PORQUE O POLITICAMENTE CORRECTO CORROMPE E DESTRÓI - Desde Novembro de 2005
Segunda-feira, 1 de Agosto de 2016
#2099 - Apetece-me ouvir e recordar

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 22:59
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 31 de Julho de 2016
#2098 - Livros e Leituras

 JULIAN BARNES

 

The Noise of Time

The Noise of Time by Julian Barnes

 

In May 1937 a man in his early thirties waits by the lift of a Leningrad apartment block. He waits all through the night, expecting to be taken away to the Big House. Any celebrity he has known in the previous decade is no use to him now. And few who are taken to the Big House ever return.

So begins Julian Barnes's first novel since his Booker-winning The Sense of an Ending. A story about the collision of Art and Power, about human compromise, human cowardice and human courage, it is the work of a true master.

Scheduled for publication in January 2016 in the UK and later in the US and Canada.



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:34
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 28 de Julho de 2016
#2097 - Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho

José  Seabra Pereira venceu o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho com o livro "O Delta Literário de Macau".

Este prémio totalmente suportado pela Edilidade de Vila Nova de Famalicão é promovido pela Associação Portuguesa de Escritores.

 

José Carlos Seabra Pereira é Doutor pelas Universidades de Poitiers e de Coimbra, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e da Universidade Católica Portuguesa. Investiga e lecciona nas áreas de Teoria Literária e Literatura Portuguesa Moderna, de Estudos Camonianos e de Estudos Pessoanos (cadeira que criou na Universidade de Coimbra). É actualmente o Coordenador Científico do Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos e vice-director da Revista Camoniana (luso-brasileira), membro eleito do novo Conselho Científico da FLUC e da Comissão Científica do Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas, membro do Conselho Editorial da Babel, vice-presidente do Círculo Literário Agustina Bessa-Luís.

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 13:30
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 27 de Julho de 2016
#2096 - Emily Haines & The Soft Skeleton - Crowd Surf Off A Cliff

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:04
link do post | comentar | favorito
|

#2095 - Elena Ferrante

"Acredito que os livros, uma vez escritos, já não precisam dos seus autores. Se tiverem alguma coisa para dizer, mais cedo ou mais tarde encontram leitores; se não, não... Gosto muito desses livros misteriosos, tanto antigos como modernos, que não têm autor definido mas têm tido e continuam a ter uma intensa vida própria. Parecem-me uma  espécie de milagre de uma noite, como as prendas da Befana, pelas quais eu esperava em criança... Os verdadeiros milagres são aqueles cujos autores nunca serão conhecidos... Além disso, não é verdade que a promoção é dispendiosa? Eu serei o autor menos dispendioso da editora. Até a minha presença vos pouparei."

 

ELENA FERRANTE



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 13:14
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 24 de Julho de 2016
#2094 - Questões de Semântica

Entre a espada e a parede escolhe uma sonora gargalhada ou o cinismo numa metáfora.



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 20:09
link do post | comentar | favorito
|

#2093 - NOCTURNO DOS ANJOS

 XAVIER VILLAURRUTIA

 

NOCTURNO DOS ANJOS

 

Dir-se-ia que as ruas fluem serenas na noite.

As luzes não são nítidas que ajudem a revelar o segredo,

o segredo dos homens que passeiam, conhecem,

porque estão todos imersos no segredo

não ganhariam nada em fragmentá-lo

sim, é bom guardá-lo

e dividi-lo só com a pessoa eleita.

 

Se cada um falasse uma vez só,

e com uma só palavra, aquilo que pensa,

as letras do desejo moldariam uma grande cicatriz cintilante,

uma constelação antiga, mais viva ainda que as outras.

Seria uma constelação ardente como o sexo

no corpo profundo da noite,

ou como os gémeos que pela primeira vez na vida

se olham de frente, e se abraçam para sempre.

 

A rua enche-se como um  rio de seres ávidos,

caminham, aguardam, prosseguem.

Trocam  olhares, ensaiam sorrisos,

formam pares imprevisíveis...

 

Há esquinas e bancos sombrios,

auras indistintas, formas profundas,

e súbitos vãos com uma luz que cega

e portas que cedem à mais leve pressão.

 

A rua fica deserta num instante.

Parece afugentar de si mesmo

o desejo de começar de novo.

Está paralisado, mudo, ofegante

como o coração entre dois espasmos.

 

Mas uma nova pulsação

lança ao rio da rua outros seres sedentos.

Cruzam-se,  e sobem,

voam ao rés do chão,

nadam de forma milagrosa

e ninguém se atreveria a dizer que não caminham.

 

São anjos,

desceram à terra

através de degraus invisíveis.

Vieram do mar, o espelho do céu,

em barcos de fumo e sombra,

a fundir-se e confundir-se com os mortais,

a inclinar os seus rostos entre as coxas das mulheres,

a deixar que outras mãos apalpem febrilmente os seus corpos,

e que outros corpos procurem os seus até encontrá-los

como os lábios que se fecham,

a fatigar a boca tanto tempo estagnada,

a libertar as suas línguas de fogo,

a dizer juramentos, canções, e palavras porcas

com que os homens concentram o  antigo mistério

da carne, do sangue, e do desejo.

 

Têm nomes fictícios, sinceramente divinos.

Chamam-se Dick ou John, Marvin ou Louis.

Em nada, senão na beleza, se distinguem dos mortais.

Passeiam, aguardam, e seguem.

Trocam  olhares, ensaiam sorrisos,

formam pares imprevisíveis.

 

Sorriem astuciosos ao entrar nos elevadores dos hotéis

donde ainda prarticam um voo lento e vertical.

Em seus corpos nús há vestígios celestiais,

signos, estrelas, e letras azuis.

Deixam-se cair nas camas, e afundam-se nas almofadas

que os fazem pensar um momento nas nuvens.

Mas logo fecham os olhos para se entregar aos gozos da sua misteriosa encarnação,

e quando dormem não sonham com os anjos, mas com os mortais.

 

Poema de Xavier Villaurrutia (1903-1950)

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 17:55
link do post | comentar | favorito
|

#2092 - Palestina

PALESTINA

 


À tua lembrança como se aperta o teu coração!
Como ao som dessa lembrança a tua poesia flui!
Madrassas, hoje submetidas ao silêncio,
Têm a secreta eloquência que cobre de sangue as tribunas.
Elas voltam-se para o seu tempo passado
Em que o poder do seu ensino se espalhava pelo Mundo.

Tão pesada é a nostalgia que corrói o coração das pedras,
Tão triste que consome o espírito no coração do homem.
Madrassas, antigos paraísos,
De ribeiras fecundas e sonoras:
A vida fluía doce por entre as suas sombras,
Mil cores enfeitiçavam o nosso olhar na luz das palavras.

Árabes! Já caminhámos tempo de mais na obscuridade.
Vieram os invasores e devastaram a nossa terra!
Pacíficos, sim, nós éramos pacíficos.
Mas, agora, meus irmãos, despertemos
E esforcemo-nos por manter, com firmeza,
As nossas promessas na fé islâmica!

Contra o agressor,
Vomita, vulcão, vomita a tua cólera,
Porque, ó Palestina, pérola das nossas glórias,
Múltipla coroa em símbolo de dignidade,
O teu Evangelho anuncia a paz
E o teu Alcorão a justiça eterna.

