporâneo de brasileiros como Ferreira Gullar (n. 1930) e Augusto de Campos (n. 1931). Sua poética, porém, visionária e mística, talvez o ligue mais a um brasileiro como Roberto Piva (n. 1937). A experiência da leitura de seus poemas, contudo, parece-me de uma beleza bastante singular.



--- Ricardo Domeneck

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:32


#2549 - PRÉMIO DE POESIA ANTÓNIO RAMOS ROSA

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.08.17

 ANTÓNIO RAMOS ROSA

 

JOÃO LUÍS BARRETO GUIMARÃES

João Luís Barreto Guimarães, poeta portuense, venceu a 6.ª Edição do Prémio de Poesia António Ramos Rosa com o seu livro "Mediterrâneo" publicado em Março de 2016 pela Editora Quetzal.

Este Prémio foi criado em 1999 pela Câmara Municipal de Faro e a cerimónia de entrega realizar-se-á no dia 9 de Setembro.

 ________________________________________________________

Biografia:

Nasceu no Porto, a 3 de Junho de 1967.

Vive em Leça da Palmeira.

É licenciado em Medicina e Cirurgia pela Universidade do Porto, especialista em Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia.

Divide o seu tempo entre Leça da Palmeira e Venade.

Publicou o primeiro livro de poemas Há Violinos na Tribo, em 1989, a que se seguiram Rua Trinta e Um de Fevereiro(1991), Este Lado para Cima (1994), Lugares Comuns (2000), 3 (poesia 1987-1994), em 2001, Rés-do-Chão (2003), Luz Última (2006), A Parte pelo Todo (2009), Poesia Reunida (2011), Você Está Aqui (2013) e Mediterrâneo (2016).

Organizou a antologia de poesia mundial sobre gatos Assinar a Pele (2000).

A sua obra está editada em antologias e revistas literárias de uma dezena de países.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48


#2548 - "VIAGEM MEDIEVAL" - SANTA MARIA DA FEIRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.08.17

 «Gosto muito» da «Viagem Medieval» que se realiza todos os anos em Santa Maria da Feira.

Aprecio, de maneira particular, o «perfume» que envolve o corpo do seu velho burgo.

 

Mas há um dia muito especial do qual gosto ainda mais: o dia a seguir ao seu encerramento...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53


#2547 - MANIA DE VOCÊ

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.08.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:35


#2546 - DOS LABIRINTOS DA MEMÓRIA

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.08.17

 

Há palavras que se inclinam obedecendo à vontade do corpo

e letras que subitamente se empertigam reagindo contra a vontade do corpo.

E a escrita soluça

fica suspensa

em alerta

a língua se dobra num último esforço para

expulsar a palavra que por baixo dela se esconde.

 

É a memória que se apaga

fica vazia 

numa luz negra qual

nuvem de algodão que a afoga

e as gavetas estão fechadas

onde estão escondidas

as urgentes palavras.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30


#2545 - ALGUNS POEMAS DE PAUL CELAN

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.08.17

arte poetica paull celan004.jpg

 Era Primavera, e as árvores voaram para os seus pássaros.

 

__________________________

 

Quatro estações do ano e nenhuma quinta para se decidir por uma delas.

 

__________________________

 

Era tão grande o seu amor por ela que teria conseguido levantar a tampa do caixão - se a flor que ela aí colocou não fosse tão pesada.

 

POEMAS DE PAUL CELAN DO LIVRO ARTE POÉTICA - O MERIDIANO E OUTROS TEXTOS, PAGS. 23 E 24, EDIÇÕES COTOVIA, 1996.

ESTES POEMAS FORAM PUBLICADOS NO JORNAL DIE TAT, DE ZURIQUE, EM 12 DE MARÇO DE 1949.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43


#2544 - Ryuichi Sakamoto - "Life, Life"

por Carlos Pereira \foleirices, em 05.08.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:39


#2543 - CASARIO E FIGURAS DE UM SONHO

por Carlos Pereira \foleirices, em 04.08.17

Casario e Figuras de um Sonho - Dominguez Alvarez

 

Na rua cheia de sol vago há casas paradas e gente que anda.

Uma tristeza cheia de pavor esfria-me.

Pressinto um acontecimento do lado de lá das frontarias

e dos movimentos.

 

Fernando Pessoa in «Poemas Ocultistas»

(Selecção e Glosa de Petrus - O. C., 2.º v., p.262),

C.E.P., s/d (p.43)

Retirado do Catálogo "Azares da Expressão ou a Teatralidade na Pintura Portuguesa - Algumas obras do CAM

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:38

A próxima estação é a estação das eleições autárquicas. O ambiente já começa a ficar poluído com o ruído   das mensagens dos candidatos anunciando vulgaridades e disparates.

 

vote em mim e as suas rugas desaparecerão...

tem problenas de celulite? então  eu sou o candidato perfeito

E prisão de ventre?

E problemas de impotência? Comigo vai ser feliz sexualmente

Caspa? 

Olheiras?

Pêlos nos ouvidos e no nariz?

Tem dificuldade de relacionamento?

Mau hálito?

A sua sanita está entupida?

Há quanto tempo não come um robalo?

