Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#2410 - SONG FOR A FRIEND

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:28


#2409 - TENTO POETICANENTE

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.05.17

 Lubertus Jacobus Swaanswijk, plus connu sous le nom de Lucebert (1924-1994

 

TENTO POETICAMENTE

 

isto é

de singeleza iluminadas águas

o espaço do pleno viver

exprimir

 

não fosse eu  homem

igual a uma multidão de homens

mas fosse eu quem sou

o anjo pétreo ou líquido

nascimento e putrefacção não me teriam tocado

o caminho de desamparo a comunhão

caminho pedras pedras bichos bichos pássaros pássaros

não ficaria tão sujo

como agora se vê nos meus poemas

instantâneos desse caminho

 

o que sempre se chamou beleza

beleza hoje queimou o rosto

já não consola o homem

consola as larvas os répteis os ratos

ao homem assusta

ferindo-o pela consciência

de que é migalha de pão na saia do universo

já não só o mal

a punhalada mortal nos humilha ou revolta

igualmente o bem

o abraço nos faz remexer desesperadamente

no espaço

 

por isso eu procurei a linguagem

em sua beleza

lá ouvi que ela de humano apenas tinha

os defeitos de fala da sombra

e os da ensurdecedora luz do sol

 

Poema do poeta holandês Lucebert

_______________________________________________________________________________

Lubertus Jacobus Swaanswijk, plus connu sous le nom de Lucebert, est un poète, peintre et dessinateur néerlandais, né le à Amsterdam et mort le à Alkmaar. Il était un membre du mouvement CoBrA. Sa phrase la plus célèbre est Alles van waarde is weerloos (ce qui pourrait se traduire en français par « Tout ce qui a de la valeur est impuissant/sans défense »).

Un article de Wikipédia, l'encyclopédie libre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:09


#2408 - LIVROS E LEITURAS

por Carlos Pereira \foleirices, em 28.05.17

RODRIGO GUEDES DE CARVALHO

ANTES DO INÍCIO

 

 

Abriu o livro e procurou a primeira frase.

 

Sempre ouviu dizer que o arranque de um livro é muito importante, porque se percebe logo o que podemos esperar.

Ficou surpreendido quando viu que a primeira frase dizia:

 

«Abriu o livro e procurou a primeira frase.»

 

Além da surpresa, sentiu-se observado, apanhado na inesperada e impossível ideia de que alguém lhe lia o pensamento, na livraria quase deserta.

 

Rodou a cabeça, espreitou por cima do ombro. Perto dele, com o mesmo livro na mão, outro leitor espreitava também, e os seus olhares encontraram-se.

Perceberam de imediato que a ambos acontecera a mesma coisa.

 

Abriram ambos um livro e, julgando lê-lo, estavam a ser lidos. (...)

 

Início do novo romance de Rodrigo Guedes de Carvalho "O Pianista de Hotel", pág. 11 - Edição Publicações Dom Quixote - Maio 2017

 

 ___________________________________________________________________________________

Rodrigo Guedes de Carvalho nasceu em 1963, no Porto.

Recebeu o Prémio Especial do Júri do Festival Internacional FIGRA, em França, com uma Grande Reportagem sobre urgências hospitalares (1997).

Estreou-se na ficção com o romance Daqui a nada (1992) vencedor do Prémio Jovens Talentos da ONU.
Seguiram-se-lhe A Casa Quieta (2005), Mulher em Branco (2006) e Canário (2007).

Elogiado pela crítica, foi considerado uma das vozes mais importantes da nova literatura portuguesa.

É ainda autor dos argumentos cinematográficos de Coisa Ruim (2006) e Entre os Dedos (2009), e da peça de teatro Os pés no arame (estreada em 2002, com nova encenação em 2016).

Regressa ao romance com O Pianista de Hotel (2017).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:56


#2407 - Thomas Feiner & Anywhen - Dinah & The Beautiful Blue

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:26


#2406 - Tant de Belles Choses

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08


#2405 - Amber Run - 5AM

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45


#2404 - O LAMENTO DA TERRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 27.05.17

 JULES SUPERVIELLE (1884-1960)

 

O LAMENTO DA TERRA

 

Um dia, quando dissermos: «Era o tempo do sol,

Recordem-se, alumiava o mais pequeno ramo

E tanto a mulher idosa como a rapariga admirada,

Sabia dar a sua cor às coisas mal nelas pousava.

Seguia o cavalo corredor e parava com ele.

Era o tempo inesquecível em que estávamos sobre a Terra,

Em que fazia barulho deixar cair qualquer coisa,

Olhávamos em volta com os nossos olhos versados,

Os nossos ouvidos entendiam todas as subtilezas do ar,

E quando o passo do amigo aí vinha, logo o sabíamos;

Apanhávamos tanto uma flor como uma pedra polida,

O tempo em que não podíamos agarrar o fumo,

Ah! só isso as nossas mãos apanhariam agora.»

 

Poema de Jules Supervielle

_______________________________________________________

(1884–1960) was born in Montevideo, studied in France, then lived alternately in a Paris suburb and in Montevideo. He published ten collections of poetry. T.S. Eliot said of him and Saint-John Perse, "There are no two poets of their generations of whose permanence I feel more assured."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59


#2403 - ÉRAMOS TRÊS, ÉRAMOS DOIS, ERA SÓ EU, ÉRAMOS NENHUM...

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.05.17

JOSEP VICENÇ FOIX (1894-1987)

 

ÉRAMOS TRÊS, ÉRAMOS DOIS, ERA SÓ EU, ÉRAMOS NENHUM...

 

Éramos três, esquivos, no escuro das vindimas,

com o mar nos olhos, vinho de mosto nas mãos,

quando no sal dos bosques o rego lança fumo

e um choro de criança rebrilha no cerrado.

 

Éramos dois, erguidos na rocha das estrelas,

o coração sangrando, sem uma funda e dados,

quando o ermo se queima e soluçam os breus

nos charcos latentes de canteiros de faróis.

 

Era eu só, umbroso entre sombras já velhas,

a figurar uma outra sombra no varadouro

onde marinha, entre redes estendidas,

o sono de todos em poentes febris.

 

Éramos nenhum, entre folhas de treva,

quando o medo chove nas pétalas das poças

e o outro, o Puro, livre de velas e de leme,

vidente, zarpa, rumo ao Instante claro.

 

Poema do poeta catalão Josep Vicenç Foix

______________________________________________________________________

Josep Vicenç Foix

Poeta catalán cuya obra es emblemática de la vanguardia del siglo XX en su lengua. No concluyó los estudios de derecho y se dedicó al periodismo en La Revista (1918), Trossos (1918) y L´Amic de les Arts (1926-1928), y fue jefe de Cultura de La Publicidad (1922-1936). Sus principales textos teóricos los publicó en Quaderns de Poesia (1935-1936). Tras la Guerra Civil renunció a seguir en la profesión, ante la imposibilidad de ejercerla en catalán, y pasó a hacerse cargo de la empresa de pastelería familiar. Aun así colaboró con Ariel y Dau al Set.

Sus primeras prosas poéticas, Gertrudis (1927) y KRTU (1932) compiladas luego en Diari 1918 (1956) evidencian múltiples influencias, con predominio del surrealismo. Pronto, sin embargo, se aleja de las corrientes vanguardistas en pro de un camino propio en el que incorpora los más variados procedimientos y que se traduce en la alternancia de formas y estilos.