 

POEMA DE SALIM AL-ZURKALI, TRADUZIDO POR ANTÓNIO BARAHONA



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 17:39
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 22 de Julho de 2016
#2091 - John Maus - Hey Moon

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:05
link do post | comentar | favorito
|

#2090 - FOLHA

 RADE DRAINAC

 

FOLHA

 

Mudei de estação: o Outono ficou para trás e as minhas malas.

Agora o céu é duvidoso, como uma mentira inábil.

Na primeira taberna terei de esquecer

A carta melancólica que me tirou o sono.

Ocioso, arrasto-me pela rua, entre escritórios.

As andorinhas partiram e as máquinas de escrever ficaram.

No horizonte há uma grande trombeta de fumo.

Foi há pouco inventado um avião tão pequeno como uma borboleta.

Bravo! É um bom sinal.

A primeira folha de Outono caiu no meu chapéu.

 

POEMA DE RADE DRAINAC



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:51
link do post | comentar | favorito
|

#2089 - AOS QUE VIRÃO A NASCER

 

AOS QUE VIRÃO A NASCER

 

I

 

É verdade, vivo em tempo de trevas!

É insensata toda a palavra ingénua. Uma testa lisa

Revela insensibilidade. Os que riem

Riem porque ainda não receberam

A terrível notícia.

 

Que tempos são estes, em que

Uma conversa sobre árvores é quase um crime

Porque traz em si um silêncio sobre tanta monstruosidade?

Aquele ali, tranquilo a atravessar a rua,

Não estará já disponível para os amigos

Em apuros?

 

É verdade ainda ganho o meu sustento.

Mas acreditem: é puro acaso. Nada

Do que eu faço me dá o direito de comer bem.

Por acaso fui poupado (Quando a sorte me faltar, estou perdido.)

 

Dizem-me: Come e bebe!  Agradece por teres o que tens!

Mas como posso eu comer e beber quando

Roubo ao faminto o que como e

O meu copo de água falta a quem morre de sede?

E apesar disso eu como e bebo.

 

Também eu gostava de ter sabedoria.

Nos velhos livros está escrito o que é ser sábio:

Retirar-se das querelas do mundo e passar

Este breve tempo sem medo.

E também viver sem violência

Pagar o mal com o bem

Não realizar os desejos, mas esquecê-los.

Ser sábio é isto.

E eu nada disso sei fazer!

É verdade, vivo em tempo de trevas!

 

II

 

Cheguei às cidades nos tempos da desordem

Quando aí grassava a fome

Vim viver com os homens nos tempos da revolta 

E com eles me revoltei.

E assim passou o  tempo

Que na terra me foi dado.

 

Comi o meu pão entre as batalhas

Deitei-me a dormir entre os assassinos

Dei-me ao amor sem cuidados

E olhei a natureza sem paciência.

E assim passou o tempo

Que na terra me foi dado.

 

No meu tempo as ruas iam dar ao pântano.

A língua traiu-me ao carniceiro.

Pouco podia fazer. Mas os senhores do mundo

Sem mim estavam mais seguros, esperava eu.

E assim passou o tempo

Que na terra me foi dado.

 

As forças eram poucas. A meta

Estava muito longe

Claramente visível, mas nem por isso

Ao meu alcance.

E assim passou o tempo

Que na terra me foi dado.

 

III

 

Vós, que surgireis do  dilúvio

Em que nós nos afundámos

Quando falardes das nossas fraquezas

Lembrai-vos

Também do tempo de trevas

A que escapastes.

 

Pois nós, mudando mais vezes de país que de sapatos, atravessámos

As guerras de classes, desesperados

Ao ver só injustiça e não revolta.

 

E afinal sabemos:

Também o ódio contra a baixeza

Desfigura as feições.

Também a cólera contra a injustiça

Torna a voz rouca. Ah, nós

Que queríamos desbravar o terreno para a amabilidade

Não soubemos afinal ser amáveis.

 

Mas vós, quando chegar a hora

De o homem ajudar o homem

Lembrai-vos de nós

Com indulgência.

 

Poema de Bertolt Brecht



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Julho de 2016
#2088 - Ryuichi Sakamoto - The Revenant - Sound of Hugh Glass

 

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 16:13
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 16 de Julho de 2016
#2087 - Ben Lukas Boysen - Nocturne 4

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 15:24
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 15 de Julho de 2016
#2086 - GOLDMAN SACHS - O BANCO QUE DIRIGE O MUNDO / La Banque qui Dirige le Monde (2012)

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:31
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Julho de 2016
#2085 - O Valor das Palavras

Vivemos um tempo onde as palavras honestas já não têm valor.

 

Vivemos o tempo das palavras sujas, obscuras, manhosas, e cujo significado muitas vezes não entendemos.



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 18:42
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 10 de Julho de 2016
#2084 - Céu - Perfume do Invisível (Vídeo Oficial)

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 15:53
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 3 de Julho de 2016
#2083 - Bohren & Der Club Of Gore - Sunset Mission (Full album) HD

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 22:26
link do post | comentar | favorito
|

#2082 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

 ANÓNIMOS, UMA IMENSA MAIORIA

 

Gritámos...

Ninguém nos ouve;

Somos invisíveis, ou já estamos mortos?



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:51
link do post | comentar | favorito
|

#2081- EZIO BOSSO - Rain, In Your Black Eyes

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:26
link do post | comentar | favorito
|

#2080 - EZIO BOSSO - TANGO TRISTE

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:16
link do post | comentar | favorito
|

#2079 - O VERBO PLANTAR

"(...O verbo plantar é um verbo humilde e silencioso; um artesanato primitivo, duro, plástico e incessante; quase tão antigo como o homem; ligado a uma das actividades decisivas na luta interminável pela subsistência o cultivo da terra...)"

 

In «Que coisas são as nuvens», crónica de José Tolentino Mendonça publicada na Revista E, edição 2279, de 2 de Julho 2016

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 17:18
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 2 de Julho de 2016
#2078 - Morreu Yves Bonnefoy, o mais célebre poeta francês contemporâneo

 Também ensaísta e tradutor de Shakespeare, Yeats ou Petrarca, foi várias vezes indicado para o Prémio Nobel da Literatura. Morreu ontem em Paris aos 93 anos

 

in "Diário de Notícias"



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:45
link do post | comentar | favorito
|

#2077 - PRÉMIO HELENA VAZ DA SILVA 2016

EDUARDO LOURENÇO e PLANTU, Cartoonista do “Le Monde” são os vencedores do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2016

 

 

PLANTU (JEAN PLANTUREUX)

EDUARDO LOURENÇO

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:11
link do post | comentar | favorito
|

#2076 - PRAGMÁTICO

 HENRIK NORDBRANDT

 

PRAGMÁTICO

 

As coisas que existiam antes de tu morreres

e as coisas que surgiram depois:

 

Às primeiras pertencem, antes do mais,

as tuas roupas, as jóias e as fotografias

e o nome da mulher que te deu o nome

e também morreu jovem...

Mas também um par de receitas, o arranjo

de um certo canto na sala,

uma camisa que me passaste a ferro

e que guardo cuidadosamente

debaixo da minha resma de camisas,

algumas peças de música, e o cão

sarnento que por aí anda

com um sorriso estúpido, como se ainda aqui estivesses.

 

Às últimas pertencem a minha caneta,

um perfume conhecido

na pele de uma mulher que mal conheço

e as novas lâmpadas que pus no candeeiro do quarto

que iluminam o que leio acerca de ti

em todos os livros que leio.