 

Vou propor que os meus gatos sejam  candidatos, pelo menos são sedutores e não miam promessas, vulgaridades e disparates.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42


#2541 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 03.08.17

O silêncio é, muitas vezes, mais subversivo e revolucionário do que a tagarelice de um discurso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:07


#2540 - Georges Delerue - Chère Louise

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.08.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:49


#2539 - Daigo Hanada - solitude

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.08.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:10


#2538 - A história repete-se com uma surpreendente regularidade

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.08.17

Um velho jornal enxotado pelo vento cai-me no regaço.

As letras húmidas, quase transparentes dão corpo a efemérides, notícias e artigos de opinião.

A impressão tem uma data - Janeiro de 1900 - início do século XX.

O editorial escrito pelo seu director cujo nome é ilegível anuncia

em letra robusta

o  acontecimento

e prevê com enorme entusiasmo

tempos de prosperidade, paz, grandes avanços na ciência e na economia...

Só não foi capaz de perceber

as fragilidades dos sistemas político, económico e social

 e a decadência de vários estados,

alguns deles imperiais,

que iriam tornar o século xx

catastrófico, sangrento, violento, brutal, mortal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:46


#2537 - REVISTA LER (EDIÇÃO VERÃO 2017 | N.º 146)

por Carlos Pereira \foleirices, em 02.08.17

revista ler verão 2017002.jpg

 Capa da revista LER, edição Verão 2017, n.º 146

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:56


#2536 - A TERRA E O HOMEM

por Carlos Pereira \foleirices, em 31.07.17

 

É necessário virar as palavras ao contrário para entender o gesto acerbo do homem que se apoia na terra em posição inversa. O corpo encostado no azul cobalto do ar é um pêndulo que oscila sempre no sentido contrário do vento para equilibrar o desequilíbrio. E a terra que se espanta com a persistência do corpo que faz um perfeito ângulo recto com a sua sombra; e  com os olhos agarrados a um ponto como se quisessem proteger um segredo  guardado na parte mais funda, aquosa e quente do seu ventre. E a boca que se abre para receber a respiração da terra e a terra que se abre para receber a respiração do  homem num diálogo vivo, harmonioso e mecânico entre as raízes da terra e as veias do homem.

E da esquina do seu rosto correm gotas de água doce e límpida que alimentam flores multicor, árvores, arbustos, ervas que crescem para cima e para baixo onde pássaros aéreos e subterrâneos as protegem de devoradores insectos humanos.

Esta cumplicidade depende de um cordão umbilical frágil que os liga para sempre  e a toda a restante irmandade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:34


#2535 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 29.07.17

"O inferno é branco; o homem e a criança são negros; uma das mulheres é da família das liliáceas, cor de jacinto azul, a outra é da cor das magnoliáceas, em tom de magnólia branca: os seus números são de cor de papoila, a sua água é verde.

O nome da minha chita é de ouro e a nossa memória anímica banha-se nua no cântico do leite reluzente.

O basalto permanece sombrio."

 

PREÂMBULO DO LIVRO "CÂNTICO DO CRIME" DE JOËLLE GHAZARIAN, PÁGINA 15, EDIÇÃO QUASI, SETEMBRO DE 2007

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58

 ANTÓNIO LOBO ANTUNES

 

Claro que há aqueles malucos como Picasso ou Miró e necessitamos de os ter no Zoológico do nosso espírito embora entreguemos o nosso dinheiro a imbecis oportunistas a que chamamos gestores. E, claro, os gestores gastam mais do que gerem, com o seu português horrível e a sua habilidade de vendedores ambulantes: Porquê? Porque nos sossegam. Salazar sossegava

A escritora Gertrude Stein insistia com os jovens escritores americanos de quem era protectora, Hemingway, Fitzgerald, tantos outros, da importância que teria para eles viverem em Paris. A sua explicação era simples:

– Não é tanto o que Paris dá

(insistia ela)

é o que Paris não tira. Esta frase traz-me sempre à ideia a pergunta que Alexandre Dumas

(gosto de Alexandre Dumas)

faz no seu diário:

“Porque motivo há tantas crianças inteligentes e tantos adultos estúpidos?”

Fica a reflectir acerca disto durante uns parágrafos e acaba por concluir que só pode ser um problema de educação. Por exemplo os desenhos das crianças em geral são magníficos, os dos adultos, excepto no caso de serem artistas de talento, uma bodega. Claro que é um problema de educação: uma criança criativa é herética e subversiva

(até rima, olha)