Entre los círculos minoritarios será reconocido como uno de los grandes poetas catalanes del siglo a raíz de Sol, i de dol (1947), recopilación de sonetos que sintetiza su particular síntesis de clasicismo y vanguardia, con un riquísimo léxico en el que se combinan arcaísmos y neologismos. La metafísica, la búsqueda de lo absoluto, constituye una de las constantes de su obra. Les irreals omegues (1949) es una muestra de su estilo más barroco. En On he deixat les claus (1953) ensaya el verso más corto y las formas populares. Importante es también Onze Nadals i un Cap d´Any (1960). Ciego ya, dictó L'estació (1985).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:21


#2402 - Um poema de Almada Negreiros

por Carlos Pereira \foleirices, em 26.05.17

ALMADA NEGREIROS (1893-1970)

 

Mãe!

Vem ouvir a minha cabeça a contar histórias ricas que ainda

não viajei! Traze tinta encarnada para escrever estas coisas! Tinta cor

de sangue, sangue! verdadeiro, encarnado!

Mãe! Passa a tua mão pela minha cabeça!

Eu ainda não fiz viagens e a minha cabeça não se lembra senão

de viagens! Eu vou viajar. Tenho sede! Eu prometo saber viajar.

 

Quando voltar é para subir os degraus da tua casa, um por um.

Eu vou aprender de cor os degraus da nossa casa. Depois venho

sentar-me a teu lado. Tu a coseres e eu a contar-te as minhas  viagens,

aquelas que eu viajei, tão parecidas com as que não viajei, escritas

ambas com as mesmas palavras.

 

Mãe! ata as tuas mãos às minhas e dá um nó cego muito apertado!

Eu quero ser qualquer coisa da nossa casa. Como a mesa.

Eu também quero ter um feitio, um feitio que sirva exactamente para

a nossa casa, como a mesa.

 

Mãe! passa a tua mão pela minha cabeça!

Quando passas a tua mão na minha cabeça é tudo tão verdade!

 

Poema de Almada Negreiros

_________________________________________________________

Almada-Negreiros
Artista e escritor polifacetado, José de Almada-Negreiros nasceu a 7 de abrilde 1893, em S. Tomé e Príncipe, e morreu a 15 de junho de 1970, em Lisboa.

LER MAIS... AQUI

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:42


#2401 - BALADA DOS SUPLÍCIOS

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.05.17

LOUIS ARAGON (1897-1982)

 

BALADA DOS SUPLÍCIOS

 

- «Pudesse eu recomeçar

e este caminho seguia...»

Uma voz fala das grades

sobre a futura alegria.

 

Na sua cela, dois homens

por essa noite comprida,

murmuravam-lhe: «Confessa.

Ou estás cansado da vida?

 

Podes viver como nós,

viver, viver anos vastos...

Uma só palavra, és livre...

e podes viver de rastos...»

 

- «Pudesse eu recomeçar

e este caminho seguia...»

A voz que sobe das grades

canta a futura alegria.

 

«Apenas uma palavra,

abre-se a porta e tu sais:

já o carrasco se some,

já acabaram teus ais!

 

Apenas uma mentira

para mudares o destino...

sonha, sonha, sonha

o claro sol matutino!»

 

«Disse o que tinha a dizer,

como o Rei Henrique falo:

uma missa por Paris...

p'lo meu reino, um cavalo...

 

Nada a fazer.» E partiram!

Cobre-o já seu sangue quente!

Era o seu único triunfo:

saber morrer inocente!

 

Pudesse ele recomeçar

ia esta sorte escolher?

Diz a voz que vem das grades:

- «Torná-lo-ia a fazer.

 

 Eu morro e tu, França, ficas,

meu refúgio e minha fé.

Ó meus amigos, se morro,

vós sabeis pelo que é!»

 

Vieram para o prender,

falavam em alemão.

Disse-lhe um: - «Queres-te render?»

Respondeu com decisão:

 

- «Pudesse eu recomeçar

queria esta sorte seguir...»

A voz que sobe das grades

fala aos homens do porvir.

 

- «Pudesse eu recomeçar

queria esta sorte seguir.

Mesmo carregado de ferros,

que cante em mim o porvir!»

 

E cantava sob as balas:

«... sangrento se levantou...»

Até que nova rajada

veio por fim e o tombou.

 

Mas outra canção francesa

já dos seus lábios se evade

acabando a Marselhesa

para toda a Humanidade!

 

Poema da poeta francês Louis Aragon

_______________________________________________________________________________________

La literatura francesa nos invita desde siempre a posar nuestra atención en diversas personalidades que, a lo largo de los años, han dejado huella en las letras galas. Una de las figuras que ha dejado un legado valioso allí es Louis Andrieux, más conocido como Louis Aragon.

aragon-louisEste novelista y poeta nacido el 3 de octubre de 1897 en París se dejó cautivar en un momento por el dadaísmo y, con el tiempo, llegó a impulsar junto a André Bretony Philippe Soupault el surrealismo. Quien fuera estudiante del Lycée Carnot experimentó desde temprana edad un gran interés por la lectura y la escritura pero, aún así, quiso formarse en Medicina, carrera que interrumpió en 1914 y retomó en 1917, llegando a realizar prácticas en un importante centro hospitalario ubicado en su ciudad natal.

El 28 de febrero de 1939, este militante del Partido Comunista Francés contrajo matrimonio con su colega Elsa Triolet, a quien había conocido durante 1928 en un café de la capital francesa. Juntos se involucraron con la Resistencia Francesa y visitaron de manera frecuente las naciones del bloque socialista.

Como exponente del universo literario, Aragon cultivó la novela, el ensayo y la poesía. Su producción literaria, traducida a múltiples lenguas, permite apreciar trabajos como “Fuego de alegría”, “Tratado de estilo”, “El movimiento perpetuo”, “El campesino de París”, “Una ola de sueños”, “Las campanas de Basilea”, “Los viajeros de La Imperial”, “Hurra por los Urales” y “Los ojos de Elsa”, entre muchos otros.

Este autor que en 1967 fue admitido en la Academia Goncourt como académico (cargo al que renunció un año después) encontró la muerte el 24 de diciembre de 1982. Sus restos fueron inhumados en el parque del Molino de Villeneuve, donde también fue enterrado el cuerpo de su esposa, fallecida el 16 de junio de 1970.

 

Publicado por Verónica Gudiña 11 de Septiembre de 2015

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:22

Os melhores livros de todos os tempos, segundo nove autores fundamentais

Os melhores livros de todos os tempos, segundo nove autores fundamentais

 

Um escritor é mais importante pelo que lê, do que pelo que escreve, seguindo a máxima, a Revista Bula reuniu os livros que influenciaram nove autores fundamentais de diferentes épocas e escolas literárias: Gabriel García Márquez (Cem Anos de Solidão), Ernest Hemingway (Por Quem os Sinos Dobram), F. Scott Fitzgerald (O Grande Gatsby), Stephen King (A Dança da Morte), Philip Roth (O Complexo de Portnoy), Charles Bukowski (Factotum), David Foster Wallace (Graça Infinita) e Edmund White (O Flâneur). Díspares e antagônicos — da prosa elegante de F. Scott Fitzgerald a linguagem obscena e crua de Charles Bukowski —, os autores selecionados e os livros citados por eles, trazem em comum o fato de ter influenciado e encantando milhões de leitores em todo o mundo.

 

LER MAIS )

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33


#2399 - miles davis "generique"

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29


#2398 - Venus de Milo - Miles Davis

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:21


#2397 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 25.05.17

É patético, ridículo e às vezes dramático, ouvir o discurso, o argumento, o pensamento - ou a falta dele - e até a respiração irritante dos membros do partido político que foi poder e agora está na oposição e vice-versa. Tem dias que ouvi-los é como receber coice de cavalo no sítio mais abaixo da barriga.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:50


#2396 - Max Richter - Arbenita (11 Years)

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:00


#2395 - A MÁQUINA DO MUNDO

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.05.17

 CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (1902-1987)

 

A MÁQUINA DO MUNDO

 

E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
e no fecho da tarde um sino rouco

se misturasse ao som de meus sapatos
que era pausado e seco; e aves pairassem
no céu de chumbo, e suas formas pretas

lentamente se fossem diluindo
na escuridão maior, vinda dos montes
e de meu próprio ser desenganado,

a máquina do mundo se entreabriu
para quem de a romper já se esquivava
e só de o ter pensado se carpia.