 

As primeiras recordam-me que exististe,

as últimas que já não existes.

 

Que sejam quase indistinguíveis

é o mais difícil de suportar.



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 18:32
link do post | comentar | favorito
|

#2075 - Poema de António Franco Alexandre

 ANTÓNIO FRANCO ALEXANDRE

 

 

o teu amor, bem sei, é uma palavra musical,

espalha-se por todos nós com a mesma ignorância,

o mesmo ar alheio com que fazes girar, suponho, os epiciclos;

ergues os ombros e dizes, hoje, amanhã, nunca mais,

surpreende o vigor, a plenitude

das coxas masculinas, habituadas ao cansaço,

separamo-nos, à procura de sinais mais fixos,

e o circuito das chamas recomeça.

 

é um país subtil, o olho franco das mulheres,

há nos passeios garrafas com leite apenas cinzento,

os teus pais disseram: o melhor de tudo é ser engenheiro,

morrer de casaco, com todas as pirâmides acesas,

viajar de navio de buenos aires a montevideu.

esta é a viagem que não faremos nunca, soltos

na minuciosa tarde dos lábios,

ágil pobreza.

 

permanentemente floresce o horizonte em colinas,

os animais olham por dentro, cheios de vazio,

como um ladrão de pouca perícia a luz

desfaz devagarmente os corpos.

ele exclama: quando me libertarás da tosca voz dormida,

para que seja

alto e altivo o coração das coisas? até quando aguardarei,

no harmonioso beliche, que a tua visão cesse?

 

POEMA DE ANTÓNIO FRANCO ALEXANDRE



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 15:46
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 30 de Junho de 2016
#2073 - Nils Frahm - Some

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:28
link do post | comentar | favorito
|

#2073 - Maxence Cyrin - Where Is My Mind

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:26
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 28 de Junho de 2016
#2072 - Livros e Leituras - UMA CAUSA IMPROCEDENTE

 Cláudio Magris

 

"...A morte destina-se aos museus. A todos, não só a um Museu de Guerra. Cada exposição - quadros, esculturas, objetos, maquinaria - é uma natureza-morta e a gente que se aglomera nas salas, enchendo-as e esvaziando-as como sombras, exercita-se na futura estância definitiva no grande Museu da Humanidade, do mundo, em que cada qual é uma natureza--morta. Rostos como fruta colhida da árvore e disposta num prato..."

 

Excerto de "Uma causa improcedente" de Claudio Magris, editado pela Quetzal, Abril 2016

 

______________________________________________________________________

Claudio Magris nasceu em Trieste, em abril de 1939. É romancista, ensaísta, germanista, e colabora regularmente com revistas e jornais europeus, nomeadamente o Corriere della Sera. Depois de uma passagem pela Universidade de Freiburg, foi professor de Língua e Literatura Germânicas na Universidade de Turim. Atualmente dá aulas na sua cidade natal. Magris exerceu também o cargo de Senador entre 1994 e 1996.

Os seus livros contribuíram para o conhecimento literário da cultura europeia – ele foi o criador do conceito de Mitteleuropa. Claudio Magris é um dos candidatos favoritos ao Prémio Nobel da Literatura e um dos mais influentes intelectuais dos nossos tempos.

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 17:55
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 23 de Junho de 2016
#2071 - David Machado vence o Prémio Salerno Libro d'Europa

 

 David Machado, com o romance "Índice Médio de Felicidade" publicado em 2013 pela Editora Dom Quixote, foi o vencedor do Prémio literário

«Prémio Salerno Libro d´'Europa»



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:24
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Junho de 2016
#2070 - POESIA É ACTO

REMCO CAMPERT

 

 

POESIA É ACTO

 

Poesia é acto

de afirmação. Afirmo

que vivo e que não vivo só.

 

Poesia é futuro: pensar

na próxima semana, em outro país

e em ti mesmo quando velho.

 

Poesia é minha respiração, empurra

meus pés às vezes hesitantes

sobre a terra que pede movimento.

 

Voltaire acometido de varíola

salvou-se ingerindo entre outras coisas

120 litros de limonada: isso é poesia.

 

Ou então a ressaca. Quebrada

nas rochas não se deixa derrotar,

refaz-se: e isso é poesia.

 

Cada palavra que se escreve

é um atentado contra a velhice.

Afinal a morte vence, isso é certo,

 

mas a morte é apenas silêncio na sala

depois de ressoar a última palavra.

A morte é emoção.

 

 

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 15:24
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 21 de Junho de 2016
#2069 - Epitáfio para todos aqueles que preferem morrer a serem mortos

 

 

 A morte espreita

A morte espera por eles os que fogem da morte

 

Os que fogem do medo

A morte espreita

A morte espera por eles os que fogem da morte

 

Os barcos, jangadas que transportam sonhos em vez de gente

A morte espreita

A morte espera por eles os que fogem da morte

 

E quando os sonhos naufragam a morte espera por eles os que fogem da morte



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:12
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 19 de Junho de 2016
#2068 - Sem título

 Já caminhei muito caminho;

Para trás ficaram as sombras

que aprisionei em molduras


tags: ,

publicado por Carlos Pereira \foleirices às 22:51
link do post | comentar | favorito
|

#2067 - Auto-retrato em 3X4

 JOÃO MELO

 

AUTO-RETRATO 3X4

 

Sou um homem de muitos silêncios e raras eloquências,

inesperadas paixões programadas,

alguns medos, optimismos inúteis

e, principalmente, uma vasta e apaziguadora preguiça.

O meu coração está preso desde uma tarde distante

a uma só mulher,

excepto nos interlúdios.

Escrevo cada vez mais desesperadamente.

Às vezes tenho pensamentos incestuosos.

Se não fossem as consequências,

juro que cometeria um pequeno crime.

A vida trespassa-me como uma faca,

mas não consigo agarrá-la.

 

Poema de João Melo



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 16:07
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 18 de Junho de 2016
#2066 - The serial killer

JOÃO MELO

 

- O seu nome?

- Qual deles?

- Bem, como é que você se apresenta?

- Depende...

- Depende?

- Sim, depende. Não sabe o que é depender?

É...

- Sei,sei. Mas depende de quê?

- Ora, não imagina? Do contexto, das minhas conveniências...

- Explique-se melhor...

- Já vi que a senhora é ingénua.

- Sou escritora.

- Ah, está bem... E posso saber  porquê que quer saber o meu nome? Desculpe, mas não posso deixar de fazer esta pergunta...

- É simples. Tenho de escrever uma estória sobre

- Sobre mim? Quer dizer que eu vou passar a ser uma personagem literária e não apenas um indivíduo? Sem falsas modéstias, eu não acho que a minha vida seja tão emocionante assim... De certo modo, é mesmo muito chata!...

- Na verdade, não é bem sobre si.  A sua vida será apenas o pretexto que pretendo utilizar para demonstrar que, qundo os países estão em crise, a líbido dos povos aumenta, podendo mesmo ficar completamente descontrolada. É uma tese inovadora - reconheço -,  mas estou plenamente convencida da sua justeza.

- Concordo. Em tempo de crise, os homens descobrem as suas três vocações realmente essenciais: rezar, roubar e fornicar.

- As crises são, sobretudo, morais...

- É a sua opinião. A minha...

- Ora, segundo me disseram, o senhor é um exemplo desse, digamos assim, «acirramento sexual» típico das situações de crise.