e claro que isso assusta os professores que exigem dos alunos uma normalização que conduz inevitavelmente à mediocridade que tanto tranquiliza os pais. Queremos que os filhos tenham vidinhas, sejam tristemente independentes, consigam um bom casamento, uma, tanto quanto possível, boa casa, um ordenado simpático, filhos bem educados. Claro que admitimos Gauguin ou Mozart desde que não façam parte da família. Em geral as famílias defendem-se criando um maluquinho. Todas têm aquilo que consideram o maluco da família e, quando o maluco, por qualquer motivo, deixa de o ser, apressam-se a arranjar outro antes que a estrutura se desagregue. Não há nada que assuste mais as pessoas do que a criatividade, nada que as apavore mais do que a diferença. A sociedade necessita de medíocres que não ponham em questão os princípios fundamentais e eles aí estão: dirigem os países, as grandes empresas, os ministérios, etc. Eu oiço-os falar e pasmo não haver praticamente um único líder que não seja pateta, um único discurso que não seja um rol de lugares comuns. Mas os que giram em torno deles não são melhores. Desconhecemos até os nossos grandes homens: quem leu Camões por exemplo? Quase ninguém. Quem sabe alguma coisa sobre Afonso de Albuquerque? Mas todos os dias há paleios cretinos acerca de futebol em quase todos os canais. Porque não é perigoso. Porque tranquiliza. Os programas de televisão são quase sempre miseráveis mas é vital que sejam miseráveis. E queremos que as nossas crianças se tornem adultos miseráveis também, o que para as pessoas em geral significa responsáveis. Reparem, por exemplo, em Churchill. Quando tudo estava normal, pacífico, calmo, não o queriam como governante. Nas situações extremas, quando era necessário um homem corajoso, lúcido, clarividente, imaginativo, iam a correr buscá-lo. Os homens excepcionais servem apenas para situações excepcionais, pois são os únicos capazes de as resolverem. Desaparece a situação excepcional e prescindimos deles. Gostamos dos idiotas porque não nos colocam em causa. Quanto às pessoas de alto nível a sociedade descobriu uma forma espantosa de as neutralizar: adoptou-as. Fez de Garrett e Camilo viscondes, como a Inglaterra adoptou Dickens. E pronto, ei-los na ordem, com alguns desvios que a gente perdoa porque são assim meio esquisitos, sabes como ele é, coitado, mas, apesar disso, tem qualidades. Temos medo do novo, do diferente, do que incomoda o sossego. A criatividade foi sempre uma ameaça tremenda: e então entronizamos meios-artistas, meios-cientistas, meios-escritores. Claro que há aqueles malucos como Picasso ou Miró e necessitamos de os ter no Zoológico do nosso espírito embora entreguemos o nosso dinheiro a imbecis oportunistas a que chamamos gestores. E, claro, os gestores gastam mais do que gerem, com o seu português horrível e a sua habilidade de vendedores ambulantes: Porquê? Porque nos sossegam. Salazar sossegava. De Gaulle, goste-se dele ou não, inquietava. Eu faria um único teste aos políticos, aos administradores, a essa gentinha. Um teste ao seu sentido de humor. Apontem-me um que o tenha. Um só. Uma criatura sem humor é um ser horrível. Os judeus dizem: os homens falam, Deus ri. E, lendo o que as pessoas dizem, ri-se de certeza às gargalhadas. E daí não sei. Voltando à pergunta de Dumas

– Porque é que há tantas crianças inteligentes e tantos adultos estúpidos?

não tenho a certeza de ser um problema de educação que mais não seja porque os educadores, coitados, não sabem distinguir entre ensino, aprendizagem e educação. A minha resposta a esta questão é outra. Há muitas crianças inteligentes e muitos adultos estúpidos porque matámos o máximo de crianças que perdemos quando elas começaram a crescer. Por inveja, claro. Mas, sobretudo, por medo.

 

Crónica publicada na VISÃO 1272 de 20 de julho

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:42


#2533 - PRÉMIO LITERÁRIO THE MAN BOOKER PRIZE 2017

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.07.17

Foi hoje anunciado pelo júri do The Man Booker a lista dos 13 nomeados ao galardão.

O vencedor só será conhecido no dia 17 de Outubro.

 

The longlist, or ‘Man Booker Dozen’, for the £50,000 Man Booker Prize is announced today.

This year’s longlist of 13 books was selected by a panel of five judges: Baroness Lola Young (Chair); literary critic, Lila Azam Zanganeh; Man Booker Prize shortlisted novelist, Sarah Hall; artist, Tom Phillips CBE RA; and travel writer, Colin Thubron CBE.

The list was chosen from 144 submissions published in the UK between 1 October 2016 and 30 September 2017.

The Man Booker Prize for Fiction, first awarded in 1969, is open to writers of any nationality, writing in English and published in the UK.

 

The 2017 longlist, or Man Booker ‘Dozen’, of 13 novels, is:

Title Author (nationality) (imprint)

 

4 3 2 1 by Paul Auster (US) (Faber & Faber)


Days Without End by Sebastian Barry (Ireland) (Faber & Faber)


History of Wolves by Emily Fridlund (US) (Weidenfeld & Nicolson)


Exit West by Mohsin Hamid (Pakistan-UK) (Hamish Hamilton)


Solar Bones by Mike McCormack (Ireland) (Canongate)


Reservoir 13 by Jon McGregor (UK) (4th Estate)


Elmet by Fiona Mozley (UK) (JM Originals)


The Ministry Of Utmost Happiness by Arundhati Roy (India) (Hamish Hamilton)


Lincoln in the Bardo by George Saunders (US) (Bloomsbury)


Home Fire by Kamila Shamsie (UK-Pakistan) (Bloomsbury)


Autumn by Ali Smith (UK) (Hamish Hamilton)


Swing Time by Zadie Smith (UK) (Hamish Hamilton)


The Underground Railroad by Colson Whitehead (US) (Fleet)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:24

 

Jorge Amado e José Saramago - Com o Mar por Meio é uma curta mas tocante troca de inconfidências e agrados entre dois dos maiores autores da língua portuguesa do século XX. A reunião e seleção da correspondência será lançada oficialmente na sexta-feira, já madrugada de sábado em Portugal, na Casa José Saramago, em Paraty, cidade sede da FLIP, feira internacional de literatura que começa hoje. Paloma Jorge Amado, filha do escritor brasileiro, e Pilar del Río, mulher do autor português, estão à frente da iniciativa.