Abriu-se majestosa e circunspecta,
sem emitir um som que fosse impuro
nem um clarão maior que o tolerável

pelas pupilas gastas na inspeção
contínua e dolorosa do deserto,
e pela mente exausta de mentar

toda uma realidade que transcende
a própria imagem sua debuxada
no rosto do mistério, nos abismos.

Abriu-se em calma pura, e convidando
quantos sentidos e intuições restavam
a quem de os ter usado os já perdera

e nem desejaria recobrá-los,
se em vão e para sempre repetimos
os mesmos sem roteiro tristes périplos,

convidando-os a todos, em coorte,
a se aplicarem sobre o pasto inédito
da natureza mítica das coisas,

assim me disse, embora voz alguma
ou sopro ou eco o simples percussão
atestasse que alguém, sobre a montanha,

a outro alguém, noturno e miserável,
em colóquio se estava dirigindo:
“O que procuraste em ti ou fora de

teu ser restrito e nunca se mostrou,
mesmo afetando dar-se ou se rendendo,
e a cada instante mais se retraindo,

olha, repara, ausculta: essa riqueza
sobrante a toda pérola, essa ciência
sublime e formidável, mas hermética,

essa total explicação da vida,
esse nexo primeiro e singular,
que nem concebes mais, pois tão esquivo

se revelou ante a pesquisa ardente
em que te consumiste… vê, contempla,
abre teu peito para agasalhá-lo.”

As mais soberbas pontes e edifícios,
o que nas oficinas se elabora,
o que pensado foi e logo atinge

distância superior ao pensamento,
os recursos da terra dominados,
e as paixões e os impulsos e os tormentos

e tudo que define o ser terrestre
ou se prolonga até nos animais
e chega às plantas para se embeber

no sono rancoroso dos minérios,
dá volta ao mundo e torna a se engolfar
na estranha ordem geométrica de tudo,

e o absurdo original e seus enigmas,
suas verdades altas mais que tantos
monumentos erguidos à verdade;

e a memória dos deuses, e o solene
sentimento de morte, que floresce
no caule da existência mais gloriosa,

tudo se apresentou nesse relance
e me chamou para seu reino augusto,
afinal submetido à vista humana.

Mas, como eu relutasse em responder
a tal apelo assim maravilhoso,
pois a fé se abrandara, e mesmo o anseio,

a esperança mais mínima — esse anelo
de ver desvanecida a treva espessa
que entre os raios do sol inda se filtra;

como defuntas crenças convocadas
presto e fremente não se produzissem
a de novo tingir a neutra face

que vou pelos caminhos demonstrando,
e como se outro ser, não mais aquele
habitante de mim há tantos anos,

passasse a comandar minha vontade
que, já de si volúvel, se cerrava
semelhante a essas flores reticentes

em si mesmas abertas e fechadas;
como se um dom tardio já não fora
apetecível, antes despiciendo,

baixei os olhos, incurioso, lasso,
desdenhando colher a coisa oferta
que se abria gratuita a meu engenho.

A treva mais estrita já pousara
sobre a estrada de Minas, pedregosa,
e a máquina do mundo, repelida,

se foi miudamente recompondo,
enquanto eu, avaliando o que perdera,
seguia vagaroso, de mão pensas.

 

Poema de Carlos Drummond de Andrade

 

________________________________________________________________________



Carlos Drummond de Andrade
nasceu em Itabira do Mato Dentro - MG, em 31 de outubro de 1902. De uma família de fazendeiros em decadência, estudou na cidade de Belo Horizonte e com os jesuítas no Colégio Anchieta de Nova Friburgo RJ, de onde foi expulso por "insubordinação mental". De novo em Belo Horizonte, começou a carreira de escritor como colaborador do Diário de Minas, que aglutinava os adeptos locais do incipiente movimento modernista mineiro.

Ante a insistência familiar para que obtivesse um diploma, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. Fundou com outros escritores A Revista, que, apesar da vida breve, foi importante veículo de afirmação do modernismo em Minas. Ingressou no serviço público e, em 1934, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema, ministro da Educação, até 1945. Passou depois a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e se aposentou em 1962. Desde 1954 colaborou como cronista no Correio da Manhã e, a partir do início de 1969, no Jornal do Brasil.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:44


#2394 - ADEUS

por Carlos Pereira \foleirices, em 24.05.17

 ARTHUR RIMBAUD (1854-1891)

 

ADEUS

 

Sim, ao menos a hora nova é severíssima.

Posso dizer que tenho a vitória adquirida: o ranger de dentes, 

os silvos de fogo, os suspiros pestilentos abrandaram. Todas as memórias imundas se apagam. Vispam-se os meus últimos remorsos, - ciúmes dos mendigos, dos salteadores, dos amigos da morte, dos ignaros de toda a sorte. - Malditos, se eu me vingasse!

Temos de ser modernos absolutos.

Cânticos nunca: manter o passo adquirido. Dura noite! O sangue seco fumeia no meu rosto, e nada atrás de mim, só a arvorezinha horrível!... O combate do  espírito é tão brutal como batalha de homens; mas a visão da justiça é prazer só de Deus.

Vigília, no entanto. Recebamos todos os influxos de vigor e de ternura autêntica. E pela aurora, armados com ardente paciência, entraremos na cidade esplêndida.

Falava eu de mão amiga! Um bom proveito, é poder rir-me das velhas afeições enganosas, e ferrar de vergonha esses casais de engano, - eu vi aquele inferno das mulheres; - e ser-me-á dado possuir a verdade dentro de uma alma e num corpo.

 

Poema do poeta francês Arthur Rimbaud

___________________________________________________________________________

Arthur Rimbaud (1854-1891) foi um poeta francês que exerceu grande influência na poesia do século XX. Foi considerado um dos precursores da poesia moderna. Seu relacionamento com o poeta Paul Verlaine foi inspiração para o filme “Eclipse de Uma Paixão”.

Jean-Nicolas Arthur Rimbaud (1854-1891) nasceu em Charleville, França, no dia 20 de outubro de 1854. Filho de um capitão da infantaria e de uma camponesa teve uma educação rígida. Ainda criança começou a escrever suas poesias, que foram reunidas em 1869.

Em 1870, aluno do Colégio de Charleville, fez amizade com Georges Iszambard, seu professor de retórica, que lhe incentivou na leitura dos poetas Rabelais, Victor Hugo e Théodore de Banville. A amizade com o professor era reprovada pela mãe. Nesse mesmo ano deu início a uma série de viagens, revelando seu espírito errante.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40


#2392 - Matthew Ryan - Maybe I'll Disappear

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:44


#2391 - QUE COMOVENTE, UM MAU POETA

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.05.17

QUE COMOVENTE, UM MAU POETA

 

Que comovente, um mau poeta. Não falam dele

há muitos anos; depois, lentamente, esquecem-no.

Inspirado e branco, agora cambaleia, vacilam

os botões no sobretudo roto e assobia poemas inéditos

ao vento de Inverno.

Que orgulho e força. No seu rosto,

ódio e inveja semelham, de longe, algo como

tristeza etérea. A seu lado, os famosos,

que incensaram artigos pagos e celebram

plateias selvagens, mercadores, ou aventureiros.