- Faço o que posso, faço o que posso... Mas vale mesmo a pena contar a minha vida aos seus leitores?

- É evidente que sim. Mas, por favor, não percamos tempo. Quanto mais depressa me responder, mais depressa este conto termina...

- Costuma dizer-se que quem conta um conto acrescenta um ponto...

- Tentarei ser o mais justa e objectiva possível. Diga-me lá: como é que você se chama?

- Tenho um nome de guerra, mas só o uso em ocasiões especiais.

- Alguém lhe chamou, uma vez, porco machista...

- Isso é um slogan. Não é um nome.

- É angolano?

- Sim. Mas poderia ser malaio. Esquimó, não, por causa do frio.

- Descreva-me a sua família.

- A extensa ou a restrita?

- Como são as suas relações coma sua mãe?

- Esteja sossegada, que não desejo matá-la.

- A sua mulher já o traiu alguma vez?

- O amor tem de ser testado, nem que seja só de vez em quando...

- Quantas mulheres é que já levou para a sua cama?

- É a escritora que quer saber isso ou é a mulher?

- Tem problemas políticos?

- Não.

- E com o fisco?

- Também não.

- Ou com a Igreja?

- Sou ateu, graças a Deus.

- Tem inimigos?

- E se os tiver?

- Diga-me porquê que escreveu esta frase: «Foder é um dever revolucionário!»?

- Adivinhe. Ou então invente. A escritora é você...

- Mas não há mesmo nada de errado  consigo?

- Até conhecê-la, não...

- Bolas! A sua vida não tem nenhum enredo!

- Eu avisei-a... Aliás, só a literatura é que precisa de enredo. A vida não passa de uma sequência de acasos e coincidências...

- Não posso escrever sobre si sem uma boa intriga. O que é que os meus leitores vão dizer?

 

- Mata-me! Mata-me!

 

- Quer mesmo saber o meu nome?

- Hum...

- Chamam-me The Serial Killer. Acha apropriado?

 

Conto de JOÃO MELO

 

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:07
link do post | comentar | favorito
|

#2065 - Sem título

 

Tu és um imenso mar e

eu uma singela e frágil canoa

 


tags: ,

publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:03
link do post | comentar | favorito
|

#2064 - Euphoria - Silence in everywhere

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 18:20
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 17 de Junho de 2016
#2063 - MAOMÉ E A MONTANHA

 ROSA  ALICE BRANCO

 

MAOMÉ E A MONTANHA

 

Guardo o mais absoluto segredo
das pedras que rolam no fundo dos leitos
embora nada saiba,
nada ouse saber.
Vou pelo olhar até ao rio,
o rio vem a mim
e ambos caminhamos deslumbrados
para fora de nós.

O cantar da água
corre nos meus olhos exactamente como corre
a manhã
até que o sol a prumo
faz de mim o desenho do rio
que vejo,
o mapa das veias
onde o corpo nasce de novo.

À vinda procuro a minha sombra.
O coração que me há-de trazer de volta
demora-se no rio
como se nele corresse
uma sede de olhar.

Os pés colam-se à margem.
Do outro lado as casas vão mudando
de expressão
mais lentamente do que a água corre.
O sol abraça-me pelas costas
e deixa-se escorregar como crianças
que riem,
que não distinguem a voz seca do tempo.

É noite à lareira da casa.
Os objectos acendem-se:
também eles mudam de rosto
como tudo o que é iluminado por amor.
Aproximo-me de longe,
venho do rio,
o rio vem de mim.

Rosa Alice Branco, in 'O Único Traço do Pincel' , 1997

 

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 18:21
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 16 de Junho de 2016
#2062 - Moonface - "Julia with Blue Jeans On" (Live at St. Pancras Old Church)

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 22:28
link do post | comentar | favorito
|

#2061 - Desesperança

O medo esborratara-lhe a alma

O vento assobiava uma canção de amor sarcástica

Cabeças espreitavam por entre as frestas da janela, a casa espiada

 Um limão sobre a mesa

Um corpo rugoso sentado, as mãos cansadas sobre as pernas

Um virar de cabeça na direcção do nada

Uma nódoa na parede

A alma um calendário

A melancolia um ponto escondido no armário

Um cravo murcho e cabisbaixo vergado pela vergonha

Um olhar azul magoado

Um fio de água

A serpente no copo

A taça vazia

O coração remendado

Gotas de suor eruginosas

Sulcos esculpidos na pele, a idade do corpo, a idade do medo

Fugir parada

A pancada no corpo

A saudade da idade jovem e de um tempo de rara felicidade

 

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 16:03
link do post | comentar | favorito
|

#2060 - Questões de Semântica

 

O Poder é a fisga e nós o bando de pardais

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 15:30
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 15 de Junho de 2016
#2059 - PRÉMIO PRINCESA DAS ASTÚRIAS DA LITERATURA 2016 PARA RICHARD FORD

 

 RICHARD FORD

 

 

 

 Richard Ford, escritor americano, vence o Prémio Princesa das Astúrias da Literatura 2016



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 15:18
link do post | comentar | favorito
|

#2058 - patxi andion

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 00:02
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 14 de Junho de 2016
# 2057 - Heather Woods Broderick - "Wyoming"

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:49
link do post | comentar | favorito
|

#2056 - Sem título

 A noite corre ligeira

o céu sujo de nuvens

as searas dançam uma valsa triste

o maestro é um espantalho

os gestos denunciam loucura

os gatos miam

as corujas observam

indiferentes

um coro de protestos rebenta vindo do céu

o mundo parece desafinado

o cão desconfiado esconde o rabo entre as pernas

a terra está com cio e reclama chuva

os girassóis cansados dormem com a cabeça de lado

a noite está quase a mudar de turno

o dia está à sua espera

para começar tudo de novo

até que chegue o tempo da noite


tags: ,

publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:24
link do post | comentar | favorito
|

#2055 - Questões de Semântica

As  cabeças cheias  de letras minúsculas;

Já não têm espaço as maiúsculas, as irreverentes, as subversivas.



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 23:18
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 12 de Junho de 2016
#2054 - ENGANOS E DESENCONTROS

 RUY BELO

 

ENGANOS E DESENCONTROS

 

Canto o homem solar que pisa a neve

A palavra confirma-se em silêncio

as metáforas sobem as metáforas descem

O homem é desejo e não trabalho

é essa mesmo uma das suas definições

Todos os paraísos se baseiam no presente

mas ao matar a morte  matam o prazer

O agora do corpo une-nos à morte

O que é que eu fiz da minha juventude?

pergunta tristão uma vez findo o sortilégio

que o unia a isolda a loura e do rosto claro

Canto esse antigamente esse tempo impossível hoje para nós

quando rivalen o súbdito de marc

com o furor dos amadores da cornualha

se apaixonou por brancaflor irmã de marc

e assim deu início a um conto de amor e da morte

Isolda amou tristão com louco amor

e ouvia o seu cantar como só canta

o rouxinol quando o verão acaba

Ambos refugiados na floresta de morois

vêem chegar a estação quente uma terceira vez

tão belos e imóveis como estátuas mas

marc o ingénuo tio de tristão

em vez da realidade via as aparências e

quanta tortura amor terá causado

A única época feliz do homem terá sido o neolítico

quando o momento triunfava do futuro

Aquele que depois se dedicou a edificar a casa de amanhã

foi vítima do quadro do presente

O paraíso é de anjos e animais

articulemos nós só a palavra vida

Com a frágil felicidade sempre ameaçada

tristão despede-se da sua loura amiga

e extrai o seu prazer do esquecimento

Pesa-lhe na cabeça um pensamento

aves do bosque sede ao seu serviço

E tristão busca isolda com

a cruz no crânio dos loucos de outrora

Quando o sol se levanta traz a claridade

deixai-os ir ao fundo da loucura no

país afortunado dos viventes

Mas nunca mais na vida a voltaria a ver

Cólera de mulher é coisa de temer

e a mulher de tristão fá-lo morrer

antes que chegue o navio de isolda

Sem alteridade não há unidade

A poesia pode muito para mim

pois vem iluminar os meus fantasmas

Quando uma sociedade se corrompe

corrompe-se primeiro a linguagem

 