 

NOTÍCIA RETIRADA DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:28

 

 

A cerimónia de atribuição do Prémio terá lugar a 24 de outubro de 2017 na Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa.
 
Wim Wenders ®PeterLindbergh2015
 
 

Wim Wenders, conceituado cineasta, produtor, fotógrafo e autor alemão, é o vencedor da edição de 2017 do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural. Wim Wenders é distinguido pelo seu contributo excecional para a comunicação da história multicultural da Europa e dos ideais europeus. Por ocasião do 5.º aniversário do Prémio, que homenageia a activista cultural e eurodeputada portuguesa Helena Vaz da Silva, o Júritambém concedeu um reconhecimento especial à deputada do Parlamento Europeu Silvia Costa, de Itália, pelo seu contributo notável para o desenvolvimento da estratégia da União Europeia sobre o património cultural e para a promoção do Ano Europeu do Património Cultural 2018. 

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva, instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património que o CNC representa em Portugal, e o Clube Português de Imprensa, distingue contribuições excecionais para a proteção e divulgação do património cultural e dos ideais europeus. Conta com o apoio do Ministério da Cultura, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Turismo de Portugal.

Em nome do Júri do Prémio, Maria Calado, Presidente do Centro Nacional de Cultura, enfatizou: "Wim Wenders é não apenas uma figura chave do cinema contemporâneo Europeu mas também um defensor acérrimo da Europa através do seu rico património cultural. Ao longo de 50 anos de carreira, ele tem sido um mestre na procura de imagens e palavras para capturar o sentido de lugar na Europa. O Júri apreciou em particular a forma original como Wenders consegue dar vida aos valores e ideais europeus e promovê-los além-fronteiras através do seu trabalho prolífico, que abrange filmes inovadores, exposições fotográficas, monografias, livros de filmes e coleções de prosa".

Reagindo à notícia, Wim Wenders afirmou:


Estou profundamente grato por este prémio porque me identifico com os princípios que lhe estão subjacentes.

A Europa é uma utopia em curso, construída, mais do que por qualquer outra coisa, pelo seu legado cultural.

Temos de continuar a construir o nosso futuro comum, mas, nesse processo, não podemos deixar esquecida a preservação do nosso passado.

Os meios de comunicação digital tornam a essa comunicação muito mais rápida, mas são igualmente rápidos a incitar ao esquecimento.

Porém, esses meios ajudam-nos também a armazenar e a preservar as nossas preciosas lembranças de forma duradoura e eficaz, como acontece no reino do cinema, por exemplo.


O cineasta alemão, juntamente com sua esposa Donata, criou a Fundação Wim Wenders em Düsseldorf em 2012. Com o estabelecimento da Fundação, pretendeu-se criar um quadro juridicamente vinculativo para reunir o trabalho cinematográfico, fotográfico, artístico e literário de Wenders no seu país natal e torná-lo acessível de forma permanente ao público de todo o mundo. Todas as receitas são utilizadas para financiar o objetivo central da Fundação: a promoção de artes e cultura, não só através do restauro, disseminação e preservação do trabalho de Wenders, mas também através do apoio a jovens talentos no campo do cinema.

Este ano, o Júri do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva - composto por especialistas independentes nos campos da cultura, património e comunicação de vários países europeus - decidiu também conceder um reconhecimento especial à eurodeputada Silvia Costa (Grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas).

"Silvia Costa tem defendido vigorosamente que o património cultural é uma grande mais-valia para as instituições da União Europeia e para os Estados Membros e tem promovido o reconhecimento do seu valor social e económico a nível europeu. Ela tem sido uma das figuras políticas centrais por detrás do Ano Europeu do Património Cultural que se celebrará em 2018. Enquanto líder da equipa de negociação do Parlamento Europeu responsável por esta iniciativa, a eurodeputada Silvia Costa tem destacado a dimensão europeia do nosso património comum, sublinhado a importância do património cultural na comunicação dos valores europeus e defendido que a União Europeia adote a uma política abrangente para o património cultural como um legado duradouro do Ano Europeu", comentou Maria Cado, Presidente do Centro Nacional de Cultura, em nome do Júri do Prémio

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:32


#2530 - PRONTO (Crónica de António Lobo Antunes)

por Carlos Pereira \foleirices, em 20.07.17

Antonio_Lobo_Antunes_escritor_portugues.jpg

 

E PRONTO

Escrever é também isso: prazer e alegria e a minha ingénua vaidade de então, eu que não estava preparado para o sucesso nem sabia o que fazer com ele