Na calva, na fronte altiva de apóstolo, pôs-lhe a vida

coroa de lágrimas, divinizando

sonhos da mocidade, em que prefere acreditar.

Até a má alimentação e magreza que dá

a tísica é uma questão de estilo. Como nos seus livros.

Crítica, literatura - em vão falais.

Ele é o idealismo. Ele é o poeta verdadeiro.

 

Poema do poeta hungaro Kosztolányi Dezsfi (1885-1936)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:49


#2390 - UM HEMISFÉRIO NUMA CABELEIRA

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.05.17

CHARLES BAUDELAIRE (1821-1867)

 

UM HEMISFÉRIO NUMA CABELEIRA

 

Deixa-me respirar longamente, longamente, o aroma dos teus cabelos, neles mergulhar todo o meu rosto, como um homem sedento na água de uma nascente, e agitá-los na minha mão como um lenço aromático, para sacudir recordações no ar.

 

Se pudesses saber tudo aquilo que eu vejo! tudo aquilo que eu sinto! tudo aquilo que ouço nos teus cabelos! A minha alma viaja por sobre o perfume como a alma dos outros homens sobre a música.

 

Os teus cabelos levam um sonho inteiro, cheio de velames e de mastreações; levam grandes mares de monções que me transportam para encantadores climas, onde  o espaço é mais azul e mais profundo, de atmosfera perfumada pelos frutos, pelas folhas e pela pele humana.

 

No oceano da tua cabeleira, avisto um porto irrompendo em cantos melancólicos, homens vigorosos de todas as nações e navios de todos os formatos recortando arquitecturas finas e complicadas num céu imenso em que preguiça o eterno calor.

 

Nas carícias da tua cabeleira, reencontro as demoras das longas horas passadas num divã, no quarto de um belo navio, embaladas pelo rolar imperceptível do porto, entre os vasos de flores e os cântaros refrescantes.

 

No lar ardente da tua cabeleira, respiro o aroma do tabaco mesclado em ópio e açucar; na noite da tua cabeleira, vejo resplandecer o infinito do horizonte tropical; nas margens sedosas da tua cabeleira embriago-me com os aromas misturados do almíscar, do alcatrão e do óleo de coco.

 

Deixa-me morder demoradamente as tuas tranças pesadas e negras. Quando mordisco teus cabelos elásticos e rebeldes, julgo estar a mastigar recordações.

 

Poema do poeta francês Charles Baudelaire

 _______________________________________________________________________

Charles Pierre Baudelaire, poeta e escritor francês, nasceu em Paris a 9 de abril de 1821 e morreu a 31 de agosto 1867, nessa mesma cidade. Herdeiro do Romantismo , conseguiu exprimir a tragédia do destino humano e dar uma visão mística do universo.

Durante os seus estudos no liceu tornou-se viciado em ópio e haxixe,contraindo ainda doenças venéreas que viriam,mais tarde,a ser a causa da sua morte.


O pai era um homem de cultura e um amante de pintura, e levava-o, com apenas quatro ou cinco anos de idade, a apreciar a beleza das formas e das linhas. Pouco tempo passou até que, em 1827, perdeu o pai; mas o que mais lhe atormentou a infância foi o facto de a mãe ter casado com o general Aupick, que o enviaria para uma viagem por mar até à Índia, promovida para o fazer esquecer a carreira das Letras.

Pelo contrário, regressou cheio de imaginação e determinado a ser poeta.Desenvolveu também uma tendência para um estado de espírito de intensa melancolia e de natureza solitária. Com o capital herdado do pai, viveu como um típico dândi.

Em 1844 juntou-se a Jeanne Duval, relação que lhe trouxe muita infelicidade,ao ponto de se sentir tentado a suicidar-se. Mesmo assim, Jeanne foi motivo de inspiração dos poemas eróticos de Charles Baudelaire. Baudelaire torna-se conhecido como crítico de artes plásticas em revistas onde formula a sua conceção daquilo que deve ser a arte moderna.

Em 1847 escreve o seu único romance, autobiográfico, La Fanfarlo . Em 1852 descobre a escrita de Edgar Poe e decide traduzi-la. Ocupa-se deste escritor até 1865. Em Poe descobre pela primeira vez alguém com quem se identifica espiritualmente. As traduções e as críticas de arte aumentaram a sua reputação e levaram-no a publicar os primeiros poemas numa revista que era considerada o bastião conservador do Romantismo, o que motivou acusações de obscenidade.

Na primavera de 1857, saíram nove poemas em "La Revue Française" e três em"L'Artiste" , e em junho publica o seu primeiro livro, Les Fleurs du Mal , alvo de um escândalo na época, devido ao erotismo de algumas poesias. Esta obra valeu-lhe um processo judicial por ultraje à moral pública e às boas maneiras.Para pagar as despesas do tribunal colaborou em diversas revistas. Ainda em1857 escreve Petits Poèmes en Prose .

Em 1861 publicou a segunda edição alargada e engrandecida de Les Fleurs duMal mas omitindo os poemas banidos, publicados na Bélgica. Uma terceira edição viria a ser publicada em 1966. Em 1862 Baudelaire tinha declarado falência e as dificuldades económicas levaram-no ao desespero. Para escapar aos credores fez uma viagem à Bélgica em 1864. Em fevereiro de 1866, ainda na Bélgica, encontrava-se gravemente doente. Regressou a Paris e viria afalecer nos braços da mãe, em agosto do ano seguinte.

A existência literária de Baudelaire é marcada por dois sonetos:Correspondances e L'Albatros . No primeiro prenuncia o simbolismo e todas as sinestesias do imaginário moderno, descobrindo "misteriosas correspondências". L'Albatros representa a condição terrena do poeta, que não sabe viver nem acomodar-se na sua existência. Em 1868 é publicada a sua obra crítica, Art Romantique . Estes trabalhos de Baudelaire são a fonte da poesia moderna.

Os seus escritos representam uma combinação perfeita entre ritmo e música. Foi perseguido por obscenidade e blasfémia e mesmo depois da sua morte continuou a ser identificado pela opinião pública como símbolo de depravação e vício. Rejeitou a posição dos românticos e voltou-se para o seu interior numa poesia introspetiva em busca de Deus, sem uma crença religiosa, procurando em qualquer manifestação da vida, como a cor de uma flor ou o olhar cerrado de uma prostituta, a sua verdade significante. Com Deus e com as pessoas,tem um movimento de atração e rebeldia, uma espécie de ressentimento contra o criador.

Baudelaire é um crítico da condição humana do mundo moderno. E moderna, foi a sua recusa em admitir restrições à escolha dos temas para poesia. Escreveu em prosa as obras: Les Paradis Artificiels , Opium e Haschisch ; Petits Poèmes en Prose ; Curiosités Esthétiques ; Art Romantique ; Le Spleen de Paris ,entre outras.

Dos seus desencontros nasce o tédio infinito, o tema dominante em Le Spleende Paris , que se torna desejo atormentador de viajar em busca de coisas novas.Chamada pelo amor iludido, surge insistente a imagem da morte, também ela odiada e galanteada como a personificação maior da pequena morte do amor.Teme a morte e deseja-a como a única libertação e o reencontro consigomesmo.