A tarde escreve uma curva suave

Vou muito simplesmente com o vento

sem sequer conhecer que fujo de mim mesmo

O trigo na campina amadurece

passeio no jardim a cena passa-se no espírito

digo-te adeus e digo adeus à minha juventude

Falo desses teus olhos matutinos

coroo-te de flores ó donzela

tão branca como a cera alta como a gazela

Tens no olhar o prestígio da guerra

voz velada de sol talvez luar

Quero um país que tenha a minha idade

Sinto ter ante mim tempos sem fim

Chego ao termo de quanto pode amar um homem

Já não há uma pátria para mim

falas e logo o tempo se detém

na fragrante fragrância do teu rosto

que luz constantemente em abundância

O murmúrio da minha indignação

por graça da beleza e juventude ignora

o impuro comércio cortesão

Morrer é uma coisa que se vê

O teu amor cresce como uma árvore

há vozes de desgosto na separação dos corpos

Eu canto aves animais herbívoros ou carnívoros

e centra-se na tarde e cerca-me completamente

este crepúsculo esta hora de poetas

A noite entra depois pelas nossas janelas

e traz consigo pitagóricos gente que vive só pelos desertos

Eu porém vivo vou de cidade em cidade

Escrever-te é a maneira de te ter presente

deste satisfação a um amigo e companheiro

pagaste a dívida de amizade e de fraternidade

Por confia em ti nada perdi

é a ti que te quero e não abraços teus

addeus mulher amada mundo meu

Eu digo eu canto e logo o mundo faz-se

ó ave vida momentânea sobre as águas

Chorar eis tudo o que por fim me é possível

antes a sepultura para mim que para ti

eu prefiro seguir-te a enterrar-te

se morres despedimo-nos da vida 

pensar-te morta é morte para mim

que a dor que for me chegue sem aviso

tudo menos o meio de ficar no receio

Mas se te perco tu que és a minha esperança

qual é então a esperança que me resta?

Mais amarga a mulher que a própria morte

mais amarga que a morte é a separação

e aí tu em paris e eu em argenteuil

Louvados os caminhos da mulher

e aquele que por eles caminhar

Em mim canta por vezes abelardo

e é a mim que heloísa tenta

por vezes agradar e não a deus

Os actos de um amor que for em mim contentamento

não podem apoiar agora a penitência

Os sítios e as horas nossas testemunhas

encontram-se na minha consciência

Deus sonda os rins e o que neles se esconde

artistas da mentira e da bajulação e canto a

desolada mulher do fim do mundo mulher que

não teme o tema da prosperidade

não a venha a vaidade a visitar

A morena é do sol que nela incide mas

tu virgem loura és o lírio da montanha

Introduziu-te o rei na sua câmara

e tocou-te de estrelas de mistério

Alterno a alegria com a dor

na pureza da prece perturbada

participo da angústia e do prazer

em tanto desespero quanto aspiro

Ando em prosperidade e aflição

sou um homem de júbilo e de pena

e rio tanto mais quanto mais choro

Arrebata-me o róbur do rubor

Galateia desdenha mas espera

enjeita mas seduz ao mesmo tempo

Eu faço uso da carne e roupa branca

à minha mágoa impus um fundo freio

como de tudo o que se vende no mercado

pois é de deus a terra e quanto encerra

Quando eu despertar hei-de aflorar o vinho

não darei importância a quanto não

me preparar para a definitiva posição

Há muito desertei da minha fé

são meus amigos pecadores e publicanos

recuso aquele que sonda corações e rins

não me suja comer com as mãos por lavar

Eu suportei o dia e o calor

deixai-me ao acabar rezar completas

Pequenino e submisso como um riso

eu canto o insensível pássaro do nada os

lençóis de linho sob o cáustico cloreto as

estampas antigas onde os anjos sobem

escadas de salvação com homens pela mão

de olhos cheios de sombra e de penumbra em

casinhas térreas esmagadas pelas chuvas na

consequente conclusão do verão

Eu canto a solidão do céu só entre céu e terra

palavras pitorescas proferidas  num

discurso dominado pela erudição

combinações confusas e entrecruzadas a

vermelhidão do púcaro da peste

Eu canto as rosas de trepar abertas em fevereiro a

tesoura que podava pela tarde

as casas corpos definidos sobre a terra as

luzes da ceia abertas nos casebres as

covas que o vento cava na água do mar

esse mar bravo de muitos dias de fevereiro

Já os olhos das árvores abotoam

Viajo pelo tempo até ao porto da velhice

onde poisar a pluma da penumbra

 