Susa Monteiro

Eu não tenho computador, não tenho telemóvel, não tenho cartão de crédito, não tenho carro, resumindo: sou todo meu. Estou aqui sentado nesta cadeira a escrever esta crónica, cheio de vontade de voltar para o livro que ainda não parou de me trazer problemas. Do ponto de vista técnico é muito difícil, o material não cessa de crescer, estou mais ou menos a meio da primeira versão o que significa que, trabalhando as minhas doze horas diárias habituais, talvez a acabe lá para o fim do ano se nada especial acontecer na minha vida que me impeça de rabiscar. Não sei porque me meti neste livro, quer dizer sei mais ou menos: foi ele que se meteu em mim. Tinha acabado o livro anterior, estava à espera, vazio, e apareceu este primeiro depressa, depois devagar, depois depressa outra vez quando os vários elementos principiaram a juntar-se, depois devagar de novo à medida que ia crescendo. Tem vinte e cinco capítulos, acabei a primeira versão do décimo segundo hoje, queria começar a ocupar-me do décimo terceiro mas tenho de fazer estes textinhos para a revista. É horrível passar para um ritmo completamente diferente, dizer coisas levezinhas a fim de distrair as pessoas e o livro à espera, furioso comigo. Tenho sempre medo de não conseguir acabá-lo, precisa de tantas correções. É uma coisa estranha, um livro: quando tudo está a correr bem anda sozinho e de repente pumba, pára e lá fico eu à espera que ele decida continuar. Quando menos espero engrena de novo. Às vezes pergunto-me de onde é que isto vem e ignoro a resposta. Vem de um sítio qualquer, muito escondido, lá no fundo, uma espécie de cave confusa onde as palavras se organizam apesar de mim. Acho que o livro está lá todo à espera do momento de se realizar sozinho. Quer dizer não é bem assim: umas vezes organiza-se por si, outras necessita que eu seja criada para todo o serviço. Mas é fascinante vê-lo crescer, modificar-se, estruturar-se, é fascinante fazê-lo crescer, modificá-lo, estruturá-lo. Que me lembre escrevi o primeiro romance aos sete ou oito anos. Tinha quatro páginas e custou-me como o diabo. Claro que o queimei na figueira da casa dos meus pais onde queimava tudo. Os meus pais sabiam o que eu andava a fazer mas nunca me perguntaram fosse o que fosse. Enquanto eu escrevia o João estudava. Também nunca me perguntou nem eu lhe disse. Para quê? Era tão óbvio para mim que me faltava imenso caminho mas a certeza que ia ser o melhor dava-me força. Apesar de ser humilde, porque só se pode escrever sendo humilde, não tinha qualquer dúvida acerca disso. E era horrivelmente consciente das minhas múltiplas imperfeições. E depois, quando me levavam de férias com os meus irmãos, enchia um saco de livros para aprender. Fazia exercícios: escrevia à maneira deste, à maneira daquele, lia imensos romances maus, com os quais se aprende melhor que com os romances bons porque nesses não se vêem os pregos do reverso do cenário, o que há, como dizia Pascoaes, da aparição no seio da aparência. E continuava a queimar tudo, não revoltado, não zangado, porque era óbvio para mim que aquele era o caminho e que tinha de ser paciente e continuar a mamar. Não conhecia ninguém que escrevesse, nada sabia de literatura, estava completamente só. É terrível isto, durante um livro está-se completamente só. Quando me perguntavam o que queria ser não respondia porque não queria ser, já era. Só me faltava ser mas já era. E depois ia aprendendo com todos até que, aos dezassete ou dezoito anos, tive um encontro decisivo ao ler Antoine Blondin, escritor francês hoje praticamente esquecido, não é verdade, hoje esquecido, e que abriu, dentro de mim, uma porta que eu sabia que tinha. Nem sequer éramos parecidos no que ele fazia e eu tentava fazer, mas sendo tão diferente dele Antoine Blondin foi o meu encontro decisivo. Não sei bem em quê: talvez na luta pela liberdade interior. Num dos seus livros, falando da mãe, Blondin conta que ela costumava dizer: não tenho fé mas tenho tanta esperança. Esta frase foi muito importante para mim. Tanta esperança. E uma frase de Bernanos que nunca mais esqueço, e os três grandes poemas de Cendrars. Armado deste material as coisas foram-se tornando, a pouco e pouco, menos penosas. E depois a guerra. E depois a vinda da guerra. E depois, finalmente, a Memória de Elefante que nunca li nem deixava que traduzissem. O Christian Bourgois lá me convenceu e então olhei algumas páginas em francês. Para um primeiro livro achei-o do caraças mas já nada tinha a ver com o que eu fazia então. No entanto gosto dele sobretudo porque me recorda quanto me vi à brochinha para o compor, numa época da minha vida em que sofria muito por razões que não vêm ao caso nem vou maçar o leitor com isso. 
O Zé Cardoso Pires dizia-me: é preciso que a gente sofra para o leitor ter prazer. Mas gostaria que o leitor tivesse prazer com menos sofrimento da minha parte. Escrever é também isso: prazer e alegria e a minha ingénua vaidade de então, eu que não estava preparado para o sucesso nem sabia o que fazer com ele. Ainda não sei muito bem. Lembro-me sempre de Mozart depois de tocar na corte francesa, aos cinco anos. Toda a gente aplaudiu muito no fim e ele foi a correr para o colo da rainha, por acaso Maria Antonieta, saltou-lhe para os joelhos e pediu-lhe

– Gosta de mim.

E pronto, acho que estou no fim da crónica. Espero não os ter aborrecido muito. Agora vou até lá dentro sentar-me na sala a olhar para nada. Como dizem os parvos muito obrigado por este bocadinho. Fim

 

(Crónica publicada na VISÃO 1271, de 13 de julho de 2017)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:48


#2529 - BEACH HOUSE - "CHARIOT"

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29


#2528 - U.N.K.L.E - Have You Looked at Yourself; Farewell

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16


#2527 - Soap&Skin - the sun

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02


#2526 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.07.17

L107_PedroParamo-555x710.jpg

 JUAN RULFO (1917-1986)

 

"Vim a Comala porque me disseram que vivia aqui o meu pai, um tal Pedro Páramo. Foi a minha mãe quem mo disse. E eu prometi-he que viria vê-lo quando ela morresse.  Apertei-lhe as mãos como sinal de que o faria pois ela estava à beira da morte e eu disposto a prometer-lhe tudo. "Não deixes de ir visitá-lo", recomendou-me. "Chama-se assim e assado. Tenho a certeza de que gostará de conhecer-te." Na altura nada mais pude fazer para além de lhe dizer que sim, que o faria, e de tanto lho dizer, continuei a dizê-lo mesmo depois do trabalho que as minhas mãos tiveram para se afastar das suas mãos mortas. Imediatamente antes, dissera-me:

- Não lhe vás pedir nada. Exige-lhe o que nos pertence. O que me devia ter dado e nunca deu... O esquecimento a que nos votou, meu filho, cobra-lho caro.