Depois do desaparecimento físico de Charles Baudelaire, as opiniões começaram a mudar e muitos poetas tornaram-se seguidores do movimento simbolista. No século XX tornou-se reconhecido como um grande poeta francês do século XIX, tendo contribuído para revolucionar a sensibilidade e a maneira de pensar da Europa Ocidental.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:12


#2389 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 23.05.17

O nosso verdadeiro inimigo está quase sempre dentro de nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10

imaginarius035.jpg

 Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua

25, 26, 27 de Maio de 2017

Santa Maria da Feira

 

Ver programação aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:17


#2387 - Nem todas as baleias voam

por Carlos Pereira \foleirices, em 20.05.17

 Afonso Cruz

 

(...) Erik Gould deu o seu primeiro concerto a solo no bar de Manhattan onde, em mil novecentos e trinta e nove, Eleanora Fagan, conhecida por Billie Holiday (com uma gardénia no cabelo, vinte e três anos), cantara sobre pretos linchados e pendurados em árvores. Na altura, o racismo americano fazia que os pomares frutificassem cadáveres. ("Strange Fruit" era uma canção tão boa que Nina Simone, completamente fascinada, afirmou: "Nunca ouvi nada tão desagradável." E a seguir teve de ir à casa de banho, tinha os intestinos às voltas, a alma a pingar. Há canções que fazem bater palmas, não são más; mas depois há outras, as que silenciam a plateia ou que fazem uma revolução no corpo ou que dão um coice na boca do estômago.) 

Billie Holiday fazia às músicas o mesmo que Gould. Acariciava-as com a voz, deitava-as e fazia amor com elas. E talvez tenha sido nessa altura que Gould aprendeu a beijar o que tocava no piano, a usar os dedos como objectos sensuais e, ao pousá-los nas teclas, acariciar a melodia juntamente com o ébano e marfim. Foi também com Billie Holiday que Gould aprendeu a tocar "I committed crime Lord I needed", não só como quem faz sexo mas também como quem espeta uma faca, "Crime of being hungry and poor". Ou as duas coisas ao mesmo tempo: "I left the grocery store man bleedin'." 

Estamos demasiado familiarizados com esta ideia de dor e felicidade que, perversamente, se misturam e se engendram, mas também é verdade que tendemos a separar as duas como se tivessem existências autónomas. Este matrimónio aflitivo entre duas experiências superficialmente antagónicas, mas que formam um tecido comum, é uma espécie de ironia subjacente ao Universo. Junqueiro chamou à dor o "substrato último da Natureza, o fundo irredutível do Universo", acrescentando-lhe, claro, a possibilidade de ser transformada em algo mais luminoso: "Não há beleza esplendente que não fosse dor caliginosa. A flor é a dor da raiz, a luz, a dor das estrelas." Acrescentou: "Homens de gosto coleccionam quadros ou estátuas. O meu amigo colecciona dor. Não em galerias ou museus, como quem se dedica ao estudo biológico das várias formas de sofrer. Quando uma chaga aterradora o surpreende, não a envazilha num frasco, guarda-a no coração. Conta-lhe os ais, não os micróbios. Em vez de a analisar, decompondo-a, analisa-a beijando-a. No seu laboratório químico existe apenas um reagente que dissolve tudo: lágrimas." Cabe-nos, ao aceitar as regras deste jogo, uma espécie de exercício de mineração, trabalhar afanosamente e sem tréguas na extracção de virtudes de dentro de matéria vil. Orígenes vislumbrou, na sua apocatástase, um final feliz para o Universo, resultante deste trabalho redentor, um final glorioso em que o próprio Diabo seria perdoado, fazendo culminar o preceito bíblico "amar o inimigo". Com música, em vez de explosões e danações. Um eterno baile. (...)

 

Excerto retirado do livro  de Afonso Cruz "Nem todas as baleias voam", pags. 16 e 17, edição Companhia das Letras, Novembro de 2016

_________________________________________________________________________

Além de escritor, Afonso Cruz é também ilustrador, cineasta e músico da banda The Soaked Lamb. Nasceu em 1971, na Figueira da Foz, e viria a frequentar mais tarde a Escola António Arroio, em Lisboa, e a Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, assim como o Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira e mais de cinquenta países de todo o mundo. Já conquistou vários prémios: Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco 2010, Prémio Literário Maria Rosa Colaço 2009, Prémio da União Europeia para a Literatura 2012, Prémio Autores 2011 SPA/RTP; Menção Especial do Prémio Nacional de Ilustração 2011, Lista de Honra do IBBY – Internacional Board on Books for Young People, Prémio Ler/Booktailors – Melhor Ilustração Original, Melhor Livro do Ano da Time Out 2012 e foi finalista dos prémios Fernando Namora e Grande Prémio de Romance e Novela APE e conquistou o Prémio Autores para Melhor Ficção Narrativa, atribuído pela SPA em 2014.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:12


#2385 - Aretha Franklin - A Song For You

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:55

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40


#2383 - Secret Garden - Heart String

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16


#2382 - APELO

por Carlos Pereira \foleirices, em 19.05.17

 

NAZIM HIKMET RAN (1902-1963)

 

 

APELO

 

Este país, cabeça duma égua

da Ásia ao Mediterrâneo trotando tanta légua

este país é o nosso.

Punhos em sangue banhados, dentes cerrados, planta nua

e chão feito alfombra, toda em seda crua,

este inferno, este céu é o nosso.

Fechem-se as portas de estranhos, não mais voltem a abrir!

O homem não imponha ao homem escravidão!

Este apelo é o nosso.

Viver! Qual árvore, sozinha e livre

e juntos irmanados, qual floresta.

Este anseio é o nosso.

 

Poema do poeta turco Nazim Hikmet Ran

____________________________________________

Nazım Hikmet Ran foi um poeta e dramaturgo turco, conhecido na Europa como o melhor poeta de vanguarda da Turquia, sendo os seus poemas traduzidos para diversas línguas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:36


#2381 - NA TORRENTE

por Carlos Pereira \foleirices, em 18.05.17

 FADWA THUKAN (1917-2003)

 

NA TORRENTE

 

apagaram-se os rostos à nossa volta

e desapareceram as coisas nessa noite

salvo o brilho azul radioso

dos teus olhos e o apelo.

pelo azul radioso navegava,

em busca dele, meu coração qual barca

que a torrente deseja.

e a ele me amarrou essa torrente

mar sem margens infinito

e irresitível

no qual contam as ondas a história da vida

e da eternidade.

congela aqui contida num só olhar,

já a terra se funde

ao impulso do barro, dos ventos e da chuva.

 

aquela noite

despertou o meu jardim,

arrancaram-lhe a sebe

os dedos da ventania

agitaram-se sob a dança dos ventos

e da chuva

a relva do jardim

as flores e os frutos

menos o brilho radioso que navegava em busca dele

meu coração como barca que a torrente deseja.

 

Poema da palestiniana Fadwa Thukan traduzido por Adalberto Alves

 

___________________________________________________________________

Poetisa palestiniana, Fadwa Tuqan nasceu a 1 de março de 1917, em Nablus(norte da Cisjordânia).
Apesar de ter sido criada num ambiente conservador, a sua poesia apresenta,por um lado, uma consciência nacionalista e política, por outro, um sentidocritico à sociedade árabe pela sua violência, pela maneira como explorava asmulheres, entre outros assuntos.
Fadwa Tuqan conheceu o mundo da poesia através das orientações do irmão,Ibrahim Tuqan, escritor e diretor da rádio palestiniana. Fadwa começou porescrever em formas poéticas tradicionais, passando, em seguida, para o versolivre da poesia árabe. A liberdade poética e o sentido crítico presentes napoesia de Fadwa Tuqan revelaram-se a partir de 1948, ano em que morreu oseu pai e em que foi criado o Estado de Israel. Nessa altura, surgiram asprimeiras obras de Fadwa Tuqan: My Brother Ibrahim (1946, tradução inglesa;Meu Irmão Ibrahim , tradução portuguesa), Alone With The Days (1952,tradução inglesa; Sozinha com os Dias , tradução portuguesa), Give Us Love(1960, tradução inglesa; Danos de Amor , tradução portuguesa) e Before TheClosed Door (1967, tradução inglesa; Antes da Porta Cerrada , traduçãoportuguesa).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38


#2380 - TAEDIUM VITAE

por Carlos Pereira \foleirices, em 18.05.17

MARCELO GAMA

MARCELO GAMA

(1878- 1915)

 

TAEDIUM VITAE

 

Dias de tédio, amargurados dias,

Estes que arrasto à espera de melhores

Estes de sol, então, são os piores:

Mais me abatem as lassas energias.