Eu canto as violetas vistas nos teus olhos

canto a cega conspiração das tuas mãos canto o

paquete que aparelha para o mar a

missa rezada em capela escusa

naquela noite confidente e cúmplice

dos olhos das mulheres ardendo como tochas

Neste verão fechado em nevoeiros

de dias devassados pelo som da ronca

eu canto a tarde posta sobre a tua testa

a ressalga do mar na minha casa

nas minhas duas mãos nas minhas lágrimas

Eu canto o teu vulto evidente nesta praia

e lá na ponta o forte dando já o corpo ao anoitecer

e sinto aqui o mar mesmo na cama

valsar a toda a volta desta tonta vida

Eu canto o pássaro que poisa já no ramo ou

uma reviravolta de quadrante

que arrasta folhas mortas no outono

e retiro a cabeça das vidraças desta vida da

terra deixada da mulher amada no

furor ambulatório dos meus passos

Durmo cego no mais secreto mar

A vida é como um manto ó agustina

e o adultério não é fácil à mulher

como o não era no século sétimo anterior a cristo

quando alguém começava a esperar pela morte

ou no século doze quando a fonte de vaucluse

corria e o verão chegava sem eu esperar

e a voz da tempestade vinha na idade

Eu canto as tardes frescas qundo nas

repartições nos não congregam os cuidados

e as longas alamedas se cumulam de flores vermelhas

e as donzelas se embrenham em silêncios tão pesados como bofetadas

Canto as rameiras que usam nos cabelos uns pentes de pedras

e se lhes vêem as saias de baixo amarelas e lilases

e há mulheres nobres de rostos com tons de um verde-maçã e violeta

sob os ramos mais baixos de sinceiros

e outras árvores de folhas amarelas e reversos brilhantes como prata

e a voz de uma ave oculta em laranjeiras

pode subitamente provocar o pranto

Canto uma flor desconhecida que abre

seu ventre mate na íntima penumbra de florestas

quando em quase toda a natureza humana

a vibração de besta substitui a alegria

e as mulheres multiplicam os cabelos

de uma cor fulva e serpenteantes

eu canto o despertar da ira como um gesto inicial

quando não descoberto o mundo apetece e

nos poemas não cabem as ffelpudas folhas das nespereiras e

se sabe esperar meses pelo resultado de uma frase dita num salão

Eu canto a crueldade generosa e o febril fogo castigador

vivos no homem que não pervertia ainda

essa paixão vencida que há por baixo da mentira

canto o cansaço de quem cai na relva e sob a gigantesca tília

jaz quando as rameiras não eram ainda

as aves proibidas que só saem ao anoitecer

e a pequena pedra sua a sua água perlada

e há no manso mar nuvens que anunciam o calor

canto aquele português que não domina ainda

a face decomposta e deformada

mas onde se reflecte a luz do sol e onde cai a chuva

e que sabe saborear amoras bravas

e os caldos de sêmola aprecia

num retiro furtivo de evasão das mundanas congregações

canto o tempo em que havia colóquios mortais

debaixo das ameixieiras rutilantes

e o pecado não era tíbio e consentido

por mulheres que viviam na intimidade da sensualidade

e amavam quer o cheiro quente de um campo lavrado

quer a emanação olorosa da fruta

que amadurecia nas salas das casas

canto a miséria franca inda sem luvas

eu canto tudo isso ou não canto realmente nada disso

Canto o tempo dos gastos com as permanentes

deslocações da corte de uma terra para outra

e os cortesãos há séculos vergados sobre o chão

rodeados talvez de espargos bravos quando

os dias se passavam em amores

e nos mais variados exercícios de armas

e uma casta esmoler aliviava os precisados

sem em troca exigir-lhes as virtudes dos vencidos

Canto o tempo de sol e as pragas de gafanhotos vindas com a chuva

quando a sensualidade corroía já esse homem altivo

por se saber prestes  a morrer

quando ninguém gostava da ambiguidade fugidia e fácil

e as mulheres se mostravam já capazes

da verdadeira compreensão da sensualidade

amiúde divinizadas perlos homens para as isolarem

Canto os contemporâneos dos homens ilustres

que mais tarde falhavam outra vez

quando a felicidade era um sofrimento já passado

junto de tílias perto de alguns pássaros

que caíam cerrados como pedras

canto os poços tão fundos que segundo os velhos

se ouvia o cantar dos galos nesse dia que havia para lá do fundo

quando havia inúmeros objectos cujo uso se esqueceu

e um silêncio pouco após ameaçado levemente

pelo cantar dos galos pelas flautas dos pastores

e a penumbra  não era precursora da sombra

Eu encho o peito de ar e canto tudo isso

Que alguém ampare o que for que em nós espere

que alguma coisa dure antes de ir-

-se embora ó morna urna eterna e nocturna

ávida e lêveda dúvida lívida mas tórrida

parássemos e víssemos e velhíssimos nos embrulhássemos num

sensual servil lençol sob o dossel azul e mole

A área da matéria é vária e etérea

o átrio é pétreo e vítreo

mas a larva ou a erva que sirva para que a água ferva

que a vida a não absorva nem a ponha turva

que o debate debite azeite por quem opte e lute

Contemplo por exemplo o amplo tempo

onde o tema do drama recai numa trama

e o meu acto é um tecto para um grito

que gosto de ver roto quando luto num

segundo que descendo dura menos que subindo

muito menos que amando nada se me afundo ao

relento cego sossegado branco

Não mais hei-de voltar ao estaleiro onde me despedi de solteiro

na noite solitária de mãos dadas com o vento

Foi da maré vazante a vitória precária e aparente

da terra e sua gente sobre a pátria permanente

de peixes e corais conchas e tudo o mais

Eu canto as mulheres cabelos de sargaço e áticos narizes de aço

ou rostos de marfim que me perdem a mim

e entre elas tu comprida cabeleira

tanto tempo perdido coisas sem sentido

palavras para o teu ouvido flores do teu vestido

mulher que choro agora e ausente embora é comigo que mora

causa desta tristeza que me altera a natureza

enfim coisas insignificantes que hoje valem mais que antes

E aquele pinheiro positivo e uno

oposto aos fáceis fogos vesperais

pinheiro antes de mim e digno de respeito

mais profundo que um homem e que sabe mais

alheio às manhas que por si a própria vida tem

e muito mais as tem naturalmente quem

com paixão vive a vida e a vive sem medida

e a consente em imolar ao mar

que há muito ouve insistente chamar

e é complexo como a máxima mulher

Ó mar azul meu actual paul

ó catedral de angústia ó pequena réstia

dessa feliz felicidade que sei que não há-de

haver sem eu correr o risco de a perder

ó essa voz que cresce com o dia que desce

sobre esse pinheiro manso onde ainda me condenso

e não nesta miséria que é eu ser pessoa séria

Canto a vela cheia de vento que me arranca num momento

e me faz imolar ao mar que como um deus exige a vida de homens

que lhe ouviram a voz sentiram vocação e

cedo se iniciaram nos mistérios de um supremo ser

que na água que é rapidamente a mim me lava

E canto a neve que se atreve ao que me deve

névoa vinda do sul por sobre o mar azul

luz do lápis-lazúli que se azula

e açula a rasa solidão do mar

melancólica morte dessa praia ao norte

a praia onde desmaia toda aluz que saia

do dia luminar que lá ao longe vai levar

a alegria feroz da luz veloz

deixando sobre o mundo o grito do meu luto

ebulição da vida a custo reprimida

viola violenta que a luz é que sustenta

E sonho como fausto em renovar a vida

gesta já gasta que arrasta a flor da giesta e

sustento-me de ti mesa da vida posta

luz que me aquece quando tudo me arrefece

mulher que passas pela estrada branca

da vida amena ao som da leve avena

olhos redondos olhos como abrunhos

e que vergas à luz como uma verdadeira amendoeira

e morro muito a custo após o mês de agosto

dor dolorosa minha e do meu sonho

num pensamento ermo de um enfermo

que ora aspiro a frescura perfumada de um limão

termo e habitação da terra por deus dada

ora é meu destino a dor lida no olhar do pescador

e mesmo quando durmo em dor me afirmo

 