- Assim farei, mãe.

Mas não pensava cumprir a minha promessa. Até ter começado, há muito pouco , a encher-me de sonhos, a dar asas  às ilusões. E assim se foi formando um mundo em torno da esperança que era aquele senhor chamado Pedro Páramo, o marido da minha mãe. Por isso vim a Comala." (...)

 

Excerto do livro de Juan Rulfo "Pedro Páramo", página 19 - Edição Cavalo de Ferro, Junho de 2017

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:12

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:53


#2524 - O VERBO REZAR

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.07.17

JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

 

Há pessoas  que para rezar baixam os olhos, fecham nas mãos o rosto, voltam-se para o interior. E a oração configura-se como uma imersão, um mergulho, semelhante à imagem oferecida pelo pequeno poema de Matsuo Bashô: "Silêncio/ Uma rã mergulha/ Dentro de si". A oração é uma pedra que se afunda não dentro do lago, mas no interior vasto de si. Há outras pessoas, porém, que abrem esforçadamente os olhos ao rezar, que finalmente os abrem numa tentativa de olhar a vida no seu flagrante espanto, no seu rasgão dilacerante e no seu prazer vivo. Quer umas quer outras estão certas. Todas as formas de rezar são insuficientes. Todas são eficazes. A arte de rezar é a arte de ser, apenas isso. (...)

 

Excerto do texto "O Verbo Rezar" publicado na Revista E do jornal Expresso, edição 2333 de 15 de Julho de 2017, página 94 e que integra a rubrica semanal com o título  "Que coisa são as nuvens"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:05


#2523 - Bon Iver - Holocene (Official Music Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:58


#2522 - Ry Cooder - Paris, Texas

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:40


#2521 - Joan Baez - Brothers In Arms

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:52


#2520 - THE DOORS - THE END

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48


#2519 - FLIP - Festa Literária Internacional do Paraty

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.07.17

  

FLIP - Festa Literária Internacional de Paraty - 15ª Edição - um dos grandes acontecimentos culturais do Brasil vai ter lugar em Paraty de 26 a 30 de Julho.

Frederico Lourenço participa da Flip 2017

 

VER PROGRAMAÇÃO AQUI

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:00


#2518 - London Grammar - Wasting My Young Years [Official Video]

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

 

Não há como excluir de um cânone mínimo Machado de Assis, Graciliano Ramos e Guimarães Rosa, na prosa, e Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, na poesia.
 

Como escrevo sobre livros, leitores de vários Estados estão sempre pedindo indicações de obras “literárias importantes”. Por isso, de vez em quando, publico algumas listas comentadas. Há solicitações difíceis de atender: “Quais os três maiores romancistas brasileiros?” e “Quais os três maiores poetas brasileiros?”

 

Evidentemente, não há só três grandes romancistas e três grandes poetas. Há poetas, por exemplo, que, mesmo não figurando entre os maiores, escreveram poemas belos e emblemáticos. Vinicius de Moraes é, certamente, um deles, assim como Gregório de Matos Guerra, Jorge de Lima, Murilo Mendes, Sousândrade, Augusto dos Anjos, Mário de Andrade, Mário Faustino, Oswald de Andrade, Afonso Felix de Sousa, Lêdo Ivo, Raul Bopp, Cecília Meirelles, Mario Quintana, Adélia Prado, Haroldo de Campos, José Paulo Paes, Ferreira Gullar, Manoel de Barros, Ruy Espinheira Filho, Heleno Godoy, Ronaldo Costa Fernandes (poeta e prosador), Nelson Ascher e Régis Bonvicino.

 

Mas ninguém, ao elaborar uma lista com os três maiores poetas, terá a ousadia de excluir Carlos Drummond de Andrade, o Sol da poesia patropi, João Cabral de Melo Neto, o T. S. Eliot verde amarelo, e Manuel Bandeira. Este menosprezava, de maneira irônica e, quiçá, falsa modéstia, sua poesia — que seria “menor”. Usando a “dica”, pode-se dizer que a grande poesia de um país é formada por vários poetas menores que também, eventualmente, escreveram poemas maiores. É possível sugerir, ainda, que são os menores que colocam as escadas para poetas como Drummond de Andrade e João Cabral se tornarem gigantes.