 

Porque este sol que me ilumina e aquece,

Embora luz, calor e vida seja

- lascivo sol que a natureza beija

lubricamente, e os seios lhe intumesce - 

 

é o mesmo sol que me amesquinha e oprime,

o alvissareiro da maledicência,

que põe, perfeitamente, em evidência,

esta pobreza vil, que é quase um crime.

 

Por isso à lua, mal o sol se esconde,

Horas fico a cismar, contemplativo...

Abominável terra, esta onde vivo!...

Vêm-me vontades de partir... Mas onde?...

 

Mas onde achar a paz que est'alma aspira?

Se em toda a parte os homens são iguais!

Se aqui na terra são convencionais

Honra e virtude, e o mais - tudo mentira.

 

Lá onde eu fosse chegaria o tédio.

Que à vida é necessário o sofrimento,

E bem sei, para meu maior tormento,

Que esta dor só na morte tem remédio!

 

Todo este mal, toda esta desventura,

Vem do sentir e amar em demasia,

E ver que é sempre simulada ou fria

Toda afeição que eu supusera pura.

 

Conto os meus anos pelas minhas dores,

E são mais minhas dores que os meus anos;

E não bastando os próprios desenganos,

Comovem-me os alheios dissabores.

 

Que uma só vez não há, que eu não vacile,

Quando a desgraça os outros arremete!

Já chego a duvidar como Stecchetti:

- Sono un poeta o sono um imbecile?

 

Tu, que os meus versos lês e que os condenas,

Quando não és de todo indiferente,

Como és feliz! Como é feliz a gente

Que insensível assiste a alheias penas!

 

Bendita aspiração, ditosa sorte:

- extinguir-me, ou vencer estes espaços!

Por que nos teus escanifrados braços

Não me estrangulas, redentora morte?

 

Ontem levaste, aqui da vizinhança

A pobre mãe de três loiros filhinhos,

E entregaste-os à dor! Beijos, carinhos,

Mudaram-se em cruel desesperança.

 

E deixaste-me entanto, atormentado,

Escravo destes miseráveis nervos!

Meus dias, que penoso é maldizer-vos,

Sendo até pela morte desprezado!

 

Morrer!... Antes morrer! Que só existe

No renunciar à vida a paz perfeita.

Tornar-se a gente em pó, na cova estreita,

É deixar, finalmente de ser triste.

 

E se algum dia for desenterrada

Minha carcaça, hão-de me ver sorrindo...

Porque as caveiras riem, assistindo

Deste mundo à infinita mascarada.

 

Poema do poeta brasileiro Marcelo Gama

___________________________________________________________

Marcelo Gama, pseudônimo de Possidônio Cezimbra Machado foi um poeta e jornalista brasileiro. Foi um dos maiores representantes da poesia simbolista no Rio Grande do Sul, movimento forte naquele Estado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47


#2379 - Questões de Semântica

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.05.17

Espero pacificamente sentado que chegue a minha vez para acalmar o desespero da espera

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:28


#2378 - Espanto e fragmento

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.05.17

Gonçalo M. Tavares

a interrogação, o questionar

 

Começar aqui é interromper uma tarefa noutro lado, claro.

 

A propósito de Heidegger, Steiner escreve. "Precisamos de dar mais assistência ao pensamento." (1)  Esta assistência, esta atenção cuidadosa pode ser interpretada como a atenção que se tem em relação a um ferido e, sendo assim, é quase comovente: não tires os olhos do pensamento; ele precisa de ti. Eis o que cada um de nós poderia dizer. E neste pensamento há uma marca que permite o avanço; a "fonte do pensamento genuíno é o espanto, espanto por, e perante o ser. O seu desenvolvimento é essa cuidada tradução do espanto em acção que é o questionar"(2), escreve Steiner. Questionar "é a tradução do espanto em acção". Não basta, pois, o espanto imóvel,  o espanto contemplativo, precisamos de um espanto agressivo, que ameace, que questione. Um espanto que sabe para onde vai. Como diz uma das personagens de Musil: é "tão simples ter força para agir e tão difícil encontrar um sentido para a acção!"(3)

Para Heidegger, segundo a interpretação de Steiner, as "técnicas metafísicas de argumentação e sistematização impedem-nos [...] de exprimir os nossos pensamentos no registo vital da interrogação"(4). Mas a interrogação é essencial. Impor afirmações que põem questões.

______________________________________________________

______________________________________________________

(1) - Steiner, George - Heidegger, 1990, p. 53, Dom Quixote.

(2) - Idem, p. 54.

(3) - Muitas das vezes, escreve ainda Musil, no mesmo excerto, o Homem encontra um sentido único e fecha-se nele: "o Homem não faz mais do que repetir, durante toda a sua vida, um só acto: ingressa numa profissão e progride nela".(Musil, Robert, O Homem sem Qualidades, 3.º Tomo, p. 90, Livros do Brasil)

(4) - Steiner, George - Heidegger, 1990, p.54, Dom Quixote

 

Excerto retirado do livro Atlas do Corpo e da Imaginação de Gonçalo M. Tavares, Capítulo I - O Corpo no Método, pags., 25 e 26 - Editorial Caminho, Setembro de 2013

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45


#2377 - Thomas Feiner — Yonderhead

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:07


#2376 - Thomas Feiner & Anywhen - For Now

por Carlos Pereira \foleirices, em 17.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:02


#2375 - QUESTÕES DE SEMÂNTICA

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.05.17

 

E um homem veio ter comigo com um macaco doente nos braços e disse:

Cura o meu macaco.

Não sei curar animais, não têm alma.

 

William Burroughs

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26


#2374 - GENÉRICO

por Carlos Pereira \foleirices, em 16.05.17

 fernando assis pacheco (1937-1995)

 

GENÉRICO

 

E tu, meu pai? Adivinho esses vidrilhos

das lágrimas quebrando

um a um na boca triste mas

por dentro, para que digamos

mais tarde, sem invenção escusada:

o pai não chorou.

 

Eu soube das tuas fúrias

mordendo-se em silêncio,

ou de como te pões

às vezes tão de cinza.

O barco, o barco. Ficaremos

ainda estes minutos quantos.

Do que quiseres. E como quiseres.

Fala. Mas nada de telegramas

para depois da barra

- posso não os abrir,

juro que posso.

Se eu fosse um amigo, se estivesses

em frente dum copo.

Custava menos. Assim

deslizas a unha

pelo tecido da farda, inútil

dedo terno com os olhos longe.

O pai, que não chorou, tremia

de modo imperceptível.

 

Lembro-me da bebedeira

em Alpedrinha, na estalagem,

com o Luís Melo

subitamente velho.

«Tramados, pá, tramados.»

O carro falha, são as velas

os platinados sujos

«a puta que os pariu» (Luís).

 

Um último aceno só vinho

para estas adolescentes

ao balcão do bar e depois e depois?

 

Mas o pai não chora.

Segura-me pelo braço, não chora.

Eis o filho

dos anos meus incorruptíveis.

Nasceria de uma pedra.

Longe do mundo é que ele nasceu.

E não mo tireis nunca

ó cegos capitães!