O meu desporto é a versificação

e troco o próprio verão por três quatro palavras

dessas a que é alheio o coração

Um verdadeiro pescador é dias que nas redes traz

uma vida não chega pra fazer um pescador

na consciência oculta e ignorada do seu tempo

Mas tantas coisas houve que passaram para mim

essa dor onde havia íntimas mulheres

largos ao sol quadros antigos tons de luz

recantos odorosos como a adolescência

essa prega dos lábios onde nasce o riso

o limiar da dor ou os acessos ao amor

tudo isso situado nas imediações dos  olhos

Canto o homem que tinha ainda alguma voz no rio

que corria veloz pra preservar a limpidez e

no rosto um resto de malícia e de melancolia

e a voz na noite tanto esmorecia

que por cima do vento mal se ouvia

e os medronhos caíam as folhas buliam

na perfídia do perigo ou na nudez da perversão

Mas nada disso havia ainda nesse  tempo

além do célere corcel do tempo que corria

do dispensável excesso de experiência

convite à convicção da consciência

terrível e terrestre turbulência

Eu canto a mínima ruína de queimar os dedos o

passo tão calculado como o de uma prostituta

infiltração nas íntimas instituições

pródigos monumentos a nós próprios e

o terrível turíbulo da torpe turbulência

abundância de mãos em máximas imersas

acção dispendiosa para a paz do mundo

Quem se busca a si próprio bruscamente afasta

o manto gotejante das águas tirrenas

do peregrino pertinaz de ítaca ou da

criança apenas convencida da recente vida

sem bem conhecer afinal como conseguida

A útil única e vibrátil vida que

no ríspido rigor real ainda vibra

no quente coração dos corajosos homens

ao ritmo de uma néscia narrativa

provém dos livros desse adolescente aberto

às grandes massas do instinto e risco

dificilmente tributáveis pelo fisco

Se aos deuses nada há a acrescentar

pouco lhes há também a retirar

e muitas vezes mesmo a invejar

Conhecesse eu as ruas tão bem como a vida

recebesse no rosto o bafo azul do nevoeiro

e as amplas janelas que de par em par

deixam entrar em casa imenso o mar

jamais haviam de deixar passar

a nesga negra da profunda negação

esse orgulho do sexo que odeia o segredo

as vozes do serão no morno ar às vezes

Canto a destra desenvoltura que amestra a desventura

e o castigo que traz a paz da culpa

e os grandes gritos só devidos aos aflitos

manto de insulsa água que rodeia as árvores

e o ríspido risco assumido vivo e a

rajada de luar humilde na calçada

Envelheci talvez. Tenho coisas atrás

essa cara convulsa agora causa de rerpulsa

os sórdidos recantos desse rosto

que um intenso gosto antes tivera em contemplar

o desnível possível à cascável acessível

alguém menor que a pedra inferior à onda

mais planta do que absurdo e árvore jamais

onde desprevenida se jogava a nossa vida

sem ser-nos devolvida alguma imagem

onde minimamente esparso ardesse o remorso

Sempre fora o meu mal evitar fazer mal

Esse espectro do nosso desespero o confidente

amara apenas essa rapariga

para a emancipar do infortúnio

Aqui sobre estas águas eu suspenso deixo

a vida até qualquer outro verão

onde outra vez procure em vão o que ora procurei

Eu canto a margem terra empedernida

que exagera e se mostra enfim tão indecisa

quanto antes entre terra e água e o

vento devorador dessas nocturnas raparigas

Das amadas mulheres só me ficam

as que no casamento buscam a legalização

do ouro que a especulação assegurou aos seus antepassados

hoje tão cintilantes quão discretas antes

Viram-se homens de muitos gestos mas de poucas mãos

e viu-se o ar mandado pelo mar

atravessar as ávidas janelas

e entrar de mansinho nas primeiras casas

representantes da cidade e dos seus habitantes

de sorriso escolástico nos lábios

As ondas de tão sôfregas mordiam

pretensas pedras mas afinal terra

e contra o cais as palmas como que batiam

na tragédia que toda a festa encerra

A cidade era parda àquela hora

naquele tempo em que nascem brancas maias

e a mais bela é a cor rubro-saturno

Névoa ou mágoa de sal tudo era azul

Toda a noite eu dançava entre as fogueiras

precisava de ouvir vozes humanas

para me dissipar a solidão

e queria viver e não morrer

e via corações nos cântaros de barro

e ria e ria mais ao vê-los rebentar

a golpes de espadim entre sério e a brincar

Onde estavam agora os amigos de outrora

que comigo corriam pelas praias

e a inocente fronte só de beijos me a cobriam

 no correr dos dias?

Só me quedava ver escorrer das bocas negras dos mendigos

aquela água que corre das carrancas

quando a tormenta cerra o céu dos templos

As aves são um sol branco e maior

sobre o trigo que cresce e que decresce

como o homem que nasce e nascendo envelhece

e eu passo e vou e volto e então abro

os olhos sobre o rio do balcão do paço

e há um vasto espaço nos meus olhos

E canto a alegria de volúveis bailarinos

camareiros arautos fâmulos donzéis

e sonho que não mais acabará essa alegria

As casas as fachadas tudo se reveste de veludo

e casa por ladrões rondada é casa roubada

E a resina arde em meio da multidão

que enche as ruas onde então já danço

entre o aroma ou música que areja

os quartos já fechados desde há muito

que ergue casas já há muito demolidas

e uma voz ouvida e perdida

se vê pelo presente repetida

inicial lustral como uma madrugada

Que importa que no mundo morram os ministros?

É patriótico negar a nacionalidade

aos naturais de um país vencido

que só buscou no mar razão de ser. Eu canto a

memória fugitiva como a água

que parece estender alguma mão de paz

sobre a ácida lâmina de um sabre

Gente amarela e morna amordaçada

domina esse país aonde a ironia

dissimula a impossível alegria

numa vida que vai por mim contaminada

vida do largo da areia e do vento

À minha personalidade própria de poeta

na carne cerebral de que careço

a eternidade vem-me das papoilas

desfolha-se-me a vida como as pétalas das rosas

e pensei e li mais do que vivi

E só tu sobressais entre as demais

mulher eterna com a luz na fronte

e dominante agora em todo o horizonte

Humano mesmo se demasiado humano

povoam-me cidades sossegadas

de sonhos que semeiam as semanas

onde o só silêncio é soberano

Dobra-se a brisa à mão do meio-dia

a fantasia é fértil em verdade

e do presente obscuro português

algum futuro há-de enfim nascer

Do salmo lúgubre da luz final do dia

que já há quatro séculos se entoa

hão-de rasgar a noite portuguesa

as raparigas da cidade de lisboa

E eu hei-de voar ao vento do momento

Dizias qualquer coisa? Esta manhã? Perfeitamente

 

 

Madrid, 31/V/1977

 

POEMA DE RUY BELO IN «O TEMPO DAS SUAVES RAPARIGAS E OUTROS POEMAS DE AMOR»



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 14:50
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 9 de Junho de 2016
#2053 - PORTUGAL

JORGE DE SOUSA BRAGA

 

PORTUGAL

 

Portugal

Eu tenho vinte e dois anos e tu às vezes fazes-me sentir

como se tivesse oitocentos

Que culpa tive eu que D. Sebastião fosse combater os infiéis ao norte de África

só porque não podia combater a doença que lhe atacava os órgãos genitais

e nunca mais voltasse

Quase chego a pensar que é tudo mentira que o Infante 

D. Henrique foi uma invenção do Walt Disney

e o Nuno Álvares Pereira uma reles imitação do Príncipe Valente

Portugal

Não imaginas o tesão que sinto quando ouço o hino nacional

(que os meus egrégios avós me perdoem)

Ontem estive a jogar póker com o velho do Restelo

Anda na consulta externa do Júlio de Matos

Deram-lhe uns electrochoques e está a recuperar

aparte o facto de agora me tentar convencer que nos espera um futuro de rosas

Portugal

Um dia fechei-me no Mosteiro dos Jerónimos a ver se contraía a febre do Império

mas a única coisa que consegui apanhar foi um resfriado

Virei a Torre do Tombo do avesso sem lograr encontrar uma pétala que fosse

das rosas que Gil Eanes trouxe do Bojador

Portugal

Vou contar-te uma coisa que nunca contei a ninguém

Sabes

estou loucamente apaixonado por ti

Pergunto a mim mesmo

como me pude eu apaixonar por um velho decrépito e idiota como tu

mas que tem o coração doce ainda mais doce que os pastéis de Tentúgal

e o corpo cheio de pontos negros para poder espremer à minha vontade

Portugal estás a ouvir-me?

Eu nasci em mil novecentos e cinquenta e sete Salazar estava no poder nada de ressentimentos

O meu irmão esteve na guerra tenho amigos que emigraram nada de ressentimentos

Um dia bebi vinagre nada de ressentimentos

Portugal  depois de ter salvo inúmeras vezes os Lusíadas a nado na piscina municipal de Braga

ia agora propor-te um projecto eminentemente nacional

Que fôssemos todos a Ceuta à procura do olho que Camões lá deixou

Portugal

Sabes de que cor são os meus olhos?

São castanhos como os da minha mãe

Portugal gostava de te beijar muito apaixonadamente

na boca

 

(DE MANHÃ VAMOS TODOS ACORDAR COM UMA PÉROLA NO CU, 1981)

 

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

#2052 - GRAFIA 1

 FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO

 

GRAFIA 1

 

Água significa ave

 

se

 

a sílaba é uma pedra álgida

sobre o equilíbrio dos olhos

 

se

 

as palavras são densas de sangue

e despem objectos

 

se

 

o tamanho deste vento é um triângulo na água

o tamanho da ave é um rio demorado

 

onde

 

as mãos derrubam arestas

a palavra principia

 

(MORFISMOS, 1961)



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 22:44
link do post | comentar | favorito
|

#2051 - XC

 ARMINDO RODRIGUES

 

 

XC

 

Pouco é um homem e, no entanto, nele

cabe tudo o que existe e fica ainda

espaço bastante para poder negá-lo.

 

(BELEZA PROMETIDA, 1950)



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 22:37
link do post | comentar | favorito
|

#2050 - 26

 VITORINO NEMÉSIO

 

26

 

O anoitecer situa as coisas na minha alma
Como as cadeiras arrumadas
Quando os amigos partiram.
Meus degraus ainda têm a passada do adeus,
Lá quando uma palavra cria tudo,
E o resto, fechada a porta,
É posto nas mãos de Deus.
Então, à minha janela,
Tudo repousa e larga o aro dos conjuntos,
Tudo vem, com um gesto secreto e confiado,
Pedir-me o molde e o amor do isolamento,
Como se um desconhecido
Passasse e pedisse lume
E eu, sem reparar, lho estendesse:
Quando quisesse conhecê-lo,
Só a minha brasa ao longe,
Na noite que se faz pelo peso dos rios
E vive de fogo dado.
Assim nocturno, sou
O suporte de quem não tem para consciência,
Que é como não ter para pão:
As coisas cegas
Prendem-se a mim,
Ao meu olhar, que é único na noite
Pelo seu grande alcance de humildade,
E fico cheio delas,
Como estes sítios ermos, junto de uma cidade,
Cemitérios de tudo, lugares para cães e bidons velhos;
Fico cheio da pobreza e do sinal das coisas,
Como um retrato de gente pobre é pobre e gauche
(Vale a recordação),
Mas sinto-me, ao mesmo tempo, seco e cheio de tacto
Como se fosse o seu bordão.

 

 

Poema de Vitorino Nemésio (EU, COMOVIDO A OESTE, 1940)

 



publicado por Carlos Pereira \foleirices às 19:35
link do post | comentar | favorito
|


mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

#2099 - Apetece-me ouvir ...

#2098 - Livros e Leituras

#2097 - Grande Prémio de ...

#2096 - Emily Haines & Th...

#2095 - Elena Ferrante

#2094 - Questões de Semân...

#2093 - NOCTURNO DOS ANJO...

#2092 - Palestina

#2091 - John Maus - Hey M...

#2090 - FOLHA

#2089 - AOS QUE VIRÃO A ...

#2088 - Ryuichi Sakamoto ...

#2087 - Ben Lukas Boysen ...

#2086 - GOLDMAN SACHS - O...

#2085 - O Valor das Palav...

#2084 - Céu - Perfume do ...

#2083 - Bohren & Der Club...

#2082 - QUESTÕES DE SEMÂN...

#2081- EZIO BOSSO - Rain,...

#2080 - EZIO BOSSO - TANG...

#2079 - O VERBO PLANTAR

#2078 - Morreu Yves Bonne...

#2077 - PRÉMIO HELENA VAZ...

#2076 - PRAGMÁTICO

#2075 - Poema de António ...

#2073 - Nils Frahm - Some

#2073 - Maxence Cyrin - W...

#2072 - Livros e Leituras...

#2071 - David Machado ven...

#2070 - POESIA É ACTO

#2069 - Epitáfio para tod...

#2068 - Sem título

#2067 - Auto-retrato em 3...

#2066 - The serial killer

#2065 - Sem título

#2064 - Euphoria - Silenc...

#2063 - MAOMÉ E A MONTANH...

#2062 - Moonface - "Julia...

#2061 - Desesperança

#2060 - Questões de Semân...

#2059 - PRÉMIO PRINCESA D...

#2058 - patxi andion

# 2057 - Heather Woods Br...

#2056 - Sem título

#2055 - Questões de Semân...

#2054 - ENGANOS E DESENCO...

#2053 - PORTUGAL

#2052 - GRAFIA 1

#2051 - XC

#2050 - 26

arquivos

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Setembro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

tags

a barbearia do senhor luís(8)

a dobra do grito(21)

alexandra de pinho(11)

antónio lobo antunes(17)

antónio ramos rosa(9)

arquitectos(11)

assírio & alvim(15)

autores(8)

biblioteca municipal de s.maria da feira(27)

bibliotecário de babel(19)

blog's(36)

blogs(65)

casa fernando pessoa(12)

cineclube da feira(11)

cinema(30)

citações(16)

concertos(9)

correio da manhã(7)

correntes d'escritas(7)

correspondência(8)

crises(13)

crónicas(133)

diário de notícias(13)

divagações(12)

dn(33)

economia(12)

efemérides(8)

el país(23)

entrevista(16)

entrevistas(9)

escritores(365)

escritores americanos(8)

escritores brasileiros(17)

escritores espanhóis(8)

escritores portugueses(77)

escultura(10)

espanha(9)

europa(16)

exposições(24)

fernando pessoa(23)

festivais(8)

festival internacional de teatro de rua(23)

filmes(10)

filósofos(12)

fotografia(9)

fotografias(13)

fotógrafos(16)

frases(23)

gonçalo m. tavares(15)

governo(16)

herberto helder(15)

hoje há conquilhas amanhã não sabemos(11)

imaginarius(30)

jazz(30)

jn(58)

jorge de sena(10)

jorge luis borges(10)

jornal "i"(15)

jornal público(10)

josé luís peixoto(17)

leitura de blogs(50)

leituras(29)

ler(10)

livros(354)

livros & leituras(8)

livros e leituras(9)

manuel antónio pina(76)

mário crespo(10)

mundos(9)

música clássica(22)

músicas(12)

obituário(8)

opinião(24)

país(22)

pensamentos(8)

pintores(49)

pintura(15)

poemas(331)

poesia(99)

poesia portuguesa(16)

poetas(245)

poetas brasileiros(22)

poetas portugueses(117)

política(20)

por outras palavras(44)

porto(11)

porto editora(11)

portugal(62)

prémio nobel da literatura(9)

prémios literários(140)

proibições(8)

questões de semântica(18)

realizadores(10)

revista bravo(38)

revista ler(29)

revistas(21)

ruy belo(8)

santa maria da feira(64)

tabacaria(10)

vídeos(480)

todas as tags

links
Contador
http://fotos.sapo.pt/tDGalKPsuskrDacJNQiu/
subscrever feeds