 

 

 

IN "REVISTA BULA"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:53


#2516 - ADANOWSKY - ME SIENTO SOLO (Official Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23


#2515 - The Black Heart Procession -The Letter

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04


#2514 - The Black Heart Procession - A Cry For Love

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:57


#2513 - The Silver Lake Chorus- Easy to Die (Hammock Remix)

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:22

 

 

Um bom livro não se torna um marco na literatura apenas pela qualidade da narrativa e estilo empregado pelo autor. O contexto em que a história está inserida e o impacto para a sociedade também são indicadores seminais. Pensando nisso, a Bula realizou uma enquete com leitores para descobrir quais são os livros mais representativos em 20 países, de quatro continentes, escolhidos aleatoriamente. As obras mais votadas foram organizadas em uma lista de acordo com o país de origem. É importante salientar que listas são sempre incompletas e idiossincráticas, não sendo possível incluir todos os livros e autores relevantes em uma única seleção. Como critério principal para a escolha deveria prevalecer o impacto causado pela obra e a capacidade de influenciar novas gerações de autores e leitores. Também deveria ser votado apenas um livro por país. O resultado não pretende ser abrangente ou definitivo e corresponde apenas à opinião dos participantes da enquete. As sinopses foram adaptadas das editoras Companhia das Letras, Alfaguara, Record, José Olympio, Bertrand, 34, Martin Claret e Zahar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:53

 José Rentes de Carvalho

 

PRECE DE UM TRANSMONTANO

 

(Crónica de José Rentes de Carvalho publicada na Revista Visão)

 

Mas se Trás-os-Montes, aparentemente, se acomoda ao seu destino, não se rebela nem queixa, sofre ser tratado como o parente mais pobre e desamparado de uma nação ingrata

 

Ter opiniões e saber doseá-las de acordo com os sentimentos vigentes, além de ajudar à paz de espírito facilita o ganho de uma aura de sabedoria e boa reputação. O que vai contracorrente arranja lenha para se queimar.

 

Bem me avisaram: se era meu intento escrever sobre Trás-os-Montes, levasse em conta que o caminho seguro seria não me desviar dos trilhos, carreiros e atalhos de cabras que gente de nome tinha palmilhado; referir de permeio uma ou outra citação mais saliente sobre a imponência ciclópica do fraguedo, a majestade das arribas, a emoção que causa recordar a temerosa correnteza que era o Douro, antes de ser domado pelas barragens.

 

Nesse quadro caberiam também saudosas referências ao cheiro da urze, ao chiar dos carros de bois, ao porte imponente do gado de Miranda e, aqui e ali, como nos instantâneos da saudosa fotografia a preto e branco, salpicar imagens das velhinhas que, sentadas à porta, se vêem a fazer um inútil croché, sorrindo as boas-horas a quem passa.

 

Nada contra. O conselho era avisado, boa a intenção, se de alguma forma pecava era por esperar que com os meus olhos, sentimentos, e a memória que tanto me faz repisar, eu, embora sem de todo fazer tábua rasa das recordações e vivências, desse pelo menos um jeitinho. Limasse as arestas, não forçasse o desespero, concedesse como é grande a diferença entre o hoje e o trágico ambiente que foi o da província transmontana no tempo da minha infância e adolescência.

 

Não me custa fazer mea culpa, pois sei bem onde e porque razões exagero, quais são as dores, minhas e alheias, que me ensombram a paisagem que a outros aparece colorida, rica em matizes, quiçá mais conforme à da realidade. Todavia, quando assim procedo, não o faço com o desejo de criticar, diminuir ou sonhar impossíveis, mas tão-só para que fique testemunho, com esperança de que as desigualdades e os sofrimentos se tornem história.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:35


#2510 - A lentidão do gesto

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.07.17

 

A lentidão do gesto diz o quê?

O reflexo tardio à brusquidão do impulso

O atropelo à palavra conjugada de um verbo rasteiro

O passo que se atrapalha e é surdo à exigência do outro passo

A resposta que não se quer ouvir da pergunta que nunca foi feita

A ferida que se rasga sem sangrar

A vontade que se resigna para não se magoar 

A luz da estrela que teima em brilhar depois de morrer.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:14


#2509 - Songs of Green Pheasant - Nightfall (for boris p.)

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45


#2508 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.07.17

 

A política é a arte da mentira e da sedução.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:25

 

 

THIAGO RODRIGUES BRAGA VENCE PRÉMIO LITERÁRIO UCCLA

O brasileiro Thiago Rodrigues Braga venceu a segunda edição do Prémio Literário UCCLA – Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa, com a obra Diário de Cão. A menção honrosa do prémio foi atribuída ao livro de poemas Asa Norte, da também brasileira Rafaela Nogueira Barbosa.

Promovido pela União das Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), com a colaboração da editora A Bela e o Monstro e do Movimento 2014, a distinção, destinada a obras inéditas de ficção ou poesia em língua portuguesa, foi lançado em 2015.

A esta segunda edição candidataram-se 520 obras enviadas por autores dos diversos países de língua oficial portuguesa. Ao poeta e ensaísta António Carlos Cortez coube selecionar uma dezena de obras para posterior apreciação do júri composto por António Carlos Secchin (Brasil), Germano de Almeida (Cabo Verde), Inocência Mata (São Tomé e Príncipe), Isabel Alçada (Portugal), José Luís Mendonça (Angola) José Pires de Laranjeira (Portugal), João Lourenço, em representação da Biblioteca Nacional de Angola, João Pinto Sousa, pela editora A Bela e o Monstro, e Rui Ávila Lourido, coordenador cultural da UCCLA.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:02


#2506 - Lewis- It's A New Day (1985)

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15


#2505 - Cigarettes After Sex - Opera House

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10


#2504 - Sem título

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.07.17

 

No topo da mais alta montanha

onde o  ar é rarefeito por estar

muito perto do céu que

quase toco se

mais alto fosse, 

uma flor rara

filigrana de luz brilhante

imaculada

ilumina a passagem para outras dimensões

temporais

espirituais.