 

Meia hora antes o pai

filmou o Tejo, as tropas.

Era um barco, um barco onde ele ia.

Era um barco cheio.

 

Poema de Fernando Assis Pacheco (CÃU KIÊN: UM RESUMO, 1972)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:19


#2373 - ANTI-ÉCLOGA

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.05.17

 JOSÉ MIGUEL SILVA

 

ANTI-ÉCLOGA

 

A verdade é que também as urtigas

me aborrecem. Esta doçura dos pássaros,

a silvestre quietude da tarde atravessada

pelo balido das ovelhas, grandes imitadoras

de Edith Piaf, tudo isso não chega a ser

tão daninho com a luz de um semáforo

vermelho, mas um pouco de sangue

na biqueira do sapato faz-me falta.

Faz-me falta praguejar, ter um lago

de cimento onde cuspir, obstáculos

de fogo, fantasias, a metralha dos calinos.

Não me sinto nada bem com a doçura,

com a paz dos ermitérios, de onde Deus

se retirou há quinze anos. Esta resignação

das árvores, dos faunos, das silvanas,

da restante bicharada típica dos lugares

onde sofrer é natural como estar só,

a conclusão é que não sei caminhar sem sapatos

que me apertem. As sandálias do pescador,

as botas do alpinista, não me levam

a lado nenhum. Detesto confessá-lo,

mas eu sou da cidade até à raiz do terror.

 

Não consigo viver sem o sasco de areia

onde exercito o excessivo golpe da exasperação.

Sem esse esbracejar a minha seiva coagula,

torna-se pastosa, sonolenta, felizita

como um rio de meandros preguiçosos,

lamacentos, imprestáveis - de que me serve

fingir o sossego a que não chego, brincar

às Arcádias em que não acredito?

Está decidido, prefiro sofrer.

Amanhã de manhã regresso ao abismo.

 

Poema de José Miguel Silva (Ulisses jã não mora aqui, 2002)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:42


#2372 - ALEGRIA, IMENSA ALEGRIA [SUKOT]

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.05.17

ALEGRIA, IMENSA ALEGRIA [SUKOT]

 

Povoa-nos, alegria. Habita em nós como um barco ilumina o oceano,

como um cavalo na intensidade da planície deserta

levanta os seus olhos até às hastes do plátano mais incandescente.

Constrói em nós a arquitectura das cidades do sul, o labirinto,

 

o oculto, a fome, a sede, a rapidez do nome, o seu despojamento

eterno, a água dos litorais, o Outono, a passagem das aves.

Povoa-nos, alegria imensa da alegria sem adorno, apenas

alegria sem deuses, nem a passagem, o sacrifício, as leis, os rios

 

do exílio, o êxodo, a sombra das cabanas, o sangue, a terra, o rosto

frio, os astros  perdidos, os lábios secos, o coração do deserto.

Povoa-nos como a uma pátria de exilados, como a um corpo sem vestes

 

nem fragmentos, colheitas, transpiração, ardor, uníssono.

Habita em nós, alegria da vastidão, começa em nós onde o tempo

sobrevive. Povoa-nos, alegria, envolve-nos sofregamente, veloz.

 

POEMA DE FRANCISCO JOSÉ VIEGAS - (AS IMAGENS, 1987)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:14


#2371 - David Sylvian - When Poets Dreamed of Angels

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30


#2370 - M83 - "Wait" (Official Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 15.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:53


#2369 - MONO - Where We Begin (Official Music Video)

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:19

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:58


#2367 - I was made to love Magic

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.05.17

 

 

RUI PIRES CABRAL

I Was Made To Love Magic

A manhã com as suas proibições
na tua fala. A claridade estava a crescer
numa cama que já se tinha atravessado no escuro
como uma nave enfileirando para a guerra.

Eu não tinha ficado para conhecer a vista
das tuas janelas: imaginava um pátio riscado por ervas
mas não cheguei a levantar as persianas.
Talvez fosse um sítio ao qual não se pudesse regressar
porque quando falávamos os nossos olhos
não coincidiam com nenhuma palavra.

Teria gostado de te levar comigo outra vez
mas era difícil recuperar as razões
para o desejo. E no caso de nos ter acontecido
uma mudança, onde é que havíamos de procurar
os seus indícios? Estavas a dar de comer aos peixes
e eu só falava em livros.

Rui Pires Cabral, in 'Música Antológica & Onze Cidades' ,1997

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09


#2366 - Sem título

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.05.17

Somos a circunstância

o acaso

o fortuito

a pedra no caminho

a árvore derrubada

a espada na garganta

a porta que se fecha

a porta que se abre

a alma do lugar de partida

o nervo do início do princípio.

 

Somos a consequência das

memórias acumuladas

a memória da matéria, dos átomos, dos nervos, do sangue.

A cabeça, os braços, as pernas farão

o caminho dos romeiros peregrinos

O coração e a alma, serão

o espírito e o reflexo

de todas as coisas vivas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58


#2365 - O MARQUÊS DE CHAMILLY A MARIANNA ALCOFORADO

por Carlos Pereira \foleirices, em 14.05.17

 ADÍLIA LOPES - PSEUDÓNIMO DE MARIA JOSÉ DA SILVA VIANA FIDALGO DE OLIVEIRA

O MARQUÊS DE CHAMILLY A MARIANNA ALCOFORADO

 

Minha senhora deve ter

uma coisa muito urgente e capital

a dizer-me

porque me tem escrito muito

e muitas vezes

porém lamento dizer-lho

mas não percebo

a sua letra

já mostrei as suas cartas

a todas as minhas amigas

e à minha mãe

e elas também não percebem bem

não me poderia dizer

o que tem a dizer-me

em maiúsculas?

ou pedir a alguém

com uma letra mais regular

que a sua

que me escreva

por si?

como vê tenho a maior boa vontade

em lhe ser útil

mas a sua letra minha senhora

não a ajuda

 

Poema de Adília Lopes (O Marquês de Chamilly (Kabale Und Liebe), 1987)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:29


#2364 - UM CÉU DE FUNCIONÁRIOS

por Carlos Pereira \foleirices, em 13.05.17

UM CÉU DE FUNCIONÁRIOS

 

Apetecia-lhe escarrar a alma contra o pára-brisas, para que esse escarro ficasse a boiar na solidão, a fazer corpo com ela, e aí se diluíssem os traços fisionómicos de todos os transeuntes. «Uma aberta», implorou mentalmente, «uma aberta», como se as nuvens lhe entrassem na garganta e a névoa o sufocasse. Ao aguardar vez para entrar num dos grandes eixos da cidade o aroma pisado a ervas trouxe-lhe dum tímido canteiro o primeiro sinal da primavera. Aspirou-o como se o esgotasse, como se tudo o que naquelas ervas houvesse de fragrância dentro de si pudesse fazer corpo com os olhos, os ouvidos e o palato. «Consubstanciação», pensou, «transubstanciação». Subitamente sucederam-se parkings, estações de  serviço, anúncios de escritórios, versiekerung, na própria treva que os portais bolçavam havia algo de estagnado, amarelado, a luz seguia algures o seu percurso, sentia a vida nos escapes dos camiões como se ao meterem as mudanças os condutores metessem outra realidade, era pelo menos essa a sensação que dava quando ouvidos na distância. Num carro ao lado beijavam-se dois heterossexuais aproveitando mais uma paragem forçada, semáforo ou novo engarrafamento.O que do almoço lhe restava na lembrança era mais real do que o que dele trazia no estômago, rua após rua, esquinas, travessas sucedendo-se às avenidas, gruas subitamente hieráticas, totémicas, um escarro, a luz tornando a solidão tangível, luz onde as janelas se rasgam como coisas vivas, como se por trás delas houvesse água, poços onde a treva fermentasse, de uma janela aberta chegaram-lhe aos ouvidos duas ou três notas de um piano, duas ou três notas musicais onde uma vida inteira se poderia cifrar, bastaria que para tanto se encontrasse uma forma, um estilo (diria o poeta), algo que nos seus moldes contivesse o esparramar da vida. Ia chegando atrasado, disso não havia a menor dúvida.

 

Como se algures, num plano que ele apenas intuía, a luz rodopiasse velozmente, sorvida por um invisível ralo que ele trouxesse dentro do seu espírito.

 

Um céu de funcionários.

 

Poema de Luís Miguel Nava retirado do livro «Poesia Completa - 1979/1994» com prefácio de Fernando Pinto do Amaral e organização e posfácio de Gastão Cruz, editado pelas Publicações Dom Quixote em Março de 2002

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:27

MICHEL ONFRAY

Michel Onfray, filósofo francês, 58 anos de idade, fundador da Universidade Popular de Caen é o autor de Décadence onde pretende demonstrar como as civilizações são fundadas sobre religiões, como elas nascem, crescem, conquistam, declinam e morrem.

Seu pensamento se caractriza pela afirmação da razão, do  hedonismo e de um ateísmo militante  e é influenciado por Friedrich Nietzche, Albert Camus, Michel Foucault, etc...

 

As pessoas preferem uma ilusão que lhes dê segurança a uma verdade que as inquiete. Antes fábulas que prometem que a morte não existe e que a vida continua depois do falecimento, do que uma verdade científica que traz a prova de que, uma vez mortos, apenas conhecemos a decomposição e o vazio
Michel Onfray
 
Pode ler aqui a entrevista conduzida por JAN LE BRIS DE KERNE e publicada no jornal online PÚBLICO de hoje.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:42


#2362 - ATRÁS DA PÁGINA

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.17

LUÍS MIGUEL NAVA

(BIOGRAFIA) 

 

ATRÁS DA PÁGINA

 

As mãos no poema, pelas páginas

acima escoam-se os espelhos, a trovoada

vermelha emerge das imagens. A trovoada

redonda. Uma revoada

de espelhos é a alba, há poços nos espelhos

onde a nudez

se precipita, a luz mordendo a água.

 

Do poema vêem-se as trovoadas

imóveis

atrás da página, as imagens,

da alba, as dum rapaz arriando a noite, os astros

a afluirem-lhe aos cabelos. Vêem-se

à tona da trovoada os lenços

caindo  na manhã, com as veias do rapaz

as desta a confundirem-se, depois

os poços da nudez abertos pelos astros.

 

Esse rapaz as suas próprias veias

o amarram à manhã.

Não me olhar ele ateia-me. Pequenos

incêndios, os da abóbada

do poema, arrancam-lhe a nudez.

Está alguém ao poema como a um espelho.

 

POEMA DE LUÍS MIGUEL NAVA, DO LIVRO "POESIA COMPLETA - 1979/1994", EDIÇÃO PUBLICAÇÕES DOM QUIXOTE, MARÇO DE 2002. O LIVRO TEM O PREFÁCIO DE FERNANDO PINTO DO AMARAL E A ORGANIZAÇÃO E POSFÁCIO DE  GASTÃO CRUZ

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:56


#2361 - Morreu o escritor brasileiro Antonio Candido de Mello e Souza

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.17

ANTONIO CANDIDO DE MELLO E SOUZA (1918-2017)

 

Morreu António Candido de Mello e Souza aos 98 anos.

Escritor, crítico literário, sociólogo e professor universitário foi, também, um reputadíssimo estudioso da literatura brasileira e estrangeira.

Vulto maior da cultura brasileira, foi galardoado com o Prémio Camões em 1998.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29


#2360 - "A Change is Gonna Come" Brian Owens and Thomas Owens

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23


#2359 - Mahalia Jackson - Trouble Of The World

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13


#2358 - Mighty Sam McClain - When The Hurt Is Over

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:57


#2357 - Gary B.B. Coleman - The Sky is Crying

por Carlos Pereira \foleirices, em 12.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:53


#2356 - Marissa Nadler ~ The Wrecking Ball Company

por Carlos Pereira \foleirices, em 11.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


#2355 - Mark Lanegan - Gargoyle - Goodbye To Beauty

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:28


#2354 - memoryhouse - caregiver

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:19


#2353 - Jóhann Jóhannsson / "A Pile Of Dust"

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15


#2352 - Douglas Dare - Clockwork

por Carlos Pereira \foleirices, em 10.05.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01


#2351 - FUNCHAL

por Carlos Pereira \foleirices, em 09.05.17

TOMAS TRANSTRÖMER

FUNCHAL

 

Na praia, o restaurante, qual simples cabana levantada por náufragos. Muitos dão meia-volta ao chegar à porta, mas não os pés de vento vindos do mar. Num compartimento fumegante, um vulto, de pé, frita dois peixes segundo uma antiga receita do Atlântico: prquenas explosões de alho, azeite que ensopa rodelas de tomate. Cada garfada diz-nos que o oceano nos quer bem, é um canto a meia-voz vindo do profundo.

 

Olhamos um para o outro, ela e eu. É como subir por aquelas encostas acima, cobertas de flores silvestres, sem acusar o menor sinal de fadiga. Já tivemos tantas experiências juntos, recordamos nós, até momentos de que não éramos especialmente merecedores (como quando nos pusemos na bicha para dar sangue ao gigante do bem-estar - ele tinha ordenado transfusões (1)), acontecimentos que nos teriam separado se não nos tivessem unido, e recordámos casos que esquecemos juntos - mas que não se esqueceram de nós! Foram pedras, umas escuras, outras claras, pedras de um mosaico delapidado. E agora sucede isto: os cacos que esvoaçaram reúnem-se, o mosaico fica restaurado. Fica à nossa espera. Da parede do hotel refulge um design violento e terno, talvez seja até um rosto, não conseguimos apercerber-nos tal a pressa com que nos livrámos das roupas.

 

À tardinha, saímos. A pata enorme, de um azul-escuro, que é o cabo, parece ter sido atirada assim para o mar. Entramos no remoinho de gente: encontrões amistosos, suaves controlos, toda a gente a falar com vivacidade o idioma estrangeiro. "Ninguém é uma ilha." Fortalecemo-nos com os outros, mas também com nós próprios. Com aquilo que, dentro de nós, o outro não vê. Aquilo que tem o seu igual só em si mesmo. O paradoxo mais profundo, a flor que brota do chão da garagem, o ventilador voltado para o negrume benéfico. Uma bebida efervescente num copo vazio. Um altifalante que emite silêncio. Um atalho que fica intransitável à medida que por ele avançamos. Um livro que só pode ser lido nas trevas.

 

(1) Alusão às exortações à população sueca, por parte dos serviços do Estado.

 

Texto retirado do livro "50 Poemas" do poeta sueco Tomas Tranströmer nascido na cidade de Estocolmo a 15 de Abril de 1931. Com formação em Psicologia, História das Literatura e História das Religiões, publicou o seu primeiro livro «17 Poemas» em 1954. Ao longo da sua vida recebeu vários prémios de poesia e literatura (como o Prémio Internacional Neustadt e o do Forum de Poesia Internacional.

 

Em 2011 foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Literatura.

 

"50 Poemas" foi editado por Relógio D' Água Editores, em Julho de 2012, e a tradução do sueco foi feita por Alexandre Pastor

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Links

Outras Foleirices

Comunicação Social

Lugares de culto e cultura

Dicionários

Mapas

Blogómetro

Editoras

FUNDAÇÕES

Revistas