 

Dispo-me

só deixo ficar a pele que me aquece e protege

na minha viagem  de peregrino

para descobrir a matéria de que é feita

a minha alma ou

se ela existe

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:32


#2503 - Sem título

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.07.17

 

Repouso a cabeça

no ângulo

mais suave do

vento

e

lentamente

adormeço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:24


#2502 - Os Novos Deuses

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.07.17

 

Na saliência mais luminosa do queixo

apoiado em mãos lavradas pela erosão dos ventos,

brincos de água de manhãs de orvalho

deslizam até ao peito.

 

E o peito abre-se.

E o peito aberto mostra o galope poderoso das ondas contra a parede da escarpa,

a espuma salgada de nuvens densas que

escondem o latejar do trovão e calam o

choro de deuses antigos, mitológicos, nocturnos, decadentes.

 

E o vento ardente, vindo do norte de outro continente

chicoteia a pele rasteira das ervas dos sagrados montes.

É um vento seco, irado, mas lamentoso

soprado pelos deuses de dedo em riste enquanto

entoam canções amargas sobre poderes antigos.

 

Escarnecem da nudez dos novos deuses algorítmicos

tão caprichosos e violentos como eles,

mas muito mais perigosos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:01


#2501 - EU SEI!

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.07.17

caos 3.jpg

 

Eu sei que a palavra dita corrompe a palavra escrita e as estações, sítios de embarque e desembarque, abraços e despedidas ou simplesmente de passagem.

 

Eu sei quando os rostos diurnos revelam os excessos da noite comprida, e que um sorriso pode ser amarelo, vermelho ou de um branco complacente.

 

Eu sei que o sol nasce todos os dias, acorda sempre do mesmo lado e, às vezes, de humores difíceis  e que a corrupção é o pecado original do homem aquando da  perda da sua inocência; e o seu fim só com o seu fim.  Alguém conhece outra maneira?

 

Eu sei que a nudez não é uma estátua e que ter um pensamento fora do estabelecido é, em alguns casos, passível de causar a morte.

 

Eu sei que é bom regressarmos aos lugares onde já fomos felizes e que uma mentira mil vezes repetida continuará a ser uma mentira.

 

Eu sei que um pássaro todos os dias me espreita da janela do meu quarto.

Eu sei que é um delator.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:01


#2500 - O DEUS NULO

por Carlos Pereira \foleirices, em 08.07.17

 ANTÓNIO RAMOS ROSA (1924-2013)

 

Não o espero. Não chegarei jamais, nem estarei aqui, ele não falará. Desejaria dizer o seu infortúnio inominável, o seu silêncio impossível. Desejaria acolhê-lo na sua nudez, no seu silêncio. Espera-me decerto, na sua pobreza incomensurável, pobre deus mudo, sem abrigo, de uma infinita miséria. O que escrevo, o que escreverei será a oferenda para o encontro dele. Mas não haverá encontro se ele não respirar na inesperada transparência de uma linguagem branca. Nada poderei oferecer se as palavras não constituírem essa íntima aliança que é o mistério mesmo da linguagem.

 

Estou só e continuarei  a estar só, na árida  e ávida deambulação destas palavras sem caminho. Lancinante, a suspensão interminável. Aqui agora é nunca. Julguei que poderia estabelecer uma relação serena e confiante mas não ouviaind nenhum apelo. Estou dentro de um círculo calcinado.

 

Poema de António Ramos Rosa, do livro "Antologia Poética" com Prefácio, Bibliografia e Selecção de Ana Paula Coutinho Mendes - Edição Publicações Dom Quixote - Fevereiro de 2001

 

________________________________________________________________________________

Biografia                                                                                    

António Ramos Rosa (1924-2013)
 
António Victor Ramos Rosa nasceu em Faro a 17 de Outubro de 1924. Frequentou em Faro os estudos secundários, que não concluiu por motivos de saúde. Trabalhou como empregado de escritório, desenvolvendo simultaneamente o gosto pela leitura dos principais escritores portugueses e estrangeiros, com especial preferência pelos poetas. Em 1945 vai para Lisboa e dois anos depois volta a Faro, tendo integrado as fileiras do M.U.D. Juvenil, onde militou activamente. Regressado a Lisboa, foi professor de Português, Francês e Inglês, ao mesmo tempo que estava empregado numa firma comercial, e começou a fazer traduções para a Europa-América, trabalho que nunca mais abandonaria e no qual veio a atingir notável qualidade.
 
O continuado interesse pela actividade literária levou-o a relacionar-se com um grupo de escritores que o incentivaram na publicação dos seus poemas e artigos de crítica, tendo colaborado em numerosos jornais e revistas. Com alguns desses escritores, fundou em 1951 a revista Árvore, que veio a ser uma das mais marcantes da década, procurando divulgar os textos dos poetas e prosadores portugueses mais significativos no tempo, bem como os grandes nomes da literatura estrangeira. Co-dirigiu também as revistas Cassiopeia e Cadernos do Meio-Dia.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:54


#2499 - Riceboy Sleeps - Boy 1904

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:30


#2498 - Chinawoman - Let's Part In Style - Waltz #1

por Carlos Pereira \foleirices, em 07.07.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas